A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Breve viagem pela história brasileira da Geologia GE 801 – História das Ciências Naturais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Breve viagem pela história brasileira da Geologia GE 801 – História das Ciências Naturais."— Transcrição da apresentação:

1 Breve viagem pela história brasileira da Geologia GE 801 – História das Ciências Naturais

2 Primeiros tempos n Apesar de uma busca obsessiva desde o descobrimento, foram necessários quase 2 séculos para se encontrar jazidas abundantes e de significado econômico em Minas Gerais, que marcaram um dos muitos ciclos econômicos que o país viveu (o ciclo do ouro). n Calcula-se que nos séculos XVII e XVIII o Brasil contribuiu com ~ 50% da produção mundial de ouro e diamantes. n Hoje, incluindo petróleo e gás natural, a produção mineral situa-se entre próximo de 4% do PIB.

3 Primeiros tempos n Primeiras buscas: Martim Afonso de Sousa, n Expedições de investigação ao longo de todo o século XVI, sob a supervisão dos Governadores Gerais ou das Capitanias. Sua Majestade deveria acreditar que as reais minas do Brasil compõem- se de açúcar e pau-brasil, muito lucrativos e pelos quais nem o Tesouro nem S.M. tiveram que gastar um centavo sequer ( carta do Governador Geral Diogo de Meneses Sequeira ao Rei n Resultados infrutíferos: Sua Majestade deveria acreditar que as reais minas do Brasil compõem- se de açúcar e pau-brasil, muito lucrativos e pelos quais nem o Tesouro nem S.M. tiveram que gastar um centavo sequer ( carta do Governador Geral Diogo de Meneses Sequeira ao Rei ).

4 Apogeu da extração n 1699: primeiras descobertas importantes de ouro em MG. n Enorme afluxo populacional das mais variadas regiões do país (~ a habitantes em 1705). n Produção em MG no século XVIII = 715 toneladas. n Outros descobertos: BA (Jacobina e Rio de Contas, 1718); Mato Grosso (Coxipó Mirim, 1718); Goiás (1719). n Auge da produção: 1739 a 1779 n Auge da produção: 1739 a 1779.

5 Decadência da mineração n Declínio acentuado da produção nas últimas décadas do XVIII. n I Revolução Industrial e necessidade de novos materiais (ferro e carvão). n Reformas estruturais do Estado português - reformas pombalinas. u Reforma da Universidade de Coimbra ( ). u Adoção dos ideais da Ilustração; valorização da ciência. u Formação de quadros e explorações científicas u Formação de quadros e explorações científicas.

6 Esforços para animar a economia do Reino n Viagem de estudos/ formação de Manuel Ferreira da Câmara (1764(?) ) e José Bonifácio de Andrada e Silva ( ): Paris, Saxônia, Itália, Europa Central, Suécia e Noruega, de 1790 a n Viagem Filosófica de Alexandre Rodrigues Ferreira ( ): Amazônia e Cento-oeste, de 1783 a 1792 (~ km) n Funções para Câmara e Bonifácio. n Viagens de José Vieira Couto ( ) no Distrito Diamantino e em Minas Gerais.

7 A transferência da Corte em 1808 n Necessidade de criação da infra-estrutura no Brasil (instituições, obras civis e defesa). n Instituições de ensino, científicas e culturais: Academias de Medicina (BA e RJ, 1808); Academia Real Militar (engenharias) (RJ, 1810); Jardim Botânico (RJ, 1808), Biblioteca Real (1808), etc.. n Museu Real (1818). n Iniciativas na metalurgia do ferro.

8 Explorações do território (séc. XIX e XX) n Viajantes (ou funcionários) estrangeiros. n Comissão Científica de Exploração (Comissão do Ceará) ( ). n Comissão Geológica do Brasil ( ), Charles Frederic Hartt ( ).

