A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Seminário Ecologia Energética Seminário Ecologia Energética Macrófitas Aquáticas Fabrícia Pena Viegas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Seminário Ecologia Energética Seminário Ecologia Energética Macrófitas Aquáticas Fabrícia Pena Viegas."— Transcrição da apresentação:

1 Seminário Ecologia Energética Seminário Ecologia Energética Macrófitas Aquáticas Fabrícia Pena Viegas

2 Termo macrófitas aquáticas abrange vegetais que variam desde macroalgas a angiospermas. Evolução - macrófitas aquáticas retornaram do ambiente terrestre para o aquático - cutícula - estômatos

3 Classificação: 1- Macrófitas emergentes 2- Macrófitas com folhas flutuantes 3- Macrófitas submersas enraizadas 4- Macrófitas livres - flutuantes - submersas enraizadas

4 1- Macrófitas emergentes - plantas enraizadas - folhas e orgãos reprodutivos aéreos Typha

5 2- Macrófitas com folhas flutuantes Nymphaea - enraizadas no sedimento - folhas flutuando na superfície da água

6 3- Macrófitas submersas enraizadas Chara - enraizadas no sedimento - encontradas até 11m de profundidade - orgãos reprodutivos são aéreos, flutuantes ou submersos

7 4- Macrófitas livres - rizóides - locais de pouca turbulência 4.1- submersas 4.2- flutuantes Eichornia Utricularia

8 Perifíton Complexa comunidade microbiota ( algas, bactérias, fungos, animais) aderidos a um substrato

9 Macrófitas interferem na dinâmica dos ecossistemas - alta taxa produtividade primária - ciclagem de nutrientes ( macrófitas enraizadas) - redução da turbulência da água - participam da cadeia de herbivoria e detritívora - associação com o perifíton

10 Adaptações anatômicas - Cúticula e estômatos - perdem sua função - Tecidos sustentação aerênquima e água (colênquima, esclerênquima) - redução xilema e do grau de lignificação - distribuição dos cloroplastos na epiderme superior

11 Adaptações fisiológicas Difusão O 2 e CO 2 é mais lenta na água - redução da cutícula a uma camada muito fina - espessura da folha reduz a 3 camadas de células - gases produzidos na fotossíntese e respiração são armazenados no aerênquima - aumento dos espaços intercelulares nas folhas

12 Produtividade Primária de Macrófitas - Regiões temperadas: estações climáticas bem definidas primavera= todos os indivíduos nascem verão= pico de biomassa inverno= todos morrem - Regiões tropicais: estações climáticas não são tão definidas crescimento e morte dos indivíduos é um processo contínuo no ambiente

13 Produtividade por grupos de macrófitas emergentes > folhas flutuantes > submersas - Reprodução vegetativa eficiente - absorção nutrientes pelas raízes e folhas - > eficácia no aproveitamento luz - alta relação V: Peso seco - baixo desenvolvimento sist. Radicular - < disponibilidade de radiação solar - excreção de parte do C assimilado - altas taxas de herbivoria

14 Macrófitas e a cadeia detritívora - detritos dissolvidos (excretados pelo vegetal) - detritos particulados ( grandes quantidades de nutrientes orgânicos e inorgânicos) 1ª liberação da fração solúvel 2ª colonização do detrito por organismos 3ª organismos detritívoros são os mais importantes ingerem os detritos colonizados- biomassa animal fezes Importância na região litorânea e limnética

15 Estudo de caso POPULATION DYNAMICS AND NET PRIMARY PRODUCTION OF THE AQUATIC MACROPHYTE NYMPHAEA RUDGEANA C. F. MEY IN A LOTIC ENVIRONMENT OF THE ITANHAÉM RIVER BASIN (SP, BRASIL) Camargo, A. F. M. and Florentino, E. R. Revista Brasileira Biologia, 60(1): 83-92

16 Introdução e Objetivos Quantificar a biomassa de N. rudgeana em intervalos mensais, para estimar a produção primária e a dinâmica populacional desta espécie. N. rudgeana - macrófita com folhas flutuantes Área de Estudo Rio Itanhaém- SP águas pouco turbulentas 5Km da foz do rio com o Oceno Atlântico

17 Material e Métodos Coletas mensais (nov/1994 a set/1995) Quadrantes 1m 2 classes: 1) até 40 cm 2) 40 cm a 100cm 3) > 1m densidade por classes e total / quadrante peso seco biomassa (g PS/m 2 ) temperatura e salinidade da água

18 Resultados Densidade populacional máxima dez/94 (36.6 ind/ m 2 ) densidade mínima abril / maio 95 (2.4 ind/ m 2 ) Biomassa e produtividade primária seguiu padrão sazonal nov a jan até maio Estimativa produtividade primária = 3.02 t/ha/ano (10%)

19 Alguns autores encontraram variação sazonal para outras espécies de macrófitas tropicais variação do nível da água variação da temperatura da água Variação sazonal da N. rudgeana está associada: - presença de outras espécies de macrófitas flutuantes; - salinidade da água

20 Bibliografia CAMARGO, A. F. M. e FLORENTINO, E. R. Population Dynamics And Net Primary Production Of The Aquatic Macrophyte Nymphaea Rudgeana C. F. Mey In A Lotic Environment Of The Itanhaém River Basin (Sp, Brasil). Revista Brasileira Biologia, 60 (1) p Fev,2000. ESTEVES, Francisco de Assis. "Fundamentos de Limnologia". Rio de Janeiro. Ed. Interciência WETZEL, Robert G. Limnology Lake and Ecosystems, 3ª Edição, 2001.


Carregar ppt "Seminário Ecologia Energética Seminário Ecologia Energética Macrófitas Aquáticas Fabrícia Pena Viegas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google