A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Seminário Água e Terra O Futuro do Vale do Jequitinhonha Condições para o Desenvolvimento Econômico do Vale APRESENTAÇÃO Eng. Civil Sílvio Rogério Fernandes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Seminário Água e Terra O Futuro do Vale do Jequitinhonha Condições para o Desenvolvimento Econômico do Vale APRESENTAÇÃO Eng. Civil Sílvio Rogério Fernandes."— Transcrição da apresentação:

1 Seminário Água e Terra O Futuro do Vale do Jequitinhonha Condições para o Desenvolvimento Econômico do Vale APRESENTAÇÃO Eng. Civil Sílvio Rogério Fernandes Conselheiro Estadual - Conedru

2 1 “SEMINÁRIO ÁGUA E TERRA – O FUTU CONTRIBUIÇÃO DAS ENGENHARIAS A PARTIR DOS ENCONTROS REGIONAIS 2012/2013” CREA MG - OGE RODOVIAS ALIMENTOS MEIO AMBIENTE IMPACTO DAS CHUVAS URBANICIDADE *Síntese de aproximadamente propostas, construídas por cerca de profissionais, em 60 Reuniões Preparatórias e 12 Encontros Regionais. Condições para o Desenvolvimento Econômico do Vale

3 1 - ATRAVÉS DA LEITURA DAS PROPOSTAS É INTERESSANTE NOTAR QUE: A resolução dos problemas demanda articulação dos diversos níveis governamentais e da sociedade civil. Nesse caso específico, pode ser constatada a contribuição das engenharias. A resolução dos problemas demanda articulação dos diversos níveis governamentais e da sociedade civil. Nesse caso específico, pode ser constatada a contribuição das engenharias. Há propostas similares em eixos diferentes, o que demonstra a importância, cada vez maior, da articulação das diversas políticas e ações, superando políticas e ações unicamente setoriais/temáticas. Há propostas similares em eixos diferentes, o que demonstra a importância, cada vez maior, da articulação das diversas políticas e ações, superando políticas e ações unicamente setoriais/temáticas.

4 Carência de planejamento e/ou sua implementação - Dificuldade de formular planos, programas e projetos de médio e longo prazo que incorporem definitivamente a participação da sociedade civil na sua concepção. A importância do planejamento e sua implementação são muito relativas, na percepção dos gestores públicos, nos 3 níveis de governo, e até mesmo na percepção técnica. Carência de planejamento e/ou sua implementação - Dificuldade de formular planos, programas e projetos de médio e longo prazo que incorporem definitivamente a participação da sociedade civil na sua concepção. A importância do planejamento e sua implementação são muito relativas, na percepção dos gestores públicos, nos 3 níveis de governo, e até mesmo na percepção técnica. Necessidade de ampliar a visão de desenvolvimento regional estruturante para os processos de desenvolvimento econômico, social e ambiental : Desenvolvimento Sustentável Necessidade de ampliar a visão de desenvolvimento regional estruturante para os processos de desenvolvimento econômico, social e ambiental : Desenvolvimento Sustentável Descontinuidade administrativa de planos, programas e projetos nas sucessivas administrações municipais. Descontinuidade administrativa de planos, programas e projetos nas sucessivas administrações municipais.

5 Dificuldade de articulação intra e inter instâncias governamentais na implementação das políticas públicas. Dificuldade de articulação intra e inter instâncias governamentais na implementação das políticas públicas. As constatações anteriores comprometem a construção do futuro As constatações anteriores comprometem a construção do futuro denotando uma incapacidade de visualizar cenários e estabelecer objetivos e metas. Parece que está em cheque a administração pública tradicional. Há uma demanda clara por novas formas de gestão é imperativo encontrar formas de diálogo e gestão que incorporem, permanentemente, os três níveis de governo e a escala regional, além da sociedade civil, no planejamento e na elaboração de planos, programas e projetos

6 MARCO LEGAL NOVOS PARADIGMAS PARA AS CIDADES NOVOS PARADIGMAS PARA AS CIDADES

7 CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Estatuto da Cidade Função social da cidade e da propriedade urbana Função social da cidade e da propriedade urbana Instrumentos: PPA, LDO, LOA, Plano Diretor. Instrumentos: PPA, LDO, LOA, Plano Diretor. 2003: Criação do Ministério das Cidades 1ª Conferência das Cidades 1ª Conferência das Cidades Conselho das Cidades Conselho das Cidades

8 ª Conferência das Cidades Foco na Lei 10257/2001 – Estatuto da Cidade, especialmente sobre a elaboração de planos diretores participativos Foco na Lei 10257/2001 – Estatuto da Cidade, especialmente sobre a elaboração de planos diretores participativos Conselho das Cidades lança a campanha nacional do Plano Diretor Participativo Conselho das Cidades lança a campanha nacional do Plano Diretor Participativo Criação do SNHIS - Lei nº de 16/06/2005 Criação do SNHIS - Lei nº de 16/06/2005 FNHIS - Decreto nº 5.796, de 06/06/2006. FNHIS - Decreto nº 5.796, de 06/06/2006.

