A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sexualidade Humana - Maurícia Reis. É uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura, intimidade,...... que se integra no modo como nos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sexualidade Humana - Maurícia Reis. É uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura, intimidade,...... que se integra no modo como nos."— Transcrição da apresentação:

1 Sexualidade Humana - Maurícia Reis

2 É uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura, intimidade, que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos e somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual; ela influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental (OMS). Sexualidade Humana - Maurícia Reis

3 Na espécie Humana a reprodução é sexuada; união de duas células sexuais gâmetas Fecundação Resulta da união de duas células sexuais (gâmetas), uma feminina e uma masculina – Fecundação. dois indivíduos de sexos diferentes Estão envolvidos dois indivíduos de sexos diferentes. Dimorfismo sexual – os indivíduos dos dois sexos distinguem-se através de algumas características morfológicas; Na espécie Humana a reprodução é sexuada; união de duas células sexuais gâmetas Fecundação Resulta da união de duas células sexuais (gâmetas), uma feminina e uma masculina – Fecundação. dois indivíduos de sexos diferentes Estão envolvidos dois indivíduos de sexos diferentes. Dimorfismo sexual – os indivíduos dos dois sexos distinguem-se através de algumas características morfológicas; Sexualidade Humana - Maurícia Reis

4 Entre os 10 e os 16 anos – essas características tornam-se mais significativas – caracteres sexuais secundários: Rapazes: voz mais grave; surgem pêlos na face, axilas, região púbica e por todo o corpo; alargamento dos ombros, desenvolvimento da musculatura – silhueta masculina; primeiras emissões de esperma; crescimento acentuado; Raparigas: crescimento dos seios; aparecimento de pêlos nas axilas e região púbica; arredondamento das ancas e alargamento da bacia – silhueta feminina; inicia-se o ciclo menstrual; crescimento acentuado. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

5 Hormona sexual masculina produzida nos testículos; Começa a ser elaborada durante a vida embrionária, mas é a partir da puberdade que a sua produção aumenta; Aparecimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários; Produção de espermatozóides; Desenvolvimento do instinto sexual. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

6 Sistema Reprodutor Masculino No homem, o sistema reprodutor está ligado ao sistema urinário, havendo órgãos comuns aos dois sistemas – uretra e pénis. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

7 testículostestículos Gónadas EpidídimosEpidídimos Canais deferentesCanais deferentes UretraUretra Vias Genitais PróstataPróstata Vesículas seminaisVesículas seminais Glândulas Anexas EscrotoEscroto PénisPénis Órgãos genitais Externos Sexualidade Humana - Maurícia Reis Produzem os gâmetas masculinos – espermatozóides;  Produzem os gâmetas masculinos – espermatozóides;  segregam testerona – hormona sexual masculina; Produzem os gâmetas masculinos – espermatozóides;  Produzem os gâmetas masculinos – espermatozóides;  segregam testerona – hormona sexual masculina; Canais por onde decorre o armazenamento e o transporte dos espermatozóides. produção de secreções que permitem a sobrevivência dos espermatozóides

8 Sistema Reprodutor Feminino Sexualidade Humana - Maurícia Reis

9 O ocorre desde a puberdade até à menopausa; O ocorre desde a puberdade até à menopausa; Tem a periodicidade de cerca de 28 dias - início no 1º dia da menstruação e termina no 1º dia da menstruação seguinte; Tem a periodicidade de cerca de 28 dias - início no 1º dia da menstruação e termina no 1º dia da menstruação seguinte; Engloba o ciclo ovárico e o ciclo uterino; Engloba o ciclo ovárico e o ciclo uterino; Consiste num conjunto de transformações cíclicas que decorrem nos ovários e no útero. Consiste num conjunto de transformações cíclicas que decorrem nos ovários e no útero.

