A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CAMILA MARES GUIA BRANDI

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CAMILA MARES GUIA BRANDI"— Transcrição da apresentação:

1 CAMILA MARES GUIA BRANDI

2 Prevenção: vacinação infantil Medicamento: insulina para diabetes Aparelho : implante coclear Exame diagnóstico: Tomografia computadorizada Procedimento: laparoscopia

3 Tecnologias em saúde são medicamentos, equipamentos, procedimentos e os sistemas organizacionais e de suporte dentro dos quais os cuidados com a saúde são oferecidos.

4 Mudanças demográficas (envelhecimento) Transição epidemiológica Incorporação de novas tecnologias Variabilidade na prática médica DEMANDA POR CUIDADOS DE SAÚDE RECURSOS DISPONÍVEIS Restrição orçamentária Kobelt G. Health Economics: an introduction to economic evaluation. London: OHE, 2002

5 procedimentos, equipamentos e medicamentos, envolvendo aspectos de segurança, efetividade, eficácia, factibilidade e indicações para uso, custo, custo-efetividade, bem como consequências sociais, econômicas e éticas de qualquer ação em saúde. Portanto, possui um enfoque interdisciplinar Tomada de decisão quanto ao abandono ou incorporação O que avaliar?

6 Área do conhecimento interdisciplinar que estuda as implicações médicas, econômicas, sociais e éticas para desenvolvimento, difusão e uso de tecnologia em saúde.

7 das relações equipamentos saberes estruturados, normas, protocolos, conhecimentos Tecnologia leve Tecnologia dura Tecnologia leve-dura Fonte:Merhy, (1997)

8 Medicamentos Equipamentos Procedimentos Sistema de suporte Organizacional No setor da saúde Fora do setor da saúde Tecnologia Biomédica Tecnologia Médica Tecnologia de atenção à Saúde Tecnologia em Saúde

9 Reflexão necessária neste contexto: Atendimento integral não significa incorporar todas tecnologias disponíveis no mercado, mas avaliar a oferta segundo: Necessidade social Evidência científica Prioridades da política nacional de saúde Disponibilidade de recursos O que estabelece a Constituição Federal de 1988? Acesso universal e igualitário às ações e serviços para promoção, proteção e recuperação da saúde, garantido mediante políticas públicas... (art. 195) Atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais.

10

11 Foi realizada uma comparação das recomendações terapêuticas de um livro texto de 1927 com as de outro de Resultados: 60% dos medicamentos recomendados em 1927 eram perigosos, duvidosos; apenas 3% eram efetivos; observou-se que número de medicamentos cresceu sete vezes e os duvidosos reduziram em dois terços nas recomendações de Fonte: Beeson (apud Banta, 2003)

12 Quando foi lançado, em 1999, o Vioxx foi anunciado como um dos remédios mais eficazes para tratar a dor das vítimas de artrite. Em 2006 essa história de sucesso foi interrompida. O motivo: o consumo diário de 25 miligramas do remédio, por mais de dezoito meses, dobra os riscos de infartos e derrames. Fonte: Revista Veja: 20/08/2006

13 Surgiu como uma resposta às necessidades do sistema de saúde de melhor compreender as consequências da mudança tecnológica no processo de cuidado à saúde ATS é uma ferramenta de auxílio aos formuladores de política nas decisões relacionadas à tecnologia médica

14

15

16

17

18

19

20 Quanto à natureza material: Medicamentos Equipamentos e suprimentos: ventilador, marcapassos cardíacos, luvas cirúrgicas, kits de diagnóstico, etc; Procedimentos médicos e cirúrgicos; Sistema de suporte: bancos de sangue, sistema de prontuário eletrônico, etc; Sistema gerenciais e organizacionais: sistema de informação, sistema de garantia de qualidade, etc.

21 Quanto ao propósito: Prevenção: visa proteger os indivíduos contra uma doença ou limitar a extensão de uma sequela (vacinas); Triagem: visa detectar a doença, anormalidade, ou fatores de risco em pessoas assintomáticas (mamografia, exame Papanicolau); Diagnóstico: visa identificar a causa e natureza ou extensão de uma doença com sinais clínicos ou sintomas (eletrocardiograma, raio X); Tratamento: visa melhorar ou manter o estado de saúde, evitar uma deterioração maior ou atuar como paliativo; Reabilitação: visa restaurar, manter ou melhorar a função de uma pessoa com uma incapacidade física ou mental.

22 Quanto ao estágio de difusão: Futura: em estágio de concepção ou nos estágios iniciais de desenvolvimento; Experimental: quando está submetida a testes em laboratório usando animais ou outros modelos; Investigacional: quando está submetida a avaliações clínicas iniciais (humanos); Estabelecidas: considerada pelos provedores como um enfoque padrão para uma condição particular e difundida para uso geral; Obsoleta: sobrepujada por outras tecnologias ou foi demonstrado que elas são ineficientes ou prejudiciais.

23

24

25 Poucas tecnologias se mostram como uma resposta definitiva para um problema de saúde; Cada vez mais surge novas tecnologias; Um conjunto complexo de mecanismo inter- relacionados é posto em movimento a partir do momento em que ela se difunde e é utilizada; Eventualmente ela será abandonada por uma série de razões.

