A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Trabalho realizado por: Leila Daly nº 13 Renata Lisboa nº 16.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Trabalho realizado por: Leila Daly nº 13 Renata Lisboa nº 16."— Transcrição da apresentação:

1 Trabalho realizado por: Leila Daly nº 13 Renata Lisboa nº 16

2 Índice * Anorexia Nervosa * Bulimia Nervosa * Beribéri * Escorbuto * Pelagra * Xeroftalmia

3 Introdução Com este trabalho, pretendemos dar a conhecer as causas, consequências e tratamentos, de algumas doenças provocadas por distúrbios alimentares, como por exemplo, a Anorexia Nervosa, a Bulimia Nervosa, o Beribéri, o Escorbuto, a Pelagra e a Xeroftalmia.

4

5 O que é? A anorexia nervosa é um distúrbio alimentar caracterizado por uma rígida e insuficiente dieta alimentar, que provoca um baixo peso corporal e muito stress físico. A anorexia nervosa é uma doença bastante complexa, que envolve componentes psicológicos, fisiológicos e sociais.

6 Alguns Sintomas * Peso corporal em 85% ou menos do nível normal. * Excesso de actividade física. * Medo intenso e irracional de ganhar peso, mesmo tendo um peso abaixo do normal. * Negação quando questionado sobre o distúrbio alimentar. * Nas mulheres, ausência de três ou mais menstruações. A anorexia causa sérios danos ao sistema reprodutor feminino.

7 Curiosidade… Curiosamente, os anorécticos vêem peso onde ele não existe, ou seja, o anoréctico convence-se que tem um peso acima do normal.

8 Outros sintomas perigosos * Bulimia, que posteriormente pode desenvolver-se em pessoas anorécticas; * Danos intestinais, quando o doente faz uso excessivo de laxantes; * Danos nos rins, quando o doente faz uso excessivo de diuréticos; * Anemia, devido ao baixo nível de ferro; * Osteoporose, devido ao baixo nível de cálcio, ou à dificuldade do intestino em absorvê-lo.

9 Taxas da Anorexia A anorexia afecta muito mais jovens (entre os 15 e os 25 anos), e do sexo feminino (95% dos casos de anorexia nervosa ocorrem em mulheres e jovens raparigas)! Possui também, um índice de mortalidade entre 15% a 20%, a maior taxa de quaisquer distúrbios alimentares psicológicos! Geralmente, as mortes por anorexia ocorrem por ataque cardíaco, devido à falta de potássio ou sódio, que ajudam a controlar o ritmo normal do coração.

10 Causas Muitos especialistas acreditam que a influência da moda, é a principal (mas não a única) causa de distúrbios alimentares. Isto porque nem sempre impõe o estereótipo em que a magreza é um factor importantíssimo, se não indispensável, para o sucesso social e económico de uma pessoa, desde de redes de televisão até filmes e revistas.

11 Causas É muito frequente encontrar casos de raparigas entre os 11 e os 14 anos anorécticas, mas são apenas crianças que não deviam ter que passar por este tipo de problemas, pois a sua personalidade ainda está em formação. Ainda há o caso de pessoas que passaram por eventos traumáticos anteriormente, como rejeição familiar ou abuso físico e/ou sexual. Estas pessoas possuem um maior risco de serem anorécticas.

12 Causas Pessoas com certas profissões, como atletas, bailarinos, dançarinos, ginastas ou modelos, podem motivar uma pessoa a decidir por diminuir seu peso, possivelmente resultando num distúrbio alimentar que vai resultar na anorexia. O perfeccionismo também é um factor de risco, pois faz com que certas pessoas queiram mais e melhor nem que para isso sacrifiquem a própria saúde mental e física.

13 Como se trata? Por ser uma doença com raízes psicológicas, a anorexia nervosa é difícil de ser tratada. Uma vez diagnosticada, o doente passa por terapia individual, terapia em grupo e terapia familiar, nos casos mais leves e moderados. Como a negação do problema é muito frequente, é necessário que os médicos, terapeutas e familiares sejam pacientes, enquanto incentivam a recuperação do doente. Os casos de recaídas são muito comuns em pessoas anorécticas. Em casos mais graves, o tratamento hospitalar é o mais indicado.

14

15 O que é? A bulimia nervosa é um distúrbio alimentar que consiste na prática de certos actos irracionais, embora as pessoas com esta doença, pensem que estão apenas a modelar o corpo. Nesta doença, os bulímicos ingerem grandes quantidades de alimentos e, depois, utilizam métodos compensatórios, tais como vómitos auto-induzidos, uso de laxantes e/ou diuréticos e o excesso de exercício físico como forma de evitar o aumento de peso, pelo medo exagerado de engordar. Ao contrário da anorexia nervosa, na bulimia não há perda de peso, e assim torna- se difícil detectar o problema. A doença acontece com mais frequência em mulheres jovens, embora também possa ocorrer em homens e mulheres mais velhos.

