A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CULTIVO DA ESPIRITUALIDADE Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro: Configurar-se com Cristo. Pe. Pius, 2005 – p. 93-95 Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CULTIVO DA ESPIRITUALIDADE Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro: Configurar-se com Cristo. Pe. Pius, 2005 – p. 93-95 Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro:"— Transcrição da apresentação:

1 CULTIVO DA ESPIRITUALIDADE Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro: Configurar-se com Cristo. Pe. Pius, 2005 – p Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro: Configurar-se com Cristo. Pe. Pius, 2005 – p

2 1. “SENTIR E SABOREAR INTERNAMENTE” EE 2 Não é apenas saber, conhecer intelectualmente; É sentir e saborear o amor de Deus; Não é apenas saber, conhecer intelectualmente; É sentir e saborear o amor de Deus;

3 EXIGÊNCIAS: Entrega confiante a Deus, Deixar-se possuir e conduzir pela ação do Espírito Santo, Entrega humilde, generosa e despretensiosa a Jesus Cristo, EXIGÊNCIAS: Entrega confiante a Deus, Deixar-se possuir e conduzir pela ação do Espírito Santo, Entrega humilde, generosa e despretensiosa a Jesus Cristo,

4 Enraizar e alicerçar a vida no mistério do amor de Jesus. Em Jesus descobrir e saborear o mistério da própria vida. É uma experiência que se processa no profundo da pessoa. Atinge o “eu autêntico”, lá onde Deus a acalenta na palma de Suas mãos. Enraizar e alicerçar a vida no mistério do amor de Jesus. Em Jesus descobrir e saborear o mistério da própria vida. É uma experiência que se processa no profundo da pessoa. Atinge o “eu autêntico”, lá onde Deus a acalenta na palma de Suas mãos.

5 A pessoa deixa que a essência do seu ser seja tocada por Jesus Cristo e, como efeito, seja fortalecida n’Ele (cf. Cl 1,17). Jesus a liberta da trama do “falso eu”. A pessoa deixa que a essência do seu ser seja tocada por Jesus Cristo e, como efeito, seja fortalecida n’Ele (cf. Cl 1,17). Jesus a liberta da trama do “falso eu”.

6 Tal experiência de fé, proporciona um crescimento na liberdade de espírito E na entrega gratuita e amorosa a Deus e aos irmãos. Tal experiência de fé, proporciona um crescimento na liberdade de espírito E na entrega gratuita e amorosa a Deus e aos irmãos.

7 2. DEIXAR-SE ATRAIR PELA PESSOA DE JESUS

8 O cultivo da espiritualidade se realiza num processo de interação. A experiência de oração tem sua raiz e razão de ser, na maneira como Deus se revela e fala com a pessoa - Moisés (cf. Ex 3,2-6). Crer em Deus = deixar-se “prender” pelo magnetismo do amor e da presença de Deus. O cultivo da espiritualidade se realiza num processo de interação. A experiência de oração tem sua raiz e razão de ser, na maneira como Deus se revela e fala com a pessoa - Moisés (cf. Ex 3,2-6). Crer em Deus = deixar-se “prender” pelo magnetismo do amor e da presença de Deus.

9 A espiritualidade é um valor inestimável. É dádiva de Deus. É sopro do Espírito de Deus em nós. Da nossa parte, exige apenas ouvir e abrir a porta da nossa casa, para Ele entrar e cear conosco, e nós com Ele (cf. Ap 3,20). A própria vida é a “mesa do encontro” e o “lugar” da revelação de Deus. A espiritualidade é um valor inestimável. É dádiva de Deus. É sopro do Espírito de Deus em nós. Da nossa parte, exige apenas ouvir e abrir a porta da nossa casa, para Ele entrar e cear conosco, e nós com Ele (cf. Ap 3,20). A própria vida é a “mesa do encontro” e o “lugar” da revelação de Deus.

10 A espiritualidade e a experiência de oração abrangem as várias dimensões da vida. Um sincero encontro com Jesus provoca uma mudança e real transformação de vida. Esta mudança do desejo de permanecer com Jesus e de fidelidade a Ele. É a experiência de deixar-se cativar pela Sua pessoa e pelo Seu amor. A espiritualidade e a experiência de oração abrangem as várias dimensões da vida. Um sincero encontro com Jesus provoca uma mudança e real transformação de vida. Esta mudança do desejo de permanecer com Jesus e de fidelidade a Ele. É a experiência de deixar-se cativar pela Sua pessoa e pelo Seu amor.