10 Sexualidade Humana - Maurícia Reis

11 Ciclo Ovárico  Fase Luteínica (ou do corpo amarelo)  Fase Luteínica (ou do corpo amarelo) ( cada uma tem duração de cerca de 14 dias)  Fase Folicular  Ovulação Sexualidade Humana - Maurícia Reis

12 Fase Folicular Desenvolvimento e maturação de um folículo ovárico, que contém no seu interior um ovócito. Fase Folicular Desenvolvimento e maturação de um folículo ovárico, que contém no seu interior um ovócito. ovulação Entre estas duas fases dá-se a ovulação – libertação do ovócito II – aproximadamente ao 14º dia do ciclo. Se não houver fecundação o corpo amarelo degenera no final do ciclo ovárico e inicia-se um novo ciclo.  Ovulação Sexualidade Humana - Maurícia Reis Fase Luteínica Desenvolvimento do corpo amarelo, a partir do que restou do folículo ovárico. Fase Luteínica Desenvolvimento do corpo amarelo, a partir do que restou do folículo ovárico.

13 Fase Menstrual hormonas ováricasestrogénios progesterona Estas transformações do útero devem-se à acção das hormonas ováricas – estrogénios e progesterona. Fase Proliferativa Fase Secretora Sexualidade Humana - Maurícia Reis

14 Ruptura de vasos sanguíneos, destruição e eliminação do endométrio; Cerca de 5 dias Fase Menstrual - menstruação Multiplicação celular, reconstituição do endométrio destruído. Cerca de 9 dias Fase proliferativa Endométrio atinge a espessura máxima e as suas glândulas segregam substâncias nutritivas, ficando o útero preparado para a fixação de um embrião. Cerca de 14 dias Fase Secretora Sexualidade Humana - Maurícia Reis

15 hormonas ováricas São hormonas ováricas; Hormonas sexuais femininas Hormonas sexuais femininas; Funções: caracteres sexuais secundários Aparecimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários; óvulos Produção de ovócitos II – óvulos; transformações cíclicas Responsáveis pelas transformações cíclicas que ocorrem no útero – ciclo uterino; responsáveis pela reconstrução do endométrio; quando a sua concentração baixa, no sangue, o endométrio é destruído e ocorre a menstruação. quando a sua concentração baixa, no sangue, o endométrio é destruído e ocorre a menstruação. hormonas ováricas São hormonas ováricas; Hormonas sexuais femininas Hormonas sexuais femininas; Funções: caracteres sexuais secundários Aparecimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários; óvulos Produção de ovócitos II – óvulos; transformações cíclicas Responsáveis pelas transformações cíclicas que ocorrem no útero – ciclo uterino; responsáveis pela reconstrução do endométrio; quando a sua concentração baixa, no sangue, o endométrio é destruído e ocorre a menstruação. quando a sua concentração baixa, no sangue, o endométrio é destruído e ocorre a menstruação. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

16 São as hormonas hipofisárias FSH e LH produzidas pelo complexo hipotálamo-hipófise que controlam a produção das hormonas sexuais: São as hormonas hipofisárias FSH e LH produzidas pelo complexo hipotálamo-hipófise que controlam a produção das hormonas sexuais: testosterona, no homem; testosterona, no homem; estrogénios e progesterona, na mulher. estrogénios e progesterona, na mulher. Gonadoestimulinas - FSH e LH – são produzidas pela hipófise, estimulam as gónadas (ovários e testículos). Gonadoestimulinas - FSH e LH – são produzidas pela hipófise, estimulam as gónadas (ovários e testículos). São as hormonas hipofisárias FSH e LH produzidas pelo complexo hipotálamo-hipófise que controlam a produção das hormonas sexuais: São as hormonas hipofisárias FSH e LH produzidas pelo complexo hipotálamo-hipófise que controlam a produção das hormonas sexuais: testosterona, no homem; testosterona, no homem; estrogénios e progesterona, na mulher. estrogénios e progesterona, na mulher. Gonadoestimulinas - FSH e LH – são produzidas pela hipófise, estimulam as gónadas (ovários e testículos). Gonadoestimulinas - FSH e LH – são produzidas pela hipófise, estimulam as gónadas (ovários e testículos). Sexualidade Humana - Maurícia Reis

17

18 Fecundação:Fecundação: resulta da união:  de um gâmeta feminino (ovócito II ou óvulo)  com um gâmeta masculino (espermatozóide); é necessário que os espermatozóides sejam depositados na vagina durante o período fértil da mulher (durante a ovulação); ocorre na trompa de falópio – os espermatozóides, graças à sua cauda, que lhes permitem ter mobilidade;  Após a entrada de um espermatozóide no óvulo, forma-se uma membrana que impede a entrada de outro. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

