A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TEORIA GERAL DOS RECURSOS CÍVEIS  Inexistência de conceito no CPC – Art. 496 traz elenco taxativo.  No plano genérico: Espécie do gênero “Meios de Impugnação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TEORIA GERAL DOS RECURSOS CÍVEIS  Inexistência de conceito no CPC – Art. 496 traz elenco taxativo.  No plano genérico: Espécie do gênero “Meios de Impugnação."— Transcrição da apresentação:

1 TEORIA GERAL DOS RECURSOS CÍVEIS  Inexistência de conceito no CPC – Art. 496 traz elenco taxativo.  No plano genérico: Espécie do gênero “Meios de Impugnação de Decisões Judiciais”, juntamente com as Ações Autônomas de Impugnação.  No plano específico: “Meio ou poder de provocar o reexame de uma decisão pela mesma autoridade judiciária ou por outra hierarquicamente superior, visando a obter sua reforma ou sua nulidade, dentro do mesmo processo em que foi proferida, antes da formação da coisa julgada.” (Humberto Theodoro Gomes)

2 “É o procedimento que se forma para que seja revisto pronunciamento jurisdicional contido em sentença, decisão interlocutória ou acórdão.” (José Frederico Marques)  Finalidade – Reformar, invalidar, esclarecer ou integrar a decisão impugnada ou parte dela, sendo os dois primeiros objetivos típicos dos recursos.  Fundamentos a) Possibilidade de erro na prolação das decisões judiciais; b) Inconformismo como ínsito à natureza e personalidade humanas.

3 PERGUNTA-SE : É da essência da noção de recurso, a necessidade de julgamento por órgão de hierarquia superior?  O Duplo Grau de Jurisdição – Possibilidade de reexame de matéria já decidida, por instância hierarquicamente superior. Dissociação do conceito de recurso que deve estar vinculado à noção de reexame - Previsão legal.  Pronunciamentos Judiciais sujeitos à Recurso: - Decisões Interlocutórias / Sentenças ou Acórdãos

4 Classificação:  Quanto à extensão: - Total - Parcial  Quanto ao direito tutelado: - Ordinários - Extraordinários (Excepcionais, de estrito direito)  Quanto à fundamentação: - Livre - De fundamentação vinculada.

5 Espécies (CPC 496)  APELAÇÃO;  AGRAVO (Retido/Por Instrumento/Interno – Inominado - Regimental);  EMBARGOS INFRINGENTES;  EMBARGOS DE DECLARAÇÃO;  RECURSO ORDINÁRIO;  RECURSO ESPECIAL;  RECURSO EXTRAORDINÁRIO;  EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA em REsp e RE.

6 Juízos de admissibilidade e de mérito – Necessidade de duplo exame: Admissibilidade e Mérito - Regra geral do juízo de admissibilidade: É realizado pelo juízo a quo e pelo ad quem. Exceção: Agravo por instrumento. – Desvinculação entre os juízos de admissibilidade. – Sendo inadmitido cabe recurso. – Desnecessidade de fundamentação no juízo positivo. Exceção: RE e REsp.  O juízo ad quem analisa novamente a existência dos requisitos de admissibilidade (recorribilidade da decisão, tempestividade, legitimidade, interesse, preparo) e aprecia o mérito.

7  No juízo de admissibilidade - Paralelo com os requisitos de admissibilidade da ação – Condições da ação e pressupostos processuais. PERGUNTA-SE: Cabe recurso da decisão positiva no juízo de admissibilidade? Requisitos de Admissibilidade  Cabimento – Recorribilidade (Possibilidade de recorrer-se da decisão) + Adequação;  Legitimidade recursal (CPC 499).

8 Em matéria de legitimidade, PERGUNTA-SE:  Pode o MP recorrer quando não atuou em processo de intervenção obrigatória?  Não havendo recurso da parte, pode o MP recorrer tendo atuado no processo como custos legis ? (Súmula STJ 99).  Pode o réu recorrer de sentença que extingue o processo sem julgamento de mérito?

