A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA CURSO DE DIREITO CURSO DE DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL I 3º SEMESTRE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA CURSO DE DIREITO CURSO DE DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL I 3º SEMESTRE."— Transcrição da apresentação:

1 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA CURSO DE DIREITO CURSO DE DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL I 3º SEMESTRE

2 2 INTERVENÇÃO DE TERCEIROS

3 3 CONCEITO Segundo José Frederico Marques ocorre o fenômeno processual chamado intervenção de terceiro quando alguém ingressa, como parte ou coadjuvante da parte, em processo pendente entre outras partes. continua.. Os casos de intervenção de terceiros catalogados pelo CPC estão dispostos do art. 50 a 80 e ainda no art continua..

4 4 CLASSIFICAÇÃO - Segundo o critério da PARTICIPAÇÃO DO TERCEIRO ampliando ou modificando subjetivamente a relação processual, esta pode ser: a) ad coadiuvandum: Quando o terceiro procura prestar cooperação a uma das partes como na assistência; b) ad excludendum: Quando o terceiro procura excluir uma ou ambas as partes, como na oposição e na nomeação à autoria. Continua...

5 5 CLASSIFICAÇÃO - Segundo o critério da INICIATIVA DA MEDIDA, a intervenção pode ser: a) espontânea: Quando a iniciativa é do terceiro, como geralmente ocorre na oposição e na assistência; b) provocada: Quando, embora voluntária a medida adotada pelo terceiro, foi ela precedida por citação promovida pela parte primitiva, como ocorre na nomeação à autoria, denunciação da lide, chamamento ao processo.

6 6   OPOSIÇÃO (art. 56 a 61, CPC)  Consiste a oposição, na “ação de terceiro para excluir tanto o autor como o réu”.  Pode ser total ou parcial, sendo admitida em todos os procedimentos.  A pretensão do opoente nunca é processada nos próprios autos e é sempre contrária a ambas às partes. Continua...

7 7  Segundo a regra do art. 109, CPC, compete ao juiz da causa principal, conhecer e julgar a ação de oposição, mesmo que o processo já esteja em grau de recurso, uma vez que a lide que vai decidir é outra.  A oposição pode ocorrer sob a forma de intervenção no processo, apensada aos autos principais, correndo simultaneamente com a ação, sendo julgada na mesma sentença (art. 59) OU ser oferecida de forma autônoma, antes do trânsito em julgado da sentença, sendo julgada sem prejuízo da causa principal (arts. 60/61). Continua...

8 8  O procedimento da oposição admite julgamento de extinção do processo, com ou sem solução de mérito.  A revelia pode ocorrer e produzir seus efeitos.  Se as partes reconhecerem a procedência do pedido do interveniente, haverá julgamento antecipado em favor deste, mas, se uma das partes não reconhecer, a ação de oposição continuará contra este.  Da sentença, caberá apelação.

9 9   NOMEAÇÃO À AUTORIA (art. 62 a 69, CPC)  Consiste a nomeação à autoria no incidente pelo qual o mero detentor, quando demandado, indica aquele que é proprietário ou o possuidor da coisa litigiosa, visando a transferir-lhe a posição de réu (art. 62).  Exemplos: situações de dependência hierárquica, como a do empregado, do mandatário, do agente, do preposto. Continua...

10 10  Não cabe nomeação à autoria se o detentor passou a exercer atos de posse em nome próprio, agindo com excesso de gestão, praticando ato culposo. Neste caso, haverá responsabilidade solidária.  O demandado deverá fazer a nomeação no prazo da defesa (art. 64). A nomeação provoca a suspensão do processo. Se for recusada pelo nomeado ensejará reabertura do prazo de defesa ao nomeante (art. 67). Continua...

11 11  O pedido do nomeante é formulado no bojo dos autos, através de petição. Uma vez deferida, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 05 dias.  O autor não é obrigado a acolher a nomeação feita pelo réu, se, porém, aceitar, deverá promover a citação do nomeado.  Se recusar, o processo retomará seu curso normal contra o demandado. Continua...

12 12  O terceiro nomeado, também não é obrigado a aceitar a nomeação, devendo porém, se manifestar expressamente, porque seu silêncio importa aceitação tácita.  Recusada a nomeação pelo terceiro nomeado, o processo retornará à sua primitiva situação.  Se o terceiro nomeado aceitar a nomeação, o processo passará a correr contra este, abrindo-se novo prazo para resposta, mediante intimação específica. Continua...

13 13  Mesmo que seja recusada a nomeação, seja pelo autor, seja pelo terceiro, poderá o nomeante demonstrar a sua simples figura de detentor ou preposto, conseguindo a extinção do processo por ilegitimidade de parte (art. 267, VI).  Tratando-se de decisão interlocutória, com objetivo de apenas solucionar o incidente, o recurso contra decisão que denega ou aceita o pedido de nomeação à autoria é o AGRAVO.

