A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

11:43 Modelos Chuva-Vazão Prof. Carlos Ruberto Fragoso Júnior.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "11:43 Modelos Chuva-Vazão Prof. Carlos Ruberto Fragoso Júnior."— Transcrição da apresentação:

1 11:43 Modelos Chuva-Vazão Prof. Carlos Ruberto Fragoso Júnior

2 Tópicos Revisão Modelos Conceituais Distribuídos IPHS1 MGB-IPH

3 Modelo IPH2

4 Modelos Precipitação-Vazão Características dos modelos Discretização das bacias : concentrado; distribuído por bacia; distribuído por célula

5 Modelos semi-distribuídos Modelos concentrados aplicados em sub- bacias unidas por uma rede de drenagem são, às vezes, denominados modelos semi- distribuídos.

6 Distribuídos x concentrados Vantagens distribuído incorpora variabilidade da chuva incorpora variabilidade das características da bacia permite gerar resultados em pontos intermediários Vantagens concentrado mais simples mais rápido mais fácil calibrar

7 Quanto à extensão temporal Eventos Hidrologia urbana Eventos observados ou cheias de projeto Em geral pode-se desprezar evapotranspiração Séries contínuas Representar cheias e estiagens Volumes, picos, recessões Evapotranspiração deve ser incluída

8 Estrutura básica módulo bacia módulo rio, reservatório Módulo bacia Geração de escoamento Módulo rio Propagação de escoamento bacia rio reservatório Estrutura de modelos concentrados e distribuídos

9 Modelos Conceituais Chuva-Vazão Distribuídos

10 Equipe de Desenvolvimento: IPH - Instituto de Pesquisas Hidráulicas - UFRGS Coordenador do Projeto pelo IPH: Carlos Eduardo Morelli Tucci Colaboradores no desenvolvimento da versão FORTRAN: Adolfo O. N. Villanueva Daniel G. Allasia Marllus G. das Neves Walter Collischonn FEA - Faculdade de Engenharia Agrícola - UFPel Agência para o Desenvolvimento da Lagoa Mirim - UFPel Coordenador de Desenvolvimento pela UFPel : João S. Viegas Filho Colaboradora de Desenvolvimento pela UFPel: Rita de Cássia Fraga Damé Analistas de Sistemas, Desenvolvedor: Adriano Rochedo Conceição Setor de Hidráulica e Saneamento - Departamento de Física – FURG Coordenador de Desenvolvimento versão FORTRAN pela FURG: Rutinéia Tassi Colaborador de Desenvolvimento pela FURG: Ezequiel Wustrow Souza Universidad Nacional de Córdoba - UNC Coordenador de Desenvolvimento manuais em espanhol: Juan Carlos Bertoni Colaborador da UNC: Carlos Catalini IPHS1 windows®

11 Material Disponível: -Manual do Usuário do IPHS1 -Manual de Fundamentos do IPHS1 -Manual de Exemplos do IPHS1 -Banco de Dados de Exemplos do IPHS1 Home page: Contatos: IPHS1 windows®

12 IPHS1 windows® Modelo IPHS1

13 IPHS1 windows® Configurações do computador O IPHS1 utiliza como símbolo de decimal o ponto Se for necessário mudar essa configuração, acessar a opção: Painel de Controle/Data, hora, idioma e opções regionais/Opções regionais e idioma/Opções regionais/Personalizar/Símbolo decimal =>. ou Control Panel/ Regional and language options/Regional options/Customize/Decimal symbol =>.

14 Modelo IPHS1 Estrutura é baseada na operação hidrológica Sub-bacia trecho de rio reservatório seção de leitura divisão

15 Modelo IPHS1 - Sub-bacia Entrada: Precipitação (t) entrada dos postos de precipitação independente das sub-bacias. Ponderação de acordo com a influência de cada posto. A precipitação pode ser histórica ou de projeto para ser reordenada. B1 B2 B3 B4 B5 Postos pluviométricos

16 Opções de modelos de separação de escoamento: SCS, Horton modificado (IPH2), HEC1, opções de propagação : Clark, HEC1, HU, Hymo (Nash), SCS. Opção de água subterrânea : reservatório linear simples. Modelo IPHS1 - Sub-bacia

17 Algumas ferramentas Barra de Menus Barra de Ferramentas Principal Caixa de Títulos, Descrições e Comentários Barra de Ferramentas Hidrográficas Barra de Avisos Área de Projetos Apredendo a utilizar o modelo IPHS1

18 IPHS1 windows®

19 Aprendendo a utilizar o IPHS1 IPHS1 windows® Barra de Menus Barra de Ferramentas Principal Caixa de Títulos Barra de Ferramentas Hidrológicas Barra de Avisos Área de projeto

20 IPHS1

21 Solução Criar novo projeto Definir intervalo de tempo vamos usar 0,5 hora, porque os dados estão em 0,5 hora e o HU fica bem definido Número de intervalos de tempo com chuva o enunciado dá 5 intervalos com chuva Número total de intervalos de tempo vamos adotar 20 para ter folga e descrever bem o hidrograma resultante

