A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profa. Maria Auxiliadora1 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profa. Maria Auxiliadora1 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas."— Transcrição da apresentação:

1 Profa. Maria Auxiliadora1 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Modelagem dos dados – Nós não somos capazes de representar tudo o que imaginamos. – Nós somente representamos o que é interessante.

2 Profa. Maria Auxiliadora2 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Faz uma representação gráfica do esquema de dados; Descreve relacionamentos entre objetos de dados; Conduz à modelagem de dados; Atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados Descrição de Objetos de Dados; Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

3 Profa. Maria Auxiliadora3 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Quais são os objetos de dados a serem processados pelo sistema? Qual é a composição de cada objeto de dado e quais atributos descrevem o objeto? Onde os objetos estão localizados? Quais são os relacionamentos entre os objetos? Qual é o relacionamento entre os objetos e os processos que os transformam? Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

4 Profa. Maria Auxiliadora4 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. MODELO DE DADOS OBJETIVO  Se chegar a um modelo teoricamente independente de máquina. * * Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

5 Profa. Maria Auxiliadora5 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Notação ENTIDADE Relacionamento Objetos (Forma como iteragem) ATRIBUTOS (Descrição) Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

6 Profa. Maria Auxiliadora6 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ENTIDADE - todas as coisas que podemos observar no nosso cotidiano. Entidades de um mesmo tipos são agrupadas em Classes de Entidade. Cada ocorrência dentro de Classe de Entidade é denominado Instância de Entidade. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

7 Profa. Maria Auxiliadora7 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. FUNCIONÁRIO DEPARTAMENTO COR PRODUTO LIVRO Entidade Representando objetos Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

8 Profa. Maria Auxiliadora8 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Entidade Representando Evento  Cliente faz pedido Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) PEDIDO ( representa Pedido de Venda)

9 Profa. Maria Auxiliadora9 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ENTIDADE - Identifique a partir de um contexto. COR Contexto Fabricante é um OBJETO  ENTIDADE Contexto Revenda de Carro é uma CARACTERÍSTICA  ATRIBUTO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

10 Profa. Maria Auxiliadora10 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ATRIBUTOS - propriedade da entidade. descrição através de suas características particulares. MatriculaNomeData Admissão 0001João12/01/ Maria23/06/ Carlos20/07/2010 Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

11 Profa. Maria Auxiliadora11 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. TIPOS DE ATRIBUTOS SIMPLES  Atributo indivisíveis  nome, salário, cargo... COMPOSTO ou CONCATENADO  Conjunto de vários atributos.  endereço  rua,número,bairro,CEP MULTIVALORADOS  Multivalente  telefone *  [resid | celular | comercial ] Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

12 Profa. Maria Auxiliadora12 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Estudo de Caso 1 - Exemplificar um objeto com suas características dentro do contexto para a Contratação de Modelos Fotográficos. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

13 Profa. Maria Auxiliadora13 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Estudo de Caso 1 - Exemplificar um objeto com suas características dentro do contexto para a Contratação de Modelos Fotográficos. nome peso cor altura medidas CANDITADOS Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

14 Profa. Maria Auxiliadora14 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Toda ENTIDADE deve ter um IDENTIFICADOR ÚNICO  Um ou mais atributos de uma entidade cujo conteúdo individualiza uma única ocorrência desta Entidade. Este atributo tem a função de atuar como identificador único das instâncias da entidade e é denominado de CHAVE PRIMÁRIA. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

15 Profa. Maria Auxiliadora15 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo:  matrícula  identifica a Entidade FUNCIONÁRIO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) MatriculaNomeData Admissão 0001João12/01/ Maria23/06/ Carlos20/07/2010

16 Profa. Maria Auxiliadora16 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. TIPOS DE ENTIDADE: ENTIDADE FRACA GENERALIZAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

17 Profa. Maria Auxiliadora17 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ENTIDADE FRACA  não tem vida própria DEPENDENTE FUNCIONÁRIO Tem Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

