A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sanguessuga Artificial (1840) : Sangria com sanguessuga era popular em tratamentos para uma série de situações médicas. Daí, que a sanguessuga artificial,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sanguessuga Artificial (1840) : Sangria com sanguessuga era popular em tratamentos para uma série de situações médicas. Daí, que a sanguessuga artificial,"— Transcrição da apresentação:

1

2

3 Sanguessuga Artificial (1840) : Sangria com sanguessuga era popular em tratamentos para uma série de situações médicas. Daí, que a sanguessuga artificial, inventada em 1840, foi utilizada com freqüência em muitas cirurgias. As lâminas rotativas cortavam uma ferida na pele do paciente, enquanto que o cilindro era utilizado para produzir um vácuo, que sugava o sangue.

4 Tesoura Removedora (1500): Enquanto as “pás” abriam o caminho, o eixo central era inserido na ferida para prender e retirar o objetivo da operação, que tanto podia ser um corpo estranho (um projétil, por exemplo), como um órgão ou parte dele.

5 Broca de dentista: Manual, era segurada pelo dentista com uma mão, enquanto que, com a outra, girava a manivela. Dependendo da situação, o dentista podia ter um assistente, que ou segurava a broca, ou girava a manivela.

6 Dilatador Cervical (1800): Usado para a dilatação da vulva e da vagina de uma mulher, para exames ou na hora do parto. Tudo medido na escala.

7 Faca de Amputação (1800): Durante o século 18 eram tipicamente curvas, porque os cirurgiões tendiam a faze r um corte circular através da pele e músculos. Antes os ossos eram cortados com um serrote. Depois de 1800, facas retas se tornaram mais populares porque tornaram mais fácil deixar um retalho de pele que podiam ser utilizados para “fechar o buraco”. Serra de Amputação (1600): A maioria dos cirurgiões só se preocupava em decorar suas serras, mas não pensavam que os sulcos eram um lugar ideal para os germes construirem suas casinhas, Tesoura Removedora (1500): Enquanto as “pás” abriam o caminho, o eixo central era inserido na ferida para captar o objetivo da operação Faca de Amputação (1800): Durante o século 18, essas facas eram tipicamente curvas, porque os cirurgiões tendiam a fazer um corte circular através da pele e músculos. Antes, os ossos eram cortados com um serrote. Depois de 1800, as facas retas se tornaram mais populares, porque tornaram mais fácil deixar um retalho de pele que podia ser utilizado para “fechar o buraco”.

8 Serra de Amputação (1600): A maioria dos cirurgiões só se preocupava em decorar suas serras, mas não pensava que os sulcos e os enfeites eram um lugar ideal para os germes Proliferarem.

9 Faca de Circuncisão (1770): Realizada até hoje,a prática da circuncisão era feita com esse tipo de faca, em boa parte da Europa.

10 Ecraseur (1870): Era usado para cortar hemorróidas e tumores do ovário ou do útero.

11 Fórceps para hemorróidas: Esses fórceps eram utilizados para prender a hemorróida entre as lâminas e aplicar pressão, interrompendo o sangramento, provocando a dormência da hemorróida.

12 Hérnia Tool (1850): Esta ferramenta era utilizada após o restabelecimento de uma hérnia. Era inserida no corpo, perto da área afetada, e deixada lá por uma semana, para produzir tecido cicatricial que poderia ajudar a fechar a hérnia.

13 Hysterotome (1860): Utilizado para amputar o colo do útero, durante uma histerectomia.

14 Lithotome (1740) Este lithotome era usado para cortar a bexiga, a fim de remover pedras. O eixo continha uma lâmina escondida que era inserida na bexiga e, em seguida, liberada.

15 Trefina (1800): Este instrumento era uma broca cilíndrica com uma serrinha que era utilizada para furar o crânio. A broca no centro era utilizado para iniciar o processo e manter o aparelho alinhado, enquanto a lâmina de corte agia.

16 Espéculo Vaginal (1600): O espéculo era utilizado para permitir aos médicos uma melhor visão e acesso à área vaginal (ou outras cavidades corporais), alargando depois da inserção.

17 Tonsila Guilhotina (1860s): Este método de remoção da amígdala trabalhava muito igual a uma guilhotina, cortando fora a infectada amígdala. Esta “dupla guilhotina” permitia que ambas as amígdalas pudessem ser removidas ao mesmo tempo. Estes instrumentos foram substituídos por pinças e bisturis, no início do século 20, devido à alta taxa de hemorragia e do carácter impreciso do dispositivo, que, muitas vezes, deixava remanescentes da amígdala, na garganta do paciente.

18 Escarificador (1910): Escarificadores eram utilizados em derramamento de sangue. As lâminas de mola, neste dispositivo,cortavam a pele, e um copo de vidro arredondado poderia ser aplicado sobre a ferida. Quando aquecido, ele ajudava a tirar o sangue para fora em um ritmo mais rápido.

19 Boca Mordaça (1880): Este pedaço de madeira, em forma de parafuso, era inserido na boca do paciente anestesiado, para manter as vias aéreas abertas.

20 Tobacco Smoke Enema (1750): O tabaco enema era utilizado para infundir o fumo do tabaco no reto de um paciente, para diversos fins medicinais, princi- palmente a reanimação das vítimas de afogamento. Um tubo retal, inserido no ânus, estava ligado a um fole, que forçava a fumaça para o reto. O calor do fumo, considerava-se, promovia a respiração.

21 Aparelho de Hirtz (1915): Era usado para determinar com precisão onde estavam localizadas balas no corpo, para que pudessem depois serem removidas com maior facilidade.

22


Carregar ppt "Sanguessuga Artificial (1840) : Sangria com sanguessuga era popular em tratamentos para uma série de situações médicas. Daí, que a sanguessuga artificial,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google