A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula passada Padronização = modelos popularizados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula passada Padronização = modelos popularizados."— Transcrição da apresentação:

1

2 Aula passada Padronização = modelos popularizados

3 Especialização 3 Se a Segunda Onda eliminava a diversidade na linguagem, no lazer e no estilo de vida, mais precisava de diversidade na esfera do trabalho.

4 4 Espec. em Contabilidade, Auditoria e Controladoria Espec. em Gestão da Logística Empresarial - 6ª Edição Espec. em Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva -... Espec. em Direito Constitucional - 9ª Edição Espec. em Direito do Trabalho e Processual do Trabalho... Programa de Aprimoramento Profissional em Terapia Ocupa... Espec. em Direito Processual Civil - 26ª Edição Espec. em Contabilidade Internacional - 2ª Edição

5 5 Acelerando a divisão do trabalho, a Segunda Onda substituiu o descuidado camponês pau- para-toda-obra pelo minucioso e limitado especialista e o trabalhador que só fazia uma tarefa, no estilo Taylor, interminavelmente. (62)

6

7 7

8 8

9 9 TELEFONISTA RECEPCIONISTA SECRETÁRIA ATENDENTE

10 10

11 11 Já em 1720 um relatório britânico sobre As vantagens do tráfego da Índia Oriental declarava que a especialização permitia fazer tarefas com menos perda de tempo e trabalho. Em 1776 Adam Smith abriu A riqueza das Nações com a vibrante afirmação de que “o maior melhoramento nos poderes produtivos do trabalho... Parece ter sido os efeitos da divisão do trabalho.” (62)

12

13 13 Adam Smith (provavelmente Kirkcaldy, Fife, 5 de junho de 1723 — Edimburgo, 17 de Julho de 1790) foi um economista e filósofo escocês. Teve como cenário para a sua vida o atribulado século das Luzes, o século XVIII.KirkcaldyFife5 de junho1723Edimburgo17 de Julho1790 economistafilósofoescocêsséculo das Luzesséculo XVIII É o pai da economia moderna, e é considerado o mais importante teórico do liberalismo económico. Autor de "Uma investigação sobre a natureza e a causa da riqueza das nações", a sua obra mais conhecida, e que continua sendo como referência para gerações de economistas, na qual procurou demonstrar que a riqueza das nações resultava da atuação de indivíduos que, movidos apenas pelo seu próprio interesse (self-interest), promoviam o crescimento econômico e a inovação tecnológica.liberalismo económicoUma investigação sobre a natureza e a causa da riqueza das nações Smith ilustrou bem seu pensamento ao afirmar "não é da benevolência do padeiro, do açougueiro ou do cervejeiro que eu espero que saia o meu jantar, mas sim do empenho deles em promover seu"auto- interesse". Assim acreditava que a iniciativa privada deveria ser deixada agir livremente, com pouca ou nenhuma intervenção governamental. A competição livre entre os diversos fornecedores levaria forçosamente não só à queda do preço das mercadorias, mas também a constantes inovações tecnológicas, no afã de baratear o custo de produção e vencer os competidores. Ele analisou a divisão do trabalho como um fator evolucionário poderoso a propulsionar a economia. Uma frase de Adam Smith se tornou famosa: "Assim, o mercador ou comerciante, movido apenas pelo seu próprio interesse egoísta (self-interest), é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca fez parte do interesse dele: o bem-estar da sociedade." Como resultado da atuação dessa "mão invisível", o preço das mercadorias deveria descer e os salários deveriam subir.mão invisível As doutrinas de Adam Smith exerceram uma rápida e intensa influência na burguesia (comerciantes, industriais e financistas), pois queriam acabar com os direitos feudais e com o mercantilismo.burguesiafeudaismercantilismo

14 14 Numa passagem clássica, Smith descrevia a fabricação de um alfinete. Um trabalhador único de velho estilo, efetuando todas as operações necessárias sozinho, escreveu, podia produzir apenas um punhado de alfinetes por dia – não mais de 20 e talvez nem um.

15 15 Em contraste, Smith descrevia uma manufatura que ele tinha visitado, na qual se exigiam 18 operações diferentes efetuadas por dez trabalhadores especializados, cada um efetuando apenas uma ou algumas fases. Juntos, conseguiam produzir mais de 48 mil alfinetes por dia – mais de por trabalhador. (62) Tarsila do Amaral, Operários, 1933

16 16 Tarsila do Amaral 1/setembro/1886 Fazenda São Bernardo Capivari/SP 17/janeiro/ SP

17 17

18 18

19 19

20 20 Admirável Gado Novo Zé Ramalho Composição: Zé Ramalho Oooooooooh! Oooi! Vocês que fazem parte dessa massa Que passa nos projetos do futuro É duro tanto ter que caminhar E dar muito mais do que receber... E ter que demonstrar sua coragem À margem do que possa parecer E ver que toda essa engrenagem Já sente a ferrugem lhe comer... Êeeeeh! Oh! Oh! Vida de gado Povo marcado Êh! Povo feliz!...(2x) Lá fora faz um tempo confortável A vigilância cuida do normal Os automóveis ouvem a notícia Os homens a publicam no jornal... E correm através da madrugada A única velhice que chegou Demoram-se na beira da estrada E passam a contar o que sobrou... Êeeeeh! Oh! Oh! Vida de gado Povo marcado Êh! Povo feliz!...(2x) Oooooooooh! Oh! Oh! O povo foge da ignorância Apesar de viver tão perto dela E sonham com melhores tempos idos Contemplam essa vida numa cela... Esperam nova possibilidade De verem esse mundo se acabar A Arca de Noé, o dirigível Não voam nem se pode flutuar Não voam nem se pode flutuar Não voam nem se pode flutuar... Êeeeeh! Oh! Oh! Vida de gado Povo marcado Êh! Povo feliz!...(2x) Ooooooooooooooooh!

21 21 Operário: oper/opus – trabalho, trabalhador Funcionário: fr. fonctionnaire e ing. functionary (ambos sXVIII) na acp. orig. própria 'o que exerce dada função', depois 'servidor público', correspondente ao rad. de função sob a f. funcion- + -ário; cp. alt. semântica de funcionalismo; ver fun(t)- e suf. erud. -ário; f.hist funccionário

22 22 Pela época em que Henry Ford começou a fabricar o Modelo T, em 1908, não eram necessárias 18 operações diferentes para completar uma unidade, mas

23 23 Em sua autobiografia Ford registrou que destas tarefas especializadas, 949 exigiam “homens fortes, fisicamente hábeis e praticamente homens perfeitos”, tarefas precisavam de homens de força física apenas “comum”, a maioria do resto podia ser realizada por “mulheres ou crianças crescidas” e, continuava friamente, “verificamos que 670 tarefas podiam ser preenchidas por homens sem pernas, por homens com uma pena só, duas por homens sem braços, 715 por homens com um braço só e 10 por homens cegos”. Em suma, a tarefa especializada não exigia um homem inteiro, mas apenas uma parte. Nunca foi apresentada uma prova mais vívida de quanto a superespecialização pode ser brutalizante. (62-63)

24 24

25 25

26 26 Entre comunistas, capitalistas, executivos, educadores, sacerdotes e políticos a Segunda Onda produzia uma mentalidade comum e um avanço para uma divisão cada vez mais refinada de trabalho. (63) Professor, estudante, político Profissionais...

27 Analista de sistemas

28 28


Carregar ppt "Aula passada Padronização = modelos popularizados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google