26

27 Inovação – Ideia inicial, pesquisa básica, pesquisa aplicada, desenvolvimento, testes clínicos; Difusão – divulgação pelo meio médico; Incorporação – reconhecimento da eficácia da nova tecnologia; Utilização – utilização plena da nova tecnologia; Abandono – com o surgimento de novas tecnologias ocorre o abandono de outras.

28 Escolha Decisões Determinam a utilização e a alocação de recursos; Trade-offs (gastar mais em alguma coisa, nos deixa com menos para gastar em outras);

29

30

31

32

33

34

35 Comparam duas ou mais estratégias alternativas de intervenção para prevenção, diagnóstico ou tratamento de determinada condição de saúde. Usado para comparar alternativas que competem entre si (Ex: escolha entre 2 anti-hipertensivos).

36 Não atribui valor monetário aos impactos das intervenções. Unidades de medição: nº de doenças evitadas, internações prevenidas, casos detectados, nº de vidas salvas. Razão de custo-efetividade: CE 12 = Custo 2 – Custo 1 / Efetividade 2 – Efetividade 1

37 Relação entre os custos totais de cada intervenção e os benefícios diretos e indiretos gerados. É a forma de análise mais abrangente Custos e benefícios são relatados usando uma métrica comum - atribui-se valor monetário aos benefícios ou impactos de uma ação. É socialmente rentável investir no projeto x?

38 Limitação: transformação monetária do benefício clínico. Atribuir valores monetários a impactos para a saúde difícil e controverso: Quanto vale salvar uma vida? Qual a disposição da sociedade a pagar para reduzir a probabilidade de morte?

39 ACB é de máxima utilidade nos casos de programas de saúde que têm efeitos importantes no desenvolvimento econômico. ACE é útil para avaliar diferentes métodos de luta contra a doença.

40 Medidas dos efeitos de uma intervenção considera a medição de qualidade de vida relacionada com a saúde. Utilizado para estudos destinados a comparar diferentes tratamento aplicados. Unidade de medida em Anos de Vida Ajustados por Qualidade (AVAQ).

41

42

43

44 Promover estudos de ATS para subsidiar a tomada de decisão no SUS. Subsidiar as decisões de incorporação e utilização de tecnologias em saúde, com base em critérios de segurança, eficácia, efetividade, impacto econômico e social, ética e equidade. Monitorar a utilização de tecnologias já incorporadas no SUS e as emergentes. Capacitar os gestores e profissionais de saúde. Disseminar resultados de ATS para gestores.

45 Os três principais elementos de um uso eficiente dos recursos são: 1° - Não desperdiçar recursos; 2° - Produzir cada produto/intervenção de saúde ao seu menor custo; 3° - Produzir os tipos e quantidades de produto/ intervenções de saúde que tem mais valor (no sentido, de necessários) para as pessoas.

46 Análise Econômica em Saúde

47

48

49 Custos e benefícios oriundos de uma intervenção em saúde Fonte: Adaptado de Greenhalgh (1997).

50 Salvando mais vidas a um custo absoluto e relativo menor; Isolando-se apenas A e B, vemos que B tem um menor custo absoluto, mas um maior custo na relação custo-efetividade (R$ 5.000,00 contra R$ 3.000,00 de A). Medicamento Custo para Tratar 100 pacientes N ú mero de vidas salvas/100 pacientes Razão custo-efetividade (custo por vida salva) A R$ ,0010 R$ 3.000,00 B R$ ,004 R$ 5.000,00 C R$ ,0018 R$ 1.000,00 Grande vantagem de C em relação a todos os demais produtos:

51 Simulação de uma análise de minimização para dois antibióticos com perfis de eficácia e segurança equivalentes para uma mesma indicação

52 Percebe-se que o antibiótico B leva a uma economia de R$ 12,00 por paciente tratado. Se a infecção a ser combatida afetasse um milhão de indivíduos a cada ano, o uso deste produto representaria uma economia de 12 milhões de reais em relação ao Antibiótico A.

53

54 Produzir informações relevantes, confiáveis, em tempo real e com linguagem adequada ao público alvo; Produzir informações relevantes, confiáveis, em tempo real e com linguagem adequada ao público alvo; Mudar a cultura, baseada em princípios: éticos, social, ambiental e responsabilidade humana; Mudar a cultura, baseada em princípios: éticos, social, ambiental e responsabilidade humana; Trabalhar com a pluralidade metodológica; Trabalhar com a pluralidade metodológica; Transformar o processo de aprendizagem e de conhecimento para aprender a conhecer, aprender a saber e aprender a ser. Transformar o processo de aprendizagem e de conhecimento para aprender a conhecer, aprender a saber e aprender a ser.

55 A principal limitação, freqüentemente apontada pelos autores das avaliações, é a falta de estudos econômicos para todas as tecnologias, além da qualidade e validade questionável dos estudos existentes. Avaliação econômica em saúde – MS / 2008 As técnicas de avaliação econômica dos serviços de saúde vêm gerando sobre a maior parte dos profissionais desta área sentimentos de amor e ódio. Maria A. Dominguez Ugá, ENSP/Fiocruz

56


Carregar ppt "CAMILA MARES GUIA BRANDI"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google