A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ocupação e Resistência na Palestina As ofensivas de Israel e a política sionista de massacre dos palestinos Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ocupação e Resistência na Palestina As ofensivas de Israel e a política sionista de massacre dos palestinos Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos."— Transcrição da apresentação:

1 Ocupação e Resistência na Palestina As ofensivas de Israel e a política sionista de massacre dos palestinos Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz)

2 Colonização da Palestina: Imperialismo europeu e instrumentalização de visões religiosas por uma agenda política e racista de ocupação formulada ainda no século 19 e institucionalizada no século 20.

3 Acordo Sykes-Picot (1916 ) Divisão do Oriente Médio entre Reino Unido e França, com influência sionista Declaração de Balfour (1917) Chanceler britânico escreve sobre a criação, na Palestina, de uma “pátria” para o povo judeu Plano de Partilha da Palestina (ONU ) Apenas 43,53% da Palestina histórica aos palestinos (67% da população). Aos judeus (33% da população), 56,47% para a criação de Israel.

4 1948 Guerra Árabe-Israelense e “Nakba” (“Catástrofe”) palestina: Ao menos 15 mil mortos e 750 mil refugiados; mais de 500 vilas palestinas arrasadas Guerra dos Seis Dias entre Israel e vizinhos árabes e contra a Palestina ocupada. Israel invade o Sinai (Egito), as colinas de Golã (Síria), as Fazendas Shebaa (Líbano), a Faixa de Gaza e a Cisjordânia palestinas.

5 Ocupação expansiva da Palestina por Israel e suas ameaças à região têm apoio direto dos EUA em US$ 3 bilhões anuais ao setor militar, garantidos nos Acordos de Camp David (1978). Nos anos 1970, em guerra com a Síria e o Líbano, Israel produz armas nucleares ainda não declaradas. É o único detentor desses armamentos no Oriente Médio (com ogivas) Sistema antimíssil Cúpula de Ferro, produzido pela indústria bélica de Israel com financiamento dos Estados Unidos.

6 1947 ONU emite primeira resolução acerca da Palestina e reconhece o direito do povo palestino à autodeterminação. Israel violou reiteradamente as resoluções anuais da ONU, com a cumplicidade dos Estados Unidos, que vetaram mais de 50 no Conselho de Segurança. Resolução 181 (Assembleia Geral, 1947) Partilha da Palestina Resolução 194 (Assembleia Geral, 1948) Direito de retorno ou compensação aos refugiados, reafirmado em dezenas de resoluções e declarações posteriores Resolução 2253 (Assembleia Geral, 1967) Condena anexação de Jerusalém por Israel Resolução 242 (Conselho de Segurança, 1967) Condenou a ocupação israelense dos territórios árabes como “inadmissível” Resolução 2443 (Assembleia Geral, 1968) Estabelece comitê para monitorar direitos humanos nos territórios ocupados (...) Resolução 181 (Assembleia Geral, 1947) Partilha da Palestina Resolução 194 (Assembleia Geral, 1948) Direito de retorno ou compensação aos refugiados, reafirmado em dezenas de resoluções e declarações posteriores Resolução 2253 (Assembleia Geral, 1967) Condena anexação de Jerusalém por Israel Resolução 242 (Conselho de Segurança, 1967) Condenou a ocupação israelense dos territórios árabes como “inadmissível” Resolução 2443 (Assembleia Geral, 1968) Estabelece comitê para monitorar direitos humanos nos territórios ocupados (...)

7 Palestina Ocupada – Processo de Paz 1991 Conferência de Madri 1993 Declaração de Princípios de Oslo (I) 1995 Acordo de Oslo II (assinado em Taba) 1997 Protocolo de Hebron 1998 Memorando de Wye 1999 Memorando Sharm el-Sheikh 2000 Cúpula de Camp David Iniciativa de Paz Árabe / Rota da Paz 2005 Retirada israelense do interior da Faixa de Gaza Conferência de Paz de Anápolis 2010 Diálogos de aproximação Negociações sobre questões centrais

8 Cisjordânia Acordo de Oslo (“interino”, com prazo de cinco anos, mas ignorado) Ocupação militar israelense expansiva: Postos de controle, muro de separação e regime de segregação – apartheid

