A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pensamento crítico 2008/9 Aula 11, 25-11-08. Resumo Teoria da utilidade esperada Estimar a utilidade Erros sistémicos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pensamento crítico 2008/9 Aula 11, 25-11-08. Resumo Teoria da utilidade esperada Estimar a utilidade Erros sistémicos."— Transcrição da apresentação:

1 Pensamento crítico 2008/9 Aula 11,

2 Resumo Teoria da utilidade esperada Estimar a utilidade Erros sistémicos

3 Thinking Map 1. Qual a necessidade? 2. (Recomendações?) 3. Quais as alternativas? (Realistas?) 4. Quais as consequências e suas probabilidades? 5. Qual a sua importância? 6. Comparando, qual a melhor? 7. (Como executar? Planos de contingência)

4 O problema da decisão Dado um conjunto de alternativas temos que optar por uma. A universidade onde vamos concorrer O carro a comprar Se acreditamos numa alegação ou não

5 O problema da decisão Dado um conjunto de alternativas temos que optar por uma. Há uma troca de benefícios e custos Se escolhemos uma prescindimos das outras Custos de oportunidade

6 O problema da decisão Dado um conjunto de alternativas temos que optar por uma. Há uma troca de benefícios e custos As consequências são incertas A informação é incompleta Probabilidades

7 O problema da decisão Dado um conjunto de alternativas temos que optar por uma. Há uma troca de benefícios e custos As consequências são incertas Uma aposta

8 A aposta de Pascal Deus existenão existe Cristãosalvaçãoinconveniente Outroinfernovida normal

9 A aposta de Pascal Deus existenão existe Cristãosalvaçãoinconveniente Outroinfernovida normal Opções As alternativas entre as quais escolhemos

10 A aposta de Pascal Deus existenão existe Cristãosalvaçãoinconveniente Outroinfernovida normal Estados O que a realidade pode ser. Devem ser mutuamente exclusivos e cobrir todas as possibilidades.

11 A aposta de Pascal Deus existenão existe Cristãosalvaçãoinconveniente Outroinfernovida normal Resultados O que resulta de uma opção dado um estado da realidade.

12 Utilidade Esperada Exemplo Lotaria, 50,000, p=1/100,000 Bilhete custa 20 U.E= 50,000/100,000+ (-20)*1=-19.5 (a utilidade é igual ao valor?)

13 Utilidade Esperada Utilidade Quão bom é algo Não quer dizer que seja útil, ou necessariamente que dê prazer, que seja monetariamente valioso, etc. Não é igual ao valor monetário. A utilidade do dinheiro decresce com a quantidade que se tem (mais valem menos por ) Depende da situação. Duas viagens às Caraíbas não é duas vezes melhor que uma.

14 Utilidade Esperada Utilidade Quão bom é algo É relativa Nada é bom ou mau em absoluto, mas sempre melhor ou pior que outra coisa How is your wife? Compared to what?...

15 Utilidade Esperada Utilidade Quão bom é algo É relativa Não interessa onde pomos o zero. AB X05 Y-50

16 Utilidade Esperada Utilidade Quão bom é algo É relativa Não interessa onde pomos o zero. AB X-50 Y-10-5

17 Utilidade Esperada Utilidade Quão bom é algo É relativa Não interessa as unidades. AB X-500 Y

18 Utilidade Esperada Utilidade Quão bom é algo É relativa A utilidade de cada resultado é um juízo de valor Uma estimativa de quanto esse resultado vale para nós.

19 Utilidade Esperada Utilidade Quão bom é algo É relativa A utilidade de cada resultado é um juízo de valor U.E. = p i x u i A utilidade esperada é o produto das probabilidades de cada resultado pela sua utilidade

20 Teoria da Utilidade Esperada Teoria normativa: a melhor opção é a que maximiza a utilidade esperada.

21 Teoria da Utilidade Esperada A melhor a longo prazo Quanto mais vezes se decide de acordo com a utilidade esperada mais o resultado real se aproxima do esperado A longo prazo maximizar a utilidade esperada maximiza a utilidade do resultado. Infelizmente, tem que ser a muito longo prazo...

22 Teoria da Utilidade Esperada A melhor a longo prazo Pelos princípios Ordenação parcial de valores Ou se prefere A a B, ou B a A ou é indiferente. A preferência é transitiva. Se se prefere A a B e B a C prefere-se A a C

23 Teoria da Utilidade Esperada A melhor a longo prazo Pelos princípios Ordenação parcial de valores Sure thing principle, ou princípio do resultado garantido 1%99% Jogo XCarroBolachas Jogo YViagemBolachas

24 Teoria da Utilidade Esperada A melhor a longo prazo Pelos princípios Ordenação parcial de valores Ou tradeoff consistency Se sou indiferente a duas opções, um aumento na utilidade esperada de uma vai necessariamente levar-me a favorecer essa.