19 resulta da junção de: 23 cromossomas paternos (do espermatozóide) 23 cromossomas maternos (do ovócito II); Possui 46 cromossomas no seu núcleo – é a primeira célula do ser humano; Sexo do descendente é decidido pelo 23º cromossoma do espermatozóide (X ou Y) – no ovócito II este cromossoma é sempre X; resulta da junção de: 23 cromossomas paternos (do espermatozóide) 23 cromossomas maternos (do ovócito II); Possui 46 cromossomas no seu núcleo – é a primeira célula do ser humano; Sexo do descendente é decidido pelo 23º cromossoma do espermatozóide (X ou Y) – no ovócito II este cromossoma é sempre X; Sexualidade Humana - Maurícia Reis

20 Resulta de sucessivas divisões do ovo; Desce até ao útero; nidação Fixa-se ao endométrio – nidação; Inicialmente é um conjunto de células indiferenciadas; Há medida que o tempo passa ocorre multiplicação e diferenciação celular - formação dos vários tecidos e órgãos; passa a chamar-se feto a partir da 9ª semana; Resulta de sucessivas divisões do ovo; Desce até ao útero; nidação Fixa-se ao endométrio – nidação; Inicialmente é um conjunto de células indiferenciadas; Há medida que o tempo passa ocorre multiplicação e diferenciação celular - formação dos vários tecidos e órgãos; passa a chamar-se feto a partir da 9ª semana; Sexualidade Humana - Maurícia Reis

21 Desenvolvimento do embrião no útero - durante cerca de 9 meses – até ao nascimento; Desenvolvimento do embrião no útero - durante cerca de 9 meses – até ao nascimento; Ocorre dentro de uma bolsa cheia de líquido – saco amniótico; Ocorre dentro de uma bolsa cheia de líquido – saco amniótico;  Hidratação;  Protecção contra choques e diferenças de temperatura; Placenta – órgão que está ligado ao cordão umbilical e através do qual o feto recebe da mãe os nutrientes e o oxigénio e elimina as excreções; Placenta – órgão que está ligado ao cordão umbilical e através do qual o feto recebe da mãe os nutrientes e o oxigénio e elimina as excreções;  Também passam substâncias prejudiciais ao desenvolvimento do feto/embrião – álcool, drogas, nicotina,... Desenvolvimento do embrião no útero - durante cerca de 9 meses – até ao nascimento; Desenvolvimento do embrião no útero - durante cerca de 9 meses – até ao nascimento; Ocorre dentro de uma bolsa cheia de líquido – saco amniótico; Ocorre dentro de uma bolsa cheia de líquido – saco amniótico;  Hidratação;  Protecção contra choques e diferenças de temperatura; Placenta – órgão que está ligado ao cordão umbilical e através do qual o feto recebe da mãe os nutrientes e o oxigénio e elimina as excreções; Placenta – órgão que está ligado ao cordão umbilical e através do qual o feto recebe da mãe os nutrientes e o oxigénio e elimina as excreções;  Também passam substâncias prejudiciais ao desenvolvimento do feto/embrião – álcool, drogas, nicotina,... Sexualidade Humana - Maurícia Reis

22 Cuidados a ter durante a gravidez: Ter acompanhamento médico; Ter acompanhamento médico; Efectuar exames regulares: Efectuar exames regulares: – Ecografias; – Análises; –... Usar calçado adequado, roupas largas e confortáveis; Usar calçado adequado, roupas largas e confortáveis; Evitar ambientes poluídos; Evitar ambientes poluídos; Evitar esforços físicos; Evitar esforços físicos; Não fumar, não ingerir álcool, nem drogas; Não fumar, não ingerir álcool, nem drogas; Não tomar medicamentos sem autorização do médico. Não tomar medicamentos sem autorização do médico. Ter acompanhamento médico; Ter acompanhamento médico; Efectuar exames regulares: Efectuar exames regulares: – Ecografias; – Análises; –... Usar calçado adequado, roupas largas e confortáveis; Usar calçado adequado, roupas largas e confortáveis; Evitar ambientes poluídos; Evitar ambientes poluídos; Evitar esforços físicos; Evitar esforços físicos; Não fumar, não ingerir álcool, nem drogas; Não fumar, não ingerir álcool, nem drogas; Não tomar medicamentos sem autorização do médico. Não tomar medicamentos sem autorização do médico. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

