A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Professor Fláudio Colégio Delta Histologia e Fisiologia Vegetal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Professor Fláudio Colégio Delta Histologia e Fisiologia Vegetal."— Transcrição da apresentação:

1 Professor Fláudio Colégio Delta Histologia e Fisiologia Vegetal

2 EMBRIONÁRIOS MERISTEMA PRIMÁRIO MERISTEMA SECUNDÁRIO PERMANENTES REVESTIMENTO E PROTEÇÃO SUSTENTAÇÃO CONDUÇÃO SÍNTESE E RESERVA FORMAM OS Tipos de Tecidos

3 Meristema Sempre estimulam crescimento Suas células são indiferenciadas ou totipotentes Suas células sempre estão sofrendo mitoses meristema secundário que provoca crescimento secundário (em espessura) [ [ Podem formar outros tecidos, principalmente os adultos ou permanentes Ex. câmbio Ex. felogênio Ex. periblema Ou meristema fundamental Ex. pleroma ou Procâmbio Ex. dermatogênio ou protoderme Xilema Floema Súber Feloderme Tecidos de sustentação Tecidos de preenchimento câmbio epiderme meristema primário que provoca crescimento primário (em altura)

4 Vacúolos pequenos núcleo volumoso um único e grande vacúolo parede celular delgada parede celular espessa

5 Tipos de Meristemas Primários DERMATOGÊNIO (PROTODERME) EPIDERME PERIBLEMA (MERISTEMA FUNDAMENTAL) CASCA PLEROMA (PROCÂMBIO) XILEMA e FLOEMA CALIPTROGÊNIO COIFA

6 floemaxilemas procâmbio meristema fundamental protoderme coifa ou caliptra periblema ou meristema fundamental protoderme

7

8 CÂMBIO FLOEMA XILEMA FELOGÊNIO SÚBER FELODERMA PARA FORA PARA DENTRO PARA FORA PARA DENTRO Tipos de Meristemas Secundários

9 Tec. Meristemático secundário Tec. meristemático secundário

10 CORTE TRANSVERSAL DE CAULE – 200x

11 Tecidos de Revestimento EPIDERME CÉLULAS ACLOROFILADAS JUSTAPOSTAS VIVAS SÓ CÉLULAS ESTOMÁTICAS TÊM CLOROFILA ANEXOS CUTÍCULA PÊLOS ESTÔMATOS HIDATÓDIOS

12 Estômatos

13

14 SÚBER CÉLULAS MORTAS CHEIAS DE AR COM SUBERINA COM LENTICELAS SÚBER VELHO = RITIDOMA PERIDERME = SÚBER + FELOGÊNIO + FELODERMA Tecidos de Revestimento

15 RITIDOMA

16 FUNÇÕES DE SÍNTESE E RESERVA TECIDO FUNDAMENTAL DOS VEGETAIS CÉLULAS VIVAS COM PAREDES FINAS Parênquimas Parênquima clorofiliano ou assimilador Parênquima amilífero ou de reserva Parênquima aerífero ou aerênquima Parênquima aquífero Realiza a fotossíntese Armazena substâncias para reserva de energia Armazena ar para manter flutuação Armazena água. Plantas xerófitas

17 CÉLULAS VIVAS RICAS EM CLOROPLASTOS FUNÇÃO FOTOSSÍNTESE LOCALIZAÇÃO FOLHAS TIPOS FOTOSSÍNTESE E AREJAMENTO PALIÇÁDICO LACUNOSO CÉLULAS CILÍNDRICAS FOTOSSÍNTESE CÉLULAS ARREDONDADAS COM LACUNAS Parênquima Clorofiliano

18

19 PALIÇÁDICO LACUNOSO

20 Intensidade luminosa; Concentração de CO2; Temperatura; Fatores internos: Genética, posição das folhas, nutrição e etc. Fatores Limitantes da Fotossíntese

21 COLÊNQUIMA TECIDO VIVO PAREDE DE CELULOSE CLOROFILADO FLEXÍVEL COM FIBRAS CAULES JOVENS OCORRÊNCIA PECÍOLOS PEDÚNCULOS FLORAIS Tecidos de Sustentação

22 REFORÇO DE CELULOSE

23 ESCLERÊNQUIMA TECIDO MORTO REFORÇO DE LIGNINA ACLOROFILADO RÍGIDO COM FIBRAS E CÉLULAS PÉTREAS(esclerídeos) PARTES VELHAS (já amadurecidas) Tecidos de Sustentação

24 FIBRAS – CAULE DE SALSÃO

25 XILEMA (LENHO) SEIVA BRUTA FLOEMA (LIBER) SEIVA ELABORADA ÁGUA E SAIS MINERAIS SOLUÇÃO DE SACAROSE Tecidos de Condução

26 CÉLULAS MORTAS CONDUZ SEIVA BRUTA (ASCENDENTE) TIPOS DE CÉLULAS TRAQUEÍDES ELEMENTOS DE VASO OU TRAQUÉIAS VASOS LENHOSOS = TRAQUÉIAS + TRAQUEÍDES REFORÇO DE LIGNINA Xilema ou Lenho

