A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AIDS 30 anos: Avanços, Desafios e Perspectivas Pedro Chequer - Coordenador do UNAIDS no Brasil.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AIDS 30 anos: Avanços, Desafios e Perspectivas Pedro Chequer - Coordenador do UNAIDS no Brasil."— Transcrição da apresentação:

1 AIDS 30 anos: Avanços, Desafios e Perspectivas Pedro Chequer - Coordenador do UNAIDS no Brasil

2 Pessoas vivendo com HIV Milhões anos de resposta à aids Primeiros casos de imunodeficiência identificados HIV identificado como a causa da aids Primeiro protocolo para a redução da transmissão vertical do HIV Disponibilizado o primeiro teste anti-HIV Tratamento Anti-retroviral Altamente Ativo OMS lança o Programa Global de Aids Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária US$10 bilhões para a aids em países em desenvolvimento Criação do UNAIDS Presidente Bush Anuncia o PEPFAR 3 milhões tomando TARV nos países em desenvolvimento Sessão Especial da Assembléia Geral da ONU sobre HIV/Aids - UNGASS 4 Serviços gratuitos de Atenção Única

3 2011: Um ano de marcos 30 anos da epidemia de AIDS (desde 1981) –Programa Global para a AIDS da OMS ( ) –Criação do UNAIDS (1995) 15 anos da terapia tripla combinada antirretroviral (ARV) 10 anos da implementação da Declaração de Compromisso sobre HIV/AIDS (UNGASS 2001) 10 anos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs) e mais 5 anos para alcançá-los 5 anos da iniciativa pelo Aceso Universal (UA) Reunião de Alto Nível (HLM), Nova York, Junho, 2011

4 Prevalência do HIV:: 33.3 milhões [31.4 –35.3 milhões] em 2009, comparados aos 26.2 milhões [24.6 milhões–27.8 milhões] em 1999 (aumento de 27%) Prevalência pelo HIV: constante em 0.8% da população global desde 2001 Fonte: UNAIDS.

5 Incidência de HIV: O número anual de pessoas infectadas pelo HIV diminuiu em 19% de3.1 milhões [2.9–3.4 milhões] em 1999 para 2.6 milhões [2.3–2.8 milhões] em M I L HÕES Linhas pontilhadas representam intervalos, linhas sílidas representam a estimativa mais precisa.

6 Organização Mundial da Saúde RELATÓRIO MUNDIAL 2010 América do Norte Caribe Ásia Oriental Europa Ocidental e Central Leste Europeu e Ásia Central Oriente Médio e África Setentrional América Central e do Sul África Subsaariana Sul e Sudeste da Ásia Oceania Estimativa de crianças (<15 anos) vivendo com HIV : 2009 Total: 2,5 milhões [1,6 milhões–3,4 milhões]

7 Organização Mundial da Saúde RELATÓRIO MUNDIAL 2010 América do Norte Caribe Ásia Oriental Europa Ocidental e Central Leste Europeu e Ásia Central Oriente Médio e África Setentrional América Central e do Sul África Subsaariana Sul e Sudeste da Ásia Oceania Número estimado de crianças (<15 anos) infectadas pelo HIV em 2009 Total: [ – ]

8 Organização Mundial da Saúde RELATÓRIO MUNDIAL 2010 América do Norte Caribe Ásia Oriental Europa Ocidental e Central Leste Europeu e Ásia Central Oriente Médio e África Setentrional América Central e do Sul África Subsaariana Sul e Sudeste da Ásia Oceania Estimativa de óbitos por aids em crianças (<15 anos) : 2009 Total: [ – ]

9 Organização Mundial da Saúde RELATÓRIO MUNDIAL 2010 Cerca de 97% em países de renda baixa e média Cerca de 1000 são de crianças menores de 15 anos de idade Cerca de 6000 são de adultos com 15 anos de idade ou mais, dos quais: quase 51% são mulheres em torno de 41% são jovens (15-24) Mais de 7000 novas infecções por HIV por dia em 2009

10 Figure 2.2 Mudanças na incidência de infecção pelo HIV, 2001 to 2009 Source: UNAIDS. To assess changes in incidence, the estimated national incidence rate was compared between 2009 and Countries with a change (decrease or increase) in the incidence rate of 25% or more during this period were identified. In most cases, the assessment was based on EPP/Spectrum modelling results (1,2). For selected countries, published analyses of country-level incidence were also used. The EPP/Spectrum criteria for including countries in this analysis were as follows. EPP files were available and trends in EPP were not derived from workbook prevalence estimates; prevalence data were available up to at least 2007; there were at least four time points between 2001 and 2009 for which prevalence data were available for concentrated epidemics and at least three data points in the same period for generalized epidemics; for the majority of epidemic curves for a given country, EPP did not produce an artificial increase in HIV prevalence in recent years due to scarcity of prevalence data points; data were representative of the country; the EPP/Spectrum–derived incidence trend was not in conflict with the trend in case reports of new HIV diagnoses; and the EPP/Spectrum–derived incidence trend was not in conflict with modelled incidence trends derived from age-specific prevalence in national survey results.