25 Premissas da teoria Ordenação parcial de valores Sure thing principle U.E. = p i x u i É uma teoria normativa, e não prescritiva Se tivermos que dar uma estimativa numérica de todas as utilidades de todos os possíveis resultados não conseguimos decidir nada na prática...

26 Teoria da Utilidade Esperada Teoria normativa: a melhor opção é a que maximiza a utilidade esperada. Não é uma teoria prescritiva Se tivermos que dar uma estimativa numérica de todas as utilidades de todos os possíveis resultados não conseguimos decidir nada na prática... Mas devemos prescrever regras que tendam a maximizar a utilidade esperada.

27 Teoria da Utilidade Esperada Teoria normativa: a melhor opção é a que maximiza a utilidade esperada. Não é uma teoria prescritiva Mas pode ser usada como heurística em muitos casos

28 Thinking Map 1. Qual a necessidade? 2. (Recomendações?) 3. Quais as alternativas? (Realistas?) 4. Quais as consequências e suas probabilidades? 5. Qual a sua importância? 6. Comparando, qual a melhor? 7. (Como executar? Planos de contingência) A procura de alternativas tem custos e o retorno (a utilidade esperada de cada uma) tende a diminuir quanto mais alternativas consideramos.

29 Thinking Map 1. Qual a necessidade? 2. (Recomendações?) 3. Quais as alternativas? (Realistas?) 4. Quais as consequências e suas probabilidades? 5. Qual a sua importância? 6. Comparando, qual a melhor? 7. (Como executar? Planos de Estimar consequências também tem custos, e pode exigir obter informação (ensaios clínicos, consultar literatura,...).

30 Thinking Map 1. Qual a necessidade? 2. (Recomendações?) 3. Quais as alternativas? (Realistas?) 4. Quais as consequências e suas probabilidades? 5. Qual a sua importância? 6. Comparando, qual a melhor? 7. (Como executar? Planos de Como avaliar a utilidade...

31 Avaliar a utilidade Avaliar o que prevemos será a utilidade. Kahneman, Snell 8 noites, sujeitos tinham que prever quanto iam gostar de comer um iogurte simples enquanto ouviam uma música Inicialmente não gostavam do iogurte e previam que iam gostar cada vez menos Mas depois a avaliação de cada sessão mostrou que era o contráio

32 Avaliar a utilidade Avaliar o que prevemos será a utilidade. Difícil avaliar, porque também é difícil recordar. Kahnneman, et al 1993 Mão dentro de água fria durante um minuto ou Mão dentro de água fria um minuto e água um pouco menos fria meio minuto Os participantes preferiam a segunda

33 Avaliar a utilidade Avaliar a utilidade directamente O sujeito compara a utilidade de um resultado com outros que servem de escala e atribui um valor. Exemplo: Oregon Health Plan, 1990 Melhorar a eficácia da comparticipação na saúde dados os recursos limitados.

34 Avaliar a utilidade Avaliar a utilidade directamente Peritos estimaram os resultados e probabilidades de certos tratamentos (709) Num inquérito pediram a pessoas para avaliar a utilidade de cada um de 23 sintomas ou situações entre 0 (morte) e 100 (boa saúde) Rouquidão (perto de 100), queimaduras em grande parte do corpo (50), limitações à mobilidade, etc..

35 Avaliar a utilidade Avaliar a utilidade directamente Com as probabilidades de sucesso e utilidades ordenaram os tratamentos de acordo com a sua utilidade esperada. O objectivo era comparticipar os tratamentos com mais utilidade esperada Deu problemas. Por exemplo, apendectomia e cirurgia para corrigir gravidez ectópica classificadas ao nível de próteses dentárias (pelo número de pessoas que se podia tratar)

36 Avaliar a utilidade Análise de custo/benefício Em vez de analisar a utilidade, converter tudo em dinheiro Mais prático quando o problema é a utilização de recursos financeiros limitados

37 Avaliar a utilidade Análise de custo/benefício Seatbelt/air bag 1984 NHTSA 0.1 Aircraft cabin fire protection standard 1985 FAA 0.1 Aircraft floor emergency lighting 1984 FAA 0.7 Concrete and masonry construction 1988 OSHA 0.7 Passive restraints for trucks and buses 1989 NHTSA0.8 Childrens sleepwear flammability ban 1973 CPSC 1.0 Auto side-impact standards 1990 NHTSA 1.0 Grain dust explosion prevention 1987 OSHA 3.3 Standards for radionuclides in uranium mines Benzene occupational exposure limit 1987 OSHA 10.6 Arsenic occupational exposure limit 1978 OSHA Asbestos ban 1989 EPA Hazardous waste land disposal ban 1988 EPA Municipal solid waste landfills 1988 EPA Atrazine/alachlor in drinking water 1991 EPA M.G. Stewart and J. Mueller

