A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profa. Erika Bataglia. O modo de produção da vida material condiciona o processo de vida social, política e intelectual. Não é a consciência dos homens.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profa. Erika Bataglia. O modo de produção da vida material condiciona o processo de vida social, política e intelectual. Não é a consciência dos homens."— Transcrição da apresentação:

1 Profa. Erika Bataglia

2 O modo de produção da vida material condiciona o processo de vida social, política e intelectual. Não é a consciência dos homens que determina a realidade; ao contrário, é a realidade social que determina sua consciência. O que distingue as épocas econômicas não é o que se produz, mas como se produz, isto é, com que instrumento de trabalho se produz (Marx)

3 A forma de organização de uma sociedade define sua forma de luta. A primeira ferramenta do homem é a sua mão, que mais tarde ira se exteriorizar: pedra machado martelo A mão, antes único instrumento, agora servirá para fabricar novos instrumentos.

4 Forças Produtivas: Forças naturais e criadas pelo homem, que é a principal força produtiva e reprodutiva da vida social. Forças produtivas são os elementos que exercem uma influência na sociedade para modificar ou transformar a natureza, bem como produzir bens materiais. Compreendem os: meios de produção força de trabalho.

5 O homem aplica suas capacidades físicas e mentais e desenvolve o seu nível cultural e técnico. Cria ou aperfeiçoa novos meios de produção. Sua capacidade de desenvolver uma atividade o elevou a uma posição superior em relação ao reino animal e assegurou o domínio sobre a natureza. O pensamento é um dos principais elementos ativos das forças produtivas ao assumir as funções de conhecimento, de memorização de conduta e controle do processo de produção.

6 Evolução técnica/tecnológica: Aprimoramento das forças produtivas que influenciam a forma como os homens se organizam social e culturalmente. Sociedade pastoril Sociedade caçadora

7 Sociedade Agricultura Sedentária Sociedade industrial e comercial

8

9 Conjunto das relações econômicas que se estabelecem entre os homens, independentemente de sua consciência e de sua vontade, no processo de produção e reprodução de sua vida social. Relações de Cooperação Relações de Exploração: donos dos meios de produção-homem/força de trabalho

10 São formados pelo conjunto de: Forças produtivas ( o homem e seus instrumentos de trabalho) Relações de produção (travadas entre os indivíduos na atividade produtiva) Meios de trabalho (os instrumentos de produção, tais como máquinas e ferramentas, as instalações nas quais se realiza o trabalho. Objeto do trabalho (terra, matéria-prima, recursos naturais)

11 Para Marx, no capitalismo existem duas classes: Burguesia Proletariado A base do trabalho alienado esta vinculada à propriedade privada, pois faz com que o produtor não seja proprietário do que produziu, nem de seu próprio trabalho, visto que o capitalista se apropriou deles. O homem é ser criador, e só reencontrará sua essência com a coletivização dos meios de produção.

12 Dominação econômica: Exercida por quem possui o controle dos meios de produção. Dominação ideológica: O dominador procura fazer com que os segmentos sociais dominados passem a pensar com a cabeça do dominador. A classe dominante cria uma escala de valores que lhe favorece e universaliza esses valores como se correspondessem aos interesses coletivos, e a classe dominada os assume como se fossem seus esses valores.

13 Para haver libertação o primeiro passo é tomar consciência de que se está preso e lutar para conquistar a liberdade. Quando o dominado introjeta a ideologia do dominador ele se torna cúmplice dele, pois ajuda o dominador a dominá-lo. Ele é culpado por não ter consciência da alienação. Alienação, do verbo Alienare: Dar para outro o domínio de si mesmo.

14 Intelectual Italiano morto pelo regime Fascista. A política tem que ser feita na sociedade, deve referir-se a todos os espaços de poder disponíveis. A luta política não pode limitar-se apenas a uma luta de pura força física ou de puro poder econômico. O Estado é força, dominação, mas a sociedade é o espaço do consenso, da decisão através da persuasão. Não basta força, é preciso a consciência das pessoas. Quem quiser disputar o poder nessa sociedade ocidental, moderna, complexa, tem que ganhar a batalha das ideias.

15 Outro importante instrumento de dominação é o Aparelho Repressivo do Estado. O Estado representa um aparelho repressivo vinculado aos interesses da classe dominante, por isso ele deve ser abolido e em seu lugar deve haver a Ditadura do Proletariado. Ainda existiria um Estado, mas agora sob o controle dos trabalhadores, até acabarem as classes sociais, quando o Estado desapareceria por não ter mais sentido sua existência.

16 Trabalho abstrato: É a força de trabalho, ou a capacidade que o indivíduo tem de produzir.É a energia potencial. Trabalho concreto: É a aplicação dessa energia para a realização prática na produção.

