A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Manejo Sustentável de Águas Pluviais Urbanas em Região de Clima Litorâneo com Elevadas Precipitações UFPE-FINEP-PROSAB-CNPq Coordenador: Jaime J. S. P.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Manejo Sustentável de Águas Pluviais Urbanas em Região de Clima Litorâneo com Elevadas Precipitações UFPE-FINEP-PROSAB-CNPq Coordenador: Jaime J. S. P."— Transcrição da apresentação:

1 Manejo Sustentável de Águas Pluviais Urbanas em Região de Clima Litorâneo com Elevadas Precipitações UFPE-FINEP-PROSAB-CNPq Coordenador: Jaime J. S. P. Cabral

2 Objetivo Geral: Aprimorar o manejo de águas pluviais urbanas considerando o amortecimento na fonte, o aprimoramento do dimensionamento dos sistemas físicos e o estudo da viabilidade do tratamento conjunto das águas da drenagem somadas aos efluentes domésticos visando a sustentabilidade da solução para bacias urbanas.

3 Sub-projeto: Melhoria das condições de infiltração das águas pluviais em área urbana UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROSAB 2006 Coordenador Sub-projeto: Antonio Celso Dantas Antonino

4 Objetivo Metas : Uso de SIG e de bases de dados urbanos, como o cadastro municipal, para a definição, o levantamento e o tratamento das informações da sub-bacia. Caracterização hidrodinâmica de solos urbanos. Monitoramento da precipitação pluviométrica na sub-bacia urbana e da dinâmica da água no solo na escala local. Modelagem dos escoamentos nas duas escalas, na escala local e na da sub-bacia urbana. Avaliar o efeito da ampliação e/ou do aumento da capacidade de infiltração das águas pluviais em área urbana.

5 Caracterização hidrodinâmica de solos urbanos. Método "Beerkan" (Haverkamp et al.,1998) - ensaios de infiltração e a distribuição dos tamanhos das partículas do solo para obter os parâmetros de (h) e K( ). Método Beerkan Análise da curva granulométrica n e Textura do solo Ensaios simplificados de infiltração Ks, hg e s Estrutura do solo

6 Determinação de F(D) Figura 1. Figura 3. Figura 2. Figura 4. Determinação I ( t )

7 Monitoramento da dinâmica da água no solo Umidade volumetrica ( ), potencial matricial (h) e temperatura (T). Figura 5. Esquema da instalação dos sensores no solo.

8 Determinação da evaporação do solo - A evaporação do solo será obtida pelo método aerodinâmico misto, ou seja, O fluxo de calor sensível Método aerodinâmico O fluxo de calor latente Equação do balanço de energia Torre com os sensores atmosférico e do solo para a realização do balanço de energia.

9 Sub-projeto : Tetos Verdes (Telhados Verdes) Pesquisadores: - Suzana Montenegro – Coordenadora do sub-projeto; - Renata Carvalho; - Paulo Frassinete; - Sylvana Melo; - Giancarlo Cavalvanti.

10 Ações até o momento Decididos os locais para implantação dos telhados verdes: 1 no campus UFPE – Recife e 1 no novo campus UFPE – Caruaru Selecionado Teto verde extensivo = leve e com menos manutenção; Feitas os quantitativos e cotações de materiais e equipamentos que serão necessários ao projeto; Decidida e iniciada a implantação de canteiros experimentais para a determinação da vegetação adequada para os futuros tetos verdes: Escolhido o local adequado = sem sombra, possivelmente sem irrigação; Determinados as formas, dimensões, camadas e materiais; Selecionadas as vegetações a serem experimentadas; Determinado o monitoramento inicial a ser feito para a determinação da planta adequada ao teto verde; Feitas as devidas cotações de preços e iniciada a compra dos materiais e equipamentos necessários. Realizando alterações nos projetos dos prédios onde serão instalados os tetos verdes;

11 Espaço reservado para implantação dos canteiros experimentais para definição da vegetação. Ao lado do Laboratório de Hidráulica do Centro de Tecnologia e Geociências da UFPE. Localização dos canteiros experimentais

12 Detalhamento dos canteiros experimentais Argila expandida Manta bidim SUBSTRATO: 50 % de terra vegetal (substrato propriamente dito, fornecimento de nutrientes) 25 % de pó de coco (aeração e retenção da umidade) 25 % de húmus de minhoca (fornecimento de nutrientes)

13 Critérios: Resistir as condições climáticas, ter menor manutenção (irrigação, poda e limpeza); Tamanho e desenvolvimento das raízes, não sendo aconselhável o uso de plantas com raízes que possam danificar a laje e o sistema de impermeabilização; A parte aérea das plantas de modo que não seja produzido muito material orgânico que possa dificultar a drenagem; Tempo de crescimento das plantas; Plantas que sobrevivam em pontos rasos e pobres; Plantas que não servem como habitat de animais perigosos; Características essenciais aos telhados extensivos

14 Espécies a serem utilizadas no experimento (canteiros) Grama de burro (Cynodium dactylum ) Grama batatais (Paspalum notatum) Grama Santo Agostinho ou grama inglesa. (Stenotaphrum secundatum) Onze horas (Portulaca grandiflora) Mal-me-quer (Sphagneticola trilobata)

15 Equipamentos para monitoramento 01 estação hidrometeorológica com datalogger: Sensores: Pluviômetro; Temperatura do ar; Velocidade do Vento; Umidade do ar; Umidade do solo na cobertura verde; Radiação Solar; e Horas de Insolação. Outras medições: Temperatura no ambiente abaixo da cobertura verde; Vazões de escoamento superficial e sub-superficial na cobertura verde.