9  Interesse Recursal – Binômio - Necessidade (Inexistência de outra forma de alteração da decisão) + Utilidade (Resultado mais vantajoso);  Inexistência de fatos impeditivos ou extintivos do poder de recorrer – Renúncia, Aquiescência (Preclusão lógica) e Desistência. – Atos unilaterais;  Tempestividade;  Regularidade formal (CPC 514, 524, 525, 541);  Preparo – Sanção: Deserção. PERGUNTA-SE: Pode o juiz considerar inexistente determinado requisito de admissibilidade recursal independente de manifestação do recorrido?

10 PRINCÍPIOS  VOLUNTARIEDADE – Vontade inequivocamente manifestada do recorrente – Remessa necessária (CPC 475) não possui natureza de recurso.  DIALETICIDADE – Todo recurso deve ser discursivo, argumentativo, dialético. Não basta apenas manifestar a intenção de recorrer, é necessário expor seus argumentos.  CORRESPONDÊNCIA – Para cada tipo de decisão corresponde um recurso.  TAXATIVIDADE – Somente lei federal pode criar recursos novos ainda que fora do sistema recursal do CPC (CF 22, I) – Daí porque não serem recursos o Adesivo, a Reclamação Constitucional, a Remessa Necessária (Recurso ex officio ), Pedidos de Reconsideração, etc.

11  UNICIDADE, UNIRRECORRIBILIDADE OU SINGULARIDADE – Contra uma decisão só cabe um recurso por vez – Interposto o primeiro ocorre preclusão consumativa para os demais – Exceção: RE e Resp.  FUNGIBILIDADE: Um recurso pode ser recebido por outro desde que não haja erro grosseiro na interposição, ou seja, que não haja troca de recurso quando lei, doutrina e jurisprudência são claras a respeito do cabimento.  PROIBIÇÃO DE “ REFORMATIO IN PEJUS ” – Exceção: Casos de matéria de ordem pública como fundamento. (Ex.: Incompetência absoluta do juízo de 1º grau).

12  DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO – Uma mesma matéria pode ser decidida duas vezes ou mais por órgãos distintos do Judiciário.  DISPOSITIVO – O reexame da matéria se atribui, única e exclusivamente, à vontade das partes.  INQUISITÓRIO – Possibilidade de análise de questões de ordem pública, de ofício.

13 Funções Rescindente e Rescisória / Substitutiva  Rescindente – Quando, ao atacar error in procedendo da decisão (vícios formais ou processuais), o recurso, uma vez provido, invalida a decisão recorrida, havendo a necessidade de prolatação de nova decisão pelo juízo a quo.  Rescisória / Substitutiva – Quando, atacando, error in judicando (vícios de juízo, má valoração dos fatos pelo juiz ou aplicação errônea do direito), o recurso, provido, substitui, naquilo que foi objeto do recurso, a decisão impugnada, sem que haja necessidade de prolação de nova decisão pelo juízo a quo.

14 EFEITOS  DEVOLUTIVO – Devolução do conhecimento da matéria impugnada à instância recursal.  SUSPENSIVO – Impedimento da eficácia imediata da decisão impugnada.  OBSTATIVO – Retardo na formação da coisa julgada.  REGRESSIVO – O conhecimento da matéria impugnada retorna ao seu juízo prolator.

15  DIFERIDO – O conhecimento de um recurso depende de outro recurso a ser interposto contra outra decisão;  TRANSLATIVO – Possibilidade de análise pela instância recursal, de questões de ordem pública não suscitadas no recurso – Exceção: RE e REsp;  SUBSTITUTIVO – Substituição da decisão recorrida com o julgamento do mérito do recurso (CPC 512).


Carregar ppt "TEORIA GERAL DOS RECURSOS CÍVEIS  Inexistência de conceito no CPC – Art. 496 traz elenco taxativo.  No plano genérico: Espécie do gênero “Meios de Impugnação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google