A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ORDEM SCORPIONES. discretos, noturnos, durante dia vivem escondidos; habitam tanto lugares úmidos como secos; exibem uma fluorescência espetacular – observáveis.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ORDEM SCORPIONES. discretos, noturnos, durante dia vivem escondidos; habitam tanto lugares úmidos como secos; exibem uma fluorescência espetacular – observáveis."— Transcrição da apresentação:

1 ORDEM SCORPIONES

2 discretos, noturnos, durante dia vivem escondidos; habitam tanto lugares úmidos como secos; exibem uma fluorescência espetacular – observáveis à noite – luz ultravioleta 3 a 9cm comprimento - grandes, menor espécie 9mm e maior 21cm (africano );

3 ANATOMIA EXTERNA prossomo (carapaça) e abdômen longo – aparelho do ferrão meio carapaça – 1 par olhos grandes e 2 a 5 pares pequenos olhos laterais quelíceras pequenas com garras; pedipalpos grandes (captura); Mesossoma Metassoma

4 abdômen : pré-abdômen de 7 segmentos e pós-abdômen de 5 segmentos estreitos; segmentos pós-abdômen – cauda – último segmento: ânus (ventral) e aparelho do ferrão

5 1 º segmento abdômen – placas operculares escondem abertura genital 2 º segmento abdômen – apêndices sensoriais – PECTINAS (forma de pente); 6 º segmento ventral – par de espiráculos transversais – abrem pulmões

6 APARELHO DO FERRÃO base bulbosa e farpa afilada e curva – injeta veneno; veneno produzido glândulas ovais dentro da base; contração muscular ao redor glândula o veneno é ejetado no interior ducto leva meio externo – abertura subterminal da farpa. 25 espécies (família Buthidae)– veneno altamente tóxico aos humanos

7 ALIMENTAÇÃO invertebrados preferencialmente insetos; sentam esperam a presa; escavadoras entram ou esperam no buraco; desenterrar baratas a 50cm distância; capturar presas no ar, digestão externa 10% população ativa durante o dia.

8 Sistema Nervoso: a- Escorpião b- demais aracnídeos

9 Órgãos sensitivos Apesar dos escorpiões possuírem pouca visão eles são dotados de um arsenal de potentes receptores sensitivos. Captando movimentos de ar, vibrações, e tato são capazes de perceber a presença de predadores, presas, água, temperatura e luz, assim como uma gama de outros estímulos.

10 Pectíneas São um par de apêndices com aparência de pentes localizados na porção ventral após o último par de patas. Estes órgãos sensitivos estão em contato com o solo e são capazes de: – captar vibrações – utilizados pelos machos para perceber a presença de ferormônios durante o período reprodutivo.

11 Cerdas Estruturas com aparência de pelos no corpo dos escorpiões, nas patas, e nos pedipalpos; Captam sensações térmicas, químicas e variações de umidade. As tricobótrias (longas e finas) encontradas apenas nos pedipalpos são sensíveis a movimentos de ar e as vibrações; As cerdas do tarso captam vibrações do substrato e percebem variações e presença de água e umidade além de mudanças químicas no ambiente.

12 Produção de sons Aproximadamente 150 espécies de escorpiões são capazes de produzir sons ou esfregando partes do corpo uma contra a outra ou vibrando estruturas anatômicas. Algumas espécies: esfregam suas quelíceras e o cefalotórax e produzem um som; friccionam o telson no metasoma, pectíneas ao externo, e os pedipalpos ao primeiro par de patas. Estes sons produzidos parecem ter a função de intimidar agressores.

13 REPRODUÇÃO Machos podem ter abdômen maior que fêmeas; macho – gancho na placas operculares; opérculos genitais 1 º segmento abdominal;

14 Corte prolongada - macho e fêmea se encaram; Estendem abdômen elevando para o ar e movem em círculos; Macho prende fêmea com pedipalpos ; Juntos andam para frente e para trás (10min a hs).

15

16 Macho observa melhor local para depositar o espermatóforo Deposita no solo - manobra a fêmea de forma área genital fique por cima do espermatóforo Libera os espermas - transportados orifício feminino Ovos incubados dentro da fêmea

17 Espermatóforo preso no solo Divertículo ovariano com embrião interior

18 Em Tityus serrulatus (escorpião amarelo) não há machos na espécie. A reprodução ocorre por PARTENOGÊNESE (ovo se desenvolve sem a necessidade de ser fecundado por um espermatozóide). O período de gestação nos escorpiões é muito variado. Em Tityus é em torno de 3 meses.

19 Em Pandinus (grandes escorpiões africanos) período gestação é de aproximadamente 9 meses. Durante o parto, a fêmea eleva o corpo apoiando-se sobre as pernas, formando um cesto com as pernas anteriores, para abrigar e transportar os recém-nascidos até o seu dorso.

20 Fêmea do escorpião carregando seus (1 a 95) filhotes – permanecem até 1ª. muda

21 No Brasil, são conhecidas cerca de 100 espécies, apenas três são consideradas perigosas.

22 Tityus serrulatus Lutz & Mello, 1922 : colorido geral amarelado; pernas e papos sem manchas; cefalotórax e abdômen escuros; Distribuição: Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, São Paulo, Sergipe, Rio Grande do Sul (relato de um acidente) e Paraná.

