A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CESET – UNICAMP LIMEIRA C L I M A T O L O G I A APLICADA EL NIÑO PROF. HIROSHI P. YOSHIZANE AGOSTO 2005.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CESET – UNICAMP LIMEIRA C L I M A T O L O G I A APLICADA EL NIÑO PROF. HIROSHI P. YOSHIZANE AGOSTO 2005."— Transcrição da apresentação:

1 CESET – UNICAMP LIMEIRA C L I M A T O L O G I A APLICADA EL NIÑO PROF. HIROSHI P. YOSHIZANE AGOSTO 2005

2 CLIMATOLOGIA APLICADA É FUNDAMENTAL ESTUDARMOS A APLICAÇÃO CLIMATOLÓGICA NA AGRICULTURA, NAVE MÃE DO PROGRESSO E DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO.

3 CLIMA E ECOSFERABIOSFERA Parte do sistema Terra-atmosfera onde existe vida, com progresso efetivo perpetuando espécies.ECOSSISTEMA É uma comunidade auto-sustentável de organismos vivendo em conjunto com o seu meio ambiente, se desenvolvendo e se adaptando

4 CIÊNCIAS AMBIENTAIS INTERRELAÇÃO ENTRE TODOS OS ORGANISMOS VIVOS DO PLANETA TERRA ( BIOTA ) E SEM VIDA NAECOSFERA QUE ESTAMOS ESTUDANDOTÉCNICAM ENTE ( ABIOTA ) NA ECOSFERA: O ECOSSISTEMA TERRESTRE

5 ASSOCIAÇÃO DE UM ECOSSISTEMA INFLUÊNCIA DO CLIMA NO SISTEMA EM ESTUDOS AMBIENTAIS NÃO SE DESPREZAM OS FATORES DO TEMPO METEOROLÓGICO PARA SE GERAR UMA CONDIÇÃO CLIMÁTICA, POIS ATRAVÉS DE DADOS SUCESSIVOS PODEMOS GERAR MUITOS FATORES CLIMÁTICOS, E ATÉ SINTETIZAR PARÂMETROS CLIMÁTICOS FUNDAMENTAIS. ( VEJA NA SEQUÊNCIA )

6

7 ESTUDOS ATMOSFÉRICOS OS ESTUDOS ATMOSFÉRICOS SE SUBDIVIDEM EM ÁREAS ESPECÍFICAS E APLICATIVAS IMPORTANTES NO QUE SE REFERE A MEIO AMBIENTE. É DE CIÊNCIA QUE TODO E QUALQUER ECOSSISTEMA DEPENDEM DAS CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS, TENDO A COMO PRIMORDIAL EM QUALQUER PLANO. VAMOS CONCEITUÁ-LOS :

8 C L I M A T O L O G I A ESTUDO CIENTÍFICO DO CLIMA CLIMATOLOGIA FUNDAMENTA-SE EM DADOS ESTATÍSTICOS, ABRANGENDO INFORMAÇÕES DAS CONDIÇÕES DO TEMPO NUM INTERVALO MÉDIO DE TRINTA ( 30 ) ANOS DE INFORMAÇÕES COMPILADAS E REGISTRADAS. OS ESTUDOS CLIMÁTICOS PODEM SER FEITOS EM MICRO, MÉDIA E MACROESCALA, ISTO É, LOCAL E REGIONAL.

9 M E T E O R O LO G I A TRATA-SE DOS ESTUDOS FÍSICOS DOS FENÔMENOS QUE OCORREM NA ATMOSFERA DE FORMA DINÂMICA E QUÍMICA E DAS INTERAÇÕES ENTRE ELES E DA SUPERFÍCIE TERRESTRE SOBREJACENTE. ESTUDA TODAS AS CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS CONTEMPORÂNEAS OU ATUAIS, EM TERMOS CRONOLÓGICOS, ISTO É, NOS MOMENTOS CRONOLÓGICOS PRÓXIMOS A HORA DAS CONCLUSÕES E INFORMAÇÕES, ORIENTADO PARA AS PREVISÕES DO TEMPO. ATUALMENTE, EXISTEM ESTAÇÕES METEOROLÓGI- CAS, COMPUTADORIZADAS QUE INFORMAM AS CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS, QUASE INSTANTÂNEAS OU SEJAM, DE DOIS EM DOIS MINUTOS.