17 Noção de valor: Leva-se em consideração o tempo de trabalho social gasto na produção de uma mercadoria, no qual deve ser incluído o custo da matéria-prima necessária à produção. Trabalho social: É a média do tempo de trabalho gasto pelo trabalhador lento e pelo trabalhador que é mais rápido.

18 Trabalho simples: É o trabalho não especializado, aquele que depende apenas de energia corporal, física, braçal. Trabalho complexo: Exige-se um nível mais elevado de especialização, de qualificação do trabalhador, que faz o uso da mente e da criatividade intelectual.

19 Trabalho produtivo: Produz um objeto para o mercado e se transforma numa fonte de mais-valia e de capital, seja ele um trabalho manual ou intelectual. Trabalho improdutivo: Aquele que não gera valor de troca, mesmo que através dele se produza um bem material.

20 Trabalho vivo: Envolve a força de trabalho, em que a energia potencial, a capacidade de trabalhar, é posta em ação na criação de uma determinada mercadoria que possui valor. Trabalho morto: É quando ele já foi realizado e se encontra cristalizado numa determinada mercadoria ou num produto qualquer correspondente ao trabalho passado.

21 Divisão com base no gênero: Homem – Mulher. Aumento na especialização – Do trabalho artesanal para a manufatura. Rev. Industrial: Aumento da diferenciação das funções de cada indivíduo. Separação entre quem produz (trabalhador) e quem planeja e administra (capitalista).

22 Fonte de acumulação capitalista através da expropriação de um sobrevalor gerado pelo trabalhador em horas de trabalho pelas quais ele não foi remunerado. O segredo da acumulação capitalista é a diferença entre o trabalho necessário à reprodução da vida do operário ( o que é pago) e o trabalho excedente, que o trabalhador é obrigado a realizar (não pago) É o trabalho excedente que produz a mais- valia. É a diferença entre aquilo que o operário recebe de salário e o valor do produto feito

23 Setor primário: Agricultura, Pecuária e Extrativismo (mineral e vegetal). Setor secundário: Produção de bens através da transformação de matérias-primas pelo trabalho humano. Setor terciário: Os serviços colocados à disposição da sociedade.

24 Modo de produção comunal primitivo: 1. Nômades – extrativistas. 2. Aumento da população – Cultivo da terra – Sedentária. 3. Desigualdade social. Escravismo Modo escravista: Estado é o instrumento de dominação. Leis elaboradas pelos dominantes para escravizar. Grécia e Roma.

25 Modo asiático. Egito, Mesopotâmia, Índia, China, Rússia, Incas, Maias, Astecas. Meios de produção e mão-de- obra pertenciam ao Estado.(Imperador divinizado). Hierarquia Social:Imperador- Sacerdotes-Nobres-Guerreiros- Administradores Públicos. Ostentação, luxo, desperdício, parasitismo das elites e invasões levaram ao declínio. Modo de produção feudal (servil). Período Medieval – Civilização Romana e Germânica. Sistema de suserania e vassalagem (de um nobre para outro). Igreja Católica era a maior detentora de terras – Força Política, Ideológica e econômica.

26 Pré-capitalismo (XII a XV): Baixa idade Média Produção e comercialização do excedente. Capitalismo Comercial (XV ao XVIII): Trabalho artesão para assalariado. Grandes navegações: Expansão comercial- Exploração das colônias. Mercantilismo

27 Capitalismo Industrial (XVIII ao XX): Rev. Industrial: Modo de produção assalariado. Alienação. Desemprego. Capitalismo Financeiro ou Monopolista (XX ao XXI): Fusão dos capitais industriais e financeiros, que financiam setores econômicos cobrando altos juros

28 Proposta de uma sociedade igualitária através da coletivização dos meios de produção. Os trabalhadores controlariam o Estado, estabelecendo as prioridades de investimento para obter o bem estar COLETIVO. No socialismo cada um deve receber conforme sua capacidade (K. Marx).

29 Com o avanço do socialismo, o Estado como instrumento de dominação não faria mais sentido e seria extinto. Acabariam as classes sociais. Sociedade igualitária onde todos receberiam de acordo com as suas necessidades. Produção de riquezas seria feita pela coletividade. Não existiria mais a separação entre Capital e trabalho. Este é o Comunismo.

30 Rússia: Não estava preparada para a mudança: Sociedade agrária Pouco desenvolvimento industrial. Guerra civil Primeira Guerra Mundial Boicote econômico Invasão militar nazista na Segunda Guerra. Ditadura Personalista – Stálin Guerra Fria Corrida armamentista Desintegração da URSS.

31 Crescimento Industrial. Imposição de consumo. Esgotamento dos recursos naturais. Poluição ambiental. Efeito Estufa. Aquecimento Global: Enchentes Secas Furacões Terremotos Degelos Elevação dos oceanos Mas por que se preocupar com tudo isso se o LUCRO é o que importa?


Carregar ppt "Profa. Erika Bataglia. O modo de produção da vida material condiciona o processo de vida social, política e intelectual. Não é a consciência dos homens."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google