A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Agroecologia como enfoque científico para o estabelecimento de agriculturas mais sustentáveis. EMBRAPA – Manaus 08 de agosto de 2006 Francisco Roberto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Agroecologia como enfoque científico para o estabelecimento de agriculturas mais sustentáveis. EMBRAPA – Manaus 08 de agosto de 2006 Francisco Roberto."— Transcrição da apresentação:

1 Agroecologia como enfoque científico para o estabelecimento de agriculturas mais sustentáveis. EMBRAPA – Manaus 08 de agosto de 2006 Francisco Roberto Caporal

2 Agroecologia É uma ciência do campo da complexidade.(Morin) É uma ciencia que está em construção (momento de revolução paradigmática). Trata-se de um novo Paradigma, ou MATRIZ DISCIPLINAR. (na acepção kuhniana)

3 Paradigma ou Matriz Disciplinar É a cultura comum do grupo em torno de um determinado fim; engloba a todas as crenças, valores, técnicas, etc., compartilhadas pelos membros de uma certa comunidade. Um corpo caracterísitico de crenças e concepções que abrangem todos os conhecimentos partilhados por um grupo científico. (Thomas Kuhn)

4 Fonte: Caporal, F. R. (2004)

5 Ética Econômica CulturalPolítica Ecológica Fonte: Caporal e Costabeber (2002) Social Multidimenções da sustentabilidade

6 Conceito de Agroecologia Ciência que apresenta uma série de princípios, conceitos e metodologias para estudar, analisar, manejar, desenhar e avaliar agroecossistemas. (Miguel A. Altieri) Enfoque Agroecológico Aplicação de conceitos e princípios ecológicos no manejo e desenho de agroecossistemas sustentáveis. (Stephen R. Gliessman)

7 Promove o “manejo ecológico dos recursos naturais, através de formas de ação social coletiva que apresentam alternativas à atual crise de Modernidade, mediante propostas de desenvolvimento participativo desde os âmbitos da produção e da circulação alternativa de seus produtos, pretendendo estabelecer formas de produção e de consumo que contribuam para encarar a crise ecológica e social e, deste modo, restaurar o curso alterado da coevolução social e ecológica”. (Eduardo Sevilla Guzmán) Conceito de Agroecologia

8 Agroecologia Proporciona as bases científicas para apoiar o processo de transição à agriculturas sustentáveis nas suas diversas manifestações ou Denominações. Não podemos confundir a Agroecologia, enquanto disciplina ou ciência, com uma prática, uma tecnologia, um sistema de produção ou um estilo de agricultura. Não podemos confundir a Agroecologia, enquanto disciplina ou ciência, com uma prática, uma tecnologia, um sistema de produção ou um estilo de agricultura.

9 Agriculturas de Base Ecológica Existem vários tipos de agriculturas alternativas, ou agriculturas de base ecológica. Elas podem ou não adotar os princípios da Agroecologia. Elas seguem diferentes filosofias, princípios, normas e regras, Práticas e tecnologias. Podem usar de preparados e distintas formas de manejo, ou, simplesmente, seguir proibições e substituições de insumos, etc... Dentre elas: Ecológica, Biodinâmica, Regenerativa, Biológica, Natural, Permacultura, Orgânica, Agroextrativismo sustentável, SAFs, SASPs, etc...

10 Agroecossistema É a unidade básica de análise e estudo da Agroecologia. È uma construção social. Como unidade geográfica, pode ser uma propriedade, um território, uma Flona, uma reserva extrativista, um assentamento... É um ecossistema artificial, manipulado pelo homem, instável, e com necessidade de aportes de energia e materiais vindos do exterior para sua manutenção e reprodução. A manipulação dos ecossistemas pela sociedade, criando os agroecossistemas, modifica e interfere nos cinco grandes processos que têm lugar no seu interior: energéticos, biogeoquímicos, hidrológicos, sucessionais e de regulação biótica.

11 Agroecossistemas A Agroecologia adota o agroecossistema como unidade de análise, o que nos permite aplicar os conceitos e princípios que aporta a Ecologia para o desenho de sistemas agrícolas sustentáveis. Nestes, os ciclos minerais, as transformações energéticas, os processos biológicos e as relações sócio-econômicas são vistas e analisadas em seu conjunto, o que torna evidente a necessidade de adotar-se um enfoque holístico e sistêmico em todas as intervenções que visam a transição agroecológica.