16 Sub-projeto: Análise do manejo das águas urbanas em sistemas pseudo- separadores Pesquisador: - Guilherme Peplau

17 Riacho Cavouco – Recife/PE 01 sensor de nível dágua e instalação de estrutura para medição; Justificativa: Avaliar constantemente a variação do nível do riacho, nas situações de tempo seco e durante as chuvas.riacho Obs: O laboratório do GRH possui molinete hidrométrico para calibração da curva-chave da seção. 01 pluviômetro registrador com datalogger ; Obs: Compartilhado com a pesquisa do Teto Verde. Qualidade de àgua: - Está sendo analisada qual periodicidade de coleta de dados de qualidade da água e parâmetros necessários;

18 Trecho do riacho cavouco onde será instalada a seção de monitoramento fluviométrico

19 Riacho Reginaldo – Maceió/AL 01 sensor de nível dágua ; Justificativa: Parte das águas da bacia do riacho Reginaldo é bombeada para o Emissário Submarino de Maceió, portanto o sensor será útil para avaliar constantemente a variação da vazão encaminhada para o emissário, nas situações de tempo seco e durante as chuvas, além das variações horárias. Obs: O sistema de entrada do Emissário Submarino de Maceió já possui estrutura de medição (calha Parshall)

20 Riacho Reginaldo – Maceió/AL 01 pluviômetro registrador com datalogger ; Justificativa: Para coletar e registrar com precisão dados de precipitações sobre a área de interesse* Obs: A área de interesse fica na importante sub-bacia do riacho do Sapo, o maior afluente da parte baixa da bacia, e ainda não conta com pluviômetro.

21 Riacho Reginaldo – Maceió/AL

22 Sub-projeto: Microreservatórios de Detenção Pesquisador: - Andrea Monteiro Lira.

23 Av. João de Barros Rua 48 Av. Agamenom Magalhães Av. Conselheiro Rosa e Silva Av. Conselheiro Portela LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO Rua Santo Elias Rua do Espinheiro Rua Barão de Itamaracá Rua da Hora

24 PONTOS DE ALAGAMENTOS NO SISTEMA VIÁRIO (Rua Luiz da Silveira Barros) (Rua Conselheiro Portela) (Rua Carneiro Vilela com Conselheiro Portela) (Rua Espinheiro com João de Barros )

25

26 ALAGAMENTO NO POSTO DA RUA CONSELHEIRO PORTELA COM A RUA SANTO ELIAS Nível (30 a 50 cm)

27 CADASTRO EMLURB - BAIRRO ESPINHEIRO

28 SWMM O Storm Water Management Model (SWMM) Sistema Modular; 9 BLOCOS (MÓDULOS): - 4 blocos computacionais; - 5 blocos de serviços; - Além do bloco executivo. Bloco RUNOFF transformação de chuva em vazão; Bloco TRANSPORT transporte na rede de drenagem segundo o conceito da onda cinemática; Bloco EXTRAN modelação hidrodinâmica em condutos e canais; Bloco STORAGE/TREATMENT qualidade das águas..

29 RUA CONSELHEIRO PORTELA RUA 48 RUA ESPINHEIRO AVENIDA JOÃO DE BARROS RUA DA HORA REDE DE DRENAGEM DO BAIRRO ESPINHEIRO SUBCATCHMENT CONDUIT JUNCTION

30 RUA CONSELHEIRO PORTELA RUA 48 RUA ESPINHEIRO RUA DA HORA AVENIDA JOÃO DE BARROS REDE DE DRENAGEM DO BAIRRO ESPINHEIRO Santo Elias RESERVATÓRIO 60 cm Modificações de algumas cotas nas galerias da Espinheiro e João de Barros

31

32 SIMULAÇÕES COM O SWMM SIMULAÇÃO CAPACIDADE GALERIA

33 PROJETO RESERVATÓRIO

34 EQUIPAMENTOS: SENSOR DE NÍVEL; PLUVIÔMETRO; GARRAFA COLETORA PARA QUALIDADE DE ÁGUA MONITORAMENTO NO RESERVATÓRIO

35 Resultados até o momento Realizado o levantamento cadastral da rede e desenho do AutoCad; Realizado o dimensionamento do reservatório; Realizada simulação de comportamento de reservatório e simulação da rede completa; Lançado edital para construção do reservatório e melhoramento da rede;

36 Dificuldades Encontradas: Aquisições de pequeno valor Ex: - Sacos de areia; - Sementes para grama do teto verde. Pode haver suprimento de fundos? Possibilidade de aquisições com posterior ressarcimento no caso de pequenas compras.

37 Carnaval no Bairro do Recife Antigo Recife - PE - Brasil A riqueza do carnaval pernambucano pode ser medida pela sua imensa variedade de ritmos. Em Pernambuco, estão todos os Carnavais do Brasil. Ao lado do Frevo, com todas as suas variações, estão o Maracatu, o Afoxé, o Samba e os Caboclinhos. Visitem Recife!


Carregar ppt "Manejo Sustentável de Águas Pluviais Urbanas em Região de Clima Litorâneo com Elevadas Precipitações UFPE-FINEP-PROSAB-CNPq Coordenador: Jaime J. S. P."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google