A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

 PROCESSOS IRREGULARES DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS[LEXICOLOGIA]  VALOR ASPECTUAL[SEMÂNTICA]  VALOR MODAL[SEMÂNTICA] - Trabalho realizado por: - Arly Correia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: " PROCESSOS IRREGULARES DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS[LEXICOLOGIA]  VALOR ASPECTUAL[SEMÂNTICA]  VALOR MODAL[SEMÂNTICA] - Trabalho realizado por: - Arly Correia."— Transcrição da apresentação:

1  PROCESSOS IRREGULARES DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS[LEXICOLOGIA]  VALOR ASPECTUAL[SEMÂNTICA]  VALOR MODAL[SEMÂNTICA] - Trabalho realizado por: - Arly Correia - Jorge Afonso - Maria do Sameiro

2  PROCESSOS IRREGULARES DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS

3 Processo através do qual uma palavra existente adquire um novo significado. Exemplos: As palavras "salvar", "portal" e "janela" adquiriram significados novos, no uso em informática, por extensão semântica

4 Processo de transferência de uma palavra de uma língua para outra. Exemplo: lingerie (palavra importada da língua francesa)

5 Processo irregular de formação de palavras que consiste na criação de uma palavra a partir da junção de partes de duas ou mais palavras.  Exemplos :  informática -> informação + automática; cibernauta -> cibernética + astronauta.

6  Palavra formada através da redução de um grupo de palavras às suas iniciais, as quais são pronunciadas de acordo com a designação de cada letra.  Exemplos:  Partido Comunista Português >PCP  Partido Social Democrata > PSD  Sporting Clube de Portugal > SCP

7  Palavra formada através da junção de letras ou sílabas iniciais de um grupo de palavras, que se pronuncia como uma palavra só, respeitando, na generalidade, a estrutura silábica da língua.  Exemplos:  Fundo de Apoio às Organizações Juvenis> FAOJ  Liga dos Amigos da Terceira Idade > LATI  FEderação Nacional de PROFessores> FENPROF

8  Processo irregular de formação de palavras que consiste na criação de uma palavra a partir do apagamento de parte da palavra de que deriva.  Exemplos:  metropolitano > metro  sociolinguística > sócio  José > Zé  hipermercado > hiper

9  Palavra criada por imitação de um som natural.  Exemplos:  trriiim !! > despertador  toc-toc > bater na porta  miaauuu !! > gato  ufa ! > interjeição  Nota: As onomatopeias diferem de língua para língua, conforme a percepção dos sons e suas respectivas transposições para o sistema fonológico das diversas línguas.

10  PROCESSOS IRREGULARES DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS  EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

11  VALOR ASPECTUAL

12 Exemplificação:  Todas as situações expressas nas frases seguintes podem ser localizadas temporalmente como anteriores ao momento em que as frases são produzidas.  No entanto, o seu valor aspectual é distinto:  A Maria já leu o livro. - sabe-se que a leitura do livro está acabada (aspecto perfectivo);  A Maria estava a ler o livro, quando a vi. - não é dada informação sobre a culminação da leitura do livro (aspecto imperfectivo);  Quando era nova, a Maria lia muitos livros. - a situação descrita corresponde a um hábito (aspecto habitual).

13  O Aspecto é uma categoria gramatical através da qual se exprime a maneira como uma situação é perspectivada, tendo em conta a sua estrutura temporal interna.  O valor aspectual de um enunciado é construído a partir de informação lexical e gramatical.

14  Valor aspectual expresso pelo significado de uma palavra ou conjuntos de palavras ou expressões do enunciado que apontam para determinadas características semânticas  [O aspecto lexical pode ser alterado em função do contexto gramatical em que a palavra ocorre ]  O aspecto lexical permite distinguir situações estativas (1) de eventos durativos (2) e eventos não durativos (3) :  (1)- O João sabe francês.  (2)- O João escreveu um livro.  (3) – O João espirrou.

15  Valor aspectual construído através da combinação entre a informação dada pelo aspecto lexical e o valor dos tempos verbais, de verbos auxiliares, de estruturas de quantificação, de tipos de nomes (contáveis/ não contáveis), ou de modificadores.

