A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A maioria dos trabalhos de alometria reprodutiva com quelônios de água doce avalia a relação entre o comprimento retilíneo da carapaça e massa corpórea.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A maioria dos trabalhos de alometria reprodutiva com quelônios de água doce avalia a relação entre o comprimento retilíneo da carapaça e massa corpórea."— Transcrição da apresentação:

1 A maioria dos trabalhos de alometria reprodutiva com quelônios de água doce avalia a relação entre o comprimento retilíneo da carapaça e massa corpórea em fêmeas; o comprimento linear do plastrão da fêmea e número de ovos; e o tamanho da câmara de ovos e largura do rastro da fêmea (Pough, 1980; Dodd Jr, 1997; Bonach et al., 2006). Neste trabalho, constatou-se haver correlação de Pearson (r 2 ) significativa (p<0,05) e consequente regressão linear, com adequação aferida por Anova (p<0,05), testada a hipótese nula do regressor (ß1 =0), somente entre as variáveis massa corporal e comprimento retilíneo da carapaça, em relação ao nº de ovos por ninho (tabelas 1, 2, 5, 6; figuras 2, 3, 4, 5). Com isso, modelaram-se as seguintes equações: massa = (ovos - 44,89)/2,46 ( N = 40; p = 0,003) (r 2 = 0,69) e Comp. Carapaça = (ovos + 112,80)/3,05 (N = 45; p = 0,040) (r 2 = 0,67). Testando-se esses modelos para predição de massas e comprimentos da carapaça hipotéticas, a partir de dados reais de quantidades de ovos por ninho de amostras (não consideradas na construção dessas equações), aferiu-se por Anova (  = 0,05) um nível de aproximação expressivamente significativo em comparação a essas variáveis reais/teste (H 0 = X 1 = X 2 / p ≥ 0,05) (massa: p = 0,87) (comprimento: p = 0,95) (tabelas 3, 4, 7, 8). A determinação de modelos preditivos da massa e comprimento corporais de P. expansa se mostra relevante aos estudos populacionais, haja vista que propiciará a estratificação hipotética das populações monitoradas, principalmente de matrizes, em classes de tamanho e/ou massa corporais, a partir de dados presentes nos ninhos, que são de fácil encontro e persistem estruturalmente estáveis durante a incubação, em média 55 dias na região em questão. Com base nos resultados obtidos, conclui-se que: - o tamanho e massa das fêmeas reprodutoras de P. expansa não influenciaram a profundidade do ninho, demonstrando que matrizes menores podem construir ninhos tão profundos quanto matrizes maiores; - o tamanho e massa das fêmeas reprodutoras tem relação direta com a quantidade de ovos depositado; - a quantidade de ovos depositados não tem relação com a profundidade e largura dos ninhos; - que em futuras abordagens, deve-se relacionar o sucesso de eclosão com as classes biométricas estimadas, propiciando, por exemplo, a definição e quantificação das classes que produzam mais ovos e mais filhotes. Preston, K. A. & Ackerly, D. D The evolution of allometry in modular organisms. In: Pigliucci, M. & Preston, K. A. eds. Phenotypic Integration: Studying the Ecology and Evolution of Complex Phenotypes. New York, Oxford University Press. p Peters, R. H The ecological implications of body size. Cambridge, Cambridge University Press. 329p. Pough, F. H The advantages of ectothermy for tetrapods. The American Naturalist 115: Dodd Jr., C. K Clutch size and frequency in Florida Box turtles (Terrapene carolina bauri): implications for conservation. Chelonian Conservation and Biology 2: Para definir modelos preditivos da morfometria de P. expansa a partir de características dos ninhos, com dados coletados em estações reprodutivas da espécie, monitoradas entre 2009 a 2012, no médio rio Araguaia, Goiás, promoveu-se a regressão linear entre as variáveis independentes massa corporal e comprimento retilíneo da carapaça, com as variáveis dependentes largura, profundidade e o número de ovos por ninho. Testou-se as hipóteses nulas dos regressores pelo teste Tß e comparou-se por ANOVA os resultados simulados com os dados reais obtidos. Para essas análises foram utilizados os softwares STATISTICA ® e Microsoft Excel 2010 ®. Modelos preditivos da biometria da tartaruga-da-amazônia Podocnemis expansa (SCHWEIGGER, 1812) com base em dados reprodutivos Rafael Antônio Machado Balestra¹, Ana Paula Gomes Lustosa 1, Lilian Freitas Bastos 2, Vívian Mara Uhlig 1, Aline Garcia de Andrade Costa Pesquisadores do RAN/ICMBio / / ; 2 – Bióloga /PUC-GO ; 3 – Gestora Ambiental/UEG INTRODUÇÃO CONCLUSÃO METODOLOGIA Figura 1 - Exemplar de P. expansa em postura (fotografia de Ana Paula Gomes Lustosa) RESULTADOS E DISCUSSÃO O tamanho do corpo dos organismos representa um parâmetro importante, inclusive para as espécies de quelônios, podendo gerar consequências na sua ecologia, atividades reprodutivas, evolução e desenvolvimento (Preston & Ackerly, 2004). Relação alométrica, na concepção original do termo, consiste no estudo do tamanho (ou do crescimento) de uma parte do corpo relacionado com o tamanho (ou crescimento) total do corpo do organismo (Peters, 1983). Atualmente extrapola-se esse conceito para correlações com outros fatores não corporais, como o tamanho de rastros, taxa de natalidade, dimensões de ninhos, etc. Este trabalho objetivou avaliar as relações alométricas entre a biometria de fêmeas reprodutoras de tartaruga-da-amazônia (figura 1) e a morfometria de ninhos e tamanho da postura, na expectativa de estabelecer modelos preditivos da massa e comprimento corporais para a espécie. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


Carregar ppt "A maioria dos trabalhos de alometria reprodutiva com quelônios de água doce avalia a relação entre o comprimento retilíneo da carapaça e massa corpórea."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google