A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Immanuel Kant e o Criticismo. Jackson Pollock (1912 – 1956) (1912 – 1956)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Immanuel Kant e o Criticismo. Jackson Pollock (1912 – 1956) (1912 – 1956)"— Transcrição da apresentação:

1 Immanuel Kant e o Criticismo

2 Jackson Pollock (1912 – 1956) (1912 – 1956)

3 Pensar: Segundo os empiristas o homem utiliza os sentidos homem utiliza os sentidos e o raciocínio para conhecer. Seria possível fazer o mesmo em situações mais complexas? situações mais complexas? (Ex: Universo, Deus) (Ex: Universo, Deus) Nosso conhecimento sobre a pintura e nossa capacidade de apreciar sua beleza repousa sobre 02 fontes: Experiência e Pensamento ? Experiência e Pensamento ?

4 Immanuel Kant Nascimento: 22/04/ Königsberg Morte: 12/02/1804 -Königsberg Nacionalidade: Alemão Filósofo do Iluminismo Áreas de Interesse: Epistemologia, Metafísica, Ética Conhecido por: # Criticismo # Idealismos Transcendentais # Imperativo Categórico Obras: # Crítica da Razão Pura (1781) # Crítica da Razão Prática (1788) # Crítica do Juízo (1790)

5 Frases Não se ensina filosofia; ensina-se a filosofar! Não se ensina filosofia; ensina-se a filosofar! A simples consciência, mas empiricamente determinada, da minha própria existência prova a existência dos objetos no espaço fora de mim. A simples consciência, mas empiricamente determinada, da minha própria existência prova a existência dos objetos no espaço fora de mim. Ciência é conhecimento organizado. Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada. Todo o conhecimento humano começou com instituições, passou daí aos conceitos e terminou com ideias. Todo o conhecimento humano começou com instituições, passou daí aos conceitos e terminou com ideias. Age sempre de tal modo que o teu comportamento possa vir a ser princípio de uma lei universal. Age sempre de tal modo que o teu comportamento possa vir a ser princípio de uma lei universal.

6 Ponto de Partida KANT: O que eu posso saber? O que eu posso fazer? O que eu posso fazer? Questionar a validade do nosso conhecimentos e nosso conhecimentos e de nossos valores. de nossos valores. Relação entre Relação entre Experiência e Pensamento Experiência e Pensamento # Metódico # Conceitos claros # Construção do Pensamento (passo a passo) # Vocabulário próprio

7 Crítica da Razão Pura Entender a Razão: Entender a Razão: princípios e estrutura Quais os limites do Conhecimento? Quais os limites do Conhecimento? Primeira regra do Conhecimento: Primeira regra do Conhecimento: CAUSALIDADE !!! A razão compreende os fenômenos em relação ao ESPAÇO e TEMPO. Assim o que não tem causa, não se apresenta no tempo e no espaço, não apresenta no tempo e no espaço, não pode ser objeto do conhecimento! pode ser objeto do conhecimento!

8 Crítica da Razão Pura O que pode ser pensado, mas que não se limita ao Mundo dos Fenômenos, Kant vai chamar de Nôumeno: O que pode ser pensado, mas que não se limita ao Mundo dos Fenômenos, Kant vai chamar de Nôumeno: a coisa em si Oposição à metafísica: jamais se chegará a uma verdade pois falta a possibilidade da experiência! Oposição à metafísica: jamais se chegará a uma verdade pois falta a possibilidade da experiência! Metafísica cria Antinomias: conflitos entre duas afirmações contraditórias, mas que podem ser provadas se consideradas isoladamente. Metafísica cria Antinomias: conflitos entre duas afirmações contraditórias, mas que podem ser provadas se consideradas isoladamente.

9 Crítica da Razão Pura Conhecimento do mundo surge da combinação: Razão e Fenômeno Razão e Fenômeno Razão sem fenômeno: construções óbvias Fenômeno sem razão: sem sentido, vazio O Conhecimento é composto de: Matéria: como as coisas se apresentam diante de nós Forma: nossa racionalidade Síntese entre: Racionalismo e Empirismo Racionalismo e Empirismo

10 Crítica da Razão Pura A Experiência deve ser realizada após um questionamento prévio elaborado racionalmente. A Problematização é essencial ao conhecimento! A percepção do Mundo se dá pela INTUIÇÃO Os sentidos captam os dados sem nenhuma interpretação pela Linguagem ou pela Lógica.