9 ª Conferência das Cidades Balanço da 1ª e 2ª Conferências Nacionais das Cidades Balanço da 1ª e 2ª Conferências Nacionais das Cidades Tema 1. A Política de Desenvolvimento Urbano e as Intervenções nas Cidades Tema 2 - Capacidade e Forma de Gestão das Cidades Lei nº , de 05 de Janeiro de Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico Lei nº , de 05 de Janeiro de Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico

10 ª Conferência das Cidades Lei nº , de 3 de janeiro de 2012, institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana ª Conferência das Cidades ª Conferência das Cidades

11 AVANÇOS INSTITUCIONAIS QUE AMPARAM O DESENVOLVIMENTO URBANO UNIÃO - MINISTÉRIO DAS CIDADES - Secretarias de Habitação, Saneamento, Programas Urbanos e Transporte e Mobilidade, tem estimulado e produzido expressiva quantidade de material e ações em prol do desenvolvimento urbano, destacando-se o apoio aos municípios. UNIÃO - MINISTÉRIO DAS CIDADES - Secretarias de Habitação, Saneamento, Programas Urbanos e Transporte e Mobilidade, tem estimulado e produzido expressiva quantidade de material e ações em prol do desenvolvimento urbano, destacando-se o apoio aos municípios. ESTADO - Secretaria de estado de desenvolvimento regional e política urbana, SEDRU, duas sub-secretarias: desenvolvimento regional e política urbana tem tido ação crescente no apoio às Associações Regionais do Estado. ESTADO - Secretaria de estado de desenvolvimento regional e política urbana, SEDRU, duas sub-secretarias: desenvolvimento regional e política urbana tem tido ação crescente no apoio às Associações Regionais do Estado.

12 Conselho das cidades federal, estadual e em muitos municípios. Os Conselhos Federal e Estadual – Conselho das Cidades e Conedru respectivamente têm mais da metade de conselheiros da sociedade civil. Conselho das cidades federal, estadual e em muitos municípios. Os Conselhos Federal e Estadual – Conselho das Cidades e Conedru respectivamente têm mais da metade de conselheiros da sociedade civil. Conferências municipais, estaduais e federais, Conferências municipais, estaduais e federais, Cada três anos e produzem discussões específicas para os municípios, para o estado e para a união. Iniciando-se pelos municípios são feitas propostas para as políticas de desenvolvimento urbano e são eleitos os delegados que por sua vez, serão eleitos conselheiros estaduais ou federais.

13 Ministério público - Tem tido, cada vez mais, uma atuação fundamental no cumprimento da legislação de desenvolvimento urbano. Ministério público - Tem tido, cada vez mais, uma atuação fundamental no cumprimento da legislação de desenvolvimento urbano. AMM Associação Mineira de apoio aos Municípios AMM – Associação Mineira de apoio aos Municípios Estimula e produz condições de diálogo e de ações conjuntas entre os municípios. Municípios - Implementar processos de planejamento, elaborar planos, programas e projetos, com participação da população, como condição de acessar, no governo federal, os recursos financeiros disponíveis. celebração de Consórcios, Associações de Municípios. Municípios - Implementar processos de planejamento, elaborar planos, programas e projetos, com participação da população, como condição de acessar, no governo federal, os recursos financeiros disponíveis. celebração de Consórcios, Associações de Municípios.

14 AÇÕES DAS ENTIDADES PROFISSIONAIS - AÇÕES DAS ENTIDADES PROFISSIONAIS - Crea-MG, IAB, OAB, Entidades de Engenheiros e Arquitetos, Sindicatos, etc. > encontros, seminários, cursos, produção de material, cartilhas, guias, publicações técnicas, etc. Convênios com Entidades Profissionais: para colocar à disposição dos municípios serviços profissionais, como Assistência Técnica à moradia de população de baixa renda, fiscalização urbana, a exemplo dos Convênios do Crea-MG e de Associações Profissionais em Alfenas, S. Lourenço e São Sebastião do Paraiso.

