A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Administração de sistemas operacionais Aula 06 Estrutura de diretórios Linux O diretório /etc Prof. Esp. Diovani Milhorim.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Administração de sistemas operacionais Aula 06 Estrutura de diretórios Linux O diretório /etc Prof. Esp. Diovani Milhorim."— Transcrição da apresentação:

1 Administração de sistemas operacionais Aula 06 Estrutura de diretórios Linux O diretório /etc Prof. Esp. Diovani Milhorim

2 O diretório /etc O diretório /etc guarda os arquivos de configuração do sistemas, dos serviços disponíveis e dos aplicativos instalados. Conhecer os principais diretórios e arquivos do /etc é de importância para o administrador que se propõe a ter domínio sobre o sistema.

3 O diretório /etc O diretório /etc/init.d Em distribuições que seguem o modelo de boot do xBSD este diretório guarda os scripts de inicialização que serão chamados pelo inicializador init do sistema.

4 O diretório /etc O diretório /etc/init.d Figura 01 : conteúdo típico do /etc/init.d

5 O diretório /etc O diretório /etc/init.d Encontramos no /etc/init.d nas distribuições debian, um script genérico chamado skeleton, que na verdade é um modelo de script que poderá ser usado para partir qualquer serviço, bastando para isto modificá-lo da forma adequada

6 O diretório /etc O diretório /etc/rcx.d Temos nestes diretórios nomeados de 1 a 6 os link simbólicos para os scripts em /etc/init.d. O número que identifica o diretório (rc1.d, rc2.d, etc..) definem o runlevel que irá utilizar estes links para partir ou parar serviços no processo de boot ou mudança de runlevel. Em resumo: Os links presentes em /etc/rc3.d indicam quais serviços serão inicializados ou parados no runlevel 3.

7 O diretório /etc O diretório /etc/rcx.d Figura 02: conteúdo típico do diretório /etc/rc3.d

8 O diretório /etc O diretório /etc/kbd Temos nestes diretórios os arquivos de configuração do mapa de teclado do sistema. Em distribuições debian este arquivo é o /etc/kbd/config Figura 03 : conteúdo típico do diretório /etc/kbd

9 O diretório /etc O diretório /etc/kbd O parâmetro a ser alterado neste arquivo é FONT. Figura 04: arquivo /etc/kbd/config

10 O diretório /etc O diretório /etc/kbd Aos mapas de caracteres do teclado são encontrados no diretório /usr/share/consolefonts. Figura 05: conteúdo típico de /usr/share/consolefonts

11 O diretório /etc O diretório /etc/kbd Um modo prático de configurar teclado sem o uso do comando: #dpkg-reconfigure console-data Caso não esteja disponível é necessário proceder a instalação do pacote; #apt-get install console-data

12 O diretório /etc O diretório /etc/network Neste diretório encontramos os arquivos de configuração das interfaces de rede e dos procedimentos anteriores e posteriores ao levantar e baixar estas interfaces. Figura 06: conteúdo típico do diretório /etc/network

13 O diretório /etc O diretório /etc/network Podemos observar na figura anteriro o arquivo interfaces que contêm as informações sobre as interfaces e os diretórios com o scripts de procedimentos ao subir ou descer as interfaces de rede.

14 O diretório /etc O diretório /etc/network Podemos observar na figura anterior o arquivo interfaces que contêm as informações sobre as interfaces e os diretórios com o scripts de procedimentos ao subir ou descer as interfaces de rede.

15 O diretório /etc O arquivo /etc/crontab Arquivo que contém a programação de programas que serão executados em horários/datas programadas utilizando o serviço Cron. O cron pode ser interpretado como um serviço do Linux que é carregado durante o processo de boot do sistema. Trata-se de uma ferramenta que permite programar a execução de comandos e processos de maneira repetitiva ou apenas uma única vez.

16 O diretório /etc O arquivo /etc/crontab o crontab dever ser configurado com o comando seguinte: #crontab –e o contrab nada mais é do que um agendador de tarefas do sistema.