18 Profa. Maria Auxiliadora18 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Uma entidade fraca pode ser identificada considerando a chave primaria de outra entidade (proprietária). Conjuntos de entidades proprietárias e conjuntos de entidades fracas tem que participar em conjunto de relacionamentos um- para- muitos. Conjuntos de entidades fracas tem que ter participação total neste conjunto de relacionamento identificadores. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

19 Profa. Maria Auxiliadora19 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. GENERALIZAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO Ocorre quando uma entidade possui atributos que não fazem parte de todas as instâncias da entidade ou quando estas instâncias se relacionarem de maneira diferente com outras entidades. Para adicionar atributos descritivos para uma sub-classe. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

20 Profa. Maria Auxiliadora20 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. MOTORISTAENGENHEIRO EMPREGADO TIPO Exemplo1 Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

21 Profa. Maria Auxiliadora21 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Emp_ContratadoEmp_horista EMPREGADO TIPO Exemplo2 Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

22 Profa. Maria Auxiliadora22 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo3 - inverso CLIENTE CARTÃO DE CRÉDITO CLIENTE A DINHEIRO CLIENTE CARTÃO DE CRÉDITO CLIENTE A DINHEIRO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

23 Profa. Maria Auxiliadora23 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo4 - inverso SÓCIO DT-ASSOC. No. SÓCIO SÓCIO PESSOA-FÍSICA SÓCIO PESSOA- JURÍDICA CPF NOME NASC. SEXO CGC RAZÃO RAMO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

24 Profa. Maria Auxiliadora24 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Representação do DER ¨ PARTE ESTÁTICA  ENTIDADE ATRIBUTOS ¨ PARTE DINÂMICA  RELACIONAMENTO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

25 Profa. Maria Auxiliadora25 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo Clientes solicitam Produtos que geram Pedidos de Vendas quando aprovados; os Pedidos possuem Produtos em quantidades e preços diferentes que são faturados através da Nota fiscal, que é paga em parcelas pelas Duplicatas, etc. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

26 Profa. Maria Auxiliadora26 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) CLIENTE PEDIDO PRODUTO faz composto

27 Profa. Maria Auxiliadora27 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ¨ RELACIONAMENTO  descreve cronologicamente a dinâmica. Sendo que para cada relacionamento é registrado um tipo de movimento. DEPARTAMENTO FUNCIONÁRIO Lotação lota lotado em Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

28 Profa. Maria Auxiliadora28 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ¨ Tipos de Relacionamento   POSSE FUNCIONÁRIO Possui DEPENDENTE CLIENTE Possui CONTA_BANCÁRIA  COMPOSIÇÃO COMPONENTE Compõe PRODUTO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

29 Profa. Maria Auxiliadora29 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ¨ Tipos de Relacionamento   GERAÇÃO / ORIGEM COTAÇÃO Gera PEDIDO  ALOCAÇÃO ANALISTA é_alocado_em PROJETO Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

30 Profa. Maria Auxiliadora30 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ¨ Exemplo 1  Funcionário participa de curso e temos o controle do inicio do curso, fim do curso e nota do curso. Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

31 Profa. Maria Auxiliadora Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. 31 FUNCIONÁRIO CURSO Participação matrícula código_curso Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

32 Profa. Maria Auxiliadora Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. 32 inicio fim conceito FUNCIONÁRIO CURSO Participação matrícula código_curso Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

33 Profa. Maria Auxiliadora33 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ¨ Exemplo 2  Carlos Lopes, engenheiro em informática, 43 anos, possui um Gol 2000, cor cinza, desde de Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

34 Profa. Maria Auxiliadora34 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ¨ Exemplo 2  SUBSTANTIVO  conjunto de Entidades. ADJETIVO  atributo do conjunto VERBO  relacionamento ADVERBIO  atributo do relacionamento Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

35 Profa. Maria Auxiliadora35 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. PESSOAS AUTOS Possuir Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

36 Profa. Maria Auxiliadora36 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ano_aquisição PESSOAS AUTOS Possuir CPF nome profissão v chassiano_fab marca Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