10 T E M P O TEMPO ( WEATHER ) É O ESTADO MÉDIO ATMOSFÉRICO, NUMA DETERMINADA HORA CRONOLÓGICA DE TEMPO E EM DETERMINADO LUGAR. O CLIMA APRESENTA UMA GENERALIZAÇÃO, ENQUANTO O TEMPO TRATA DE EVENTOS ESPECÍFICOS.

11 SUBDIVISÕES DA CLIMATOLOGIA CLIMATOLOGIA REGIONAL Descrição dos climas em regiões selecionadas. CLIMATOLOGIA SINÓTICA Estuda o tempo meteorológico e do clima em uma região com relação ao padrão de circulação atmosférica predominante. A climatologia sinótica é, essencialmente uma abordagem para a climatologia regional. CLIMATOLOGIA DINÂMICA Estuda os movimentos atmosféricos gerais em várias escalas.

12 SUBDIVISÕES DA CLIMATOLOGIA CLIMATOLOGIA FÍSICA Envolve a investigação do comportamento dos elementos do tempo ou processos atmosféricos em termos de princípios físicos. neste, dá-se ênfase a energia global e aos regimes de balanços hídricos da Terra e da atmosfera. CLIMATOLOGIA HISTÓRICA Estuda o clima ao longo do tempo cronológico.

13 SUBDIVISÕES DA CLIMATOLOGIA CLIMATOLOGIA GERAL APLICADA Aplicação climatológica e os princípios climatológicos nas soluções dos problemas práticos que afetam a humanidade. CLIMATOLOGIA AGRÍCOLA Bioclimatologia, Climatologia das Construções, Climatologia Urbana, Climatologia Estatística.

14 SistemaEsc.Horizontal. (Km) Esc.Vertical. (Km) Esc.Temp o (horas Macroescala1 Planetária Sinótica Mesoescala Microescala<10 -1 < ) Macroclimatogia; 2) Mesoclimatologia, 3) Microclimatolgia

15 CLIMATOLOGIA AGRÍCOLA Estuda o comportamento dos organismos vivos com o meio atmosférico OBJETIVOS Melhorar a produção agrícola, Adaptar e desenvolver as variedades climatológicamente

16 A CLIMATOLOGIA QUESTÕES ÉTICAS NA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO Qualquer um que almeja exercer a CIÊNCIA da medicina deve primeiro estudar as estações climáticas do ano vendo todo o comportamento atmosférico delas... Hipócrates, On Airs, Waters, and Places escrito no século 4, A.C.

17 ÉTICA, AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO O DIREITO A UMA ALIMENTAÇÃO ADEQUADA COMPREENDE A DISPONIBILIDADE DE ALIMENTOS, SEM ADITIVOS TÓXICOS, EM QUANTIDADE E QUALIDADE SUFICIENTES PARA SATISFAZER AS NECESSIDADES ALIMENTARES DE TOTDOS OS INDIVIDUOS RESPEITANDO AS TRADIÇÕES CULTURAIS DE CADA UM, ASSIM COMO O ACESSO A ESSES ALIMENTOS DE FORMA SUSTENTÁVEL SEM DIFICULTAR O GOZO DE OUTROS DIREITOS. Direito à alimentação, definido pelo Comitê sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas.

18 ÉTICA, AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO Apesar do fato de a comunidade internacional reafirmar com frequência esse direito, a realidade cruel é que 840 milhões de pessoas no mundo, a maioria delas nos países em desenvolvimento, estão crônicamente famintos.

19 A POPULAÇÃO MUNDIAL

20 PAÍSPop.( 2002 ) 1 China1,284,303,705 2 India1,045,845,226 3 USA280,562,489 4 Indonesia232,073,071 5 Brasil176,029,560 6 Pakistão147,663,429 7 Russia144,978,573 8 Bangladesh133,376,684 9 Nigeria129,934, Japão126,974,628 PAÍSProj.Pop(2050) 1 India 1,619,582,271 2 China1,470,468,924 3 USA403,943,147 4 Indonesia337,807,011 5 Nigeria303,586,770 6 Pakistão267,813,495 7 Brasil206,751,477 8 Bangladesh205,093,861 9 Etiopia187,892, Congo181,922,656