23 Nascimento do bebé: Nascimento do bebé: – O saco amniótico (bolsa de águas) rompe-se; – Ocorrem contracções do útero; – O canal vaginal dilata; – Dá-se a expulsão do bebé para o exterior - parto.  Após o parto é cortado o cordão umbilical e o bebé passa a ter uma vida independente. Nascimento do bebé: Nascimento do bebé: – O saco amniótico (bolsa de águas) rompe-se; – Ocorrem contracções do útero; – O canal vaginal dilata; – Dá-se a expulsão do bebé para o exterior - parto.  Após o parto é cortado o cordão umbilical e o bebé passa a ter uma vida independente. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

24 Sintomas: – Ausência de menstruação - primeiro sinal; – Náuseas; – Aumento do volume dos seios; – Sonolência; – Palpitações e nervosismo; Teste de gravidez; Sintomas: – Ausência de menstruação - primeiro sinal; – Náuseas; – Aumento do volume dos seios; – Sonolência; – Palpitações e nervosismo; Teste de gravidez; Sexualidade Humana - Maurícia Reis

25 Planeamento Familiar e Contracepção Sexualidade Humana - Maurícia Reis

26 Porque a Família tem que ser planeada!!... uma criança tem o direito de ser desejada!!... não queremos uma gravidez não desejada!!... a Família tem que ser planeada!!... uma criança tem o direito de ser desejada!!... não queremos uma gravidez não desejada!! Sexualidade Humana - Maurícia Reis

27 Métodos Contraceptivos Naturais QuímicosMecânicos Sexualidade Humana - Maurícia Reis

28 Coito interrompidoCoito interrompido Ogino-Knauss ou do CalendárioOgino-Knauss ou do Calendário Das temperaturasDas temperaturas De Billings ou Muco CervicalDe Billings ou Muco Cervical Naturais Preservativo masculino;Preservativo masculino; Preservativo feminino;Preservativo feminino; Dispositivo Intra- Uterino (DIU)Dispositivo Intra- Uterino (DIU) DiafragmaDiafragma Mecânicos ou de Barreira Espermicidas;Espermicidas; Pílula Contracepção hormonal injectável Adesivo contraceptivo Implantes dérmicos Contracepção de emergência (pílula do dia seguinte)Contracepção de emergência (pílula do dia seguinte) Químicos Métodos Contraceptivos Sexualidade Humana - Maurícia Reis

29

30 É o método mais falível Exige um grande controlo do homem – tem que retirar o pénis antes da ejaculação Não deve ser utilizado por adolescentes e jovens Não deve ser utilizado por quem não quer mesmo engravidar – adolescentes e jovens Sexualidade Humana - Maurícia Reis

31 Consiste na determinação do período fértil da mulher (aproximadamente entre o 7º e o 21º dia do ciclo menstrual); durante este período não deve haver relações sexuais sem protecção; Não deve ser usado por quem não quer engravidar – Adolescentes e Jovens Sexualidade Humana - Maurícia Reis

32 A mulher tem que medir a temperatura corporal diariamente (esta sobe após a ovulação – até 37ºC aproximadamente) Pressupõe-se que a partir do 3º dia em que a T se manteve perto dos 37ºC, a ovulação já ocorreu Não deve ser usado por quem não quer engravidar – Adolescentes e Jovens Sexualidade Humana - Maurícia Reis

33 Permite determinar os período fértil da mulher a partir da análise do muco cervical Durante os 5 dias do período fértil o muco é transparente, elástico e escorregadio Não deve ser usado por quem não quer engravidar – Adolescentes e Jovens Sexualidade Humana - Maurícia Reis