27 VASOS LENHOSOS

28

29 REFORÇO DE CELULOSE CÉLULAS VIVAS SEIVA ELABORADA (DESCENDENTE) VASOS LIBERIANOS = TUBOS CRIVADOS PLACAS CRIVADAS FIBRAS CALOSE OBSTRUI A PLACA CRIVADA NA ESTAÇÃO HOSTIL ESTRUTURA VASOS LIBERIANOS CÉLULAS ANEXAS PARÊNQUIMA LIBERIANO Floema ou Líber

30 Célula companheira Célula companheira Célula ou elemento do tubo crivado Placa crivada Vaso do floema ou vaso liberiano

31 TUBO CRIVADO PLACA CRIVADA

32 Célula do tubo crivado

33 PRODUZEM E ACUMULAM SUBSTÂNCIAS PRINCIPAIS TECIDOS PÊLOS SECRETORES NECTÁRIOS VASOS LACTÍFEROS Tecidos de Secreção

34 Tecidos meristemáticos ou embrionários Tecidos adultos ou permanentes tecidos meristemáticos primários tecidos meristemáticos secundários tecidos de revestimento ou proteção tecidos de sustentação tecidos de condução de seivas tecidos de preenchimento ou parênquimas dermatogênio ou protoderme periblema ou meristema fundamental pleroma ou procâmbio caliptrogênio Câmbio Felogênio epiderme (vivo) súber (morto) colênquima (vivo) esclerênquima (morto) xilema (morto) floema (vivo) parênquima clorofiliano parênquima amilífero ou de reserva parênquima aerífero parênquima aquífero

35 Fisiologia Vegetal Hormônios Tropismos e Nastismos Dominância Apical Fotoperiodismo

36 Auxinas Local de síntese – zonas meristemáticas e orgãos em crescimento

37 Giberelinas Sintetizam-se nos meristemas apicais, folhas jovens, raízes e embrião

38 Citocininas Produzem-se nas raízes e sementes

39 Ácido Abcísico Produzem-se no caule, folhas velhas

40 Etileno Produz-se nos tecidos de frutos, folhas e tecidos velhos

41 Tropismos Direção do movimentoNatureza do estímulo Positivos ( em direcção ao estímulo) Negativos (afasta-se do estímulo) Fototropismos luz Tigmotropismos mecânicos Quimiotropismos químico Hidrotropismos água Gravitropismos gravidade Nastismos Reação não se orienta pelo estímulo

42 Fototropismo Partes aéreas Fototropismo Positivo Partes subterrâneas Fototropismo Negativo Video Plant physiology

43

44 Movimentos násticos Não envolvem crescimento direcionado relativamente ao estímulo. Podem, também ser classificados de acordo com a natureza do estímulo que os provoca : - Fotonastia

45 - Tigmonastia

46 Dominância Apical

47

48

49 Fotoperiodismo

50

51 HORMÔNIOBIOSSÍNTESETRANSPORTEEFEITO AUXINA (AIA) PRIMÓRDIOS FOLIARES/ SEMENTE EM DESENVOLVIMENTO DIFUSÃO UNIDIRECION AL CRESCIMENTO CITOCINASÁPICE RADICULARXILEMA (DAS RAÍZES PARA O RESTANTE DA PLANTA) DIMINUI A SENESCÊNCIA ETILENOFOLHAS MADURAS/ SEMENTES DIFUSÃOMATURAÇÃO E SENESCÊNCIA ÁCIDO ABSCÍSICO (ABA) FOLHAS MADURAS/ SEMENTES FLOEMA (DAS FOLHAS PARA O RESTANTE DA PLANTA) FECHAMENTO DOS ESTÔMATOS/ DORMÊNCIA EM SEMENTES GIBERILINA (GAS) CAULE/ SEMENTE/ RAÍZES (JOVENS) XILEMA/ FLOEMA HIPER- ALONGAMENTO TROPISMOS VEGETAIS - FOTOTROPISMO - GEOTROPISMO - NASTISMOS

52 MONOCOTILEDÔNEASDICOTILEDÔNEAS raiz fasciculada (cabeleira) pivotante ou axial (principal) caule em geral, sem crescimento em espessura (colmo, rizoma, bulbo) em geral, com crescimento em espessura (tronco) distribuição de vasos no caule feixes líbero-lenhosos espalhados(distribuição atactostélica = irregular) feixes líbero-lenhosos dispostos em círculo (distribuição eustélica = regular) folha invaginante: bainha desenvolvida; uninérvia ou paralelinérvia. peciolada: bainha reduzida; pecíolo; nervuras reticuladas ou peninérvias. Flor trímera (3 elementos ou múltiplos) dímera, tetrâmera ou pentâmera embrião um cotilédone2 cotilédones exemplos bambu; cana-de-açúcar; grama; milho; arroz; cebola; gengibre; coco; palmeiras. eucalipto; abacate; morango; maçã; pera; feijão; ervilha; mamona; jacarandá; batata.


Carregar ppt "Professor Fláudio Colégio Delta Histologia e Fisiologia Vegetal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google