A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Marcel Gromaire, A Guerra.A partida de soldados portugueses para a guerra.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Marcel Gromaire, A Guerra.A partida de soldados portugueses para a guerra."— Transcrição da apresentação:

1 Marcel Gromaire, A Guerra.A partida de soldados portugueses para a guerra.

2

3 No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos, como a “Grande Guerra”. Pelos meios envolvidos, foi qualificada de “Guerra total”. As suas consequências prolongaram-se para além do fim do conflito

4 Pela dimensão dos efeitos materiais e humanos devastadores, muitos pensaram que o mundo não viveria mais nenhum conflito bélico. Vista aérea de um ataque com gás. Soldados franceses na I Guerra Mundial Soldados com máscaras antigás.

5 A situação da Europa Os antecedentes da guerra de A situação da Europa Os antecedentes da guerra de Choque de interesses económicos entre as grandes potências Domínio do comércio mundial Generalização de um clima de “paz armada” Corrida aos armamentos Supremacia industrial Domínio do acesso a matérias-primas Expansão colonial em África e posse de colónias Luta pela supremacia política na Europa e no Mundo Formação de alianças militares 1882 Tríplice Aliança Império Austro-Húngaro Império Alemão Itália 1907 Tríplice Entente França Inglaterra Império Russo Rivalidades políticas e coloniais Não só entre as potências europeias, mas relativamente a outras potências emergentes: EUA e Japão Vários conflitos regionais evidenciam as rivalidades e preparam o clima de guerra generalizada Conflito de Fachoda; Guerra dos Boers Rivalidades em Marrocos Instabilidade nos Balcãs Cobiça pelos territórios africanos… As grandes potências europeias: Inglaterra; França; Império Alemão; Itália; Império Russo; Império Austro- -Húngaro; Império Otomano

6 Se a ideia de uma guerra mundial antes de 1914 era remota… No verão de 1914 tornou-se realidade! Apesar do ambiente de tensão… O acontecimento que fez deflagrar a guerra: O assassinato, em Sarajevo, do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, por um estudante sérvio a 28 de junho de 1914 Na zona mais sensível das tensões e rivalidades: a Península Balcânica O acontecimento despoletou o sistema de alianças e a declaração de guerra generalizada entre as alianças rivais

7 Qual o acontecimento que contribuiu de forma mais direta para desencadear o conflito? O assassinato: Francisco Fernando, arquiduque e herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, foi assassinado, por um sérvio, em Sarajevo, durante a visita ao território da Bósnia-Herzegovina, que tinha sido anexada, em 1908, pela Áustria.

8 Tríplice Aliança (Impérios centrais) 28 de julho - a Áustria-Hungria declara guerra à Sérvia 1 de agosto - a Alemanha declara guerra à Rússia; a Alemanha assina um tratado secreto com o Império Otomano 3 de agosto - a Alemanha declara guerra à França e à Bélgica; a Alemanha invade a Rússia 6 de agosto - a Áustria-Hungria declara guerra à Rússia 27 de agosto - a Áustria-Hungria declara guerra ao Japão Tríplice Entente (Aliados) 29 de julho - a Rússia decide a mobilização geral; a Alemanha invade a Rússia 4 de agosto - a Grã-Bretanha e a França declaram guerra à Alemanha; a Alemanha invade a Bélgica 6 de agosto - a Sérvia declara guerra à Alemanha 11 de agosto - a França declara guerra à Áustria-Hungria 12 de agosto – a Grã-Bretanha declara guerra à Áustria-Hungria 1 de novembro - a Rússia declara guerra ao Império Otomano 5 de novembro - a França e a Inglaterra declaram guerra ao Império Otomano O desencadear das hostilidades

9 A guerra envolveu forças militares de países de todos os continentes. Os combates ocorreram na Europa, em África, na Ásia e nos respetivos domínios coloniais. Abrangeram forças terrestres, aéreas e marítimas. A guerra submarina ocorreu sobretudo no Atlântico. Foram usadas novas armas e mais mortíferas, quer pela capacidade de disparo, quer pelo uso de gases e produtos químicos. EXÉRCITO DE TERRA E DE MAR ORDEM DE MOBILIZAÇÃO GERAL

10 Como tal não aconteceu, na frente ocidental de combate, as tropas inimigas fizeram tréguas (não autorizadas pelas chefias) para comemorar o Natal em 25 de dezembro de 1914… A Europa era um “barril de pólvora” cujo rastilho foi aceso em Sarajevo. O jogo das alianças arrastou as potências para uma guerra mundial. Militares britânicos e alemães reunidos na terra de ninguém durante as tréguas de Natal de Esperava-se que a guerra terminasse antes do Natal de 1914… O desencadear das hostilidades

11 A guerra prolongou-se por quatro longos anos… Tropas da 55.ª divisão britânica cegos pelos gases lançados pelos alemães. 10 de abril de 1918.