34

35

36 Preservativo Masculino Invólucro fino de látex com que se envolve o pénis antes do acto sexual; Invólucro fino de látex com que se envolve o pénis antes do acto sexual; Impede o lançamento de espermatozóides na vagina; Impede o lançamento de espermatozóides na vagina; Invólucro fino de látex com que se envolve o pénis antes do acto sexual; Invólucro fino de látex com que se envolve o pénis antes do acto sexual; Impede o lançamento de espermatozóides na vagina; Impede o lançamento de espermatozóides na vagina;

37 Preservativo Masculino Sexualidade Humana - Maurícia Reis Impede a gravidez; Previne as IST’s/DST’s – Infecções sexualmente transmissíveis; Não tem efeitos secundários para o homem nem para a mulher.

38 Sexualidade Humana - Maurícia Reis Preservativo Feminino Invólucro de látex que é colocado no interior da vagina, antes do acto sexual; Invólucro de látex que é colocado no interior da vagina, antes do acto sexual;

39 Preservativo Feminino Sexualidade Humana - Maurícia Reis Evita a entrada de espermatozóides no útero; É eficaz na prevenção das IST’s; Não está a ser comercializado em Portugal.

40 Sexualidade Humana - Maurícia Reis DIU – Dispositivo Intra-Uterino Aparelho de metal ou plástico inserido no útero – por um médico especialista – eficaz durante cerca de 2 anos; Impede a fixação do embrião ao útero, no caso de eventual fecundação; Método seguro, mas com alguns efeitos secundários – agrava as dores menstruais, aumenta o fluxo menstrual, pode conduzir a infecções intra-utrinas; Não Previne DST’s/IST’s Aparelho de metal ou plástico inserido no útero – por um médico especialista – eficaz durante cerca de 2 anos; Impede a fixação do embrião ao útero, no caso de eventual fecundação; Método seguro, mas com alguns efeitos secundários – agrava as dores menstruais, aumenta o fluxo menstrual, pode conduzir a infecções intra-utrinas; Não Previne DST’s/IST’s

41 DiafragmaDiafragma Dispositivo de látex, colocado na vagina, abaixo do cólo do útero; impede a entrada de espermatozóide para o útero; Pouco eficaz deve ser usado em simultâneo com um espermicida; Baixa protecção contra as DST’s/IST’s Dispositivo de látex, colocado na vagina, abaixo do cólo do útero; impede a entrada de espermatozóide para o útero; Pouco eficaz deve ser usado em simultâneo com um espermicida; Baixa protecção contra as DST’s/IST’s Sexualidade Humana - Maurícia Reis

42

43 É um dos métodos contraceptivos mais seguros; É um dos métodos contraceptivos mais seguros; Consiste na administração de hormonas que impedem a ovulação; Consiste na administração de hormonas que impedem a ovulação; Ingestão de um comprimido diariamente – preferencialmente sempre à mesma hora, durante 21 dias consecutivos, segue-se 1 semana de repouso durante a qual ocorrerá uma hemorragia – mais ligeira que a menstruação; Ingestão de um comprimido diariamente – preferencialmente sempre à mesma hora, durante 21 dias consecutivos, segue-se 1 semana de repouso durante a qual ocorrerá uma hemorragia – mais ligeira que a menstruação; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Deve ser prescrita pelo médico; Deve ser prescrita pelo médico; N ÃO PREVINE IST’S. N ÃO PREVINE IST’S. É um dos métodos contraceptivos mais seguros; É um dos métodos contraceptivos mais seguros; Consiste na administração de hormonas que impedem a ovulação; Consiste na administração de hormonas que impedem a ovulação; Ingestão de um comprimido diariamente – preferencialmente sempre à mesma hora, durante 21 dias consecutivos, segue-se 1 semana de repouso durante a qual ocorrerá uma hemorragia – mais ligeira que a menstruação; Ingestão de um comprimido diariamente – preferencialmente sempre à mesma hora, durante 21 dias consecutivos, segue-se 1 semana de repouso durante a qual ocorrerá uma hemorragia – mais ligeira que a menstruação; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Deve ser prescrita pelo médico; Deve ser prescrita pelo médico; N ÃO PREVINE IST’S. N ÃO PREVINE IST’S. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