38 Avaliar a utilidade Avaliação directa da utilidade Escala (0: morte, 100: saúde) Simples Pode levar a inconsistências 0 cego e surdo, 100 saudável, cego:40 0 normal e 100 cego, cego de um olho:25 0 normal e 100 cego e surdo, cego de um olho? Devia ser 10 (25% de 40) A maioria dá um valor maior, tendendo a afastar do extremo

39 Avaliar a utilidade Avaliação directa da utilidade Escala (0: morte, 100: saúde) Diferença Qual é o dinheiro x tal que de 0 a x a utilidade seja a mesma que de xa 1M? Posso pensar em valores e ir experimentando. Por exemplo, 500,000 é demais. 10,000 é pouco....

40 Avaliar a utilidade Avaliação directa da utilidade Escala (0: morte, 100: saúde) Diferença Varey, Kahneman, 1992 Mala de 15Kg. A: 200m, B: 550m, C: 900m Classificavam B mais próximo de C Mas pedindo para imaginar levar a mala, e se custava mais os 350m entre ou , davam um custo maior aos últimos

41 Avaliar a utilidade Standard Gamble Qual a aposta em que participaria? Uma aposta em que p=0.5 ganhar 1 milhão. Quanto seria x tal que fosse indiferente jogar ou não. Problemas na avaliação subjectiva das probabilidades

42 Avaliar a utilidade Time Tradeoff (TTO) Quantos anos de saúde trocaria por 10 anos com problemas cardíacos? Problema de ser dependente dos valores absolutos. Eg 7 anos de saúde equivale a 10 anos de problemas cardíacos, dando 0.7 à doença. Mas se for semanas em vez de anos não trocavam nenhuma, sendo 10 de saúde equivalentes a 10 de doença.

43 Avaliar a utilidade Person Tradeoff (PTO) Curar 100 pessoas de tosse ou X de dores de cabeça. Qual o X que torna o resultado indiferente? Se 25 quer dizer que a dor de cabeça é 4 vezes pior que a tosse. Assume o mesmo que o utilitarismo, que podemos somar utilidades para várias pessoas.

44 Avaliar a utilidade Os objectivos podem mudar Pessoas que sofrem uma condição, por exemplo cegueira, avaliam-na como menos má que aqueles que não sofrem dela. A pessoa adapta a sua vida ajustando as expectativas e exigências. Devemos considerar a utilidade para a pessoa saudável ou para o paciente? Faz diferença se for prevenção ou cura?

45 Avaliar a utilidade Resumo Problema complexo Prever a nossa avaliação subjectiva de algo Comparar e quantificar a bondade das coisas Comparar a utilidade entre diferentes pessoas e em diferentes condições e tempos

46 Erros sistémicos Bias Tendência, enviesamento

47 Erros sistémicos Decisão Comportamento Crença e percepção Enviesamentos sociais Enviesamentos psicológicos

48 Erros sistémicos Decisão e comportamento Bandwagon effect O carro que leva a banda. Tendência para acreditar e fazer algo só porque muitos acreditam ou fazem Tem influência na política (sondagens), publicidade, música (o sucesso de uma banda leva muitos a ouvir).

49 Erros sistémicos Decisão e comportamento Choice-supportive bias Tendência para recordar as nossas escolhas como melhores do que realmente foram. Mather, Shafir and Johnson. sujeitos dados a escolher entre dois candidatos para emprego. 4 atributos positivos, 4 negativos Retrospectivamente, recordavam mais positivos.

50 Erros sistémicos Decisão e comportamento Information bias Tendência para procurar informação mesmo que irrelevante. Baron et al, 1988 Globoma, 0.8, senão popite ou flapernia Cada um o seu tratamento Um teste, ET, dá positivo se tem popite, negativo se tem flapernia ou 50/50 se tem globoma. Fazem o teste? A maioria responde sim.

51 Erros sistémicos Decisão e comportamento Information bias Tendência para procurar informação mesmo que irrelevante. Calcular a utilidade da informação, incluindo o custo de a obter, ajuda a evitar este erro.

