A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República Painel: “A abordagem de gênero nas pesquisas domiciliares” Políticas Públicas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República Painel: “A abordagem de gênero nas pesquisas domiciliares” Políticas Públicas."— Transcrição da apresentação:

1 Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República Painel: “A abordagem de gênero nas pesquisas domiciliares” Políticas Públicas e Estatísticas de Gênero Brasil 2006 Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República Painel: “A abordagem de gênero nas pesquisas domiciliares” Políticas Públicas e Estatísticas de Gênero Brasil 2006 II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais do IBGE - CONFEST

2 Políticas Públicas Anos 70 – Primeiras críticas do movimento feminista às estatísticas em função da invisibilidade da mulher; importantes transformações ocorreram nas relações entre Estado e sociedade no Brasil em decorrência da democratização. Tem início uma agenda de gênero fortemente ligada à democratização e direitos humanos; Anos 80 – A genda de reformas com a democratização dos processos decisórios e dos resultados das políticas públicas com a ampliação do atores envolvidos. Movimento feminista – dentre esses novos atores, os movimentos feministas deram início à inclusão da temática de gênero na discussão sobre a condição da mulher como sujeito político. Reflexo: criação dos primeiros Conselhos Estaduais da Condição Feminina; do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher e da primeira Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher em Anos 90 – Ciclo das Conferências “Sociais” da ONU: Viena / Cairo/ Beijing/ Durban; Hoje – Quem são os(as) beneficiários(as) das políticas públicas / sociais? Universalidade e ação afirmativa, democracia representativa e participativa, descentralização e participação da sociedade civil na formulação e implentação de políticas públicas. Anos 70 – Primeiras críticas do movimento feminista às estatísticas em função da invisibilidade da mulher; importantes transformações ocorreram nas relações entre Estado e sociedade no Brasil em decorrência da democratização. Tem início uma agenda de gênero fortemente ligada à democratização e direitos humanos; Anos 80 – A genda de reformas com a democratização dos processos decisórios e dos resultados das políticas públicas com a ampliação do atores envolvidos. Movimento feminista – dentre esses novos atores, os movimentos feministas deram início à inclusão da temática de gênero na discussão sobre a condição da mulher como sujeito político. Reflexo: criação dos primeiros Conselhos Estaduais da Condição Feminina; do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher e da primeira Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher em Anos 90 – Ciclo das Conferências “Sociais” da ONU: Viena / Cairo/ Beijing/ Durban; Hoje – Quem são os(as) beneficiários(as) das políticas públicas / sociais? Universalidade e ação afirmativa, democracia representativa e participativa, descentralização e participação da sociedade civil na formulação e implentação de políticas públicas.

3 Criação da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003; As políticas públicas/sociais são neutras? Realização da I Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres – fórum sociedade civil e governo para a formulação de diretrizes para a elaboração do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (PNPM), 2004; Comitê interministerial, elaboração e divulgação do PNPM, Criação da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003; As políticas públicas/sociais são neutras? Realização da I Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres – fórum sociedade civil e governo para a formulação de diretrizes para a elaboração do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (PNPM), 2004; Comitê interministerial, elaboração e divulgação do PNPM, Políticas Públicas

4 Nós temos um Plano! Pactuação do Plano Nacional de Políticas para s Mulheres - Governo Federal, ; - Governos Municipais e Estaduais, Implementação do PNPM – parceria coM 11 Ministérios e Secretaria Especiais; desenvolvimento e implantação de Sistema de Monitoramento on line e seleção de indicadores para avaliação e acompanhamento dos Objetivos, Prioridades e Metas do PNPM no Governo Federal: Pactuação do Plano Nacional de Políticas para s Mulheres - Governo Federal, ; - Governos Municipais e Estaduais, Implementação do PNPM – parceria coM 11 Ministérios e Secretaria Especiais; desenvolvimento e implantação de Sistema de Monitoramento on line e seleção de indicadores para avaliação e acompanhamento dos Objetivos, Prioridades e Metas do PNPM no Governo Federal: - Medidas de Processo, Resultados e Impacto.

