A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

“Cada um dos seres humanos, sobrenaturais ou simbólicos, ideados pelo escritor, e que, como que dotados de vida própria, tomam parte na acção de uma obra.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "“Cada um dos seres humanos, sobrenaturais ou simbólicos, ideados pelo escritor, e que, como que dotados de vida própria, tomam parte na acção de uma obra."— Transcrição da apresentação:

1

2 “Cada um dos seres humanos, sobrenaturais ou simbólicos, ideados pelo escritor, e que, como que dotados de vida própria, tomam parte na acção de uma obra literária. Em alguns casos a força das personagens tem sido tão forte que lhes outorgou vida própria e os converteu em seres com entidade independente da obra e do autor que os criou” Existem personagens tanto em obras ficcionais como não-ficcionais, assim como o termo se aplica não apenas a literatura, como também ao cinema, teatro, dança, história em quadrinhos, etc. Em alguns casos, como na televisão ou no teatro, as personagens são representadas por um actor.

3 Quanto ao protagonismo •Protagonista: a personagem principal de uma narrativa. Nas narrativas clássicas era comumente o herói. É normalmente o Protagonista quem comanda a acção. •Antagonista: a personagem que rivaliza com o protagonista. •Coadjuvantes: são as personagens em torno do protagonista. Pode-se dividir os coadjuvantes em "graus de importância", criando novas categorias como o ajudante do herói. Alguns Coadjuvantes podem aparecer como meros figurantes, mas podem vir a ter importância no futuro da história. •Oponentes: as personagens que auxiliam o Antagonista.

4 Quanto à relevância •Personagem principal: a narrativa é realizada em torno da personagem principal, sendo a sua acção determinante para o desenrolar da mesma. •Personagem secundária: outras personagens que actuam em torno da principal, sendo a sua acção importante para o desenrolar da narrativa. •Figurante: as personagens que não são importantes para o desenrolar da narrativa mas servem para a composição do cenário ou para uma interacção esporádica com as personagens principal ou secundárias.

5 Quanto à complexidade •Personagens esféricas: são personagens com capacidade de surpreender, mas de maneira convincente. •Personagens planas: são personagens que não mudam com as circunstâncias, sendo facilmente identificados. •Personagens tipo: alguns teóricos criam essa categoria que seria "inferior" ao personagem plano. São personagens de uma única função na narrativa.

6 Quanto à existência real •Personagens reais: apenas em obras históricas, jornalísticas ou outras não-ficcionais uma personagem pode representar o mais fidedignamente possível uma pessoa real, como um presidente, um rei ou um atleta. •Personagens ficcionais: a grande maioria das personagens, criadas a partir da imaginação do narrador, ainda que alguns dos seus traços sejam inspirados em pessoas da vida real. •Personagens reais-ficcionais: as personagens de uma narrativa podem remeter a pessoas da vida real, sem necessariamente representá-los fidedignamente. Digamos que os caracteres provêm da vida real, mas as acções e gestos e pensamentos são ficcionais.

7 Quanto à representação •Personagens únicas, próprias: a grande maioria das personagens, quando são únicas e diferentes, ou protagonistas de feitos únicos, merecedoras de que se conte sua história. •Personagem colectiva: personagem que representa um tipo social. A sua existência individual ou as coisas que acontecem com ela não são diferentes de outras pessoas do mesmo grupo, e por isso a narração é mais uma representação social.

8

9

10

11 Directa:  Auto caracterização: a própria personagem refere as suas características.  Heterocaracterização: a caracterização da personagem é-nos facultada pelo narrador ou por outra personagem. Indirecta:  O narrador põe a personagem em acção, cabendo ao leitor, através do seu comportamento e/ou da sua fala, traçar o seu retrato.

12 Eça utiliza dois tipos de caracterização das suas personagens: a caracterização directa e a caracterização indirecta. A primeira é usada de forma privilegiada para todas as personagens à excepção de Carlos. Destaca-se a heterocaracterização naturalista de Pedro da Maia e a auto caracterização mista de Maria Eduarda. A caracterização indirecta é utilizada para a personagem Carlos da Maia, do qual apenas se apresentam, inicialmente, pequenos traços físicos, deixando que as suas acções demonstrem a sua personalidade.