16  A ACÇÃO APRESENTA-SE COMO TERMINADA  O Rui já se vestiu.  A acção enunciada pelo verbo vestir-se está concluída e essa ideia é explicitada através do uso do pretérito perfeito simples do modo indicativo e reforçada, ainda, pelo uso do advérbio já  Nota: perfectivo = «que indica uma acção realizada e concluída»

17  A ACÇÃO É APRESENTADA COMO NÃO TERMINADA  O Rui estava a observar a paisagem.  O Sol subia no horizonte.  A acção é apresentada como algo que se prolonga, uma acção que ainda não está concluída. Essa ideia é explicitada através do uso do pretérito imperfeito do modo indicativo e do complexo verbal com o auxiliar estar  Nota: imperfectivo = «que ou o que indica acção em curso, não concluída»

18  Uma andorinha não faz a Primavera.  O uso do verbo no presente do modo indicativo faz permite interpretar o enunciado como contendo uma situação sempre verdadeira.  Com o aspecto genérico refere-se uma pluralidade de situações, encaradas como verdadeiras e atemporais.  Nota: genérico = «expresso ou tratado em termos vagos, gerais»

19  A Primavera costuma chegar anunciada por um tempo mais quente.  O complexo verbal constituído pelo verbo auxiliar costumar e pelo verbo principal chegar implica a ideia de que a chegada da Primavera se sucede durante um período ilimitado e habitualmente sempre desse modo.  Nota: habitual = «que é constante ou muito frequente»

20  Levanto-me sempre cedo.  Habitualmente, tomo café depois do almoço.  Vou ao ginásio três vezes por semana.  Nos três casos, para além do uso do presente do indicativo, a dimensão habitual da acção é reforçada pelo uso de advérbios (sempre, habitualmente) ou de uma expressão que inclui um quantificador (três vezes por semana)  O uso de uma oração subordinada temporal pode acentuar também o aspecto habitual:  Quando eu era jovem, andava mais de bicicleta.

21  O Manuel tem-se levantado cedo ultimamente.  O uso do verbo no pretérito perfeito composto e do advérbio ultimamente acentua a regularidade com que a acção se tem repetido, marcando o aspecto iterativo do enunciado.  Nota: iterativo = «que expressa acções repetitivas »

22  A sessão de trabalho começou às nove horas.  O uso da forma verbal começou no pretérito perfeito simples do modo indicativo explicita um evento momentâneo, pontual.  Nota: pontual = «sem duração no tempo»

23  Estive a ler o livro durante toda a tarde.  O emprego do complexo verbal com o auxiliar estar a marca o prolongamento da acção ; o período de tempo que essa acção durou é expresso pelo modificador durante toda a tarde.  Nota: durativo = «que corresponde a uma acção prolongada»

24  Comecei a ler o livro que me ofereceste.  O uso do complexo verbal com o auxiliar começar acentua o momento de início da acção, acrescentando ao significado do verbo a ideia de “início da acção”  Nota: inceptivo = «que principia, que dá início» ( o mesmo que «incoativo»)

25  Acabei de ler o livro.  O emprego do complexo verbal com o auxiliar acabar de destaca o final (o cessar) da acção.  Nota: cessativo = «que denota fim de…»

26  ASPECTO:  CATEGORIA GRAMATICAL QUE EXPRIME A MANEIRA COMO UMA SITUAÇÃO É PERSPECTIVADA, APRESENTANDO-A COMO UM TODO COMPLETO OU EM DESENVOLVIMENTO, OU AINDA ACENTUANDO DEFERENÇAS EM RELAÇÃO À SUA DURAÇÃO OU MARCANDO A SUA FREQUÊNCIA, O SEU INÍCIO OU O SEU FIM.  NA CONSTRUÇÃO DO VALOR ASPECTUAL DE UM ENUNCIADO CONVERGEM O ASPECTO LEXICAL E O ASPECTO GRAMATICAL.

