A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O braile na escola inclusiva. Louis Braille (1809-1852)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O braile na escola inclusiva. Louis Braille (1809-1852)"— Transcrição da apresentação:

1 O braile na escola inclusiva

2 Louis Braille ( )

3

4

5

6

7 MITOS SOBRE O CEGO E A LEITURA EM BRAILE

8 1.O CEGO É INCAPAZ/ O CEGO POSSUI UM SEXTO SENTIDO: DUAS FACES DO ESTEREÓTIPO

9 2. O CEGO TEM SENSIBILIDADE INATA PARA CONHECER COM O TOQUE DOS DEDOS

10 3. O BRAILE É UMA LINGUAGEM

11 4. O BRAILE É MUITO DIFÍCIL DE APRENDER

12 5. É PRECISO TREINAR A DISCRIMINAÇÃO TÁTIL COMO PRÉ-REQUISITO PARA O USO DO BRAILE

13 6. A GRAVAÇÃO EM FITA CASSETE PODE SUBSTITUIR O BRAILE

14 7. O USO DAS ABREVIATURAS EM BRAILE CORROMPE A ORTOGRAFIA DO ALUNO

15 8. O CEGO TEM DE SER TRATADO COMO OS OUTROS ALUNOS

16 OUTROS RECURSOS EDUCACIONAIS PARA PESSOAS CEGAS/ BAIXA VISÃO...

17 ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE - GUIA VIDENTE - AUTOPROTEÇÕES - AJUDAS ELETRÔNICAS - BENGALA LONGA - CÃO-GUIA

18 Orientação e Mobilidade é parte essencial da educação e da reabilitação do portador de deficiência visual e da sua integração à sociedade, devendo ser oferecido por profissionais devidamente capacitados para o desenvolvimento do programa na escola, no centro de educação especial na sala de recursos. A tarefa mais importante do professor especializado é maximizar a habilidade do portador de deficiência visual na exploração do ambiente em que vive, favorecendo assim sua independência, sua autoconfiança e sua integração social, por meio da aprendizagem de técnicas que lhe possibilitem a locomoção independente. Esse trabalho requer orientação mental e mobilidade física. Um programa eficiente de Orientação e Mobilidade começa no lar. A atitude superprotetora e/ou de rejeição dos pais pode retardar ou prejudicar seriamente a independência da mobilidade da criança cega nos primeiros anos de vida (BRASIL 1995, p. 49).

19 USO DO SOROBÃ O sorobã ou ábaco é um instrumento matemático manual, de origem oriental, adaptado para a utilização pelo cego a partir da alfabetização. Esse instrumento permite rapidez e precisão no registro dos números, o que facilita o estudo completo das operações fundamentais com números naturais (adição subtração, multiplicação, divisão, potenciação, radiciação, MDC, MMC, raiz quadrada), bem como o desenvolvimento do raciocínio lógico e do cálculo mental (BRASIL 1995, p. 51).

20 OUTRAS ESTRATÉGIAS... -FILMES LEGENDADOS... -AMPLIAÇÃO DE MATERIAL COM -DIFERENTES RECURSOS: CÓPIAS, TELESCÓPIO, LUPA, RÉGUA,... -POSIÇÃO OCUPADA PELO ALUNO EM AULA... -PROFESSOR ESPECIALIZADO...

21 FILMES SUGERIDOS -A PRIMEIRA VISTA -A COR DO PARAÍSO - HELLEN KELLER E ANNE SULINAN - AS BORBOLETAS DE ZARGOWSKI - DANÇANDO NO ESCURO

22 REFERÊNCIAS: BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Subsídios para organização e funcionamento de serviços de educação especial: Área de Deficiência Visual / Ministério da Educação e do Desporto; Secretaria de Educação Especial; Projeto Nordeste – Brasília : MEC/SEESP, (Série Diretrizes.). REILY, Lucia. Escola inclusiva: linguagem e mediação. Campinas, SP: Papirus, 2004 – (Série Educação Especial).


Carregar ppt "O braile na escola inclusiva. Louis Braille (1809-1852)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google