A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EPIDEMIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO. Envelhecimento fisiológico (senescência) Envelhecimento usual: apresenta prejuízos significativos, mas não são qualificados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EPIDEMIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO. Envelhecimento fisiológico (senescência) Envelhecimento usual: apresenta prejuízos significativos, mas não são qualificados."— Transcrição da apresentação:

1 EPIDEMIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO

2 Envelhecimento fisiológico (senescência) Envelhecimento usual: apresenta prejuízos significativos, mas não são qualificados como doentes; Envelhecimento Bem Sucedido: perda fisiológica mínima, com preservação da função. O processo é “puro”, isento de danos causados por hábitos de vida inadequados, ambientes inapropriados e doenças.

3 Envelhecimento patológico (senilidade) Refere-se às alterações resultantes de traumas e doenças que ocorrem no ciclo vital. Prejuízo na saúde Ainda é o que predomina.

4 Transição demográfica (TD) Idosos representam 9% da população brasileira e 30-40% da demanda dos serviços de saúde modificou os padrões de morbi-mortalidade da população

5 Transição Epidemiológica (TE) Refere-se às modificações, a longo prazo, dos padrões de morbidade, invalidez e morte ocorrem em conjunto com outras transformações demográficas, sociais e econômicas

6 Transição Epidemiológica (TE) Mudanças básicas da TE: 1. Substituição das doenças transmissíveis por doenças não transmissíveis como primeira causa de morte 2. Deslocamento da maior carga de morbi- mortalidade dos jovens aos idosos 3. A morbidade prevalece sobre a mortalidade

7 Correlação entre TD e TE Fatores que determinaram a queda da mortalidade no Brasil foram “ artificiais” em relação aos da Europa (melhoria das condições de habitação, alimentação, saneamento, trabalho e renda) Crescimento populacional SEM incremento na qualidade de vida

8 Especificidades da TE no Brasil 1. SUPERPOSIÇÃO: Doenças transmissíveis + doenças não- transmissíveis 2. RECRUSDESCIMENTO DE DOENÇAS CONTROLADAS (contra-transição): Dengue, cólera, malária, hanseníase, leishmaniose 3. TRANSIÇÃO PROLONGADA 4. REGIONALIZAÇÃO

9 Impacto Prevalência de doenças altamente incapacitantes, mas de relativa baixa letalidade (demência, depressão, OA, incontinência urinária) Doenças crônicas: HAS, ICC, ICo, FA, varizes, DM,AVC, DPOC, Ins. Vascular periférica, Ins. Renal, catarata, glaucoma, surdez )

10 Impacto: Certas desordens associadas com mudanças específicas que acompanham o processo de envelhecimento, às quais o idoso é particularmente vulnerável, como por exemplo: TRANSTORNOS MOTORES DO ESÔFAGICA CATARATA OSTEOARTRITE

11 Impacto : Doenças que aumentam com a idade: Osteoporose, fraturas, demência e DP Doenças que afetam exclusivamente idosos: Polimialgia reumática, arterite temporal

12 Outras condições comuns Saúde oral : 65% de edêntulos Constipação intestinal, diverticulose, colelitíase Neoplasias: mama, cólon, pulmão, próstata, estômago, pele, linfo ou mieloproliferativas hipotensão ortostática, dislipidemia, TEP

13 Outras condições comuns Infecções: pneumonia, infecção urinária, erisipela, tuberculose,influenza Hiperplasia prostática benigna, disf. sexual Insônia, xerodermia, úlceras de pressão Hipo e hipertireoidismo, hiperparatireoidismo Anemia, hiponatremia (SIHAD), def. de B12

14 Impacto Doenças causam complicações e agravamentos Incapacitação física e mental Demanda maior de assistência médica de urgência e internação Propedêutica e terapêutica dispendiosa

15 Estudo da morbidade Processo de urbanização causou mudança no estilo de vida (hábitos alimentares, excesso de estresse, poluentes ambientais) Aumento da incidência e prevalência das doenças CV Agravada pelo baixo nível sócio- econômico e educacional

16 Autonomia Capacidade de determinar e executar seus próprios desígnios Capacidade de tomar decisões E de gerir a própria vida

17 Capacidade funcional Atividades básicas da vida diária : tomar banho,vestir-se, fazer a própria higiene, transferir-se, manter a continência Atividades instrumentais da vida diária : ler, escrever, cozinhar, limpar a casa, lavar roupas,subir escadas, usar o telefone, lidar com dinheiro, tomar medicamentos, condução, fazer compras, viajar sozinho

18 Saúde do idoso : multifatorial Saúde física Saúde mental Independência funcional Integração social Suporte familiar Suporte financeiro

19 Idoso no Brasil Baixa escolaridade Baixas condições sócio-econômicas Vivem em domicílios multigeracionais Maior grau de dependência funcional

20 Morbidade Polipatologias = muitas comorbidades Redução da reserva funcional Apresentação atípica das doenças Polifarmácia Eventos vitais ou estressantes de vida (aposentadoria, viuvez, lutos, perdas)

21 Mortalidade : Fatores de risco Sexo masculino Idade Hospitalização Auto-avaliação subjetiva de saúde Déficit cognitivo Dependência funcional


Carregar ppt "EPIDEMIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO. Envelhecimento fisiológico (senescência) Envelhecimento usual: apresenta prejuízos significativos, mas não são qualificados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google