17 O diretório /etc O arquivo /etc/crontab O crontab tem o seguinte formato: [minutos] [horas] [dias do mês] [mês] [dias da semana] [usuário] [comando] O preenchimento de cada campo é feito da seguinte maneira: Minutos: informe números de 0 a 59; Horas: informe números de 0 a 23; Dias do mês: informe números de 0 a 31; Mês: informe números de 1 a 12; Dias da semana: informe números de 0 a 7; Usuário: é o usuário que vai executar o comando (não é necessário especificá-lo se o arquivo do próprio usuário for usado); Comando: a tarefa que deve ser executada. Ex: # tarefa ,10 * * echo Facthus – faculdade de talentos humanos"

18 O diretório /etc Arquivo /etc/passwd É o arquivo mais cobiçado por Hackers porque contém os dados pessoais do usuário como o login, uid, telefone e senha (caso seu sistema esteja usando senhas ocultas, a senha terá um * no lugar e as senhas reais estarão armazenadas no arquivo /etc/shadow).

19 O diretório /etc Arquivo /etc/passwd Figura 7: conteúdo típico do arquivo /etc/passwd

20 O diretório /etc Arquivo /etc/passwd A linhas do arquivo /etc/passwd seguem o seguinte format: Login de usuário; Password criptografado; UID único; GID; Comentários; Diretório home; Shell. Observe o exemplo: private:x:1014:1014:Usuário Anônimo FTP:/pub/privado/:/bin/bash

21 O diretório /etc Arquivo /etc/shadow O arquivo /etc/passwd contém informações sobre todos os usuários, inclusive as suas senhas criptografadas. Ele é legível por todos os usuários e, por isso, estas senhas podem ser facilmente crackeadas. Para combater esta vulnerabilidade foi desenvolvido o sistema de sombreamento de senhas, os shadows passwords.

22 O diretório /etc Arquivo /etc/shadow Quando o sistema de sombreamento de senhas está disponível, o campo password do arquivo /etc/passwd é substituído por um "x" e o password do usuário é armazenado no arquivo /etc/shadow. Por esta razão o /etc/shadow é legível somente pelo usuário root. Desta maneira o arquivo /etc/shadow dificulta a ação de usuários maliciosos aumentando a segurança dos passwords dos usuários. O arquivo /etc/shadow contém as seguintes entradas: Login de usuário; Password criptografado; Campos com tempos de expiração de passwords. Observe o exemplo: # cat /etc/shadow private:$1$3ZkVpbv6$z.T9d907rVyIcxUFy3wwk.:12643:0:99999:7:::

23 O diretório /etc O arquivo /etc/group As informações sobre os grupos de usuários são armazenadas no arquivo /etc/group. Seu formato é similar ao arquivo /etc/passwd, as suas entradas contém: Nome do grupo; Password; GID; Grupos membros do grupo. Observe o exemplo: # cat /etc/group | grep financeiro financeiro:x:104:crildo,teste,tux,win2kserver

24 O diretório /etc O Arquivo /etc/profile Este arquivo contém comandos que são executados para todos os usuários do sistema no momento do login. Somente o usuário root pode ter permissão para modificar este arquivo. Este arquivo é lido antes do arquivo de configuração pessoal de cada usuário (.profile(root) e.bash_profile). Quando é carregado através de um shell que requer login (nome e senha), o bash procura estes arquivos em seqüência e executa os comandos contidos, caso existam: /etc/profile ~/.bash_profile ~/.bash_login ~/.profile Ele interrompe a pesquisa assim que localiza o primeiro arquivo no diretório do usuário (usando a sequência acima).

25 O diretório /etc O Arquivo /etc/profile Caso o bash seja carregado através de um shell que não requer login (um terminal no X, por exemplo), o seguinte arquivo é executado: ~/.bashrc. Observação: Nos sistemas Debian, o profile do usuário root está configurado no arquivo /root/.profile.

26 O diretório /etc Arquivo.bash_profile Este arquivo reside no diretório pessoal de cada usuário. É executado por shells que usam autenticação (nome e senha). O.bash_profile contém comandos que são executados para o usuário no momento do login no sistema após o /etc/profile. Note que este é um arquivo oculto pois tem um "." no inicio do nome. Por exemplo: Colocando a linha: alias ls='ls --colors=auto toda vez que você digitar ls será mostrada a listagem colorida.

Apresentações semelhantes


Anúncios Google