15 Incorporação das Universidades no Desenvolvimento Urbano Incorporação das Universidades no Desenvolvimento Urbano Muita contribuição de universidades da região, ao desenvolvimento urbano e à melhoria da qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão. Muita contribuição de universidades da região, ao desenvolvimento urbano e à melhoria da qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão. Capacidade de produzir uma visão interdisciplinar. Peculiaridade de amparar uma continuidade do processo de planejamento, com visão de médio e longo prazo, bastante distante da visão do poder executivo, voltado para ações no curto prazo, coincidente com os mandatos eletivos. Ressalte-se, ainda, a legitimidade e reconhecimento público em subsidiar o processo de desenvolvimento p/ poder público e segmentos sociais. Ex. Alago e 9 universidades em 2003, com recursos de R$ ,00 da Furnas. O plano regional estabeleceu meta prioritária, dos 52 municípios, o saneamento. Em 2012, tendo sido captados os recursos no governo federal estão sendo iniciadas as obras em diversas localidades.

16 Outro exemplo importante é o da parceria entre a Universidade Federal de MG, Pontifícia Universidade Católica de MG e Universidade Estadual de MG, UFMG/PUC/UEMG, na elaboração do Plano de Desenvolvimento Integrado da Região metropolitana de Belo Horizonte, PDDI/RMBH. Destaca-se ainda, entre muitas outras a Universidade de Viçosa, que tem bons serviços prestados ao desenvolvimento urbano, municipal e regional. Novas metodologias de trabalho Novas metodologias de trabalho Com mapas Com mapas Organização pelos princípios do desenvolvimento sustentável econômico, social, ambiental, territorial e gestão. Organização pelos princípios do desenvolvimento sustentável econômico, social, ambiental, territorial e gestão. Metodologia das cartelas. Metodologia das cartelas.

17 Breve comentário sobre estruturas de gestão e estruturas urbanas Breve comentário sobre estruturas de gestão e estruturas urbanas É interessante observar como as estruturas organizacionais e de organização territorial vêm mudando para se adaptar ao século XXI. As estruturas organizadas de forma hierarquizada (tradicionais), para promover processos executivos, sejam públicos ou privados (figura 1) perdem espaço para estruturas mais complexas, em rede (figura 2) e em 3D (figura 3), o mesmo vem ocorrendo com os processos de organização do território. As estruturas tradicionais podem permanecer mas serão enriquecidas por processos integrados e mais participativos, ampliando a comunicação e a mobilidade.

18 Uma imagem gráfica nos ajuda a visualizar melhor esses conceitos : ESTRUTURA EM ÁRVORE (tradicional) ESTRUTURA EM ÁRVORE (tradicional)

19 Da estrutura em árvore para a estrutura em rede - Da estrutura em árvore para a estrutura em rede -

20 O Desenvolvimento Sustentável estrutura-se no tripé Econômico, Social e Ambiental. Articular os diversos aspectos desse tripé é cada vez mais necessário e desejado. A implementação de planos, programas e projetos sustentáveis vai acontecer, necessariamente, sobre um espaço ou região, onde todas as intervenções (ou políticas) devem se articular, se interagir, se integrar, para mudar as condições de vida pela reorganização do espaço. Para que haja integração das intervenções no espaço, é preciso novas formas de gestão, que administrem um conjunto diversificado de especialidades e interlocutores promovendo novas formas de comunicação e decisão.

21 GOVERNAMENTAIS Ministério das Cidades – Sedru - Sedru - Secretaria de Estado de Gestão Metropolitana - Secretaria de Estado de Gestão Metropolitana - AMM - AMM - Crea-MG - ASSOCIAÇÕES/CONSÓRCIOS MUNICIPAIS ALAGO - ALAGO - CODAP – CODAP – CISAB - CISAB - MOVIMENTOS DA SOCIEDADE CIVIL NOSSA BH - NOSSA BH - NOSSA BETIM - NOSSA BETIM -

22 Engenheiro Civil Sílvio Rogério Fernandes (0xx32) MUITO OBRIGADO!


Carregar ppt "Seminário Água e Terra O Futuro do Vale do Jequitinhonha Condições para o Desenvolvimento Econômico do Vale APRESENTAÇÃO Eng. Civil Sílvio Rogério Fernandes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google