A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil Aprovado na 7 ª Reunião Ordin á ria do Conselho Permanente Bras í lia, DF, 23 a 26 de novembro de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil Aprovado na 7 ª Reunião Ordin á ria do Conselho Permanente Bras í lia, DF, 23 a 26 de novembro de."— Transcrição da apresentação:

1 1 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil Aprovado na 7 ª Reunião Ordin á ria do Conselho Permanente Bras í lia, DF, 23 a 26 de novembro de 1982

2 2 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil INTRODUÇÃO 3. Fenômeno estritamente eclesial, as CEBs em nosso país nasceram no seio da Igreja/instituição e tornaram-se um novo modo de ser Igreja. Pode-se afirmar que é ao redor delas que se desenvolve, e se desenvolverá cada vez mais, no futuro, a ação pastoral e evangelizadora da Igreja.

3 3 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 40. Células vivas da Igreja, as CEBs (...) têm colaborado poderosamente na renovação das paróquias e dos vários processos pastorais, no sentido de uma crescente comunhão e participação. (...) Na prática de sua vida elas têm encontrado surpreendentes caminhos de uma evangelização, catequese e liturgia encarnadas, muito ligadas à palavra de Deus. Em sua fome e sede de justiça, têm encontrado caminhos de uma prática ecumênica concreta. Desenvolvem, ainda, um fenômeno de intercomunicação participativa e da formação do senso crítico diante da massificação dos meios de comunicação. (...) São uma alternativa de educação para os que buscam uma sociedade nova, onde o individualismo, a competição e o lucro cedem lugar à justiça e à fraternidade.

4 4 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 48. Não seria certo, porém, concluir-se daí que as CEBs só são possíveis entre as classes pobres. Pior ainda seria pensar-se em duas igrejas irredutíveis entre si: uma dos pobres, nas CEBs, e outra das classes médias ou ricas, na paróquia e outras organizações. 49. Seria desfigurar a própria natureza das CEBs, isolá-las dentro da Igreja ou dar-lhes como conteúdo primordial e constitutivo uma conotação sociológica. 57. Também aqui as CEBs refletem a consciência da Igreja em termos de missão evangelizadora. A ação pela justiça e a participação na transformação do mundo aparecem-nos claramente como uma dimensão construtiva da pregação do Evangelho.

5 5 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 63. O novo que as CEBs trouxeram foi o fato de oferecerem, dentro da Igreja, um espaço para o próprio povo simples participar da evangelização da sociedade através da luta pela justiça. Nesse sentido, as CEBs têm se manifestado como lugar privilegiado de educação para a justiça e como instrumento de libertação.

6 6 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 72. Para ser membro de uma CEB, não basta, portanto, a prática da justiça. É preciso mais, é preciso explicitar essa prática na pessoa e na obra de Cristo. Igualmente, não basta a uma CEB promover os valores do Reino. Para ser fiel à sua identidade, essa promoção tem de guardar uma relação constante e explícita à pessoa e missão de Jesus Cristo, Filho de Deus, e seu mistério pascal, através do qual se deu a instauração do Reino de Deus na humanidade.

7 7 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 76. Sem destruir os laços fraternos criados e sem prejudicar os passos dados, é necessário manter clara a distinção entre CEBs e movimentos populares. Os movimentos populares são movimentos sociais entre as classes mais pobres e seus objetivos são a libertação e promoção sócio-política do povo. Eles não são movimentos de Igreja, não dependem dela em sua organização e atuação, tendo plena autonomia com relação à Igreja. As CEBs precisam tomar consciência disto para não ocupar um espaço que não é seu e imprimir um ritmo de vida eclesial a um movimento secular. Da mesma forma, as CEBs perderiam sua identidade se, para se acomodar aos movimentos populares, alterassem seu modo de vida e seus valores explícitos de fé.

8 8 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 79. Isso não quer dizer, porém, que as CEBs sejam um novo movimento de leigos. A CEB não é um movimento, é nova forma de ser Igreja É a primeira célula do grande organismo eclesial ou, como diz Medellín, a célula inicial de estruturação eclesial. Como Igreja, a CEB guarda as características fundamentais que Cristo quis dar à comunidade eclesial. A CEB é uma maneira nova de realizar a mesma comunidade eclesial que é o Corpo de Cristo. Por isso mesmo, o ministério pastoral ou hierárquico faz parte da CEB. O Bispo ou o padre não são de fora, não são meros assessores ou acompanhantes. Sua presença, mesmo não contínua, tem um sentido especial e único, já que, como em qualquer comunidade eclesial, eles tornam presente o Cristo- cabeça.

9 9 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 80. Para as CEBs, portanto, não basta que, como qualquer movimento cristão, estejam unidas a seus Bispos e padres. As CEBs são células do corpo eclesial e por isso, guardam laços de natureza mais íntima no relacionamento com os pastores que, em nome do Senhor, estão à frente das Igrejas. Isso não suprime a justa autonomia das CEBs no desenvolvimento de sua vida e missão própria, mas acarreta especiais exigências de comunhão e corresponsabilidade eclesial.


Carregar ppt "1 As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil Aprovado na 7 ª Reunião Ordin á ria do Conselho Permanente Bras í lia, DF, 23 a 26 de novembro de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google