A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Naqueles Morros, depois da Chuva Edival Lourenço, 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Naqueles Morros, depois da Chuva Edival Lourenço, 2011."— Transcrição da apresentação:

1 Naqueles Morros, depois da Chuva Edival Lourenço, 2011

2 INTRODUÇÃO  Romance REGIONALISTA de caráter HISTÓRICO, a obra se insere em uma das principais tendências da literatura pós moderna brasileira, na linha de Guimarães Rosa e dos goianos Hugo de Carvalho Ramos e Bernardo Hélis, no que diz respeito à preocupação com a recriação da linguagem regional (histórica) e do detalhamento da paisagem regional.

3 INTRODUÇÃO  A proposta central da obra é a reconstituição, através do discurso literário, de aspectos históricos da região de Goiás.  Há um evidente trabalho de pesquisa no sentido de compor detalhadamente usos e costumes dos habitantes nativos (índios e mestiços) e estrangeiros que estiveram nessas terras.

4 INTRODUÇÃO  Pode-se notar uma mescla entre história e ficção.  A ação principal concentra-se na chegada do fidalgo português Dom Luís de Assis Mascarenhas, um ex-sacerdote nomeado Governador da Província de São Paulo e Minas dos Goyazes, à região.

5 NARRADOR  O romance é narrado em 1ª pessoa por um dos guias da expedição, um filho bastardo do Anhanguera, bandeirante descobridor das minas.  Fruto de uma mistura de branco com índio, o narrador coloca-se como um dos especialistas na região. Ele sabe decifrar sinais do clima, bem como a proximidade dos índios. Também vigia o acampamento enquanto a tropa dorme.

6 NARRADOR  Vive uma tensa relação com sua companheira, a cobra Messalina, que também o ajuda a vigiar o acampamento.  Trata-se do chamado NARRADOR INTERMEDIÁRIO, ou seja, aquele que é personagem da narrativa que conta, mas não o seu protagonista. Deve-se ressaltar, ainda, sua imparcialidade no enredo.

7 TEMPO E ESPAÇO  O caminho, as trilhas, entre Meia-Ponte e Santana é o cenário da narrativa, com destaque para a composição da paisagem.  O tempo da narrativa é cronológico- histórico: 1739, ano em que o governador chega às Minas dos Goyazes.

8 LINGUAGEM  Ainda no sentido da reconstituição histórica, a linguagem do narrador é carregada de uma forte e poética oralidade.  Com regionalismos e arcaísmos, a narrativa ganha um ritmo de história oral (o “causo” do sertão).  Tal oralidade se percebe no início do romance, quando o narrador estabelece a presença de um interlocutor, a quem ele chama “Vossenhor”.

9 LINGUAGEM “Mas Vossenhor mesmo assunta, corre em minhas veias o sangue sortido dos brancos, dos índios e dos pretos – alquimia que me faz deveras aclimatado e me deixa bem à vontade ao deus-dará destes retiros selvagens...”

10 ENREDO  Capítulos 1, 2 e 3:  O narrador se apresenta, falando de suas origens e explicando que era um homem “capado”. Por isso, não sentia atração pelas mulheres, o que aumentou suas habilidades como: prever o tempo e reconhecer sinais de animais ou índios (Cap. 1)

11 ENREDO  No capítulo 2, fala-se sobre o antigo Capitão-general, morto enquanto viajava para o Tocantins, por uma febre convulsiva.  A seguir, narra-se a nomeação de Dom Luís, um fidalgo nomeado diretamente pelo Rei Dom João V (que era viciado em sexo e tinha uma esposa insaciável).

12 ENREDO  Capítulo 4:  Este capítulo é centrado nos costumes e crenças dos índios caiapós.  O cacique manda seu jovem filho convocar os índios para uma assembleia. Diz que os deuses previram que o “cacique branco” traria destruição aos índios e que a guerra deveria ser iniciada.

13 ENREDO  Porém, o cacique morre. O jovem filho toma seu lugar e passa a liderar a tribo.  Capítulo 5:  Depois de 77 dias de viagem, o novo Governador, D. Luís e sua comitiva, formada por seu assessor direto, um médico, um padre, militares e nobres, chega ao Arraial de Meia Ponte.

14 ENREDO  Tratados com a devida cortesia, eles, em especial o Governador, tornam-se atração na cidade.  Dom Luís profetiza que as minas dos goyazes serão as mais ricas do mundo.  Várias pessoas querem audiência com o Governador. Seus assessores rejeitam a maioria dos pedidos. Depois de muita insistência, Dom Luís resolve ouvir Zumba Macumbela, um temido feiticeiro local.