27  O ASPECTO LEXICAL PERMITE DISTINGUIR:  EVENTOS DURATIVOS  EVENTOS NÃO DURATIVOS  SITUAÇÕES ESTATIVAS O ASPECTO GRAMATICAL PODE SER:  PERFECTIVO OU IMPERFECTIVO  GENÉRICO, HABITUAL, ITERATIVO OU PONTUAL  DURATIVO, INCEPTIVO OU CESSATIVO

28  O ASPECTO REALIZA-SE:  Pelo conteúdo semântico transmitido por palavras do enunciado;  Por complexos verbais com verbos auxiliares aspectuais;  Por alguns tempos verbais (p. imperfeito, p. perfeito simples, p. perfeito composto,…)  Por alguns advérbios ou locuções adverbiais (já, sempre, ainda, lentamente, frequentemente, pouco a pouco,…)  Por nomes contáveis ou não contáveis, quantificadores, orações subordinadas, etc.

29  VALOR ASPECTUAL  EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃOEXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO  VALOR ASPECTUAL  EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

30  VALOR MODAL

31  O valor modal do enunciado exprime a atitude/subjectividade do locutor em relação ao que enuncia e em relação ao interlocutor.  Essa modalidade pode ser expressa através: - da entoação - dos modos verbais - dos verbos modais como: - verbos auxiliares modais: dever, poder - verbos principais com valor modal: crer, pensar, obrigar, … - de advérbios - de adjectivos com valor modal

32 Modalidade ApreciativaEpistémicaDeôntica  Há três tipos de Modalidade:

33  Modalidade Apreciativa – O locutor exprime um juízo valorativo, negativo ou positivo, emitido sobre um enunciado anterior com valor assertivo: A tua dissertação está óptima.  Essa modalidade pode ser expressa através de alguns processos, tais como: - advérbios: Infelizmente, não tive sorte! - verbos: Agrada-me essa tua nova postura. - adjectivos: É desagradável ser sempre criticado! - frases exclamativas: Que fácil é esta matéria!

34  Modalidade Epistémica – O locutor pretende expressar uma atitude, baseada no seu grau de conhecimento, perante a veracidade ou falsidade do enunciado produzido.  Esta atitude do locutor em relação ao que enuncia pode assumir um valor: - de certeza: uso do modo Indicativo : Ex.: O exame é terça. - de probabilidade: dever + infinitivo: Ex.: O exame deve ser terça. - de possibilidade: poder + infinitivo; talvez: Ex.: Talvez o exame seja terça.

35  Modalidade Deôntica – O locutor exprime juízos, procurando agir sobre o seu interlocutor, impondo, proibindo ou autorizando.  Assim, expressa valores: - de imposição /obrigação: através do imperativo; ter de + infinitivo; dever + infinitivo: Ex.: Tens de fazer o exame! - e de permissão / proibição: poder + infinito Ex.: Podes fazer o exame. Não podes sair antes do tempo.

36  1) Associa as frases da coluna A ao respectivo valor modal expresso na coluna B. AB a) Podes ir à discoteca com o João.1. Modalidade apreciativa b)Tens de ser mais expressiva.2. Modalidade epistémica (com valor de certeza) c) Que belo quadro!3. Modalidade epistémica (probabilidade/possibilidade ) d) A reunião deve ser adiada.4. Modalidade deôntica com valor de obrigação e) A resposta não está certa.5- Modalidade deôntica com valor de permissão

37  1) Associa as frases da coluna A ao respectivo valor modal expresso na coluna B. AB a) Podes ir à discoteca com o João.5- Modalidade deôntica com valor de permissão b)Tens de ser mais expressiva.4. Modalidade deôntica com valor de obrigação c) Que belo quadro!1. Modalidade apreciativa d) A reunião deve ser adiada.3. Modalidade epistémica (probabilidade/possibilidade) e) A resposta não está certa.2. Modalidade epistémica (com valor de certeza)

38 VALOR MODAL EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO VALOR MODAL EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO VALOR MODAL EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO


Carregar ppt " PROCESSOS IRREGULARES DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS[LEXICOLOGIA]  VALOR ASPECTUAL[SEMÂNTICA]  VALOR MODAL[SEMÂNTICA] - Trabalho realizado por: - Arly Correia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google