A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Revolução Industrial e suas conseqüências Bruno Grimm Ussami – 08139008 José Eduardo D’Acâmpora Guazzi – 08139054 EMC5003 – Tecnologia e Desenvolvimento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Revolução Industrial e suas conseqüências Bruno Grimm Ussami – 08139008 José Eduardo D’Acâmpora Guazzi – 08139054 EMC5003 – Tecnologia e Desenvolvimento."— Transcrição da apresentação:

1 Revolução Industrial e suas conseqüências Bruno Grimm Ussami – José Eduardo D’Acâmpora Guazzi – EMC5003 – Tecnologia e Desenvolvimento

2 AGENDA Introdução; Histórico; Pioneirismo Inglês; Marcos Inventivos; Revolução Industrial; Proletariado; Trabalho; Movimentos Operários; Sindicalismo; Socialismo; Tecnologia e Desenvolvimento; Desenvolvimento Humano; Desenvolvimento Social; Na Atualidade; Reflexos e Continuidade; Consequências; Perguntas.

3 INTRODUÇÃO Desde de que o homem se entende por homem grandes passos foram dados em direção ao que somos hoje, como: Criação de ferramentas de uso manual; Descoberta da agricultura; Utilização da força animal; Fundição de metais; Artesanato; Navegação; Comércio; Acumulo de bens; Manufatura; Revolução Industrial.

4 REVOLUÇÃO re.vo.lu.ção Substantivo feminino. 1.Ato ou efeito de revolver(-se) ou revolucionar(-se); 2.Rebelião armada; revolta, sublevação; 3.Transformação radical de estrutura política, econômica e social, dos conceitos artísticos ou científicos, etc.; 4.Astr. Movimento de um astro em redor de outro. (Dicionário Aurélio)

5 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ??? O que representa? Como ocorreu? O que realmente foi a revolução Industrial? Como ela mudou o mundo para o que conhecemos?

6 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A Revolução Industrial representa um marco de mudança na estruturação econômica e social: Substituiu o sistema fabril baseado na manufatura pela “maquinofatura”; Êxodo rural evidenciado em detrimento da vida urbana; Ascensão do sistema capitalismo moderno; Inicio da organização socioeconômica e tecnológica do mundo contemporâneo.

7 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - HISTÓRICO Historicamente dividida em duas fases; Iniciou-se na Inglaterra no século XVIII; Expandiu-se no século XIX chegando a Bélgica, França, Alemanha, Estados Unidos, Rússia, Japão.

8 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - FASES 1ª Revolução Industrial (Século XVIII): Surgimento dos primeiros inventos que permitiram a industrialização e causaram uma revolução produtiva: - Evoluções nas máquinas de tear até chegar no Tear mecânico. - Máquina a vapor, locomotiva e navio a vapor. - Aperfeiçoamentos no uso de aço e ferro. 2ª Revolução Industrial (Século XIX): Novas técnicas energéticas e produtivas vieram para evoluir equipamentos e somar novos: - Telégrafo - Motor a explosão e novas fontes de energia (petróleo, elétrica). - Automóveis, locomotivas e navios a óleo.

9 PIONEIRISMO DA INGLATERRA A revolução teve seu inicio na Inglaterra, considerada o berço da revolução, cerca de um século antes das outras nações. Alguns fatores históricos e sociais podem explicar tal pioneirismo: Capital acumulado durante a fase do mercantilismo; Vasto império colonial consumidor e fornecedor de matérias-primas, especialmente o algodão; Disponibilidade de mão-de-obra abundante e barata nas cidades, devido mudanças nas regras de propriedade rural (cercamentos); Estado com ideal liberal; Disponibilidade de jazidas de carvão; Cidades mais desenvolvidas com fabricas baseadas na manufatura; Sistema financeiro avançado.