11 Crítica da Razão Pura Intuição Pura: Intuição Pura: percepção antes da experiência a priori : primeiro entendimento Constituída pelas propriedades da consciência: Espaço e Tempo Espaço e Tempo Espaço: Sentido Externo forma como percebemos o que está fora de nós forma como percebemos o que está fora de nós Tempo: Sentido Interno forma como percebemos a nós mesmos. # Lembrança do Passado # Lembrança do Passado # Possibilidade do Futuro

12 Crítica da Razão Pura Intuição Empírica: Intuição Empírica: a posteriori : fruto da elaboração Associação entre a Razão e a Experiência! Razão e a Experiência! Ao questionar a primeira percepção dos fenômenos, elaboramos uma dos fenômenos, elaboramos uma idéia sobre a percepção do mundo Ciência: Busca estabelecer uma relação entre as FORMAS GERAIS DA RAZÃO e o MUNDO DOS FENÔMENOS !!!

13 Esclarecendo origem no latim mores, que significa origem no latim mores, que significa costumes. é um conjunto de normas que regulam o comportamento do homem em sociedade, e estas normas são adquiridas pela educação, pela tradição e pelo cotidiano. é um conjunto de normas que regulam o comportamento do homem em sociedade, e estas normas são adquiridas pela educação, pela tradição e pelo cotidiano. Durkheim explicava Moral como a ciência dos costumes, sendo algo anterior a própria sociedade. Durkheim explicava Moral como a ciência dos costumes, sendo algo anterior a própria sociedade. A Moral tem caráter obrigatório. A Moral tem caráter obrigatório. A Moral sempre existiu, pois todo ser humano possui a consciência Moral que o leva a distinguir o bem do mal no contexto em que vive. A Moral sempre existiu, pois todo ser humano possui a consciência Moral que o leva a distinguir o bem do mal no contexto em que vive. vem do grego ethos, que significa modo de ser. vem do grego ethos, que significa modo de ser. Conjunto de valores que orientam o comportamento do homem em relação aos outros homens na sociedade em que vive, garantindo o bem-estar social. Conjunto de valores que orientam o comportamento do homem em relação aos outros homens na sociedade em que vive, garantindo o bem-estar social. Ética é a forma que o homem deve se comportar no meio social. Ética é a forma que o homem deve se comportar no meio social. A Ética teria surgido com Sócrates, pois se exige maior grau de cultura. Ela investiga e explica as normas morais, pois leva o homem a agir não só por tradição, educação ou hábito, mas principalmente por convicção e inteligência. A Ética teria surgido com Sócrates, pois se exige maior grau de cultura. Ela investiga e explica as normas morais, pois leva o homem a agir não só por tradição, educação ou hábito, mas principalmente por convicção e inteligência. Moral: Ética: Fonte: Motta, Vásquez e Neto

14 Crítica da Razão Prática Em que consiste a lei moral? Em que consiste a lei moral? Como determinar o valor ético dos comportamentos? Como determinar o valor ético dos comportamentos? Um comportamento pode ser considerado moral quando é universalizável, ou seja: # ultrapassa o caso concreto # utilidade pessoal # interesse pessoal A consciência reconhece os comportamentos como certos ou errados em si, independentemente das consequências e da situação específica em que se desenvolve. Doutrina do Imperativo Categórico: (Metafísica dos Costumes)

15 Crítica da Razão Prática Se um comportamento se insere no Imperativo Categórico (pode ser Imperativo Categórico (pode ser universalizado como lei geral, não universalizado como lei geral, não negociável) deve ser posto em prática! Exemplos: (Metafísica dos Costumes) 1. A dor pode justificar o suicídio? 2. É lícito em uma situação excepcional não cumprir a palavra dada? 3. Não desenvolver a fundo o próprio talento constitui um pecado de omissão? 4. É eticamente lícita uma atitude de indiferença em relação aos outros? Para resolver dilemas éticos: O comportamento em questão poderia tornar-se universal? poderia tornar-se universal?

16 Critica do Juízo A intuição é uma forma passiva de se obter o conhecimento enquanto o entendimento é uma forma ativa! Através do Entendimento são emitidos os JUÍZOS !!! JUÍZOS !!!Juízos: Analítico: mera constatação; proposição ligada ao sujeito. proposição ligada ao sujeito. Sintético: elaboração; não está contido no sujeito. agrega um conhecimento. Ciência: juízos sintéticos a partir da experiência! Filosofia: indagar as razões que tornam possível o conhecimento! conhecimento!


Carregar ppt "Immanuel Kant e o Criticismo. Jackson Pollock (1912 – 1956) (1912 – 1956)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google