A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Halloween Mitos e verdades Alexander Meireles da Silva Doutor em Literatura Comparada (UFRJ) Mestre em Literaturas de Língua Inglesa (UERJ)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Halloween Mitos e verdades Alexander Meireles da Silva Doutor em Literatura Comparada (UFRJ) Mestre em Literaturas de Língua Inglesa (UERJ)"— Transcrição da apresentação:

1 Halloween Mitos e verdades Alexander Meireles da Silva Doutor em Literatura Comparada (UFRJ) Mestre em Literaturas de Língua Inglesa (UERJ)

2 Halloween Mitos e verdades O Halloween é uma festa do diabo? Qual é o significado da Abóbora? Por que a celebração no dia 31 de outubro? Por que o Halloween é festejado nos Estados Unidos? O objetivo desta apresentação é oferecer uma breve análise desta conhecida, mas ainda incompreendida celebração da cultura européia e norte-americana.

3 Os celtas Falar do Halloween é falar do povo celta, ou seja um povo cuja história ainda é cercada de mistérios e fascinantes lendas, como a do guerreiro Arthur, o druída Merlin e dos amantes Tristão e Isolda. O provável berço da civilizacao celta é a Europa central, em uma região situada hoje entre a Austria e a Alemanha. A partir do século VII a. C. Os celtas se deslocaram gradativamente para o oeste da Europa, chegando ao litoral do continente. Foi nas ilhas Britânicas que sua cultura se desenvolveu plenamente.

4 As divindades Os celtas eram politeístas, mas seus deuses não se organizavam hierarquicamente e nem tinham atribuição definidas de forma rígida. A deusa-mãe, representada pela terra, indica a importância do ciclo da Natureza para os celtas. Tal fato está presente no Halloween Para esse povo, os deuses e todos os seres sobrenaturais (fadas, elfos e os mortos) habitavam as florestas, as fontes, e o interior das montanhas. Dentre algumas das principais divindades celtas, podemos citar:

5 Belenos, o brilhante O deus Sol. Em sua honra acendiam-se grandes fogueiras no alto das colinas, quando se aproximavam as noites de solstícios, 24 de junho e 25 de dezembro. A força desta celebração fez com que a Igreja Católica se apropriasse deste ritual para montar o seu calendário cristão A tradição das fogueiras das festas juninas, por exemplo, remonta aos rituais dedicados a este deus.

6 Brigite, a deusa-mãe A deusa una em três pessoas, que presidia a fecundidade. Também conhecida como Dana (ou Ana). Pertence às três classes sociais do povo celta (sacerdotal, guerreira e agrícola.)

7 Cernunnos, senhor da natureza O deus chifrudo. Comandava a vegetação e os animais. Fonte da tradição popular sobre o chifre dos maridos traídos. Inspiração para a figura do diabo.

8 Dagda, o deus do caldeirão O grande deus dos irlandeses. Possuidor do martelo, com o qual matava e ressucitava os mortos. Possuidor do caldeirão mágico, capaz de prover comida de forma inesgotável e de ressucitar os mortos ali mergulhados. Esse caldeirão é uma das fontes para o Santo Graal da lenda arthuriana

9 Outros deuses Dentre as mais de cem divindades celtas cultuadas por bretões, galeses, irlandeses e escoceses, também se destacam: Epona (deusa dos cavalos); Morrigan (deusa da guerra e do amor. Identificada com a Morgana, da lenda Arthuriana). Lug (deus do comércio)

10 O calendário celta O calendário celta era organizado pelo ciclo das estações do ano e dos fenômenos naturais. Yule (21 de dezembro) Imbolc (1º de fevereiro) Ostara (21 de março) Beltane (1º de maio) Litha (21 de junho) Lughnasad (1º de agosto) Mabon (21 de setembro) Samhain (31 de outubro)

11 Samhain e o Halloween O Halloween tem sua origem no festival de inverno dos celtas – Samhain – celebrado no dia 1° de novembro. A palavra Samhain significa fim do verão e indica o início da época em que as colheitas eram estocadas e os animais eram guardados para provisão.

12 Samhain e o Halloween O festival começava no fim do dia anterior – 31 de outubro - pois para os celtas o pôr do sol marcava o inicio de um novo dia. Neste dia os celtas acreditavam que o portal entre os dois mundos se abriam e os espíritos dos entes queridos falecidos visitavam os vivos. Por esta razão era costume deixar comida na mesa ou na porta de casa para estes visitantes queridos. As crianças fantasiadas pedindo doces em cada casa simbolizam os espíritos visitantes.

13 O 31 de outubro O nome Halloween surgiu com a mudanca do calendário no século XVII, levando o festival do Hallow Eve (11 de novembro) para o dia 31 de outubro. Tentando acabar com a popularidade desta celebracao, a Igreja Católica instituiu o Dia de Todos os Santos no dia 1º de novembro e o Dia de Finados no dia 2.

14 "A festa do diabo" A propaganda difamatória católica alcançou o seu auge durante a Idade Média quando foi veiculado o falso conceito de que o Halloween era uma festa dedicado ao demônio e seus discípulos, como as bruxas e os judeus. Nasce aí, o Dia das Bruxas

15 O Halloween nos EUA Foi na América do Norte que o Halloween se tornou uma festa popular consumista, com as imagens de morcegos, bruxas e fantasmas que perduram até hoje, perpetuando assim o preconceito religioso. A celebração chegou nos EUA no século XIX levado pelos imigrantes irlandeses.

16 Jack da Lanterna Talvez o ícone mais representativo do Halloween seja a da abóbora flamejante conhecida como Jack da Lanterna (Jack-O- Lantern) Essa imagem é baseada em uma lenda irlandesa sobre Jack – um rapaz sovina que adorava pregar peças no Diabo.

17 Jack da Lanterna De acordo com uma das várias versões da lenda, ao morrer Jack não foi aceito nem pelo céu nem pelo inferno. Sua alma passou a perambular pelo mundo. Buscando se vingar de Jack, o Diabo lançou uma brasa em sua cabeça e, desde então, ela está em chamas.

18 Jack da Lanterna Inicialmente Jack da Lanterna não fazia parte do Halloween. Isso só passou a acontecer a partir de A imagem preconceituosa do Halloween associada com o diabólico e a ligação da lenda de Jack com o Diabo contribuíram para que a abóbora flamejante passasse a fazer parte da celebração.

19 Conclusões Repetir que o Halloween é uma festa consagrada ao demônio não é apenas um erro, mas também uma manifestação de perpetuação de preconceito e intolerância religiosa. De fato, o Halloween é tão diabólico quanto o Natal. Ambos tem as suas raízes em cerimônias pré-cristãs que foram apropriadas e manipuladas para servirem a ideologias dominantes. Mas aí já outra história...

20 Fontes de pesquisa (Grupo Brathair de Estudos Celtas e Germânicos) (Associação Brasileira de Estudos Medievais)


Carregar ppt "Halloween Mitos e verdades Alexander Meireles da Silva Doutor em Literatura Comparada (UFRJ) Mestre em Literaturas de Língua Inglesa (UERJ)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google