13 Personagens Principais •Afonso da Maia •Pedro da Maia •Maria Monforte •Carlos da Maia •Maria Eduarda

14 Personagens secundárias •João da Ega •Eusébiozinho •Alencar •Conde de Gouvarinho •Sousa Neto •Palma Cavalão •Dâmaso Salcede •Steinbroken •Raquel Cohen •Jacob Cohen •Craft •Condessa de Gouvarinho •Cruges •Tancredo •Sr. Guimarês •Rufino •Taveira •Vilaça

15

16 Afonso da Maia Caracterização Física Afonso era baixo, maciço, de ombros quadrados e fortes. A sua cara larga, o nariz aquilino e a pele corada. O cabelo era branco, muito curto e a barba branca e comprida. Como dizia Carlos: "lembrava um varão esforçado das idas heróicas, um D. Duarte Meneses ou um Afonso de Albuquerque". Caracterização Psicológica Personagem mais simpático do romance e aquele que o autor mais valorizou. Não se lhe conhecem defeitos. É um homem de carácter culto e requintado nos gostos. Enquanto jovem adere aos ideais do Liberalismo e é obrigado, pelo seu pai, a sair de casa;. Dedica a sua vida ao neto Carlos. Já velho passa o tempo em conversas com os amigos, lendo com o seu gato – Reverendo Bonifácio – aos pés, opinando sobre a necessidade de renovação do país.. Ama a natureza e o que é pobre e fraco. Tem altos e firmes princípios morais. Morre de uma apoplexia, quando descobre os amores incestuosos dos seus netos. É o símbolo do velho Portugal que contrasta com o novo Portugal – o da Regeneração – cheio de defeitos. É representa os sonho de um Portugal impossível por falta de homens capazes.

17 Pedro da Maia Caracterização Física: Era pequenino, face oval de "um trigueiro cálido", olhos belos – "assemelhavam-no a um belo árabe". Valentia física. Caracterização Psicológica Pedro da Maia apresentava um temperamento nervoso, fraco e de grande instabilidade emocional. Tinha assiduamente crises de "melancolia negra que o traziam dias e dias, murcho, amarelo, com as olheiras fundas e já velho". Pedro é vítima do meio baixo lisboeta e de uma educação retrograda. O seu único sentimento vivo e intenso fora a paixão pela mãe. Apesar da robustez física é de uma enorme cobardia moral (como demonstra a reacção do suicídio face à fuga da mulher). Falha no casamento e falha como homem.

18 Maria Monforte Caracterização Física É extremamente bela e sensual. Tinha os cabelos loiros, "a testa curta e clássica, o colo ebúrneo". Caracterização Psicológica É vítima da literatura romântica e daqui deriva o seu carácter pobre, excêntrico e excessivo. Costumavam chamar-lhe negreira porque o seu pai levara, noutros tempos, cargas de negros para o Brasil, Havana e Nova Orleans. Apaixonou-se por Pedro e casou com ele. Desse casamento nasceram dois filhos. Mais tarde foge com o napolitano, Tancredo, levando consigo a filha, Maria Eduarda, e abandonando o marido e o filho - Carlos Eduardo. Leviana e imoral, é, em parte, a culpada de todas as desgraças da família Maia. Fê-lo por amor, não por maldade. Morto Tancredo, num duelo, leva uma vida dissipada e morre quase na miséria. Deixa um cofre a um conhecido português - o democrata Guimarães - com documentos que poderiam identificar a filha a quem nunca revelou as origens.

19 Carlos da Maia Caracterização Física Carlos era um belo e magnífico rapaz. Era alto, bem constituído, de ombros largos, olhos negros, pele branca, cabelos negros e ondulados. Tinha barba fina, castanha escura, pequena e aguçada no queixo. O bigode era arqueado aos cantos da boca. Com diz Eça, ele tinha uma fisionomia de "belo cavaleiro da Renascença". Caracterização Psicológica Carlos era culto, bem educado, de gostos requintados. Ao contrário do seu pai, é fruto de uma educação à Inglesa. É corajoso e frontal. Amigo do seu amigo e generoso. Destaca-se na sua personalidade o cosmopolitismo, a sensualidade, o gosto pelo luxo, e diletantismo (incapacidade de se fixar num projecto sério). Todavia, apesar da educação, Carlos fracassou. Não foi devido a esta mas falhou, em parte, por causa do meio onde se instalou – uma sociedade parasita, ociosa, fútil e sem estímulos e também devido a aspectos hereditários – a fraqueza e a cobardia do pai, o egoísmo, o futilidade e o espírito boémio da mãe. Eça quis personificar em Carlos a idade da sua juventude, a que fez a questão Coimbrã e as Conferências do Casino e que acabou no grupo dos Vencidos da Vida, de que Carlos é um bom exemplo.

