A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Semana de Aniversário do HOJE Espiritualidade e Saúde Mental Intervenção RIME (Relaxamento, Imagens Mentais e Espiritualidade) para ressignificar a dor.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Semana de Aniversário do HOJE Espiritualidade e Saúde Mental Intervenção RIME (Relaxamento, Imagens Mentais e Espiritualidade) para ressignificar a dor."— Transcrição da apresentação:

1 Semana de Aniversário do HOJE Espiritualidade e Saúde Mental Intervenção RIME (Relaxamento, Imagens Mentais e Espiritualidade) para ressignificar a dor espiritual de pacientes terminais Profa. Dra. Ana Catarina Araújo Elias

2 PROJETO PILOTO: CRIANÇAS E ADOLESCENTES (1998) DISSERTAÇÃO DE MESTRADO: ADULTOS ( ) DOUTORADO: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE ( ) RELAXAMENTO, IMAGENS MENTAIS E ESPIRITUALIDADE (RIME)

3 RIME - Relaxamento Mental - Visualização de Imagens Mentais (Imaginação Dirigida) - Espiritualidade

4 CUIDADOS PALIATIVOS PRINCÍPIOS BÁSICOS O.M.S. 1) Oferecer alívio da dor e de outros sintomas que causem sofrimento. 2) Considerar a morte como um processo natural da vida. 3) Não apressar ou adiar a morte. 4) Integrar aspectos psíquicos e espirituais nos cuidados paliativos. 5) Oferecer um sistema de apoio para ajudar o paciente a viver tão ativamente o quanto possível até a morte. 6) Oferecer um sistema de apoio para ajudar a família no enfrentamento da doença do paciente e em seu próprio processo de luto. 7) Manter uma equipe que possa atender as necessidades dos pacientes e seus familiares, incluindo consultas de luto, se necessárias. 8) Ampliar a qualidade de vida de forma a influenciar positivamente a evolução da doença. 9) Aplicar desde o início da doença, em conjunto com as outras terapias que pretendem prolongar a vida como a Quimioterapia e a Radioterapia, e incluir as investigações necessárias para se melhor compreender e trabalhar as complicações clínicas dolorosas.

5 RIME: BASES TEÓRICAS Psicoterapia Dinâmica Breve de Apoio para Serviços Hospitalares e Centros de Saúde Mental Atenuação ou supressão da ansiedade e de outros sintomas clínicos como meio de favorecer um retorno à situação de homeostase anterior a descompensação ou crise. FIORINI, H.J. – Teorias e Técnicas de Psicoterapias. 9. ed. Rio de Janeiro, Francisco Alves Editora, As Psicoterapias Breves Focais e de Apoio baseiam-se na teoria psicanalítica, porém dela se diferenciam em alguns pontos, entre eles, podem ser empregadas por diferentes profissionais da área da saúde e não só por psicólogos ou médicos psicoterapeutas. FIGUEIREDO, J.H.; GIGLIO, J.S.; BOTEGA, N.J. – Tratamentos Psicológicos: Psicoterapia de Apoio, Relaxamento, Meditação. In: BOTEGA, N.J. – Prática Psiquiátrica no Hospital Geral: Interconsulta e Emergência. Porto Alegre, Artmed Editora, p.405–18.

6 A RIME parte deste princípio, mas dele se distingue, por que trabalha o sofrimento diante da morte através da espiritualidade, que é operacionalizada através da transcendência. O contato com a sabedoria interna, com uma área mais transcendental da psique (fonte interna) e o contato mental com Seres de Luz (fonte externa), provocam uma transformação no self e um crescimento pessoal que favorecem a re-significação da Dor Espiritual. BIRNBAUM, L.; BIRNBAUM, A. - In search of inner wisdom: guided mindfulness meditation in the context of suicide. Scientific World Journal 18 (4): , 2004 Jung, C.G. - Obras Completas. Petrópolis, Editora Vozes, 1986, vol XI GREYSON, B. - Dissociation in people who have near-death experiences: out of their bodies or out of their minds? The Lancet 355 (9202): , GREYSON, B. - Near-Death Experiences in a Psychiatric Outpatients Clinic Population. Psychiatric Services 54 (12): , URL:http://ps.psychiatryonline.org http://ps.psychiatryonline.org KÜBLER-ROSS, E. - A Roda da Vida. Rio de Janeiro, Sextante Editora, KÜBLER-ROSS, E. – O Túnel e a Luz. Campinas, Verus Editora, que favorece a referida elaboração do luto. MOODY, JR R. - A Luz do Além. 3. ed. Rio de Janeiro, Editora Nórdica, MOODY, JR R. – Vídeo: Vida após a Morte. São Paulo, NCA Forever, 60, MORSE, M.; PERRY, P. - Transformados pela Luz. Editora Nova Era, Rio de Janeiro, PAPATHANASSOGLOU, E.D.; PATIRAKI, E.I. - Transformations of self: a phenomenological investigation into the lived experience of survivors of critical illness. Nurs Crit Care 8 (1): 13-21, 2003 PARNIA, S.; FENWICK, P. - Near death experiences in cardiac arrest: visions of a dying brain or visions of a new science of consciousness. Resuscitation 52, 5-11, URL: VAN LOMMEL, P.; WEES, R.; MEYERS, V.; ELFFERICH, I. - Near-death experience in survivors of cardiac arrest: a prospective study in the Netherlands. The Lancet 358 (9298), 2039– 2045, VAN LOMMEL, P. - About The Continuity of our Consciousness. In: MACHADO, C.; SHEWMON, D,A. - Brain Death and Disorders of Consciousness. Kluwer Academic/ Plenum Publishers, New York, Boston, Dordrecht, London, Moscow, pp , 2004.

