A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Demitrius Bellezzo Piloto nivel III/Piloto de Acrobacia Equipe Piloto Safo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Demitrius Bellezzo Piloto nivel III/Piloto de Acrobacia Equipe Piloto Safo."— Transcrição da apresentação:

1 Demitrius Bellezzo Piloto nivel III/Piloto de Acrobacia Equipe Piloto Safo

2 TIPOS

3 O vôo livre vem colorindo os céus do Brasil há quase 30 anos. Do primeiro vôo no alto do Corcovado até hoje, muito se passou. O esporte cresceu, ganhou notoriedade e popularidade. A história da Asa Delta não é tão antiga quanto o desejo do homem de conquistar o céu. Mas foi depois da II Guerra Mundial que a asa delta, de fato, surgiu. Um pesquisador chamado Francis Rogallo, foi o primeiro a registrar a patente das asas flexíveis, em 1951.

4 O primeiro desenho de uma asa delta como conhecemos atualmente foi realizado por Al Hartig em A história no Brasil começou quando um piloto francês fez um vôo do alto do Corcovado no Rio de Janeiro em O primeiro piloto brasileiro a voar foi Luiz Cláudio. Seu primeiro vôo foi realizado no dia 7 de setembro de 1974, no topo da Pedra da Agulhinha, em São Conrado. Em 1975, o número de pilotos já era mais de uma dezena e resolveram, então, realizar o 1º Campeonato Brasileiro de Vôo Livre. No final de 1975, foi fundada então a Associação Brasileira de Võo Livre (ABVL), com o objetivo de controlar o acesso à rampa de vôo livre em São Conrado, que acabou sendo definitivamente cedida aos pilotos e utilizada até hoje.

5 A história do Parapente começou nas pesquisas para retorno de cápsulas espaciais à Terra. O pára-quedista norte-americano e engenheiro em aerodinâmica, David Barish, dedicou-se à criação de um novo pára-quedas especialmente destinado ao projeto Apolo, da NASA. David Produzia alguns protótipos, até que, em 1965, ele construiu uma espécie de pára-quedas. Para realizar alguns ajustes, o americano decolou do monte Hunter, nos Estados Unidos. Logo após esse vôo, David colocou o nome de slope soaring na nova atividade. O equipamento possuia uma forma diferente dos parapentes atuais. O tecido inferior cobria um terço da corda e ele composto inicialmente de três e, logo em seguida, de cinco grandes gomos. Em 1973, David escreveu o primeiro manual de paragliding, que já mostrava o esporte como uma variante do vôo livre. O manual depois viria a ser considerado um guia para o parapente atual.

6

7

8 Equipamentos O equipamento de parapente apresenta algumas características diferentes dos outros esportes, sendo basicamente composto de quatro itens: o velame, o selete, o pára-quedas de emergência e o capacete. O velame constitui a maior parte do equipamento e é dividido em três partes: a vela, a linha e os tirantes. A vela é feita de um tipo de nylon especial e funciona como uma asa. Uma de suas características principais é a resistência e a deformação, ou seja, o tecido muda de forma, alterando as características originais do parapente. O selete funciona como um casulo e é onde o atleta fica durante o vôo. É importante que seja ajustada a cada piloto, pois seu conforto depende disso. Para casos de emergência, utiliza-se o pára-quedas. Ele está acoplado no selete e só é utilizado caso aconteça algo de muito grave.

9 Velame. 1. Asa/Parapente/Wing/glider. Construida a partir de um tecido especial de nylon com um tratamento especial, que possui uma trama chamada Ripstop (que em caso de rasgo, impede que o mesmo aumente de tamanho) 2. Leading edge 3. Células/Cells. The paraglider is divided into individual sections known as cells 4. Cell walls. Aberturas por onde o ar entra nas céluas 5. Ponta da asa/Wing tip 6. Pé de galinha/Trailing edge: 7. Extradorso/Top surface 8. Intradorso/Bottom surface 9. Linhas de freio/Brake line. Ligado a parte traseira do parapente, permite que o parapente seja controlado. 10. Linhas/Lines. Divididas em grupos a, b, c, (d), frabricadas com Dynema ou Kevlar, normalmente possuem uma capa de proteção 11. Tirantes/Risers. Conecta a selete as linhas.

10

11 Selete

12 Reserva

13 Aerodinâmica O nome aerodinâmica está relacionado ao estudo da dinâmica dos corpos que se movem dentro de fluidos como o próprio ar e outros gases, sendo um ramo importante da mecânica dos fluidos. O nome aerodinâmica está relacionado ao estudo da dinâmica dos corpos que se movem dentro de fluidos como o próprio ar e outros gases, sendo um ramo importante da mecânica dos fluidos. O Princípio de Bernoulli : O Princípio de Bernoulli : Relaciona a velocidade do fluxo do ar e a pressão correspondente.

14 Princípio de Bernoulli Princípio de Bernoulli Velocidade de fluxo Pressão Velocidade de fluxo Pressão Velocidade de fluxoPressão

15 Perfil Aerodinâmico

16 Vento Real / Relativo Velocidade do vento real : É o deslocamento do ar sobre o solo. Podem ser uma brisa marítima, um vento meteorológico, uma brisa de encosta, etc. Velocidade do vento real : É o deslocamento do ar sobre o solo. Podem ser uma brisa marítima, um vento meteorológico, uma brisa de encosta, etc. Vento relativo: É o vento aparente que sopra sobre um corpo em movimento na atmosfera, geralmente no sentido contrário ao objeto em movimento. Vento relativo: É o vento aparente que sopra sobre um corpo em movimento na atmosfera, geralmente no sentido contrário ao objeto em movimento.

17 Perfil Aerodinâmico

18 Lift Ascendência dinâmica. Consiste em aproveitar o desvio para cima que o vento faz ao passar por uma montanha e utilizar a corrente ascendente resultante para permanecer voando sem perder altura.

19 FALSOS FRONTAIS O rotor pode dar a impressão errada de que o vento está frontal, cuidado! O rotor pode dar a impressão errada de que o vento está frontal, cuidado!

20 VENTURIS As gargantas que muitas vezes recortam as encostas posem canalizar o vento aumentando sua velocidade por um efeito de jateamento: As gargantas que muitas vezes recortam as encostas posem canalizar o vento aumentando sua velocidade por um efeito de jateamento:

21 Térmicas Massa de ar que, quando aquecida se desprende subindo. Esse ar quente quando resfriado formam as nuvens. As térmicas podem ser consideradas o motor do vôo livre.

22 Video

23 Decolagem Inflagem Consiste em tracionar o parapente na direção que deseja decolar, trazendo -o para cima da cabeça do piloto. Inflagem Consiste em tracionar o parapente na direção que deseja decolar, trazendo -o para cima da cabeça do piloto.

24 Controle/Corrida

25 Voar

26 Siv-Simulação de incidentes de vôo

27 Trike e Paramotor

28 Obrigado!!!


Carregar ppt "Demitrius Bellezzo Piloto nivel III/Piloto de Acrobacia Equipe Piloto Safo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google