15 ENREDO  Havia uma terrível e misteriosa doença que deixava os dedos das mãos e dos pés do doente como se estivessem “pegando fogo”. Logo, os membros começavam a ficar negros (necrosados) até a morte do doente.  O feiticeiro também faz uma profecia: morte e destruição para o Arraial. Sob os olhos incrédulos do Capelão, Zumba Macumbela cura um guarda, que havia contraído a misteriosa doença da terra.

16 ENREDO  Capítulo 6:  Os índios se preparam para a guerra. O jovem cacique tem um sonho que o deixa preocupado. Ao amanhecer, atacam o Arraial de Santana.

17 ENREDO  Capítulos 7 e 8:  Pela manhã, Dom Luís começa a despachar suas ordens: permite que os oficiais de sua comitiva andem armados e processa a divisão das minas.  O café da manhã é interrompido pela morte de um guarda, acertado por uma lança. O capelão fica em choque, pois o guarda morto foi aquele curado pelo feiticeiro.

18 ENREDO Capítulo 9: para dar satisfação aos moradores, o Governador nomeia cinco homens para procurarem o suposto índio assassino, mas eles apenas fingem (por medo) fazê-lo.

19 ENREDO  Capítulo 10:  Dom Luís quer justificar sua nomeação “mostrando serviço” ao Rei. Começa a taxar a produção de ouro, bem como os comerciantes e proprietários de escravos.  Entretanto, mostra-se político ao receber uma comissão de mineiros e parcelar seus débitos com a Coroa.

20 ENREDO  Capítulo 11:  A comitiva parte para o Arraial de Santana.

21 ENREDO  Capítulo 12:  Na estrada, encontram uma casa incendiada e os ossos, os restos mortais dos moradores, sendo devorados por urubus.  Encontram um homem chamado Abel que quer vender sua filha, Joaquina. Porém, o Governador não permite tal atitude e, pai e filha, passam a viajar com a comitiva.

22 ENREDO  Pelo caminho, encontram mais casas incendiadas e ossadas. Vêm o sítio de Abel queimado.  Encontram um menino, ferido por uma flecha envenenada. O médico da comitiva amputa-lhe a perna.

23 ENREDO  Capítulo 13:  O jovem cacique está preocupado: apesar dos esforços, não matou o cacique branco. Também se lamenta por não ter a sabedoria (“magia”) do pai para tomar as decisões certas.

24 ENREDO  Capítulo 14:  A comitiva faz uma parada em um povoado. Em uma casa simples, pedem pouso. Revela-se que o dono é irmão de Abel (eles estavam brigados, mas reconciliam-se).  Na manhã seguinte, é oferecida uma festa para os viajantes. Aparece Herculano, um homem violento e cruel conhecido como Cula Caga-Fogo, reclamando não ter sido convidado. Ele acaba sendo amarrado.  O Governador nomeia uma comissão para ir até Santana organizar sua chegada.

25 ENREDO  Capítulo 15:  A notícia da chegada do Governador logo se espalha. Autoridades, mulheres, pais e maridos ficam alvoroçados.  Faz-se um amplo retrato social da época: a vaidade dos governantes, a presença de ex-escravos (libertos que compraram sua alforria), a venda de indulgências, o contrabando do ouro nas imagens ocas de Santos, sexo entre Senhores e escravos.

26 ENREDO  Capítulo 16:  Enquanto o Governador se concentra para a sua chegada, o narrador amansa uma mula.  Capítulo 17:  Dom Luís guarda uma carta, que nunca foi aberta, da falecida mãe, com extremo cuidado.

27 ENREDO  Antes da partida, o Governador presenteia Joaquina com uma joia.  Partem para Santana.  Veem Zumba Macumbela, como um vulto, cruzar o seu caminho. O capelão fica apavorado.

28 ENREDO  Capítulo 18:  A comitiva é recebida com honras civis pelo Dr. Agostinho, e militares pelo Capitão Cabral.  Dom Luís reclama da ausência do Anhanguera, que desejava conhecer. Dr. Agostinho mente, dizendo que o bandeirante vivia isolado e havia se recusado a comparecer (na verdade, não fora convidado).  O capelão enlouquece.

29 ENREDO  Capítulo 19:  Sozinho em seus aposentos, Dom Luís finalmente abre a carta-testamento de sua mãe e descobre que tudo o que sabia sobre seu passado era engano, já que não era filho legítimo, portanto não tinha ascendência nobre.


Carregar ppt "Naqueles Morros, depois da Chuva Edival Lourenço, 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google