11 Quando a pessoa se deixa “tocar” pela presença amorosa de Deus e Sua Palavra, então, a transformação acontece. Nasce uma nova visão. Reveste-se de um novo sentido. Forma-se um “novo” referencial interno. Para a pessoa, esse referencial é de um valor inestimável. É o que a mantém conectada com Ele. Quando a pessoa se deixa “tocar” pela presença amorosa de Deus e Sua Palavra, então, a transformação acontece. Nasce uma nova visão. Reveste-se de um novo sentido. Forma-se um “novo” referencial interno. Para a pessoa, esse referencial é de um valor inestimável. É o que a mantém conectada com Ele.

12 A interação e a intercomunicação com Jesus fazem crescer na fé, organizam e harmonizam a vida: os dinamismos internos, as motivações e o modo de ser e de agir. Um cultivo profundo e sincero da espiritualidade, provoca uma transformação da mente, do coração, da vontade. Dissolvem-se as confusões, os bloqueios, os apegos afetivos e outras dimensões desordenadas. A interação e a intercomunicação com Jesus fazem crescer na fé, organizam e harmonizam a vida: os dinamismos internos, as motivações e o modo de ser e de agir. Um cultivo profundo e sincero da espiritualidade, provoca uma transformação da mente, do coração, da vontade. Dissolvem-se as confusões, os bloqueios, os apegos afetivos e outras dimensões desordenadas.

13 Os exercícios de oração são “alimentos vitaminados” para a vida. A perseverança no cultivo de uma vida de oração causa, suave e lentamente, uma transformação benéfica na vida e efeitos terapêuticos. A pessoa pode curar-se de ferimentos espirituais, morais, afetivos, relacionais e físicos. Os exercícios de oração são “alimentos vitaminados” para a vida. A perseverança no cultivo de uma vida de oração causa, suave e lentamente, uma transformação benéfica na vida e efeitos terapêuticos. A pessoa pode curar-se de ferimentos espirituais, morais, afetivos, relacionais e físicos.

14 A vida de oração revitaliza a pessoa, quando movida pela ação do Espírito. É o Espírito que desobstrui os canais internos de interação e de comunicação. Ele desvencilha a pessoa de ferimentos, mágoas e apegos, fortificando-a na fé, na confiança e no amor fraterno. A vida de oração revitaliza a pessoa, quando movida pela ação do Espírito. É o Espírito que desobstrui os canais internos de interação e de comunicação. Ele desvencilha a pessoa de ferimentos, mágoas e apegos, fortificando-a na fé, na confiança e no amor fraterno.

15 A experiência de oração harmoniza a pessoa entre o que é e o que deseja ser. Enquanto a pessoa caminha animada pela Palavra de Deus e movida pela ação do Espírito Santo, será “curada” de suas “enfermidades” (cf. Lc 17,11-19). A vida é unidade existencial. É única e irrepetível. A experiência de oração harmoniza a pessoa entre o que é e o que deseja ser. Enquanto a pessoa caminha animada pela Palavra de Deus e movida pela ação do Espírito Santo, será “curada” de suas “enfermidades” (cf. Lc 17,11-19). A vida é unidade existencial. É única e irrepetível.

16 A espiritualidade cristã que não atinge todo o ser, geralmente, não transforma e nem provoca um crescimento na fé e na vivência das relações interpessoais. Há uma impenetrabilidade espiritual, semelhante a um cisne que mergulha no lago e, ao sair, sacode-se e está todo enxuto. A espiritualidade cristã que não atinge todo o ser, geralmente, não transforma e nem provoca um crescimento na fé e na vivência das relações interpessoais. Há uma impenetrabilidade espiritual, semelhante a um cisne que mergulha no lago e, ao sair, sacode-se e está todo enxuto.