44 Contracepção Hormonal Injectável Consiste numa toma trimestral ou semestral – tem o mesmo efeito que a pílula – impede a ovulação; Consiste numa toma trimestral ou semestral – tem o mesmo efeito que a pílula – impede a ovulação; Desvantagens: Desvantagens:  pode produzir frequentes perdas de sangue durante o ciclo;  Ausência de menstruação após várias administrações;  Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde;  Deve ser prescrita pelo médico;  Não previne IST’s. Consiste numa toma trimestral ou semestral – tem o mesmo efeito que a pílula – impede a ovulação; Consiste numa toma trimestral ou semestral – tem o mesmo efeito que a pílula – impede a ovulação; Desvantagens: Desvantagens:  pode produzir frequentes perdas de sangue durante o ciclo;  Ausência de menstruação após várias administrações;  Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde;  Deve ser prescrita pelo médico;  Não previne IST’s. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

45 Adesivo Contraceptivo Actua do mesmo modo que a pílula – mesma eficácia; Actua do mesmo modo que a pílula – mesma eficácia; Autocolante aplicado sobre a pele; Autocolante aplicado sobre a pele; São libertadas hormonas que entram na corrente sanguínea – impede ovulação; São libertadas hormonas que entram na corrente sanguínea – impede ovulação; Vantagens: Vantagens: Evita o esquecimento – pílula; Evita o esquecimento – pílula; Reversível; Reversível; Desvantagens: Desvantagens: Mesmos efeitos secundários que a pílula; Mesmos efeitos secundários que a pílula; Não protege das IST’s Não protege das IST’s Actua do mesmo modo que a pílula – mesma eficácia; Actua do mesmo modo que a pílula – mesma eficácia; Autocolante aplicado sobre a pele; Autocolante aplicado sobre a pele; São libertadas hormonas que entram na corrente sanguínea – impede ovulação; São libertadas hormonas que entram na corrente sanguínea – impede ovulação; Vantagens: Vantagens: Evita o esquecimento – pílula; Evita o esquecimento – pílula; Reversível; Reversível; Desvantagens: Desvantagens: Mesmos efeitos secundários que a pílula; Mesmos efeitos secundários que a pílula; Não protege das IST’s Não protege das IST’s Sexualidade Humana - Maurícia Reis

46  Podem ser: cremes, sprays, geleias e espumas;  Introduzidos no colo do útero, minutos antes do acto sexual;  Agem quimicamente destruindo os espermatozóides;  Pode causar alergias;  E STE MÉTODO É POUCO SEGURO ;  Deve ser usado com outro contraceptivo;  Não Previne IST’s.  Podem ser: cremes, sprays, geleias e espumas;  Introduzidos no colo do útero, minutos antes do acto sexual;  Agem quimicamente destruindo os espermatozóides;  Pode causar alergias;  E STE MÉTODO É POUCO SEGURO ;  Deve ser usado com outro contraceptivo;  Não Previne IST’s. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

47 Contracepção de emergência – “pílula do dia seguinte”  Não é um contraceptivo, mas um recurso excepcional, quando tenha havido falha no método usado:  Deve ser tomada nas primeiras 72 horas após a relação sexual;  Está disponível em Portugal, sem receita médica;  Desvantagens: Não é fiável – não evita a gravidez, evita a ovulação ou a nidação; Não é fiável – não evita a gravidez, evita a ovulação ou a nidação; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Não previne as IST’s. Não previne as IST’s.  Não é um contraceptivo, mas um recurso excepcional, quando tenha havido falha no método usado:  Deve ser tomada nas primeiras 72 horas após a relação sexual;  Está disponível em Portugal, sem receita médica;  Desvantagens: Não é fiável – não evita a gravidez, evita a ovulação ou a nidação; Não é fiável – não evita a gravidez, evita a ovulação ou a nidação; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Apresenta alguns efeitos secundários – e portanto alguns riscos para a saúde; Não previne as IST’s. Não previne as IST’s. Sexualidade Humana - Maurícia Reis

48 A escolha é tua!! Sexualidade Humana - Maurícia Reis


Carregar ppt "Sexualidade Humana - Maurícia Reis. É uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura, intimidade,...... que se integra no modo como nos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google