A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AULA 11 02/06/2014 Professor Viegas Fernandes da Costa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AULA 11 02/06/2014 Professor Viegas Fernandes da Costa."— Transcrição da apresentação:

1 AULA 11 02/06/2014 Professor Viegas Fernandes da Costa

2 ORIENTE MÉDIO * Muitos autores incluem também o Afeganistão (na fronteira Nordeste do Irã) no Oriente Médio.

3 PRIMAVERA ÁRABE

4 XIITAS X SUNITAS  Xiitas e Sunitas são duas correntes da religião islâmica, e se diferenciam em relação ao profeta Maomé e sua descendência.  Após a morte de Maomé, Ali, genro de Muhammad (Maomé), reivindicava a sucessão por ser casado com Fátima, a única filha viva do profeta na época, e ter dois netos como descendentes diretos do profeta. Contudo, a maioria dos muçulmanos não concordava com essa ideia ao perceber que Ali era muito jovem e inexperiente para ocupar tamanha posição. Foi então que Abu Bakr, amigo do profeta, acabou sendo escolhido como sucessor pela maioria dos muçulmanos.  Os seguidores de Ali eram chamados “Shiat Ali”, daí derivando o termo “xiita”.  Os sunitas são assim denominados por aderirem a Sunna, livro biográfico de Muhammad.

5 ALAUÍTAS  Braço do Islã xiita, precisamente dos ismailitas. Consideram-se os verdadeiros muçulmanos, oram em mesquitas, mas têm também suas orações secretas, que só os iniciados conhecem, e que são feitas em suas casas. Como os demais muçulmanos, têm o Alcorão como o livro sagrado, mas dão aos capítulos e versículos interpretações esotéricas. Acreditam na reencarnação. Acreditam que todos os bons alauítas se converterão em astros na Via Láctea e ficarão junto a Ali ibn Abi Tálib, o primo e genro do Profeta. (Fonte: Gilberto Abrão)  Seguem a charia ou lei islâmica e como tal estão sujeitos a determinadas práticas do islã ortodoxo, como as interdições alimentares SALAFITAS Pertencentes ao ramo do islamismo sunita que exige pureza e rejeição de qualquer Islã, salvo o dos primórdios, e que inspira ações violentas de vários grupos terroristas islâmicos. (Fonte: Dicionário Aulete) – Surgem no Egito.

6 SÍRIA

7

8

9  Protaqonista de questões geopolíticas regionais, o que torna qualquer intervenção militar em seu território arriscada.  Atualmente tem o apoio da Rússia, China (ambos membros do CS da ONU) e Irã (xiita).  O regime sírio forma com os xiitas do Irã e do Hezbollah libanês uma frente hostil a Israel e às monarquias sunitas. (Almanaque Abril 2013). Por este motivo, Arábia Saudita opõe-se ao regime de Bashar.  Durante a Guerra Fria esteve aliada à URSS.  Perde as Colinas de Golã para Israel, durante a guerra dos 6 dias.  1970 – Golpe de Estado – assume o governo o General Hafiz (inicia o governo dos alauítas).  Ataca Israel na Guerra do Yom Kippur (conflito árabe-israelense que resultou na derrota dos países árabes e na crise do petróleo da década de 1970).  1976, interferem no Líbano. A partir da década de 90 organiza um governo aliado no Líbano e apoia as investidas do Hezbollah contra Israel.

10  2000: morre Hafiz, assume seu filho, Bashar al-Assad.  Governo alauíta, com apoio dos cristãos e acordos com os sunitas.  2011: começam as manifestações contra Assad.  Turquia apoia o Exército de Libertação Sírio, e bases do ELS são montadas em território turco, o que leva a Síria a lançar mísseis contra aquele país.  Sunitas prevalecem nos protestos contra Assad, e são também as principais vítimas de Assad.  Suposto uso de armas químicas pelo governo sírio e ameaças de intervenção militar dos EUA.

11 Quando iniciou a luta armada contra o governo de Bashar al- Assad, o Exército Livre da Siria (ELS) era composto em sua maioria por soldados desertores e civis voluntários. "Era, até então, um exército de seculares com um único objetivo - derrubar o regime. Cristãos, muçulmanos, conservadores, liberais, seculares formavam a frente rebelde"(...). Mas a oposição armada foi mudando de face em meio ao conflito por conta do aumento da violência, o que levou a uma radicalização de grupos rebeldes e a infiltração de islamistas mais extremistas. "Rebeldes se fragmentaram em diversos grupos, incluindo salafistas e jihadistas, com discursos voltados a uma guerra para derrotar os alauítas e seus apoiadores xiitas no Líbano e Irã”. Hoje há duas frentes oposicionistas: o ELS, composto em sua maioria por muçulmanos e cristãos seculares, liberais ou conservadores, e os islamistas, que também incluiriam combatentes estrangeiros. (portal Terra, Dossiê “Distúrbios no mundo árabe”)

12  De acordo com a ONU, o conflito (por ela denominado de “grande tragédia do século XXI) já deixou mais de 100 mil pessoas mortas e dois milhões de refugiados.  Inspetores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) e da ONU chegaram à Síria no início do mês para supervisionar a implementação da resolução 2118 do Conselho de Segurança ONU, que ordena a destruição do arsenal e das instalações de produção de armas químicas.  Após um acordo entre EUA e Rússia, o governo de Assad se comprometeu - para evitar uma a intervenção internacional - a assinar o tratado e permitir que o arsenal químico sírio fosse destruído. (Foto e informações deste slide:

13

14

15 40 ANOS DA GUERRA DO YOM KIPUR (1973)

16

17

18

19

20 Plano de partilha da ONU Israel vence guerra árabe-israelense e expande fronteiras. Cisjordânia e Jerusalém Oriental ficam com a Jordânia; Gaza, com o Egito – Guerra dos seis dias, 967, quando Israel conquista o deserto do Sinai, a faixa de Gaza (Egito), a Cisjordânia, Jerusalém Oriental (Jordânia) e as colinas do Golã (Síria) Entre 1987 e 1993, os palestinos empreenderam uma revolta popular contra Israel que ficou conhecida como Intifada Acordos de Oslo. Em 1993, na Noruega, Israel se compromete a devolver os territórios ocupados em 1967 em troca de um acordo de paz definitivo Após acordos de paz entre israelenses e palestinos, como o de Oslo (93) e o de Wye Plantation (98), Israel entregou porções de terra aos palestinos Em Camp David (EUA), Israel ofereceu soberania aos palestinos em certas áreas de Jerusalém Oriental e a retirada de algumas áreas ocupadas. Iasser Arafat exigiu soberania plena nos locais sagrados de Jerusalém e a volta dos refugiados. Israel recusou, resultando na 2ª Intifada Israel começa a erguer uma barreira para se separar das áreas palestinas.


Carregar ppt "AULA 11 02/06/2014 Professor Viegas Fernandes da Costa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google