5 Sistema Nacional de Informações de Gênero - ferramenta para o desenvolvimento de políticas públicas. Sistema de indicadores de gênero com dados censitários (1991 e 2000), desagregados por sexo e cor/raça. Níveis geográficos: Brasil, Grandes Regiões, UFs, Microrregiões, Municípios - os três primeiros possuem dados referentes às áreas urbanas e rurais. Duas foram as razões para a escolha dos dados censitários: a comparabilidade internacional e a possibilidade de análise de dados referentes a municípios. Sistema Nacional de Informações de Gênero - ferramenta para o desenvolvimento de políticas públicas. Sistema de indicadores de gênero com dados censitários (1991 e 2000), desagregados por sexo e cor/raça. Níveis geográficos: Brasil, Grandes Regiões, UFs, Microrregiões, Municípios - os três primeiros possuem dados referentes às áreas urbanas e rurais. Duas foram as razões para a escolha dos dados censitários: a comparabilidade internacional e a possibilidade de análise de dados referentes a municípios. Sistemas de Informação – SNIG Parceira SPM/UNIFEM, apoio DFID e IBGE.

6 A Mulher nas Pesquisas Domiciliares A linguagem estatística é mediadora e produto de um discurso social, estando atrelada a valores dominantes masculinos, o que se observa é que o indivíduo retratado pelas estatísticas públicas é um indivíduo “sem gênero”; Diversos temas são negligenciados pelas estatísticas públicas, embora relevantes para o conhecimento da condição feminina, com forte impacto sobre sua cidadania: o trabalho não-remunerado é um exemplo deles; As estatísticas públicas devem incorporar prontamente as transformações da sociedade: os novos arranjos familiares, por exemplo; As mudanças nos papéis familiares determinaram uma dissociação entre a categoria da pessoa de referência na família e a função de provedor. As informações existem, mas não se confere visibilidade social à contribuição da mulher cônjuge no orçamento familiar; A análise dos dados não desagregados por sexo dificulta o desenho de políticas e estratégias para diminuir as distorções existentes e impede o desenvolvimento de políticas direcionadas para os grupos mais vulneráveis;

7 A Mulher nas Pesquisas Domiciliares São enormes as dificuldades de análises comparativas entre homens e mulheres, áreas rurais e urbanas, entre regiões, entre países; A construção de informações sobre a função reprodutiva recai apenas sobre a mulher; A inclusão do capítulo Mulher na Síntese de Indicadores Sociais foi um grande passo para a visibilidade da mulher nas estatísticas públicas; A PNAD melhorou significativamente a forma de captar as informações sobre o trabalho da mulher, sobretudo na atividade agrícola. Outro avanço importante é a introdução de quesito sobre o trabalho doméstico e o tempo gasto com estas atividades, respondido por todos os membros da família. Isto contribui determinantemente para a visibilidade social do trabalho doméstico e da divisão social do trabalho na família.

8 Desafios: Acompanhar e incorporar as propostas normativas internacionais no que se refere às estatísticas de gênero; Intensificar as parcerias entre os órgãos do poder executivo criados para enfrentar as desigualdade de gênero e raça e os institutos de pesquisa nacionais; Incentivar e provocar uma reflexão sistemática sobre estatísticas públicas que possa contribuir para a superação das desigualdades entre homens e mulheres; Criar um ambiente favorável à participação da sociedade na formulação de políticas públicas – evitar a neutralidade; A Mulher nas Pesquisas Domiciliares

9 Incorporar a perspectiva de gênero desde a etapa do desenho da pesquisa, incluindo perguntas sobre sexo, idade, cor/raça, nível de ensino, atividade econômica de todos os habitantes do domicílio; Incorporar a dimensão de gênero e raça nos métodos de medição da pobreza; Medir a contribuição da mulher para o processo de desenvolvimento tanto como resultado de seu trabalho remunerado, como de suas atividades não remuneradas; Intensificar a coleta de dados referentes ao monitoramento das políticas públicas para avaliação de seu impacto.

10 A Mulher nas Pesquisas Domiciliares FIM Fontes consultadas: BRAVO, Rosa. Taller de indicadores de género. CEPAL/UNIFEM/UNFPA, FARAH, Marta Ferreira Santos. Gênero e políticas públicas. Escola de Administração de Empresas de São Paulo da FGV, GOLDANI, Ana Maria. Famílias e gêneros: uma proposta para avaliar (des)igualdades. Universidade Aberta de Lisboa, Instituto Pagu, MELO, Lígia Albuquerque. Injustiças de gênero: o trabalho da mulher na agricultura familiar. Fundação Joaquim Nabuco, OLIVEIRA, Zuleica Lopes Cavalcanti de. Política de informação na área de gênero


Carregar ppt "Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República Painel: “A abordagem de gênero nas pesquisas domiciliares” Políticas Públicas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google