20 Maria Eduarda Caracterização física Maria Eduarda, fisicamente era uma bela mulher: alta, cabelo loiros espesso e ondulado, bem feita, sensual e delicada, "com um passo soberano de deusa", é "flor de uma civilização superior, faz relevo nesta multidão de mulheres miudinhas e morenas", era bastante simples na maneira de vestir, "divinamente bela, quase sempre de escuro, com um curto decote onde resplandecia o incomparável esplendor do seu colo"; psicologicamente, podemos verificar que Maria Eduarda nunca é criticada, é uma personagem delineada em poucos traços, o seu passado é quase desconhecido o que contribui para o aumento e encanto que a envolve. A sua caracterização é feita através do contraste entre si e as outras personagens femininas, e ao mesmo tempo, chega-nos através do ponto de vista de Carlos da Maia, para quem tudo o que viesse de Maria Eduarda era perfeito, "Maria Eduarda! Era a primeira vez em que Carlos ouvia o nome dela; pareceu-lhe perfeito, condizendo bem com a sua beleza serena."

21

22 João da Ega Caracterização Física Ega usava "um vidro entalado no olho", tinha "nariz adunco, pescoço esganiçado, punhos tísicos, pernas de cegonha". Era o autêntico retrato de Eça. Caracterização Psicológica João da Ega é a projecção literária de Eça de Queirós. É um personagem contraditório. Por um lado, romântico e sentimental, por outro, progressista e crítico, sarcástico do Portugal Constitucional. Era o Mefistófeles de Celorico. Amigo íntimo de Carlos desde os tempos de Coimbra, onde se formara em Direito (muito lentamente). A mãe era uma rica viúva e beata que vivia ao pé de Celorico de Bastos, com a filha. Boémio, excêntrico, exagerado, caricatural, anarquista sem Deus e sem moral. É leal com os amigos. Sofre também de diletantismo (concebe grandes projectos literários que nunca chega a executar). Terminado o curso, vem viver para Lisboa e torna-se amigo inseparável de Carlos. Como Carlos, também ele teve a sua grande paixão - Raquel Cohen. Um falhado, corrompido pela sociedade. Encarna a figura defensora dos valores da escola realista por oposição à romântica. Na prática, revela-se em eterno romântico. Nos últimos capítulos ocupa um papel de grande relevo no desenrolar da intriga. É a ele que Guimarães entrega o cofre. É juntamente com ele, que Carlos revela a verdade a Afonso. É ele que diz a verdade a Maria Eduarda e a acompanha quando esta parte para Paris definitivamente.

23 Eusébiozinho •Eusébiozinho representa a educação retrógrada portuguesa. •Também conhecido por Silveirinha, era o morgado de uma das Silveiras - senhoras ricas e beatas. Amigo de infância de Carlos com quem brincava em Santa Olávia, levando pancada continuamente, e com quem contrastava na educação. Cresceu tísico, molengão, tristonho e corrupto. Casou-se, mas enviuvou cedo. •Procurava, para se distrair, bordéis ou aventureiras de ocasião pagas à hora.

24 Alencar •Tomás de Alencar era "muito alto, com uma face encaveirada, olhos encovados, e sob o nariz aquilino, longos, espessos, românticos bigodes grisalhos". Era calvo, em toda a sua pessoa "havia alguma coisa de antiquado, de artificial e de lúgubre". Simboliza o romantismo piegas. O paladino da moral. •Eça serve-se desta personagens para construir discussões de escola, entre naturalistas e românticos, numa versão caricatural da Questão Coimbrã. Não tem defeitos e possui um coração grande e generoso. •É o poeta do ultra-romantismo.

25 Conde de Gouvarinho •Era ministro e par do Reino. Tinha um bigode encerado e uma pêra curta. •Era voltado para o passado. Tem lapsos de memória e revela uma enorme falta de cultura. Não compreende a ironia sarcástica de Ega. Representa a incompetência do poder político (principalmente dos altos cargos). •Fala de um modo depreciativo das mulheres. Revelar-se-á, mais tarde, um bruto com a sua mulher.

26 Sousa Neto •Deputado, representa os altos funcionários públicos. É inculto, defende a imitação do estrangeiro. Muitas vezes, por falta de cultura, coloca-se à margem das discussões, acatando todas as opiniões alheias, mesmo as mais absurdas.

27 Palma Cavalão •Cavalão por alcunha, era baixo, gordo, sem pescoço. •É o director do jornal "A Corneta do Diabo", cuja redacção é um antro de porcaria. Símbolo do jornalismo de escândalo e corrupto, é um imoral sem qualquer carácter. É ele que publica um artigo injurioso contra Carlos por dinheiro, vendendo mais tarde, a tiragem desse número do jornal, uma vez mais por dinheiro. Publica folhetins de baixo nível.