16 Causas Tal como na anorexia, a bulimia nervosa é uma síndrome, determinada por vários factores. A ênfase cultural na aparência física pode ter um papel importante. Problemas familiares, baixa auto-estima e conflitos de identidade também são alguns factores a considerar no desencadear da doença.

17 Comportamentos Muitas vezes, é difícil saber se alguém tem bulimia nervosa. A característica principal desta doença é comer de forma compulsiva, acompanhada por uma sensação de falta de controlo sobre a ingestão de alimentos que, por vezes, é feito às escondidas. Os comportamentos mais frequentes para controlar o peso incluem jejum, vómitos auto-induzidos, uso de laxantes e diuréticos, e exercício físico exagerado.

18 Causas A bulimia nervosa acontece a adolescentes especialmente, por volta dos 17 anos. As pessoas com esta doença têm vergonha dos seus sintomas, portanto, evitam comer em público e evitam lugares como as praias e as piscinas onde o corpo é visível. À medida que a doença se desenvolve, estas pessoas só se interessam por assuntos relacionados com a comida, o peso e a forma corporal.

19 Diagnóstico O diagnóstico da bulimia nervosa, requer episódios com uma frequência mínima de duas vezes por semana, durante pelo menos três meses. A fobia de engordar é o sentimento motivador de todo o quadro. Estes episódios de comer compulsivamente, seguidos de métodos compensatórios, podem permanecer escondidos da família por muito tempo.

20 Como se trata? A abordagem deve ser realizada por uma equipa médica. Os anti-depressivos são eficazes no controlo de episódios bulímicos. A abordagem nutricional visa estabelecer hábitos alimentares mais saudáveis. A orientação familiar é necessária, uma vez que a família desempenha um papel muito importante na recuperação do doente.

21 Como se previne? Uma diminuição na ênfase da aparência física, tanto no aspecto cultural como familiar, pode eventualmente reduzir a incidência destes quadros. É importante fornecer informações a respeito dos riscos dos regimes rigorosos para obtenção de uma silhueta de modelo, já que eles desempenham um papel fundamental no desencadear de distúrbios alimentares.

22

23 O que é? O Beribéri é uma doença provocada pelo fungo Penicillium Citreonigrun, que através da libertação da toxina Citreoviridina, inibe a absorção de vitamina B1 pelo organismo, provocando uma grande fraqueza muscular e dificuldades respiratórias. Pode também afectar o coração, dando origem a uma Cardiomiopatia por deficiência nutricional, a que se dá o nome de Beribéri Cardíaco.

24 Como se trata? A cura da doença dá-se pela administração da vitamina B1, corrigindo assim a sua carência. Outra forma de ajudar a corrigir esta doença, é através da alimentação. Os alimentos ricos em tiamina, tais como os cereais em grão, o leite, os legumes, os ovos, o peixe e as plantas, são apenas alguns exemplos de diversos alimentos que ajudam no combate ao Beribéri. Deve-se insistir na redução da ingestão do álcool, já que este dificulta a absorção da vitamina B1. A Beribéri é um tipo específico de Polineurite, que é uma inflamação que ataca diversas zonas do sistema nervoso, simultaneamente.

25 Consequências No tratamento desta doença, vemos a importância de uma intervenção fisioterapêutica cardiorespiratória, já que o doente apresenta dificuldades respiratórias devido a alterações musculares, levando o individuo a uma grande atrofia muscular que ainda provoca grandes dificuldades em caminhar, e na realização das actividades da vida diária.

26

27 O que é? O escorbuto é uma doença que tem como primeiros sintomas hemorragias nas gengivas, inchaço, dores nas articulações, feridas que não cicatrizam e pouca segurança na fixação dos dentes. É provocada pela carência de vitamina C na dieta alimentar.

28 História Há mais de duzentos anos, já se sabia que alguns alimentos eram necessários para mantermo-nos saudáveis. Por exemplo, percebeu - se que os marinheiros que ficavam muito tempo no mar, acabavam doentes. Estes homens, que se alimentavam principalmente de bolachas e de carne de porco salgada, passavam longos períodos sem ingerir folhas ou frutas frescas. Por este motivo eram atacados pelo escorbuto. Por volta de 1800, descobriu-se que esse mal poderia ser evitado se fossem acrescentados à sua dieta suco de limão e repolho azedo. Ainda mais tarde, verificou-se que estes alimentos contêm grandes quantidades de vitamina C e que a ingestão diária de pequenas doses dessa vitamina evita o escorbuto.