12 Ecossistema x Agroecossistema ECOSSISTEMAS NATURAIS : AUTO-MANUTENÇÃO AUTO-REPARAÇÃO AUTO-REPRODUÇÃO ALTA RESILIÊNCIA AGROECOSSISTEMAS: INSTÁVEIS, REQUEREM ENERGIA E MATERIAIS VINDOS DO EXTERIOR PARA SUA MANUTENÇÃO E REPRODUÇÃO. BAIXA RESILIÊNCIA

13 Algumas bases epistemológicas da AGROECOLOGIA  Os agroecossistemas variam de acordo com a natureza de seus componentes, sua conformação no tempo, no espaço e segundo o nível da intervenção humana.  Nenhum agroecossistema é uma unidade completamente independente, não possuindo limites bem definidos, principalmente do ponto-de-vista biológico;  Os agroecossistemas podem ser de qualquer escala biogeográfica;  A estrutura interna dos agroecossistemas é o resultado de uma construção social, produto da coevolução dos seres humanos com a natureza.  Qualquer sistema agrário e qualquer unidade de produção agrícola é o produto da coevolução entre os seres humanos (sistema social) e a natureza (sistema ecológico).

14 CONHECIMENTO VALORES SISTEMA BIOLÓGICO ORGANIZAÇÃO SOCIAL TECNOLOGIA A PERSPECTIVA CO-EVOLUCIONISTA DO DESENVOLVIMENTO ( Norgaard & Sikor, in Altieri, 2002).

15 Transição Agroecológica O conceito de Transição é fundamental. Segundo o enfoque agroecológico, não se trata de implementar uma NOVA REVOLUÇÃO. Não se trata, também, de adotar modelos de CONVERSÃO (como nos orgânicos). O que se busca é um PROCESSO DE TRANSIÇÃO, de construção de tipos / formas de agriculturas mais sustentáveis.

16 Transição agroecológica Processo gradual de mudança, através do tempo, nas formas de manejo dos agroecossistemas, tendo-se como meta a passagem de um modelo agroquímico (ou outro, degradador) à tipos de agriculturas que incorporem princípios, métodos e tecnologias de base ecológica. Trata-se de um processo contínuo, multilinear e crescente no tempo, mas sem ter um momento final determinado.

17 Implica não somente a busca de maior racionalização produtiva com base nas especificidades biofísicas de cada agroecossistema, mas também uma mudança nas atitudes e valores dos atores sociais em relação ao manejo e conservação dos recursos. Por incluir orientações e princípios de natureza multidimensional, incorpora o conhecimento local, mas não dispensa o progresso técnico e o avanço do conhecimento científico. Transição agroecológica

18 Níveis da transição agroecológica Incremento da eficiência das práticas convencionais para reduzir o consumo de inputs. Substituição de insumos e práticas convencionais por “alternativas”. Redesenho de agroecossistemas para que funcionem em base a um novo conjunto de processos ecológicos e sociais. Gliessman, 2000

19 Transicão agroecológica Aumento da eficiência das práticas convencionais para reduzir o consumo de insumos. Fuente: Elaboración propia a partir de Gliessman (2000) Racionalização

20 Transição agroecológica Substituição de insumos e práticas convencionais por insumos e práticas “alternativas”. Fuente: Elaboração própria a partir de Gliessman (2000) Substituição

21 Transição agroecológica Redesenho de agroecossistemas para que funcionem com base em um novo conjunto de processos ecológicos. Fonte: Elaboração própria a partir de Gliessman (2000) Redesenho

22 Agroecologia (princípios e conceitos ) Agricultura Sustentável Agricultura Convencional

23 Agricultura Sustentável Baixa dependência a inputs comerciais; Uso de recursos renováveis localmente acessíveis; Utilização dos impactos benéficos do meio ambiente local; Aceitação e/ou tolerância das condições locais, antes que a dependência da intensa alteração ou controle do meio ambiente;

24 Agricultura Sustentável Manutenção a longo prazo da capacidade produtiva do agroecossistema; Preservação da diversidade biológica e cultural; Utilização do conhecimento e da cultura da população local; Produção de mercadorias para o consumo interno e para a exportação. Fonte: Stephen R. Gliessman (1990)

25 Conclusões A Agroecologia pressupõe o uso de tecnologias heterogêneas, com adequação às circunstâncias sócio-econômicas e culturais das comunidades rurais, assim como às características biofísicas e geográficas específicas. Isto é, cada agroecossistema requer um tratamento específico.

26 Conclusões Qualquer opção tecnológica deve ter como referencial a sustentabilidade, observada e analisada em perspectiva multidimensional: social, ambiental, econômica, cultural, política e ética.

27 Conclusões Novas abordagens para os problemas agrários são requeridas, reconhecendo na diversidade cultural um componente fundamental.

28 Conclusões As estratégias de intervenção devem estar apoiadas em metodologias participativas, a pesquisa deve ter um enfoque interdisciplinar e a comunicação deve ser horizontal.

29 Conclusões Enquanto ciência integradora de distintas disciplinas científicas, a Agroecologia tem a potencialidade para constituir a base de um novo paradigma de desenvolvimento rural sustentável.

30 "Não há sonho mais bonito que a grande fraternidade humana.” MUITO OBRIGADO ! Francisco Roberto Caporal


Carregar ppt "Agroecologia como enfoque científico para o estabelecimento de agriculturas mais sustentáveis. EMBRAPA – Manaus 08 de agosto de 2006 Francisco Roberto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google