28 Dâmaso Salcede •Dâmaso é uma súmula de defeitos. Filho de um agiota, é presumido, cobarde e sem dignidade. É dele a carta anónima a Castro Gomes, que revela o envolvimento de Maria Eduarda com Carlos. É dele também, a notícia contra Carlos n'A Corneta do Diabo. Mesquinho e convencido, provinciano e tacanho, tem uma única preocupação na vida o "chique a valer“ •Representa o novo riquismo e os vícios da Lisboa da segunda metade do séc. XIX. O seu carácter é tão baixo, que se retracta, a si próprio, como um bêbado, só para evitar bater-se em duelo com Carlos. •Era baixo, gordo, "frisado como um noivo de província". Era sobrinho de Guimarães. A ele e ao tio se devem, respectivamente, o início e o fim dos amores de Carlos com Maria Eduarda.

29 Steinbroken •Retrato do diplomata solene, formal, bacoco, sempre receoso de afirmações políticas comprometedoras. É em tudo um medíocre, contribui para a atmosfera de "gentlemanliness" que se vive no Ramalhete. •Ministro da Finlândia, representa o diplomata inútil. É um entusiasta da Inglaterra. É também um grande conhecedor de vinhos.

30 Cohen •Banqueiro, representa as altas finanças. Considera que ainda há gente séria nas camadas dirigentes. •É calculista, cínico e embora tenha responsabilidades pelo cargo que desempenha, lava as mãos e afirma alegremente que o país vai direitinho para a banca rota.

31 Craft •É um personagem com pouca importância para o desenrolar da acção, mas que representa a formação britânica, o protótipo do que deve ser um homem. •Defende a arte pela arte, a arte como idealização do que há de melhor na natureza. •É culto e forte, de hábitos rígidos, "sentindo finamente, pensando com rectidão". Inglês rico e boémio, coleccionador de brique-a-braque.

32 Condessa de Gouvarinho •Cabelos crespos e ruivos, nariz petulante, olhos escuros e brilhantes, bem feita, pele clara, fina e doce; é casada com o conde de Gouvarinho e é filha de um comerciante inglês do Porto. •É imoral e sem escrúpulos. Traí o marido, com Carlos, sem qualquer tipo de remorsos. Questões de dinheiro e a mediocridade do conde fazem com que o casal se desentenda. •Envolve-se com Carlos e revela-se apaixonada e impetuosa. Carlos deixa-a, acaba por perceber que ela é uma mulher sem qualquer interesse, demasiado fútil. •No final, depois de ter levado uma sova do marido, que descobriu a traição, tudo fica bem entre o casal.

33 Cruges •Maestro e pianista patético, era amigo de Carlos e íntimo do Ramalhete. Era demasiado chegado à sua velha mãe. •"De grenha crespa que lhe ondulava até à gola do jaquetão", "olhinhos piscos" e nariz espetado. •Segundo Eça, "um diabo adoidado, maestro, pianista com uma pontinha de génio". •É desmotivado devido ao meio lisboeta - "Se eu fizesse uma boa ópera, quem é que ma representava".

34 Tancredo •É um incidente onde é atingido por um tiro, que o leva até à casa de Maria Monforte. Esta acaba por se apaixonar pelo hóspede, com quem foge, subitamente, levando consigo a filha. •Tancredo morre mais tarde num duelo.

35 Sr.Guimarâes •Usava largas barbas e um grande chapéu de abas à moda de •Conheceu a mãe de Maria Eduarda, que lhe confiou um cofre contendo documentos que identificavam a filha. Guimarães é, portanto, o mensageiro da trágica verdade que destruirá a felicidade de Carlos e de Maria Eduarda. •Dizia-se o democrata Mesieur Guimaran, que vivia em Paris e era amigo de Gambetta, o comunista. Mas na realidade, vivia miseravelmente num sótão e era redactor do "Rapel", para onde traduzia notícias de jornais espanhóis.

36 Rufino •"De pêra grande, deputado por Monção e sublime nessa arte (...) de arranjar, numa voz de teatro e de papo, combinações sonoras de palavras". •De retórica balofa e oca, faz-se ouvir no Sarau Literário do Teatro da Trindade, o que levou Ega a classificá-lo de "besta" e Carlos de "horroroso". A sua poesia demonstra um desfasamento entre a realidade e o discurso, e uma grande falta de originalidade (recorre a lugares comuns), mas apesar disso é muito aclamado pelo público, tocado no seu sentimentalismo.

37 Na perspectiva destes alunos, foi um prazer a realização do respectivo trabalho, na medida em que não só proporcionou um maior conhecimento sobre personagens, a sua caracterização, entre outros aspectos, como também, e sobretudo, um conhecimento mais aprofundado sobre a obra e a escrita do autor. Esperemos que a informação adquirida seja valiosa na realização do teste! Ana Trigo nº 1 Francisco Rodrigues nº 12 Joana Lima nº17 Sara Eloísa nº


Carregar ppt "“Cada um dos seres humanos, sobrenaturais ou simbólicos, ideados pelo escritor, e que, como que dotados de vida própria, tomam parte na acção de uma obra."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google