9 Faixa de Gaza (2007) Bloqueio completo Restrições intensificadas com o passar dos anos, em violação dos acordos assinados

10 Desapropriação de terras e propriedades palestinas Demolição de residências Captura de recursos aquíferos para abastecer as colônias 2005 – Retirada de milhares de colonos de Gaza, muitos transferidos para a Cisjordânia Mais de 530 mil colonos em 2013, quase o dobro de (Fonte: B’Tselem) Ocupação e Colônias ilegais casas construídas em colônias entre 12/6 – 28/8 para colonos 31/8 – 400 hectares palestinos tomados: mais casas na colônia de Gvaot (que se tornará “cidade”), na grande rede de colônias Etzion (~70 mil hab.) – plano de cortar Jerusalém da Palestina

11 Muro da Segregação 2002 Israel decide construir um muro na Cisjordânia, com cerca de 800 km e oito metros de altura, capturando ainda mais terras palestinas Opinião consultiva do Tribunal Internacional de Justiça considera o muro “uma violação do direito internacional” (Posto de controle militar israelense em Belém, próximo ao muro) (Posto de controle militar israelense em Belém, próximo ao muro)

12 Prisioneiros políticos Detenções arbitrárias Megiddo – Uma das piores prisões israelenses, com denúncias de tortura e outros tratamentos cruéis frequentemente fatais “Detenção administrativa” Sem acusação formal ou julgamento, por períodos renováveis de 6 meses 1 Prisão e 4 Centros militares de interrogatório de Israel na Cisjordânia 20 Prisões e centros de detenção em Israel Maio 2014: prisioneiros incl. crianças e parlamentares (Fonte: Addameer) detenções desde junho (Fonte: OLP)

13 Ataques aos palestinos e vizinhos árabes, expansão das colônias em territórios ocupados e ofensivas militares Nos cinco últimos anos, Israel lançou três “operações” contra a Faixa de Gaza, matando quase pessoas. Política agressiva de Israel 2009 Conselho de Direitos Humanos da ONU conclui ter havido crimes de guerra nos 22 dias de bombardeios (dez jan.2009) 2009 Conselho de Direitos Humanos da ONU conclui ter havido crimes de guerra nos 22 dias de bombardeios (dez jan.2009)

14 “Operação Guardião Fraterno” contra a Cisjordânia (12/6 – corrente) 32 palestinos mortos (7 crianças) por soldados e colonos israelenses feridos detidos (inclusive crianças, parlamentares) 50 casas e outras estruturas demolidas incursões (“batidas”) 249 ataques de colonos postos móveis de controle militar 32 palestinos mortos (7 crianças) por soldados e colonos israelenses feridos detidos (inclusive crianças, parlamentares) 50 casas e outras estruturas demolidas incursões (“batidas”) 249 ataques de colonos postos móveis de controle militar Fonte: OLP (28/8)

15 2.145 mortos (581 crianças; ~ 70% civis) feridos 450 mil pessoas obrigadas a buscar refúgio 10 mil lares destruídos Mais de 200 escolas atingidas Dezenas de hospitais, clínicas, redes elétricas e de água atingidas mortos (581 crianças; ~ 70% civis) feridos 450 mil pessoas obrigadas a buscar refúgio 10 mil lares destruídos Mais de 200 escolas atingidas Dezenas de hospitais, clínicas, redes elétricas e de água atingidas “Operação Margem Protetora” contra a Faixa de Gaza (8/7 – 26/8: cerca de 50 dias de bombardeios) Fonte: OLP (26/8)

16 Mais de 130 países reconheceram o Estado da Palestina na Assembleia-Geral da ONU (estatuto de “observador”) Novembro 2012 – Mais de 130 países reconheceram o Estado da Palestina na Assembleia-Geral da ONU (estatuto de “observador”) Movimentos sociais fortalecem campanhas mundiais em solidariedade ao povo palestino e em apoio à sua luta pela autodeterminação Ocupação israelense da Palestina é cada vez mais amplamente denunciada Estado ocupado da Palestina adere a dezenas de organizações e tratados internacionais, inclusive às Convenções de Genebra (em 2014), sobre Direito Internacional Humanitário Conquistas Palestinas


Carregar ppt "Ocupação e Resistência na Palestina As ofensivas de Israel e a política sionista de massacre dos palestinos Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google