22

23 Definir topologia e objetos

24 Características da bacia Separação de escoamento método SCS com CN = 80 Propagação na bacia com HU dado A área e o tempo de concentração não seriam necessários para os cálculos mas o programa exige estes dados (embora não os utilize)

25 Cuidado para dividir ordenadas do HU por 10!

26 Resultado

27 Vamos Exercitar!!!

28 Mais adiante voltaremos a usar o IPHS1!

29 Modelo hidrológico de grandes bacias – MGB-IPH

30 Apresentação Modelo desenvolvido durante doutorado Walter Collischonn sob orientação do prof. Carlos Tucci (IPH UFRGS) Aplicado em várias bacias no Brasil Adequado para: Avaliação de disponibilidade hídrica em locais com poucos dados Previsão hidrológica Avaliação de efeitos de atividades antrópicas em grandes bacias

31 Grandes bacias x pequenas bacias Situação normal: Em grandes bacias existem longas séries de medições de vazão. Em pequenas bacias as séries de medição de vazão são mais curtas (quando existem). Muitas vezes a solução é usar um modelo hidrológico para estender a série.

32 Grandes bacias x pequenas bacias Em pequenas bacias é possível usar modelos concentrados. Em grandes bacias a variabilidade é maior. Modelos concentrados são menos adequados. Mesmo assim os modelos distribuídos mais famosos são os de pequenas bacias.

33 Modelos distribuídos de pequenas bacias Referências mais freqüentes: SHE e Topmodel. Desenvolvidos na esperança de que as medições pontuais de uma série de variáveis na bacia poderia evitar a calibração de parâmetros. Exigem grande quantidade de dados.

34 Problemas de hidrologia de grandes bacias variabilidade plurianual mudanças de uso do solo previsão em tempo real

35 Quais são os processos que contribuem para a variabilidade plurianual da vazão de uma bacia? Rio Paraguai em Porto Esperança, MS - ( km 2 )

36 Como é possível aproveitar as previsões meteorológicas no manejo de recursos hídricos? Previsão do modelo regional do CPTEC - INPE

37 Quais são as conseqüências das mudanças de uso do solo em larga escala? Rio Taquari, MS.

38 Modelo hidrológico de grandes bacias desenvolvido Baseado no modelo LARSIM, com algumas adaptações do modelo VIC-2L. Balanço de água no solo simplificado Evapotranspiração por Penman - Monteith, conforme Shuttleworth (1993). Propagação pelo método de Muskingun Cunge nos rios. Utiliza grade regular de células (+ - 10x10 km) Utiliza intervalo de tempo diário ou menor Representa variabilidade interna das células Desenvolvido para grandes bacias (> 10 4 km 2 )

39 Processos representados Evapotranspiração Interceptação Armazenamento de água no solo Escoamento nas células Escoamento em rios e reservatórios célula fonte célula com curso d´água célula exutório

40 Dados de entrada Séries de chuva e vazão Séries de temperatura, pressão, insolação, umidade relativa do ar e velocidade do vento Imagens de sensoriamento remoto Tipos de solo MNT Cartas topográficas Seções transversais de rios

41 MNT Bacia discretizada e rede de drenagem

42 Solo Cobertura e uso + Blocos

43 Variabilidade no interior da célula Cada célula é dividida em blocos A cobertura, o uso e o tipo de solo são heterogêneos dentro de uma célula

44 Balanço vertical em cada bloco

45 Escoamento na célula

46 Trecho de rio

47 Variabilidade no interior do bloco A capacidade de armazenamento do solo é considerada variável. O solo pode ser entendido como um grande número de pequenos reservatórios de capacidade variável. w i w i =capacidade dearmazenamento decada um dosreservatórios

48

49 Rio Taquari - Antas Quase km 2 na foz solos argilosos derrame basáltico alta declividade pouca sazonalidade

50 Bacia Taquari - Antas discretizada Não foram considerados os diferentes tipos de solos 269 células 5 blocos

51 Postos fluviométricos Principal posto: Muçum km 2

52 Bacia do rio Taquari RS - ( km 2 ) Posto Muçum km 2

53 Bacia do rio Taquari RS - ( km 2 ) Posto Carreiro km 2

54 Bacia do Rio Uruguai km 2 até início do trecho internacional

55 Discretização da bacia do rio Uruguai 681 células 8 blocos

56 Resultados aplicação sem calibração Parâmetros emprestados da bacia Taquari Antas Passo Caxambu km 2

57 Passo Caxambu km 2 Rio Uruguai: Resultados aplicação com calibração

58 Curva de permanência de vazões

59 Mais detalhes do MGB-IPH?


Carregar ppt "11:43 Modelos Chuva-Vazão Prof. Carlos Ruberto Fragoso Júnior."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google