37 Profa. Maria Auxiliadora37 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ¨ Exemplo 3  Sandra Maria, engenheira naval,23 anos, Analista de Sistema; tem especialização em banco de dados, Linguagem de Quarta Geração e Modelagem de Dados. Possui um Gol 2000 cor verde desde Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

38 Profa. Maria Auxiliadora38 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ano_aquisição PESSOAS AUTOS Possuir CPF nome profissão chassi ano_fab marca Notação Peter Chen Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

39 Profa. Maria Auxiliadora39 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. ano_aquisição PESSOAS AUTOS Possui CPF nome profissão chassi ano_fab marca ESPECIALIZAÇÃO Tem tipo_espec Notação Peter Chen Diagrama Entidade-Relacionamento (DER)

40 Profa. Maria Auxiliadora40 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Define o número de ocorrências de uma Entidade que pode estar envolvida em um relacionamento; Indica a relação existente entre todas as linhas de uma Entidade “A” com todas as linhas de uma Entidade “B”; É um indicador de opcionalidade, unicidade e multiplicidade dos relacionamento entre duas Entidades, determinando o mínimo e o máximo de ocorrências. CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS (Informação Semântica)

41 Profa. Maria Auxiliadora41 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Conjuntos de relacionamentos que envolvem dois conjuntos de entidades são binários (ou de grau dois).  Conjuntos de relacionamentos podem envolver mais que dois conjuntos de entidades. Os conjuntos de entidades cliente, empréstimo, agência podem ser “ligados” por um conjunto de relacionamentos ternário (grau três). CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS (Informação Semântica)

42 Profa. Maria Auxiliadora42 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS APLICAÇÕES SOBRE DADOS P1 P2 P3 P4 Q1 Q2 Q3 P = { p1, p2, p3, p4} Q = { q1, q2, q3 } A A = { (p1,q1),( p2,q1), (p3,q2), (p3,q3),(p4,q4) } domínio imagem

43 Profa. Maria Auxiliadora43 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS APLICAÇÕES SOBRE DADOS - Definição Formal: Sejam E1 e E2 conjuntos de entidades. Um conjunto de relacionamentos binários R é um subconjunto de: {(e 1, e 2 )  e 1  E 1  e 2  E 2 }, onde (e 1, e 2 ) é um relacionamento.

44 Profa. Maria Auxiliadora44 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS APLICAÇÕES SOBRE DADOS –um-para-um (1:1) => ”um marido pode ter somente uma esposa e vice- versa” H Adão Romeu Eva Maria Julieta M José C

45 Profa. Maria Auxiliadora45 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS APLICAÇÕES SOBRE DADOS – Aplicação 1:1  Domínio e Imagem podem ser fundidos Adão,Eva José,Maria Romeu,Julieta C’

46 Profa. Maria Auxiliadora46 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS APLICAÇÕES SOBRE DADOS –um-para-muitos (1:N) => ”uma marido pode ter muitas esposas, mas uma esposa tem apenas um marido. H Adão Romeu Eva Maria Julieta M José P Cobra

47 Profa. Maria Auxiliadora47 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS APLICAÇÕES SOBRE DADOS muitos-para-muitos (M:N) => ”um marido pode ter várias mulheres, e uma mulher pode ter vários maridos Eva Maria Julieta M H Adão Romeu José P

48 Profa. Maria Auxiliadora48 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Notação - Peter Chen FUNCIONÁRIO Gerencia DEPART. 11 Muitos-para-um ( N : 1) Um-para-um ( 1 : 1) FUNCIONÁRIO Lota DEPART. N1 Muitos-para-muitos ( N : N) FUNCIONÁRIO Faz CURSO NN

49 Profa. Maria Auxiliadora49 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Notação James Martin EmpregadoDepartamento Exemplo de Modelagem, onde: = muitos = um = a ocorrência do relacionamento é opcional ; = a ocorrência do relacionamento é obrigatória ;

50 Profa. Maria Auxiliadora50 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Um-para-um (1: 1). FUNCIONÁRIO DEPART. FUNCIONÁRIO DEPART. Muitos-para-um ( N : 1) Muitos-para-muitos ( N : N) FUNCIONÁRIO CURSO gerencia faz-parte faz CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Notação James Martin

