A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 1 ACORDOS DE CO-BILLING NA MIGRAÇÃO DO SMC PARA O SMP Seminário Interconexão,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 1 ACORDOS DE CO-BILLING NA MIGRAÇÃO DO SMC PARA O SMP Seminário Interconexão,"— Transcrição da apresentação:

1 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 1 ACORDOS DE CO-BILLING NA MIGRAÇÃO DO SMC PARA O SMP Seminário Interconexão, 6.ª Edição Anual IIR - Conferences 28 de Novembro de Guilherme Ieno Costa

2 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 2 SMC X SMP (consequência da migração para a INTX) SMC Chamadas de Longa DistânciaChamadas de Longa DistânciaPrestadora: - encaminha a chamada (escolhe a prestadora de STFC). - fatura o usuário pela chamada (é credora de tarifa do usuário). - é entidade devedora de remuneração das redes. SMP Chamadas de Longa Distância - CSPChamadas de Longa Distância - CSPUsuário: - escolhe a prestadora de STFC para as chamadas entre áreas de registro distintas (total de 67) - paga pela chamada à prestadora de STFC escolhida - prestadora de SMP é a entidade credora de VU-M

3 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 3 SMC X SMP (consequência da introdução do CSP) SMC Chamadas de Longa DistânciaChamadas de Longa Distância Prestadora não precisa fornecer cadastro dos seus assinantes. SMP Chamadas de Longa Distância - CSPChamadas de Longa Distância - CSP Prestadora deverá fornecer cadastro dos seus assinantes (inclusive para o seu concorrente direto que tiver autorização de STFC).

4 4 Introdução do CSP

5 5 Prazo para introdução pelas migrantes Formalmente: até Informalmente: estendido até * TIM e Oi já oferecem CSP

6 6 Introdução do CSP Alternativa ao fornecimento do cadastro de assinantes Faturamento conjunto de serviços ou co-billing

7 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 7 Cadastro de Assinantes Histórico - introdução do CSP em Março/99: Embratel entra com Reclamação na Anatel contra as Concessionárias Locais - Pontos de discussão: recusa na entrega e em negociar; quantidade de dados solicitados; definição de preço pelo cadastro e atualização das informações.

8 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 8 Cadastro de Assinantes Histórico - introdução do CSP em Julho/99: Implementação do CSP - Agosto/ Anatel decide a questão com a Edição da Súmula 005, que dispõe: As informações sobre os assinantes, constantes da base cadastral de prestadora de serviço de telecomunicações, necessárias à prestação de serviço por outra prestadora ou para a realização de atividade vinculada direta ou indiretamente ao serviço por entidade legitimamente interessada, conforme regulado pela Agência, devem ser fornecidas exclusivamente com a finalidade estabelecida na regulamentação aplicável, em condições isonômicas, justas e razoáveis, assegurada a sua atualização e publicidade dos termos contratuais.

9 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 9 Cadastro de Assinantes Histórico - introdução do CSP em 1999 Súmula 005/ continuação: Em caso de cobrança pelo fornecimento das informações, levar-se-á em conta, unicamente, o custo incorrido para sua efetivação, que poderá ser acrescido, quando destinado à divulgação de lista de assinantes, de margem que permita remuneração que não altere as condições econômico-financeiras de prestação do serviço. Abril/ Proposta de Cadastro Único Nacional

10 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 10 Cadastro de Assinantes Regulamento do SMP - Res. 316/2002 Art. 11. A Prestadora do SMP deve fornecer a outras prestadoras de serviços de telecomunicações, as informações sobre os Usuários, constantes de sua base cadastral E NECESSÁRIAS À PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. §1º O direito previsto no caput deve ser exercido exclusivamente com a finalidade estabelecida na regulamentação aplicável. (...) §3º Os contratos para fornecimento das informações têm caráter público, são firmados em bases justas e razoáveis, devendo prever forma e periodicidade de atualização das informações e devem ser reproduzidos, em condições isonômicas, a outros interessados.

11 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 11 Cadastro de Assinantes Regulamento do SMP - Res. 316/2002 §4º Em caso de cobrança pelo fornecimento das informações, deve-se levar em conta, unicamente, o custo incorrido para sua efetivação, que pode ser acrescido, quando destinado à divulgação de lista de Usuários, de margem que permita remuneração que não altere as condições econômico-financeiras de prestação do serviço. §5º A prestadora deve assegurar que todos aqueles que tiverem acesso às informações previstas neste artigo observem as obrigações de sigilo nas hipóteses previstas neste Regulamento, em especial aquelas previstas no art. 6º, incisos IX e XIV.

12 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 12 Co-billing Menos regulamentado que o fornecimento de Cadastro de Assinantes. Há ainda muita discussão em pauta, sem decisão final por parte da Anatel. Tem como precursora a Intelig: acordos firmados com as concessionárias locais no 1.º Sem. de Embratel fechou seus primeiros acordos no 1.º Sem. de 2002.

13 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 13 Co-billing Regulamento do SMP - Res. 316/2002 Art. 39. É admitido o faturamento conjunto dos serviços de telecomunicações executados por outras prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo utilizados por Usuário do SMP. §1º As prestadoras de SMP que pactuarem acordos para faturamento conjunto são obrigadas a estender as condições da avença de forma equivalente às demais interessadas. §2º O disposto no parágrafo anterior se aplica ao faturamento conjunto de serviços de telecomunicações distintos prestados por uma mesma prestadora.

14 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 14 Co-billing Discussões 08/ Espelhos e Embratel encaminham pacote de reivindicações e pedem a regulamentação urgente sobre co- billing 08/ Intelig pede a suspensão do pagamento que faz às concessionárias locais por 60 dias 09/ SPB determina às concessionárias locais que, em 30 dias, assinem novo contrato com a Intelig. Se não forem renegociados os valores, a Anatel arbitrará o preço.

15 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 15 Co-billing no SMP Conclusões Há um mínimo de regulamentação. São aguardados os resultados das renegociações entre Intelig e as concessionárias locais. São aguardadas definições pela Anatel. O que vier a ser definido servirá de paradigma para as autorizadas do SMP. Há uma expectativa de evolução.

16 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 16 Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa ____________________________________ Advogados Associados


Carregar ppt "Vieira Ceneviva, Almeida, Cagnacci de Oliveira & Costa Advogados Associados 1 ACORDOS DE CO-BILLING NA MIGRAÇÃO DO SMC PARA O SMP Seminário Interconexão,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google