29 História Existem registos sobre o escorbuto desde cerca de 1500 a.C, no Antigo Egipto. Mais tarde, Hipócrates descreveu também a doença. Na Idade Média o escorbuto desempenhou um papel importante em alguns conflitos: nos finais da Sétima Cruzada, o exército de Luís IX de França, foi severamente afectado pelo escorbuto, evitando a conquista do Egipto. O escorbuto era uma doença conhecida das zonas nórdicas, especialmente durante os Invernos pobres em alimentos frescos. A doença é melhor descrita, falada, e popularizada, nas viagens marítimas do século XVI. Cerca de quatro quintos da tripulação de Fernão de Magalhães foi mortalmente vitimada pelo escorbuto. Vasco da Gama também perdeu grande parte da sua tripulação, cerca de dois terços, na viagem de descoberta do caminho marítimo para a Índia.

30 História O explorador francês Jacques Cartier, quase falhou a sua missão de exploração ao rio São Lourenço, quando a sua comitiva adoeceu, tendo esta sido salva pelos ensinamentos médicos dos povos ameríndios ; estes usavam uma infusão de cedro, rica em vitamina C, para curar o escorbuto. Foi estimado que cerca de um milhão de marinheiros, morreram ou adoeceram devido ao escorbuto, nos séculos XVII e XVIII. Em 1747, o cirurgião escocês James Lind, conduziu uma experiência considerada como o primeiro ensaio clínico registado na história da medicina. A bordo do navio HMS Salisbury, Lind dividiu um grupo de doze marinheiros afectados pelo escorbuto em diferentes grupos, que receberam diferentes formas de terapia.

31 História O grupo com acesso a laranjas e limões, recuperou da doença. Lind publicou os seus resultados em 1753, mas a introdução do sumo de limão ou lima na dieta dos marinheiros britânicos, só surgiu cerca de quatro décadas mais tarde, por decisão do Almirantado Britânico em 1795.

32 Tratamento O escorbuto existe ainda na actualidade, não só entre populações sem acesso a uma alimentação equilibrada, mas também nos países desenvolvidos, entre a população com baixos níveis de consumo de fruta e legumes frescos. O tratamento baseia-se na administração da vitamina C e na ingestão de frutas, legumes e vegetais frescos.

33

34 O que é? A Pelagra é uma doença causada pela carência da niacina (que é um ácido nicotínico), da vitamina B ou da vitamina PP e dos aminoácidos essenciais, como o triptofano.

35 Sintomas A Pelagra também é conhecida pela doença dos Três Ds, pois os seus três sintomas, começam pela letra D. * Dermatite - O aparecimento de uma cor escura na pele, que fica seca e áspera; * Demência - Alterações mentais e neurológicas; * Diarreias, que aparecem posteriormente ao inicio da doença.

36 História O nome Vitamina PP faz referência à acção Preventiva à Pelagra. Na Antiga Europa, esta doença propagou-se quando a farinha de milho começou a substituir a de trigo, por volta de A vitamina PP, não se faz presente na farinha de milho. Hoje em dia, está associada com pouca frequência às doenças actuais, sendo a causa mais comum, o alcoolismo.

37

38 O que é? A Xeroftalmia ou Olho Seco, é uma doença caracterizada pela não produção de lágrimas e por dificuldades de visão, principalmente durante a noite. É uma avitaminose, causada pela falta da vitamina A. Esta é uma vitamina lipossolúvel, isto é, que se dissolve bem em óleos.

39 Causas A principal causa da Xeroftalmia ou Olho Seco, é uma avitaminose, que tem como causa a carência da vitamina A.

40 Consequências Uma das principais manifestações de carência de vitamina A no organismo, afecta as conjuntivas e a córnea e pode levar à perda parcial ou total da visão. Desenvolve a opacidade da córnea e provoca a secura das conjuntivas, que perdem o brilho e tornam-se esbranquiçadas. É uma das causas mais frequentes de cegueira nos Trópicos.

41 Conclusão Com este trabalho aprendemos bastante sobre a Anorexia, a Bulimia, o Beribéri, o Escorbuto, a Pelagra e a Xeroftalmia. Estes comportamentos alimentares podem levar uma pessoa à morte.


Carregar ppt "Trabalho realizado por: Leila Daly nº 13 Renata Lisboa nº 16."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google