51 Profa. Maria Auxiliadora51 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Muitos-para-muitos ( N : N) Em cada funcionário, pode ter muitos cursos diferentes, e um curso pode ser feito por diversos funcionário. FUNCIONÁRIO CURSO

52 Profa. Maria Auxiliadora52 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Muitos-para-muitos ( N : N) fixa-se um atributo na entidade Func e variam-se os atributos da entidade Curso. Se o atributo muda de valor, então ele não é atributo de Func. Repete-se a regra no sentido inverso para verificar se é de Curso. Se o atributo não é de Func nem de Curso, é de R;

53 Profa. Maria Auxiliadora53 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Muitos-para-muitos ( N : N) FUNCIONÁRIO Data_inicio CURSO cod-func cod_curso+ cod_func + inicio_curso cod-curso

54 Profa. Maria Auxiliadora54 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. MODALIDADE DE UM RELACIONAMENTO MODALIDADE: indica se um elemento precisa ou não participar em um relacionamento; – relacionamento = 0 não é necessária a ocorrência do relacionamento, ele é opcional; – relacionamento = 1 uma ocorrência do relacionamento é obrigatória;

55 Profa. Maria Auxiliadora55 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO TOTAIS PARCIONAIS RECURSIVOS OU AUTO-RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO MÚLTIPLOS AGREGAÇÃO

56 Profa. Maria Auxiliadora56 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO Seja E conjunto de entidades e R conjunto de relacionamentos em que E participa. Se todo elemento de E deve estar obrigatoriamente em R, então R é TOTAL em E; caso contrário, R é PARCIAL em E.

57 Profa. Maria Auxiliadora57 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO TOTAL / PARCIAL Todo funcionário obrigatoriamente ( | ) lota um departamento, mas nem todo (0) departamento é lotado por funcionários FUNCIONÁRIO DEPART.

58 Profa. Maria Auxiliadora58 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO TOTAL / PARCIAL FUNCIONÁRIO DEPART. Todo funcionário ( | ) lota um departamento; todo departamento é lotado por vários ( ) funcionários

59 Profa. Maria Auxiliadora59 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO RECURSIVO - é aquele que associa elementos de um conjunto de entidades a elementos deste mesmo conjunto de entidades. FUNCIONÁRIO Gerência GERENCIA GERENCIADO 1N Funcionário desempenha o papel de gerente ou de subordinado

60 Profa. Maria Auxiliadora60 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO EXEMPLO CLÁSSICO DE RECURSIVIDADE PEÇAS Componentes NN compõeé composto por “motor” COMPOSTO POR parafuso “parafuso” COMPÕE “motor”

61 Profa. Maria Auxiliadora61 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO MÚLTIPLOS PROFESSOR DISCIPLINA Ensina 1 N ALUNO N ( P1,D1,A1 ) ( P1,D1,A2 )  Não pode existir ( P3,D1,A2 )

62 Profa. Maria Auxiliadora62 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO AGREGAÇÃO PROFESSOR DISCIPLINA Ensina 1 N ALUNO 1 Cursa N

63 Profa. Maria Auxiliadora63 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NORMAS P/ DESENHAR UM DER 1. Identificar os conjuntos de entidades e os conjuntos de relacionamento; Baseado numa descrição grifar todos os substantivos e circular os verbos que sejam relevantes. Os funcionários trabalham em departamento específico.

64 Profa. Maria Auxiliadora64 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NORMAS P/ DESENHAR UM DER Os funcionários trabalham em departamento específico. FUNCIONÁRIO DEPART. O funcionário fornece seu nome e CPF

65 Profa. Maria Auxiliadora65 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NORMAS P/ DESENHAR UM DER 2. Identificar as informações sobre características (classe) de cada conjunto de relacionamentos, tais como aplicações: 1:1, 1:N, e N:M; FUNCIONÁRIO DEPART.