11 Número de pessoas recebendo ARV em países de rendas baixa e média por região 2002– > 6 milhões (elegíveis 16 milhões) Souce: WHO/UNAIDS Universal access Report 2010 Mortes relacionadas à AIDS diminuíram: de 2.1 milhões [1.9–2.3 milhões] em 2004 para 1.8 milhões [1.6–2.1 milhões] em 2009

12 Pessoas atualmente elegíveis para tratamento com ARV: melhor estimativa: 16 milhões Lacuna para o tratamento: 10 milhões Acesso Universal: 80% das pessoas elegíveis para acesso aos ARV: 13 milhões (lacuna de mais de 6 milhões) Pessoas em tratamento ARV: 2003: 400, : mais de 6 milhões

13 HSV-2 Terapia Supressiva Tratamento de Infecções Sexualmente Transmitidas(STIs ) Barreiras Cervicais: diafragma Circuncisão Masculina Profilaxia de Exposição MTCT PEP PrEP Imunização: Vacinas Testagem Voluntária e Aconselhamento (VCT) Intervenção Comportamental (ABC) PREVENÇÃO do HIV Microbicidas

14 A longo prazo Vacinas Circumcisão HSV2/STI Dados disponíveis Microbicidas Diafragma PREP Index Partner Rx Informações num futuro proximo Horizonte da Pesquisa em Prevenção

15 15

16 HPTN 052 (HIV Prevention Trials Network) Fase III de Pesquisa clínica com o objetivo de avaliar se os ARV atualmente disponíveis para tratar a infecção pelo HIV seriam eficazes na prevenção da transmissão sexual do HIV e qual seria o momento ideal para o inicio da terapia Estudo financiado e apoiado pelo NIAID/NIH Início adesão até maio 2010

17 HPTN 052 Um total de 1763 casais sorodiscordantes para o HIV participaram do estudo. (97% heterossexuais) 890 homens-873 mulheres CD / mediana 436 Parceiros não infectados tiveram resultados negativos para o HIV duas semanas após entrarem no estudo 13 países: Botswana, Brasil, India, Kenya, Malawi, South Africa, Thailand, EE.UU, Zimbabwe.

18 O Início precoce do tratamento ARV resultou em 96% de redução na transmissão do HIV para parceiros não infectados (P0.0001)- Alta significância estatística

19 Shattock RJ and Moore JP. Nature Reviews Microbiology, vol. 1 Oct/2003 Atividade Anti-HIV Toxicici dade Atividade contra outras DSTs Opções Contraceptivas/não- contraceptivas MICROBICIDAS: POTENCIAL PARA A PREVENÇÃO DO HIV

20 Impacto da Adesão na eficácia do Tenofovir gel 20 # HIVN HIV - incidencia Proteção TFVPlacebo Alta Adesão (>80% ) % Adesão intermediária (50-80% adherence) % Baixa Adesão (<50% gel adherence) %

21 17 milhões de novas infecções evitadas Mesmo uma vacina imperfeita pode ter um impacto grande na epidemia Fonte: Impact Modeling project, IAVI and Futures Institute Infecções pelo HIV em adultos em países de baixa e média renda, por ano e cenário Uma vacina representa a estratégia mais promissora para acabar com a epidemia

22 Criminalização do HIV Fonte: UNAIDS

23

24

25 Combate à discriminação e desenvolvimento – Res. CDH Junho 2011 Gráfico de dispersão dos países votantes, separados em duas categorias (organizados em ordem alfabética ao longo do eixo horizontal), correlacionados ao respectivo IDH. A média aritmética de cada série é destacada. (Fonte: Bluevoador) Contra – Angola, Arábia Saudita, Barein, Bangladesh, Camarões, Djibuti, Federação Russa, Gabão, Gana, Jordânia, Malásia, Maldivas, Mauritânia, Moldova, Nigéria, Paquistão, Qatar, Senegal, Uganda. A favor – Argentina, Bélgica, Brasil, Chile, Cuba, Equador, Eslováquia, Espanha, EUA, França, Guatemala, Hungria, Japão, Maurício, México, Noruega, Polônia, Reino Unido, Coreia do Sul, Suíça, Tailândia, Ucrânia, Uruguai.

26 Declaração Política sobre AIDS 2011 Declaração mais ampla: para além da AIDS. Reforça conexão com os ODMs. AIDS como: questão global emergencial; questão de desenvolvimento; necessidade de resposta excepcional. Destaque regional: África, Caribe, Europa do Leste, Ásia Central, África do Norte, Oriente Médio. Reconhece aumento nos recursos destinados à AIDS – ainda insuficientes.

27 Metas até 2015 Garantia do acesso universal à prevenção, tratamento, atenção e apoio. Eliminação inequidade de gênero Diminuição em 50% a transmissão sexual do HIV Diminuição em 50% a infecção entre UDIs.

28 Metas até 2015 Eliminação da transmissão materno-infantil e novas infecções em crianças. Garantia do tratamento antirretroviral a 15 milhões de pessoas vivendo com HIV nos países mais pobres. Redução em 50% as mortes relacionadas à tuberculose em pessoas vivendo com HIV; Enfase a difusão de informação e tratamento à populações mais expostas ao risco de infectar-se, como homens que fazem sexo com homens, usuários de drogas injetáveis e profissionais do sexo; Adaptação dos programas nacionais em função de seus contextos epidemiológicos;

29 Outras Metas Eliminação a desigualdade, abusos e violências baseados em gênero; Fortalecimento da informação em prevenção ao HIV para mulheres e meninas; Ampliação da distribuição de preservativos femininos e masculinos; Ampliação da aquisição de equipamentos esterilizados para injeção; Intensificação de campanhas nacionais de testagem para o HIV; Serviços públicos de saúde adaptados para pessoas vivendo com HIV; Implementação de novas intervenções biomédicas;


Carregar ppt "AIDS 30 anos: Avanços, Desafios e Perspectivas Pedro Chequer - Coordenador do UNAIDS no Brasil."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google