12 A posição oficial de Portugal em agosto de 1914 não era nem de neutralidade nem de beligerância. Esta situação manteve-se até 9 de março de 1916, dia a seguir ao apresamento dos navios alemães nos portos portugueses. A Alemanha declarou guerra a Portugal. A participação de Portugal na Guerra de

13 Portugal não pôde manter a neutralidade tendo em conta a tradicional aliança inglesa. As colónias teriam de ser defendidas contra as ambições das potências beligerantes. A Primeira República, recém instaurada (1910), procurava afirmar-se nacional e internacionalmente. Era necessário garantir a defesa da fronteira terrestre. Era necessário assegurar a defesa da fronteira marítima. Distintivo do Corpo Expedicionário Português (CEP) Motivos da participação portuguesa na Primeira Grande Guerra

14 Participação portuguesa em África e na Europa Angola e Moçambique eram territórios coloniais portugueses que tinham fronteiras com colónias alemãs. O governo português organizou expedições militares, desde o início do conflito, para assegurar a defesa; essas expedições partiram de Lisboa a 11 de Setembro. Angola e Moçambique eram territórios coloniais portugueses que tinham fronteiras com colónias alemãs. O governo português organizou expedições militares, desde o início do conflito, para assegurar a defesa; essas expedições partiram de Lisboa a 11 de Setembro. Angola, 1.ª força enviada comandada pelo tenente-coronel Alves Roçadas. Registaram-se diversos confrontos. Moçambique 1.ª força enviada pelo tenente- -coronel Massano de Amorim. Moçambique 1.ª força enviada pelo tenente- -coronel Massano de Amorim. Registaram-se diversos confrontos. Europa Depois da declaração oficial de guerra, em 1916, iniciou-se a preparação de uma divisão que deveria juntar-se às forças britânicas. Esta força foi denominada Corpo Expedicionário Português (CEP). Depois da declaração oficial de guerra, em 1916, iniciou-se a preparação de uma divisão que deveria juntar-se às forças britânicas. Esta força foi denominada Corpo Expedicionário Português (CEP). O CEP chegou a França em 2 de fevereiro de As tropas ocuparam a zona de Neuve-Chapelle à Saint-Venant. (na Flandres). O CEP chegou a França em 2 de fevereiro de As tropas ocuparam a zona de Neuve-Chapelle à Saint-Venant. (na Flandres). Falharam as rendições de efetivos e de mobilizados, regressados a Portugal para tratamento ou de licença. Apesar dos contínuos apelos dos comandos militares do CEP, as tropas estavam exaustas e desgastadas. Falharam as rendições de efetivos e de mobilizados, regressados a Portugal para tratamento ou de licença. Apesar dos contínuos apelos dos comandos militares do CEP, as tropas estavam exaustas e desgastadas. Arquipélagos atlânticos Arquipélago da Madeira Arquipélago dos Açores África O CEP participou no dia 9 de abril de 1918, na Batalha de La Lys, enfrentando uma grande ofensiva alemã. O CEP e os outros exércitos aliados envolvidos sofreram numerosas perdas de soldados. O CEP participou no dia 9 de abril de 1918, na Batalha de La Lys, enfrentando uma grande ofensiva alemã. O CEP e os outros exércitos aliados envolvidos sofreram numerosas perdas de soldados. Ataques de submarinos alemães entre 1916 e 1918, com incidência, respetivamente, nas cidades do Funchal e de Ponta Delgada.