66 Profa. Maria Auxiliadora66 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NORMAS P/ DESENHAR UM DER 3. Definição dos conjuntos de valores e atributos; Atributos, quando se tratar de uma característica comum a um conjunto de objetos. FUNCIONÁRIO  matricula  nome  sexo  data_nasc  endereço  salário  cargo DEPART.  cód_descrição  descrição

67 Profa. Maria Auxiliadora67 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NORMAS P/ DESENHAR UM DER 4. Identificar o(s) atributos identificar(es) ; FUNCIONÁRIO  matricula  nome  sexo  data_nasc  endereço  salário  cargo DEPART.  cód_descrição  descrição

68 Profa. Maria Auxiliadora68 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. NORMAS P/ DESENHAR UM DER 4 Dicionário de Dados. FUNCIONÁRIO = matricula + nome + sexo + data_nasc + endereço + salário + cargo DEPART. = cód_descrição + descrição

69 Profa. Maria Auxiliadora69 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo O cliente compra mercadorias na loja em várias datas. O cliente fornece seu nome e C.P.F. As mercadorias são identificadas pelo código de barras e possuem nomes reduzidos. Iogurte é a mercadoria preferida. A loja recebe fregueses de outras cidades também. As mercadorias possuem uma classificação : alimentícios, limpeza ou roupas. Os clientes recebem Nota Fiscal. As Notas Fiscais possuem Série e Número da Nota.

70 Profa. Maria Auxiliadora70 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo O cliente compra mercadorias na loja em várias datas. O cliente fornece seu nome e C.P.F. As mercadorias são identificadas pelo código de barras e possuem nomes reduzidos. Iogurte é a mercadoria preferida. A loja recebe fregueses de outras cidades também. As mercadorias possuem uma classificação : alimentícios, limpeza ou roupas. Os clientes recebem Nota Fiscal. As Notas Fiscais possuem Série e Número da Nota.

71 Profa. Maria Auxiliadora71 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo - CLIENTE MERCADORIA NOTA_FISCAL comprar CPF Nome_cli Cidade_cli Codigo_merc Nome_merc Classificação Num_NF Série_NF data

72 Profa. Maria Auxiliadora72 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo – análise da cardinalidade CLIENTE MERCADORIA NOTA_FISCAL comprar Um cliente pode comprar várias mercadorias. Isto significa que do lado da mercadoria a cardinalidade é N. N Um cliente pode possuir com várias notas fiscais. Isto significa que do lado da nota fiscal a cardinalidade é N. N

73 Profa. Maria Auxiliadora73 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo – análise da cardinalidade CLIENTE MERCADORIA NOTA_FISCAL comprar N N Uma mercadoria pode ser comprada pôr vários clientes. Isto significa que do lado dos clientes a cardinalidade é N. N N Uma mercadoria pode estar em várias notas fiscais. Isto significa que do lado das notas fiscais a cardinalidade é N.

74 Profa. Maria Auxiliadora74 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo – análise da cardinalidade CLIENTE MERCADORIA NOTA_FISCAL comprar N N N N Uma nota fiscal pode conter várias mercadorias. Isto significa que do lado das mercadorias a cardinalidade é N. N Uma nota fiscal será feita para apenas um cliente. Isto significa que do lado dos clientes a cardinalidade é 1. 1

75 Profa. Maria Auxiliadora75 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Relacionamento  indica se a entidade é fraca CLIENTE MERCADORIA NOTA_FISCAL comprar N N Cliente  existe mesmo sem fazer compra na loja. Mercadoria  uma mercadoria existe, apesar de ninguém tê- la comprado ainda. NOTA_FISCAL  depende da existência de uma compra para existir. Portanto, nota fiscal é fraca em relação a comprar.

76 Profa. Maria Auxiliadora76 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas. Exemplo CLIENTE MERCADORIA NOTA_FISCAL comprar N N N


Carregar ppt "Profa. Maria Auxiliadora1 Fonte: PRESSMAN, ROGER - Engenharia de Software - 6° Edição POMPILHO, S. Análise Essencial – Guia Prático de Análise de Sistemas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google