10 Século XVIII Jethro Tull (agricultor), em Berkshire, na Grã-Bretanha, inventa a primeira máquina de semear puxada a cavalo, permitindo a mecanização da agricultura; Abraham Darby, na Grã-Bretanha, utiliza o carvão para baratear a produção do ferro; – Thomas Newcomen, primeira máquina a vapor. Usada para bombear água das minas; John Kay, na Grã-Bretanha, inventa uma lançadeira volante para o tear, acelerando o processo de tecelagem; Benjamin Huntsman, na Grã-Bretanha, descobre a técnica do uso de cadinho para fabricação de aço; Abertura do Canal de Bridgewater, na Grã-Bretanha, primeira via aquática inteiramente artificial; James Hargreaves, na Grã-Bretanha, inventa a fiadora "spinning Jenny", uma máquina de fiar rotativa que permitia a um único artesão fiar oito fios de uma só vez; 1764 MARCOS INVENTIVOS

11 Século XVIII James Watt, na Grã-Bretanha, introduz o condensador na máquina de Newcomen, componente que aumenta consideravelmente a eficiência do motor a vapor; Richard Arkwright, na Grã-Bretanha, inventa a "spinning-frame", uma máquina de fiar mais avançada que a "spinning jenny“; Richard Arkwright, na Grã-Bretanha, introduz o sistema fabril em sua tecelagem ao acionar a sua máquina - agora conhecida como "water-frame" - com a força de torrente de água nas pás de uma roda; John Wilkinson e Abraham Darby na Grã-Bretanha, constroem a primeira ponte em ferro fundido; Samuel Crompton, na Grã-Bretanha, inventa a "spinning mule", combinação da "water frame" com a "spinning jenny", permitindo produzir fios mais finos e resistentes. A mule era capaz de fabricar tanto tecido quanto duzentos trabalhadores, apenas utilizando alguns deles como mão-de-obra; Edmund Cartwright, na Grã-Bretanha, patenteia o primeiro tear a vapor; Alessandro Volta, na Itália, inventa a bateria elétrica MARCOS INVENTIVOS

12 Thomas Newcomen, primeira máquina a vapor Samuel Crompton, "spinning mule" MARCOS INVENTIVOS

13 Século XIX Robert Fulton desenvolveu uma embarcação a vapor na Grã-Bretanha; Richard Trevithick expôs a "London Steam Carriage", um modelo de locomotiva a vapor, em Londres, na Grã-Bretanha; A iluminacão de rua, a gás, foi instalada em Pall Mall, Londres, na Grã- Bretanha; George Stephenson concluiu uma locomotiva a vapor, e inaugura a primeira ferrovia, entre Darlington e Stockton-on-Tees, na Grã-Bretanha; A Bélgica e a França iniciaram as respectivas industrializações utilizando como matéria-prima o ferro e como força-motriz o motor a vapor; Cyrus Hall McCormick patenteou a segadora mecânica, nos Estados Unidos da América; Samuel Morse inaugurou a primeira linha de telégrafo, de Washington a Baltimore, nos Estados Unidos da América; 1844 MARCOS INVENTIVOS

14 Século XIX Henry Bessemer patenteia um novo processo de produção de aço que aumenta a sua resistência e permite a sua produção em escala verdadeiramente industrial; O primeiro cabo telegráfico submarino é estendido através do leito do oceano Atlântico, entre a Grã-Bretanha e os Estados Unidos da América; A abertura do Canal de Suez reduziu a viagem marítima entre a Europa e a Ásia para apenas seis semanas; Alexander Graham Bell inventou o telefone nos Estados Unidos da América (em 2002 o congresso norte-americano reconheceu postumamente o italiano Antonio Meucci como legítimo inventor do telefone); Thomas Alva Edison inventou o fonógrafo nos Estados Unidos da América; A iluminação elétrica foi inaugurada em Mento Park, New Jersey, nos Estados Unidos da América; Karl Benz criou o primeiro motor de combustão interna de quatro tempos a gasolina; Gottlieb Daimler criou a primeira motocicleta; Guglielmo Marconi inventou a radiotelegrafia na Itália MARCOS INVENTIVOS

15 Richard Trevithick, "London Steam Carriage" Karl Benz, Benz Patent Motorwagen, primeiro automóvel a gasolina

16 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – EMPRESÁRIOS E PROLETÁRIOS Criação de uma nova classe social: o Proletariado; Transformação das relações sociais : Empresários e Proletários; - Empresário: Proprietários dos capitais, prédios, máquinas, matérias-primas e bens produzidos pelo trabalho. - Proletários: Força de trabalho vendida em troca de salário.

17 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – O TRABALHO Duras condições de trabalho e falta de segurança; Instabilidade, excesso de pessoal, competição, e conseqüente exploração; Jornadas de trabalho ultrapassavam as 15 horas diárias; Trabalho pesado independente de ser homem, mulher ou criança.