17 O crescimento interior não é linear e uniforme. Cada pessoa desenvolve seu ritmo próprio, tendo como pressuposto um empenho sincero da parte dela. É preciso que encare a vida como um itinerário. O crescimento interior não é linear e uniforme. Cada pessoa desenvolve seu ritmo próprio, tendo como pressuposto um empenho sincero da parte dela. É preciso que encare a vida como um itinerário.

18 Jesus confia esta verdade aos discípulos, dizendo: “tenho ainda muito a vos dizer, mas não podeis agora suportar. Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos guiará na verdade plena” (Jo 16,12- 13). Assim, elimina-se a ilusão perfeccionista e farisaica de “ter chegado” à meta. A pessoa sempre está em processo de crescimento, até a hora da morte. Eterna peregrina, rumo à casa do Pai. Jesus confia esta verdade aos discípulos, dizendo: “tenho ainda muito a vos dizer, mas não podeis agora suportar. Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos guiará na verdade plena” (Jo 16,12- 13). Assim, elimina-se a ilusão perfeccionista e farisaica de “ter chegado” à meta. A pessoa sempre está em processo de crescimento, até a hora da morte. Eterna peregrina, rumo à casa do Pai.

19 3. CAMINHOS QUE LEVAM À ORAÇÃO CONTEMPLATIVA

20 Segundo a proposta de Santo Inácio, nos Exercícios Espirituais, leva a pessoa a participar da cena que contempla: “com os olhos da imaginação ver, ouvir e observar. Ver as pessoas, ouvir o que falam e observar o que fazem. Interargir: sentir com, ser prestativo, perguntar, dialogar...” (cf. EE 47; 92-93; 95-97; ; ; ; ). Segundo a proposta de Santo Inácio, nos Exercícios Espirituais, leva a pessoa a participar da cena que contempla: “com os olhos da imaginação ver, ouvir e observar. Ver as pessoas, ouvir o que falam e observar o que fazem. Interargir: sentir com, ser prestativo, perguntar, dialogar...” (cf. EE 47; 92-93; 95-97; ; ; ; ).

21 Trata-se de entrar livre e gratuitamente na cena. Deixar-se envolver, conduzir e interpelar pela presença e ação dos personagens da cena. Esta atitude de entrega confiante exige um desapego e uma desapropriação de si, das seguranças adquiridas. Das idéias, dos afetos. O abandono à ação providente do Espírito de Deus é a exigência da experiência contemplativa gratuita e despretensiosa. Trata-se de entrar livre e gratuitamente na cena. Deixar-se envolver, conduzir e interpelar pela presença e ação dos personagens da cena. Esta atitude de entrega confiante exige um desapego e uma desapropriação de si, das seguranças adquiridas. Das idéias, dos afetos. O abandono à ação providente do Espírito de Deus é a exigência da experiência contemplativa gratuita e despretensiosa.

22 Não pretender antecipar a experiência, fazendo-se protagonista da oração. O protagonismo do “querer” da pessoa a mantém preocupada e ocupada com os seus problemas e interesses, com as suas aparências e glórias, com suas pretensões e vantagens, que a mantém na superfície e na dispersão, girando em torno de si mesma. Não pretender antecipar a experiência, fazendo-se protagonista da oração. O protagonismo do “querer” da pessoa a mantém preocupada e ocupada com os seus problemas e interesses, com as suas aparências e glórias, com suas pretensões e vantagens, que a mantém na superfície e na dispersão, girando em torno de si mesma.

23 O foco de atenção da pessoa deve centrar-se na pessoa de Jesus. O apelo é tornar-se como criança indefesa que tudo necessita receber. Entregar o seu coração ao Espírito Santo. O foco de atenção da pessoa deve centrar-se na pessoa de Jesus. O apelo é tornar-se como criança indefesa que tudo necessita receber. Entregar o seu coração ao Espírito Santo.

24 Trata-se de uma renúncia ao protagonismo da sua mente, da sua vontade, do seu coração e das suas seguranças protetoras e defensivas. É morrer para si e abrir-se, livre e gratuitamente, à ação de Deus. Trata-se de uma renúncia ao protagonismo da sua mente, da sua vontade, do seu coração e das suas seguranças protetoras e defensivas. É morrer para si e abrir-se, livre e gratuitamente, à ação de Deus.