52 Erros sistémicos Decisão e comportamento Escalation of commitment Manter-se irracionalmente empenhado em algo. Falácia do Concorde: Os governos da França e Grã-Bretanha continuaram a financiar o Concorde mesmo depois de ser evidente que os custos iriam ultrapassar os benefícios, e que mais investimento só traria mais custos. Jogadores no casino, agressões, etc.

53 Erros sistémicos Decisão e comportamento Aversão à perda Disparidade entre o preço pedido para vender algo, mais alto que o preço aceite para comprar. Loewenstein & Kahneman 1991 Metade dos sujeitos caneca, metade caneta. Noutros testes em média era indiferente Mas muito menos de metade trocou.

54 Erros sistémicos Percepção Efeito de contraste

55

56

57

58 Erros sistémicos Percepção Efeito de contraste Tendência para avaliar as coisas pelo contraste com as mais próximas (no espaço ou no tempo)

59 Erros sistémicos Percepção Ilusão de controlo Sensação de ter mais controlo sobre um acontecimento Allan & Jenkins (1980) Um botão. O sujeito decide se carrega ou não. Duas luzes: Pontua, Não pontua Probabilidade ajustável pelos experimentadores. Os sujeitos relataram mais controlo só em função de Pontua.

60 Erros sistémicos Percepção Ilusão de controlo Sensação de ter mais controlo sobre um acontecimento Casinos Jogadores lançam os dados com mais força para sair números altos, mais suavemente para números baixos.

61 Erros sistémicos Percepção Ilusão de controlo Sensação de ter mais controlo sobre um acontecimento Pode ser uma base para algumas crenças como ESP, astrologia, etc.

62 Erros sistémicos Percepção Ilusão de correlação Ver uma correlação onde não existe Chapman (1971) O teste psicológico de desenhar uma pessoa. Muitos psicólogos crêem que um desenho com olhos muito grandes indica paranóia mas não há correlação.

63 Erros sistémicos Percepção Ilusão de correlação Ver uma correlação onde não existe Efeito da Lua Profissionais polícia, médicos, bombeiros, crêem haver um aumento de incidentes durante a lua cheia Sydney Metropolitan Hospital, 1991 Nenhuma correlação entre a lua e factores como o uso de sangue para transfusões e outros registos do hospital

64 Erros sistémicos Percepção Optimismo (Optimism bias) Tendência para sobrestimar a qualidade dos resultados Notas nos exames, salário no primeiro emprego, etc. Leva a subestimar os problemas de crédito, planeamento, etc. Vai correr tudo bem...

65 Erros sistémicos Crença e probabilidade Falácia do jogador Assumir que resultados independentes têm memória. Atirei uma moeda equilibrada ao ar 10 vezes e saiu sempre cara. Qual a probabilidade de sair cara na 11º vez? A sorte vai mudar, estou em maré de sorte, etc... (a noção de sorte em si)

66 Erros sistémicos Crença e probabilidade Ignorar probabilidades Usar cinto de segurança? Baron (2000) Bom nas colisões Mau se o carro pega fogo e o cinto encrava Ignorar probabilidades de base Detectar terroristas por reconhecimento facial 99%, 1 milhão de pessoas, 100 terroristas 99 terroristas e 10 mil pessoas inocentes.

67 Erros sistémicos Tendências sociais Efeito Forer (ou Barnum) Julgar descrições vagas e genéricas de personalidade como correspondendo bem à personalidade do sujeito se algo sugere haver correspondência.

68 Erros sistémicos Tendências sociais Efeito Forer (ou Barnum) Forer, 1948 Disse aos alunos para responder um questionário e depois receberiam uma descrição da sua personalidade. Deu a todos a mesma (sem saberem), e pediu que avaliassem de 0 a 5 A pontuação média foi de 4.26

69 Erros sistémicos Tendências sociais Efeito Forer (ou Barnum) A descrição foi compilada de horóscopos. Sente necessidade que outros gostem de si, mas tende a ser crítico de si mesmo. Se bem que tenha algumas fraquezas, consegue em geral compensá-las. Têm capacidades consideráveis mas que ainda não aproveitou em sua vantagem. Exteriormente disciplinado e controlado, tende a ser um pouco inseguro e preocupado por dentro

70 Resumo Utilidade esperada como teoria normativa da decisão E como heurística Formas e problemas de estimar a utilidade Erros sistémicos (enviesamentos) que podem afectar a percepção e decisão.

71 Mais sobre isto Wikipedia Jonathan Baron, 2000, Thinking and Deciding, Cambridge U.P., 3rd edition.

72 Dúvidas e discussão


Carregar ppt "Pensamento crítico 2008/9 Aula 11, 25-11-08. Resumo Teoria da utilidade esperada Estimar a utilidade Erros sistémicos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google