15 Alguns pioneiros da aviação portuguesa serviram nas forças francesas. Um Corpo de Artilharia Pesada Independente (CAPI) apoiou forças francesas em diversas situações, durante alguns meses do ano de Portugal mobilizou mais de homens: mais de para Angola; cerca de para Moçambique; mais de para França. Os efetivos portugueses participaram na Batalha de La Lys, na Flandres, no dia 9 de abril de Portugal perdeu 7760 homens; mais de feridos; mais de prisioneiros e desaparecidos. Soldados portugueses nas trincheiras, durante a Batalha de La Lys. Participação portuguesa na Primeira Grande Guerra em África e na Europa

16 IMPACTO DA GUERRA a situação interna da República Portuguesa Não houve compensações ou indemnizações significativas pelo esforço de guerra Portugal participou nas conferências de Paz Assegurou-se a manutenção dos domínios coloniais Manteve-se a participação na Guerra, mas o apoio às tropas era pouco eficaz o problema das subsistências Inflação galopante Racionamentos Distúrbios sociais Instabilidade política Aumento das despesas e do endividamento Oposição à participação na Guerra Conspirações Golpe de Estado do Major Sidónio Pais – instauração de um regime autoritário: A República Nova Participação portuguesa na Primeira Grande Guerra, em África e na Europa Enfraquecimento e descrédito do regime da I República Enfraquecimento e descrédito do regime da I República Perdas humanas elevadíssimas face ao tempo de participação e aos recursos do país

17 Prisioneiros portugueses após a Batalha de La Lys, 9 de abril de 1918

18 Monumento aos soldados mortos na Grande Guerra, Porto. Memória da participação portuguesa

19 Monumento aos soldados mortos na Grande Guerra, Avenida Sá da Bandeira, Coimbra. Memória da participação portuguesa

20 É constituído pela figura da Fama, em pedra, que surge a coroar o Soldado. Monumento aos Mortos da Grande Guerra. Avenida da Liberdade, Lisboa, 1923, da autoria de Maximiliano Alves e Rebelo de Andrade. Memória da participação portuguesa

21 De cada um dos lados do pedestal, uma figura masculina curvada esforça-se para manter erguida a Pátria. Monumento aos Mortos da Grande Guerra. Avenida da Liberdade, Lisboa, 1923, da autoria de Maximiliano Alves e Rebelo de Andrade. Memória da participação portuguesa O conjunto homenageia os combatentes portugueses na I Guerra Mundial, em honra e memória dos soldados que pereceram nesse conflito. Na base consta a legenda: "Ao serviço da Pátria, o esforço da Grei". Pormenor

22 Monumento em homenagem aos combatentes portugueses mortos na França, em La Couture*. * La Couture é uma comuna francesa no departamento de Pas-de-Calais. Memória da participação portuguesa

23 Cemitério militar português de Richebourg, departamento francês de Pas-de-Calais. Aí estão sepultados 1831 combatentes portugueses na Primeira Guerra Mundial. Memória da participação portuguesa

24 Cemitério militar português de Richebourg, vista geral. Memória da participação portuguesa

25 Em todos os países beligerantes, as mulheres foram chamadas a participar nas mais diversas funções, assumindo um papel de maior destaque social, económico e político.

26 Memória da participação portuguesa Participação do contingente português no desfile da vitória em 14 de julho de 1919, em Paris.

27 Elevado número de mortos e inválidos. Os prisioneiros de guerra tiveram dificuldades em regressar e em integrarem-se. Os combatentes regressaram com problemas psicológicos. Os soldados eram portadores de doenças adquiridas no conflito, com destaque para a tuberculose, a sarna, as doenças venéreas, a gangrena gasosa, entre outras. Embarcaram em janeiro de 1917: 1551 oficiais sargentos e praças cavalos e muares 1789 viaturas hipomóveis 395 viaturas automóveis Balanço da participação do CEP

28 Vítimas militares: Rússia: mobilizados, mortos, feridos Alemanha: mobilizados, mortos, feridos França: mobilizados, mortos, feridos Áustria-Hungria: mobilizados, mortos, feridos Balanço das perdas humanas em geral

29 Vítimas militares: Reino Unido, Império Britânico e seus domínios: mobilizados, mortos, feridos Itália: mobilizados, mortos, feridos Império Otomano: mobilizados, mortos, feridos Estados Unidos: mobilizados, mortos, feridos Total: mobilizados, mortos e desaparecidos, feridos e prisioneiros de guerra.

30 O fim da Guerra teve lugar aquando da assinatura do armistício em Os jornais, na época, dão conta do cessar fogo e do fim da guerra. O armistício 1918

31 Marcel Gromaire, A Guerra.A partida de soldados portugueses para a guerra.


Carregar ppt "Marcel Gromaire, A Guerra.A partida de soldados portugueses para a guerra."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google