9 Explorações do território (séculos XIX e XX) n Tudo seria do mais alto interesse nessa exploração; (...) o governo imperial ficaria melhor habilitado para conhecer as urgências do interior e decretar a abertura de novas vias de comunicação(...); e quem sabe se talvez a descoberta de algum produto que em breve se tornasse rival dos mais lucrativos. Basta a descoberta de uma baga ou da folha de um arbusto para enriquecer qualquer estado. (...) Propomos que o IHGB se dirija ao governo imperial, pedindo-lhe para nomear uma comissão de engenheiros e naturalistas nacionais para explorar algumas das províncias menos conhecidas do Brasil. (Manuel Ferreira Lagos, 1856)

10 Explorações do território (séc. XIX e XX) n Escola de Minas de Ouro Preto (1876) n Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo ( ), Orville A. Derby ( ). n Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil ( ), Orville Derby.

11 Serviços Geológicos n "geological surveys" – marca registrada do desenvolvimento institucional das ciências geológicas no mundo durante o século XIX consagração do mapeamento geológico como forma de se fazer pesquisa científica neste campo disciplinar. n Traço comum: acentuado caráter prático, de aplicação; estatais; financiamento público.

12 Serviços Geológicos no Brasil n Comissão Geológica do Brasil (CGB) n Comissão Geográfica e Geológica de S. Paulo (CCG- SP) n Comissão Geográfica e Geológica de Minas Gerais (CCG-MG) n Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil (SGMB) n Contexto brasileiro do final do Império e da Primeira República (~ 1870 a 1930): u economia agro-exportadora (café) F Problemas: mão-de-obra; vias de transporte; terras. u Cientificismo (Positivismo e Evolucionismo)

13 Comissão Geológica do Brasil. Fredericton, New Brunswick (Canadá) a 23/08/1840. Rio de Janeiro, RJ (Brasil) a 18/03/ Museu de Zoologia Comparativa em Cambridge, Massachusetts – Expedição Thayer (1867) "Geology and Physical Geography of Brazil" – 1º professor de Geologia na Universidade de Cornell, NY

14 Comissão Geológica do Brasil

15 Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo n 27 de março de 1886 (proposta do Visconde do Pinhal) n Objetivos: obtenção de informações "exatas e minuciosas" sobre a geografia, relevo, estrutura geológica, vias de comunicação, riquezas minerais e tipos de solo

16 Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo. Ithaca, NY (EUA) a 23/07/1851. Rio de Janeiro, RJ (Brasil) a 27/11/ : Universidade de Cornell (História Natural). Aluno de Geologia e Paleontologia de Charles Frederic Hartt ( ) : Expedições Morgan : Museu Nacional, RJ. 1879: Comissão Hidráulica do Império (S. Francisco )

17 Exploração do Sertão

18

19 Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil n 10 de janeiro de 1907 (Miguel Calmon du Pin e Almeida ) n Objetivos: "estudo científico da estrutura geológica, da mineralogia, meios e recursos minerais do território da República, (...), que possam servir de base à organização de projetos de vias de comunicação e outras obras públicas, especialmente as de prevenção contra os efeitos das secas" n Orville Adelbert Derby

20 Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil n Miguel Calmon du Pin e Almeida: representante da oligarquia do cacau, porta-voz de interesses agrários do Nordeste, sub-representados na Primeira República. n Recuperação da produtividade do semi-árido Tentativa de reequilíbrio político via reequilíbrio econômico.

21 Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil n Secas no Nordeste e irrigação (Derby publica 9 artigos sobre o tema) n Acordo entre o Serviço Geológico e a Inspetoria de Obras Contra as Secas n Recursos minerais = SGMB assessor do governo federal n Siderurgia n 1908 = amplo levantamento das reservas de ferro e manganês de Minas Gerais reservas brasileiras = 1/4 do total das reservas mundiais conhecidas

22 Pesquisa de carvão – Irati-PR (s.d.)


Carregar ppt "Breve viagem pela história brasileira da Geologia GE 801 – História das Ciências Naturais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google