14 14   DENUNCIAÇÃO DA LIDE (art. 70 a 76, CPC)  A denunciação da lide é medida obrigatória, que leva a uma sentença sobre a responsabilidade do terceiro em face do denunciante.  Consiste em chamar o terceiro (denunciado), que mantém vínculo de direito com a parte (denunciante), para vir responder pela garantia do negócio jurídico, caso o denunciante saia vencido no processo. Continua...

15 15   casos (art. 70, CPC) I - o de garantia da evicção  A convocação se faz para que o denunciado(quem vendeu a coisa) venha garantir ao denunciante(quem comprou) o exercício dos direitos que lhe advém da evicção. EVICÇÃO : espécie de perda ou desapossamento parcial ou por inteiro que o comprador de um bem vem a sofrer, em virtude de reclamação, via judicial, proposta por outra pessoa que se considera a verdadeira dona da propriedade anteriormente alienada (art. 447 e ss, CC). Continua...

16 16   casos (art. 70, CPC) II - o da posse indireta  O proprietário ou possuidor ao ceder a posse a outrem, assume o dever de garantir o exercício normal dela por aquele que passa a ser o possuidor direto. Ex.: Numa locação, o locatário deverá denunciar da lide o locador, para que este responda por perdas e danos pela não-garantia da posse cedida, quando a posse deste for reivindicada por terceiro. Continua...

17 17   casos (art. 70, CPC) III - o do direito regressivo de indenização  Daquele que estiver obrigado, por lei ou contrato, a indenizar o denunciante, em ação regressiva, pelo prejuízo que eventualmente advier da perda da causa. Ex.: Numa cessão de direitos e obrigações, onde o cessionário não regularizara determinado empreendimento, culminando com ações de rescisão de contratos.

18 18   obrigatoriedade da denunciação da lide:  A parte que pretender sentença, que envolva, além da causa principal, também o direito de regresso contra o terceiro responsável pela garantia de seu direito envolvido no litígio, terá obrigatoriamente que fazer uso da denunciação da lide, nos moldes dos arts. 70 a 76.   casos de não-cabimento da denunciação da lide:  Não cabe denunciação da lide no procedimento sumário (salvo em ação fundada em contrato de seguro); nas ações oriundas de reparação de danos de relação de consumo; nos embargos à execução, por sua especificidade.continua....

19 19   Procedimento:   A denunciação da lide pode ser apresentada tanto pelo autor como pelo réu, suspendendo-se o processo.   Se, apresentada pelo autor, o denunciado, assume a posição de litisconsorte do denunciante e poderá aditar a petição inicial (art. 74).   Se apresentada pelo réu, o denunciado citado apresentará contestação, formando-se litisconsórcio passivo, facultativo e ulterior.continua....

20 20   Procedimento:   Se o denunciado aceitar e contestar o pedido, o processo seguirá entre o autor de um lado e de outro, como litisconsortes, o denunciante e o denunciado;   Se o denunciado negar a qualidade que lhe foi atribuída cumprirá ao denunciante prosseguir na defesa até o final.   Ao prolatar a sentença, formar-se-ão 02 (DOIS) títulos executivos. O primeiro na lide principal e o segundo na lide secundária (entre o denunciante e o denunciado), cabendo recurso de Apelação.

21 21   CHAMAMENTO AO PROCESSO (art. 77 a 80, CPC)  É o incidente pelo qual o devedor demandado chama para integrar o mesmo processo os coobrigados pela dívida, de modo a fazê-los também responsáveis pelo resultado.  É uma faculdade, não uma obrigação e somente o réu pode promover o chamamento ao processo. Continua...

22 22   casos (art. 77, CPC) I - o do devedor, na ação em que o fiador for réu; II - dos outros fiadores, quando para a ação for citado apenas um deles; III - de todos os devedores solidários, quando o credor exigir de um ou de alguns deles, parcial ou totalmente, a dívida comum;

23 23   casos de admissibilidade   O chamamento ao processo é cabível, em qualquer espécie de procedimento, salvo no sumário e no processo de execução. OBSERVAÇÃO: Pelo atual art. 787, do Código Civil vigente, a Seguradora assume a garantia do pagamento das perdas e danos devidos pelo segurado ao terceiro. Não é mais o reembolso de seus gastos que o seguro de responsabilidade civil cobre. O ofendido tem, portanto, ação que pode exercer diretamente, tanto contra o segurado como contra a seguradora, passando assim, a ser no campo do direito processual, objeto de chamamento ao processo. Continua...

24 24   Procedimento   O réu deve propor o incidente no prazo da contestação (art. 78);   Recebendo a petição o juiz suspenderá o curso do processo, observando-se quanto à citação e prazos o art. 72;   Havendo sucumbência dos devedores em conjunto, esta valerá como título executivo, podendo o que pagar, cobrar dos demais

25 25 Fim....


Carregar ppt "1 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA CURSO DE DIREITO CURSO DE DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL I 3º SEMESTRE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google