21 ÉTICA, AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO 13% DA POPULAÇÃO MUNDIAL PASSA FOME ( 840 MILHÕES ) SEGUNDO FAO; UMA ( 1 ) PESSOA DE CADA 10 SOFRE FOME CRÔNICA ( < CAL/DIA); TRES ( 3 ) PESSOAS DE CADA 10 SOFREM SUBNUTRIÇÃO ( < CAL/DIA); TRES ( 3 ) PESSOAS DE CADA 10 TEM RAÇÃO ENERGÉTICA SUFICIENTE MAS POBRE DE PROTEÍNA; 40% DOS SUBNUTRIDOS TEM MENOS DE 10 ANOS DE IDADE;

22 ÉTICA, AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO Os famintos no Brasil são 16 milhões de pessoas segundo o Governo e 30 milhões segundo as ONGs; 66% da população rural brasileira vive na extrema pobreza (PNUD/ONU, 1996) e 43% são indigentes (Rodrigues, R., FSP 1994); Brasil é o país com maiores desigualdades sociais e maior índice de violência (só perde para Colômbia) (Unesco, 1997); Estes parâmetros se prevalecem até então ou até se elevaram.

23 ÉTICA, AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO O brasileiro tem satisfeito 114% de suas necessidades calóricas. (2730/2500 Cal., segundo a FAO); Brasil é um grande exportador de alimentos. - 1 o em café, suco de laranja -2 o em soja e cacau, -3 o em frango.

24 A IMPORTÂNCIA DA CLIMATOLOGIA Regiões afetadas pela DENGUE Áreas infestadas Áreas com epidemias Normal El Niño

25 A IMFLUÊNCIA DO CLIMA NO MUNDO EL NIÑO

26 É o aquecimento anormal das águas superficiais no Oceano Pacífico, próximo à costa da América do Sul ( Peru e Equador ).

27 Normalmente, os ventos alíseos, ao longo do equador, sopram de leste para oeste acumulando água quente na camada superior do oceano Pacífico tropical perto da Austrália e Indonésia. E L N I Ñ O VENTOS ALÍSEOS DE LESTE ANOS NORMAIS EL NIÑO

28 Nessa região de águas superficiais quentes, a atmosfera é aquecida criando condições favoráveis para a convecção e precipitação.

29 E L N I Ñ O Em condições normais o nível da água do oceano próximo a Indonésia e Austrália é cerca de ½ metro superior ao da costa da América do Sul

30 E L N I Ñ O Na costa da América do Sul ocorre o fenômeno da ressurgência: agua fria do fundo do oceano flui para a superfície carreando nutrientes, que alimentam os cardumes.

31 O QUE É EL NIÑO Nos níveis superiores da atmosfera os ventos sopram de oeste para leste, completando a circulação atmosférica de grande escala chamada Circulação de Walker* *Sir Gilbert Walker

32 POR QUE SE DENOMINA ¨EL NIÑO¨ Muitas vezes o princípio de um El Niño é anunciado alguns meses antes do Natal pelo aparecimento de águas mais quentes do que o normal perto da costa do Peru e Equador.

33 Em intervalos, de 3 a 5 anos, aproxi- madamente, a intensidade dos ventos alíseos diminui: A camada de águas superficiais quentes do Pacífico se desloca em direção à América do Sul.

34 Esse deslocamento de águas quentes influenciam direta- Mente no compor- tamento geral da atmosfera, com alterações drásti- cas no regime pluviométrico, com secas e chuvas anormais.

35 O El Niño afeta a condição de tempo me- teorológico em muitas regiões do mundo.

36 A convecção e a precipitação que, em geral, ocorrem no oceano Pacífico ocidental, acompanham as águas superficiais quentes no seu deslocamento em direção ao continente Sul Americano, causando chuvas demasiadas ao norte do Peru, Equador, e outras regiões tropicais da América do Sul.

37 Ao passo que, na região oeste do oceano Pacífico as formações de precipitação cessam, causando secas catastróficas na Austrália e Indonésia.

38 Na América do Sul, ocorrem chuvas acima do normal, até de forma catastrófica, principalmente na Região sul do Brasil.

39 VEJA UM EXEMPLO: Prejuizos enormes na agricultura devido às chuvas excessivas na região Sul do Brasil durante o evento "El Niño" de 1982/1983. BLUMENAU - S.C. EstadoPerdas (t) RS SC PR Valor Aprox.U$ 780 milhões

40 ATÉ A PRÓXIMA ! ! ! – PROF. HIROSHI


Carregar ppt "CESET – UNICAMP LIMEIRA C L I M A T O L O G I A APLICADA EL NIÑO PROF. HIROSHI P. YOSHIZANE AGOSTO 2005."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google