25 O exercício de relaxar, ou aquietar o corpo, a mente, a vontade, os sentimentos e todo o ser, ajuda a criar um clima de silêncio interior, de entrega e de acolhida à ação do Espírito. É o que São Paulo diz: “o que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem não percebeu, foi isso que Deus preparou para aqueles que o amam....” (1Cor 2,9-12). O exercício de relaxar, ou aquietar o corpo, a mente, a vontade, os sentimentos e todo o ser, ajuda a criar um clima de silêncio interior, de entrega e de acolhida à ação do Espírito. É o que São Paulo diz: “o que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem não percebeu, foi isso que Deus preparou para aqueles que o amam....” (1Cor 2,9-12).

26 4. EXIGÊNCIAS DA ORAÇÃO CONTEMPLATIVA 4. EXIGÊNCIAS DA ORAÇÃO CONTEMPLATIVA

27 A oração contemplativa é a ação do Espírito de Deus presente e atuante na pessoa. É dádiva de Deus à pessoa. As faculdades humanas devem assumir uma posição silenciosa, receptiva e gratuita. Devem evitar julgar, analisar, interpretar, controlar e justificar. A oração contemplativa é a ação do Espírito de Deus presente e atuante na pessoa. É dádiva de Deus à pessoa. As faculdades humanas devem assumir uma posição silenciosa, receptiva e gratuita. Devem evitar julgar, analisar, interpretar, controlar e justificar.

28 Precisa confiar-se e entregar-se como barro nas mãos do divino Oleiro (cf. Jr 18,1-6). Deixar-se modelar por Ele.

29 Ser despretensioso, desprendido de tudo, com o olhar centrado em Jesus e, com Ele, viver a oferta ao Pai. Ele conhece as necessidades e os limites da pessoa. Ser despretensioso, desprendido de tudo, com o olhar centrado em Jesus e, com Ele, viver a oferta ao Pai. Ele conhece as necessidades e os limites da pessoa.

30 Ao entrar no Mistério, a palavra é dispensada. Há só silêncio. Silêncio significa deixar o Espírito trabalhar. Ele move o germe da vida para liberar a vida. Neste silêncio, as “películas” da semente se rompem. As “máscaras” perdem a sua força. É Deus que realiza o crescer (cf. 1Cor 3,7). Ao entrar no Mistério, a palavra é dispensada. Há só silêncio. Silêncio significa deixar o Espírito trabalhar. Ele move o germe da vida para liberar a vida. Neste silêncio, as “películas” da semente se rompem. As “máscaras” perdem a sua força. É Deus que realiza o crescer (cf. 1Cor 3,7).

31 A experiência contemplativa é fruto da ação do Espírito, que exige fé, confiança entrega e despojamento total.

32 5. DISCERNIMENTO DA EXPERIÊNCIA CONTEMPLATIVA

33 Os exercícios de oração, na caminhada espiritual, exigem discernimento dos espíritos que movem a pessoa durante a experiência contemplativa.

34 O exame de consciência, a revisão da oração é uma ferramenta que ajuda a pessoa a tomar consciência da ação do Espírito de Deus no seu íntimo e das formas, pelas quais Ele se manifesta. Desenvolve uma atitude de vigilância à ação do Espírito Santo. Faz perceber se é dócil ou não à ação do Espírito. Mostra-lhe como ela procede e vive a interação com as pessoas. O modo como acolhe, no seu coração, as necessidades dos outros. O quanto é receptivo para acolher, sem mérito seu, a ação do Espírito. O exame de consciência, a revisão da oração é uma ferramenta que ajuda a pessoa a tomar consciência da ação do Espírito de Deus no seu íntimo e das formas, pelas quais Ele se manifesta. Desenvolve uma atitude de vigilância à ação do Espírito Santo. Faz perceber se é dócil ou não à ação do Espírito. Mostra-lhe como ela procede e vive a interação com as pessoas. O modo como acolhe, no seu coração, as necessidades dos outros. O quanto é receptivo para acolher, sem mérito seu, a ação do Espírito.

35 “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo” (Ap 3,20).


Carregar ppt "CULTIVO DA ESPIRITUALIDADE Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro: Configurar-se com Cristo. Pe. Pius, 2005 – p. 93-95 Síntese e Slides: Ir. Cris, CSC Livro:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google