23

24 Tityus bahiensis Perty, 1833: colorido geral marrom avermelhado; cefalotórax e abdômen mais escuros e sem manchas; pernas com pequenas manchas escuras; Distribuição: Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

25

26 Tityus stigmurus Thorell, 1876: colorido geral amarelado; pernas e palpos sem manchas; presença de um triângulo escuro na face dorsal anterior do cefalotórax; pré-abdômen com uma faixa escura central bem definida e duas laterais discretas na face dorsal; Distribuição: Pernambuco, Bahia, Ceará, Piauí, Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte e Sergipe.

27 Tityus cambridgei

28 Tityus cambridgei Pocock, 1897 : colorido geral castanho escuro avermelhado, com alguns pontos mais claros; o macho possui a cauda e os palpos mais finos e longos que a fêmea; Distribuição: Pará, Amapá, Tocantins e Rondônia.

29 ORDEM PSEUDOSCORPIONES Aracnídeos pequenos (8mm); Vivem húmus de folhas;

30 Lembram escorpiões verdadeiros: corpo não tem abdômen longo e ferrão; carapaça retangular com 1 ou 2 olhos laterais (ausentes); quelíceras (curtas queladas) com fiandeiras produtoras seda; mastigar ou introduzir enzimas; pedipalpos com garras (com gl. de veneno); agarrar e matar presa opistossomo largo unido ao prossomo;

31 Alimentação: pequenos artropodes. Quelícera transforma presa em massa líquida ou abrem um furo corpo e sugam a massa interna TROCA GASOSA sistema traqueal –abre através 2 espiráculos região ventral – 3 º ou 4 º segmento. EXCREÇÃO - GLÂNDULAS COXAIS – 3 º segmento

32 REPRODUÇÃO poucas diferenças secundárias entre os sexos; EVOLUÇÃO NA TRANSFERÊNCIA ESPERMÁTICA INDIRETA por espermatóforos nas espécies; Leiobunum sp

33 MÉTODO MAIS PRIMITIVO Macho deposita espermatóforo substrato na ausência fêmea; Fêmea atraída quimiotaticamente Assume posição sobre massa espermática Coleta esperma no orifício feminino facilitada por alguma substância produzida átrio feminino.

34 MÉTODO MAIS EVOLUÍDO Macho encontra fêmea Deposita espermatóforo e põe cordões sinalizadores de seda Fêmea guiada pelo espermatóforo.

35 COMPORTAMENTO PAREADO – mais especializado Macho direciona fêmea corte em forma de passeio deposita espermatóforo substrato ; Manobra fêmea sem tocá-la até espermatóforo empurrando com patas dianteiras; Antes postura fêmea faz o ninho folhas e reveste com seda emitida pelas quelíceras (gl.de seda); Ovos permanecem num saco preso abertura genital – desenvolvimento ocorre dentro do saco.

36

37 ORDEM OPILIONES

38 aracnídeos de pernas longas – OPILIÕES; habitat úmido – abundantes na vegetação, troncos caídos, cascas de árvores; comprimento médio: 5 a 10mm – excluindo as pernas gigantes 20mm e perna 160mm pequenas – pernas curta semelhante ácaros – 1mm corpo – marrom, vermelhas, laranjas, amarelas, verdes ou pintadas;

39 prossomo unido ao opistossomo curto segmentado, forma elíptica; centro carapaça – tubérculo com um olho de cada lado; Não produzem seda, nem toxina e não picam; QUELÍCERAS pequenas, delgadas e queladas; PEDIPALPOS curtos semelhante as pernas (alguns garras forma foice);

40 carapaça - margens laterais anteriores – aberturas com 1 par de gl. repugnantes – produzem secreção com odor picante; espirram intruso ou pegam gotícula de secreção misturada com fluído intestinal regurgitado e jogam contra predador.

41 PERNAS longas, delgadas – perturbados correm rapidamente 2 º par pernas maior – função sensorial – movimentam-se em frente ao animal – amputação perna meio defesa (não regenera)

42 ALIMENTAÇÃO predadores –matéria orgânica em decomposição; digestão não se limita a material líquido ingere pedaços sólidos – digestão intestino médio EXCREÇÃO - 1 par glândulas coxais TROCA GASOSA – traquéias com espiráculos de cada lado 1 º segmento abdominal e espiráculos nas pernas.

43 ACASALAMENTO sem corte elaborada Macho fica frente a frente com a fêmea Projeta o pênis tubular entre as quelíceras Penetração no orifício feminino – fecundação interna

44 SISTEMA REPRODUTIVO FEMININO Fêmeas possuem OVOPOSITOR – estrutura tubular anelado na parte meio ventral do abdômen; Momento postura ovopositor projeta-se pelo orifício genital deposita os ovos no húmus indivíduo pode passar inverno no ovo (forma imatura)

45 Pênis de várias espécies de Opiliones


Carregar ppt "ORDEM SCORPIONES. discretos, noturnos, durante dia vivem escondidos; habitam tanto lugares úmidos como secos; exibem uma fluorescência espetacular – observáveis."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google