18 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - MOVIMENTOS OPERÁRIOS Revolta contra as condições de trabalho; Manifestações violentas; Inicio da organização de trabalhadores de uma mesma área.

19 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - SINDICALISMO Resultado de luta pelos direitos; Em 1824 são criados os primeiros centros de ajuda mútua e de formação profissional; Em 1833 os trabalhadores ingleses organizam os sindicatos (trade unions); Em 1864 na França, em 1866 nos Estados Unidos e em 1869 na Alemanha os sindicatos conquistam direito de funcionamento.

20 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - SOCIALISMO Ideal de combater injustiças do novo sistema (capitalismo); Pensadores como Marx, Engels.

21 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO Aceleração do desenvolvimento da engenharia; Engenheiro e não simples inventor; Desde então tivemos grandes renovações nos princípios básicos mas nenhuma nova revolução; Consumo e degradação acelerados para consumo e produção tecnológica; Mais recursos na vida urbana, capitalismo e consumismo.

22 DESENVOLVIMENTO HUMANO O Desenvolvimento humano, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), é aquele que situa as pessoas no centro do desenvolvimento, trata da promoção do potencial das pessoas, do aumento de suas possibilidades e o desfrute da liberdade de viver a vida que eles valorizam.

23 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - DESENVOLVIMENTO HUMANO Condição de sobrevivência precária nas cidades; devido ao êxodo, desinteresse por parte dos empresários e falta de incentivo financeiro; Pessoas morriam mais jovens, devido à doenças e más condições de trabalho; Não era um objetivo para o período, se desenvolveu a partir da ação de sindicatos; A prioridade era o desenvolvimento de mercado e comércio, a partir de uma produção confiável e que atendesse à demanda. Tudo exceto a este conceito não fazia parte das metas almejadas por patrões; Transmissão de conhecimento e habilidades por necessidade de pessoal e criação de Universidades.

24 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - DESENVOLVIMENTO SOCIAL Formação de grupos que realizavam atividades de cunho político ou social, integrando a população em suas localidades; Desigualdades sociais e equiparação lenta de salários; Necessidade da mulher e da criança trabalharem integralmente para auxiliar na renda familiar; redução do período diário de trabalho para mulheres e proibição de crianças; Vida em cortiços; Desemprego, fome, prostituição e alcoolismo; Desarticulação e enfraquecimento da estrutura familiar cultuada pelas religiões.

25 PÓS REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - NA ATUALIDADE A ciência tomou o rumo de seguir o que havia sido feito de extraordinário e funcional, tendo hoje o desenvolvimento feito sobre técnicas e conceitos validados; A sociedade possui hoje um conhecimento geral mais amplo e uma mente mais aberta para a dúvidas e reflexões sobre situações; A humanidade como um todo está mais consumista, porém a oferta de produtos e serviços aumenta para atender a demanda e geral capital. O entretenimento e a ocupação são dois grandes campos a serem explorados.

26 PÓS REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - REFLEXOS E CONTINUIDADE A vida se constitui hoje de princípios e material que são oriundos de invenções do pré e durante revolução industrial; A criação permanente de novos conceitos e avanços tecnológicos ainda demonstram uma relação com as idéias de produção da época; Os objetivos de capitalismo para a produção e socialismo para a sociedade ainda possuem suas reflexões; contudo, a estruturação da sociedade é muito mais complexa hoje.

27 PÓS REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - CONSEQÜÊNCIAS Sistema trabalhista, sindicatos; Organização dos sistemas de manufatura; Cidades; Reservas de material e insumos; Poluição; Universidades; Desigualdades sociais; E muitos outros mais...

28 DÚVIDAS?

29 PERGUNTAS E REFLEXÕES Como teria sido o desenvolvimento da humanidade caso a revolução industrial não tivesse ocorrido? Quão diferente o desenvolvimento humano poderia ter sido caso o proletariado assumisse o poder desde a primeira revolução industrial? O que pode ser uma solução para a briga de classes?


Carregar ppt "Revolução Industrial e suas conseqüências Bruno Grimm Ussami – 08139008 José Eduardo D’Acâmpora Guazzi – 08139054 EMC5003 – Tecnologia e Desenvolvimento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google