A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Qual é o princípio supremo da moralidade? Immanuel Kant (1724-1804)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Qual é o princípio supremo da moralidade? Immanuel Kant (1724-1804)"— Transcrição da apresentação:

1 Qual é o princípio supremo da moralidade? Immanuel Kant ( )

2 Immanuel Kant, na Fundamentação da Metafísica dos Costumes, levanta duas questões principais: 1) Qual é o princípio supremo da moralidade? 2) Como é a liberdade possível? Para responder a estas duas questões, Kant vai pensar em alguns contrastes, dualismos.

3 Oposições/contrastes entre: 1 – Moralidade dever vs. inclinação 2 – Liberdade autonomia vs. heteronomia 3 – Razão imperativo hipotético vs. imperativo categórico

4 1) Moralidade (intenção/motivo) Dever – fazer a coisa certa somente por dever. Apenas agir por dever confere valor moral à ação. Kant pensa que a ação correta está acima das nossas inclinações ou interesses privados. Para uma ação ter valor moral tem de ser orientada pelo dever e não pela inclinação. Ex.: Devemos ser justos por dever e não para ganhar os aplausos dos outros.

5 2) Liberdade (determinação da vontade) autónoma lei moral Autonomia vs. Heteronomia Pensa Kant que sou livre na minha ação quando ela é autónoma e não determinada, ou seja, incondicionada. Sou livre segundo a lei moral que imponho a mim mesmo e não segundo leis externas. Agimos não segundo uma lei imposta, mas segundo uma lei que impomos a nós mesmos.  De onde vem essa lei que impomos a nós mesmos? RAZÃO R.: Vem da RAZÃO – que determina a minha ação.

6 Se a razão determina a ação, então a ação é independente das inclinações ou circunstâncias. Como é que a razão pode determinar a ação? imperativos. R.: De 2 maneiras. Há 2 comandos da razão, os imperativos.

7 3) Razão (Imperativos) Um imperativo é uma obrigação. Imperativo hipotético vs. Imperativo categórico Hipotético: Hipotético: A ação moral é governada pelo imperativo categórico. O imperativo hipotético usa a razão instrumental: se queres X, faz y. É o raciocínio que usa meios para chegar a um fim: se quer ter uma boa reputação no negócio, então não dê o troco errado aos clientes, pois pode espalhar a sua má fama.

8 Categórico: Ação de acordo com a razão e não com as inclinações. Funciona de forma categórica, sem dependência de qualquer outro propósito.

9 Conexão entre os 3 contrastes Ser livre, no sentido de autónomo, exige que eu aja não pelo imperativo hipotético, mas pelo imperativo categórico. imperativo categórico É através destes 3 contrastes que kant raciocina e nos leva à sua derivação do imperativo categórico.

10 Formulação do imperativo categórico QUESTÃO: imperativo categórico Mas o que é o imperativo categórico? • Qual é o princípio supremo da moralidade? • O que é que ele (imperativo categórico) exige de nós?

11 IMPERATVO CATEGÓRICO (Duas fórmulas) 1) FÓRMULA DA LEI UNIVERSAL – “Age de tal forma que a máxima da tua ação se possa erguer como lei universal.” máxima Mas o que á uma máxima? É um princípio. Por exemplo, se quero pedir dinheiro emprestado e sei que não o vou devolver – promessa falsa. Será que isto está de acordo com o imperativo categórico? Kant diz que NÃO. O teste para o saber é tentar universalizar a máxima com a qual estamos a querer agir.

12 Teste da universalidade Se todos fizerem falsas promessas quando pedirem dinheiro, então ninguém acreditará nessas promessas. Não haveria promessas, o que conduz a uma contradição: a máxima universalizada enfraquecer-se-ia a si mesma (a máxima seria: “empresta-me 300 € que eu devolvo mal os tenha”). - É deste modo que podemos saber que a falsa promessa é moralmente errada. E este é o teste para sabermos se a máxima corresponde ao imperativo categórico.

13  Devemos testar e universalizar a nossa máxima para saber se agimos por dever. Agir por dever é não ver os outros como um meio da ação, mas como um fim.  É esta a forma de testar se os meus interesses, desejos e inclinações são mais importantes que os de outra pessoa. Uma lei moral universal é para todos.

14 2) FÓRMULA DA HUMANIDADE COMO UM FIM (2.ª fórmula do imperativo categórico)  Não podemos basear o imperativo categórico nos interesses ou desejos particulares, pois, n es se caso, seria relativo à pessoa à qual pertencem esses fins.  E o que é que podemos considerar como tendo um fim em si mesmo? A humanidade e a racionalidade.  Seres racionais possuem dignidade e merecem respeito moral. Os seres humanos não são para usar (como quando fazemos falsas promessas).

15 Objeções à te or ia de Kant  Kant diz ‐ nos que existem certos deveres que são absolutos, como o de nunca quebrar promessas ou o de nunca matar ninguém intencionalmente. Mas, por exemplo, imaginemos que estamos em casa com um amigo e um homem armado bate à porta, dizendo que quer matar o nosso amigo, e nos pergunta onde ele está. Segundo Kant, nunca devemos mentir (é um dever absoluto), quando muito podemos abster ‐ nos de dizer a verdade. Mas se agíssemos assim e acontecesse algo ao nosso amigo, decerto que nos sentiríamos culpados, mesmo que Kant diga que a responsabilidade não era nossa.

16  Outro exemplo é o de que os deveres absolutos conduzem a conflitos entre deveres. Quando nos encontramos perante dois deveres absolutos e não sabemos qual deles devemos escolher, qualquer opção que tomemos, segundo a ética kantiana, está errada, pois estaremos sempre a infringir um deles.

17  A fórmula do fim em si diz ‐ nos que devemos respeitar as pessoas como fins em si mesmos. Mas se as pessoas forem consideradas seres racionais e se a ética kantiana for considerada verdadeira, os bebés recém ‐ nascidos, os deficientes mentais profundos ou os animais irracionais deixam de poder ter o respeito que merecem. Mas é lógico que sabemos que também temos deveres morais para com os bebés, os deficientes mentais ou os animais irracionais.

18  Outra objeção é a de que a ética kantiana não conduz sempre a valores absolutos. É verdade que a máxima "Faz promessas com a intenção de não as cumprires!" é claramente não universalizável, pois, assim, a prática de fazer promessas desapareceria. Mas se a tornássemos mais específica com "Faz promessas com a intenção de não as cumprires sempre que isso seja necessário para salvar a vida de uma pessoa!" já é universalizável, pois não abalaria a prática de fazer promessas ao ponto de a destruir.

19 Para além disso, há máximas que, embora sejam universalizáveis, são moralmente incorretas. Por exemplo, um indivíduo odeia tanto os mais velhos que até está disposto a ser morto quando chegar a velho. Este indivíduo quer que a máxima "Mata os teu avós!" seja universal. Até pode ser insensível, mas não pode ser considerado uma pessoa irracional. Esta máxima não é claramente permissível, mas pode ser considerada universal.

20 FIM


Carregar ppt "Qual é o princípio supremo da moralidade? Immanuel Kant (1724-1804)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google