7 RIME: Re-significar a Dor Espiritual DOR SIMBÓLICA DA MORTE DOR PSÍQUICA: medo do sofrimento e humor depressivo (angústias, tristezas e culpas). DOR ESPIRITUAL: - medo da morte; - medo do pós-morte, - idéias e concepções negativas em relação à Espiritualidade e ao sentido da vida; - culpas perante Deus. Elias A.C.A. - Programa de Treinamento sobre a Intervenção Terapêutica Relaxamento, Imagens Mentais e Espiritualidade (RIME) para re–significar a Dor Espiritual de Pacientes Terminais [tese]. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas

8 RELAXAMENTO IMAGENS MENTAIS

9 RELAXAMENTO MENTAL * Sons e movimentos exteriores perdem a sua importância. * Experiências sensoriais e psíquicas interiores assumem um caráter vívido. * Pacientes podem compreender de maneira intuitiva o significado dos sonhos, símbolos e outras manifestações do inconsciente. FERREIRA, M.V.C. – Hipnose na Prática Clínica. São Paulo, Editora Atheneu, 2003.

10 VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MENTAIS Tal como o homem imagina ser, assim será. Ele é aquilo que imagina ser. O homem é uma oficina de trabalho, visível e invisível. A oficina visível é o seu corpo, a invisível é a imaginação. A imaginação é o sol na mente do homem. O espírito é o mestre, a imaginação é o instrumento, e o corpo é o material plástico. O poder da imaginação é um grande fator na medicina. Pode causar doenças... E pode cura-las. Os males do corpo podem ser curados por meio de remédios físicos ou pelo poder do espírito que age através da mente. Paracelso séc. XV

11 VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MENTAIS A Visualização de Imagens Mentais, associada ao Relaxamento Mental, proporciona um melhor contato com o mundo interno e favorece mudanças de atitudes e idéias frente às experiências atuais de sofrimento. ACHTERBERG, J. – A Imaginação na Cura: Xamanismo e Medicina Moderna. São Paulo, Summus Editorial, EPSTEIN, G. - Imagens que Curam. 6. ed. Rio de Janeiro, Xenon Editora, LANG, E.V.; BENOTSCH, E.G.; FICK, L..J; LUTGENDORF, S.; BERBAUM, M.L.; LOGAN, H. et al – Adjunctive non – pharmacological analgesia for invasive medical procedures: a randomised trial. The Lancet, 355 (9214): 1486–90, SIEGEL, B.S. - Viver Bem Apesar de Tudo. São Paulo, Summus Editorial, SIMONTON, O.C.; MATTHEWS - SIMONTON, S.; CREIGHTON, J.L. – Com a Vida de Novo. Uma Abordagem de Auto – Ajuda para Pacientes com Câncer. 6. ed. São Paulo, Summus Editorial, 1987.

12 VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MENTAIS - O mecanismo psicológico mediador entre a energia e a ação é o símbolo. JUNG, C.G. -Obras Completas. Petrópolis, Editora Vozes, vol. VIII. - Símbolo é um termo, um nome ou mesmo uma imagem que nos pode ser familiar na vida diária, embora possua conotações especiais além do seu significado convencional. Implica em alguma coisa vaga, desconhecida ou oculta para nós... Quando a mente explora um símbolo, é conduzida a idéias que estão fora do alcance da razão. JUNG, C. G. – Chegando ao Inconsciente. In: JUNG, C. G. - O Homem e seus Símbolos. 12. ed. Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, p.18–103.

13 ESPIRITUALIDADE

14 Carl Gustav Jung, médico psiquiatra suíço, fundador da Psicologia Analítica, falecido em ESPIRITUALIDADE: relação transcendental da alma com a divindade e na mudança que daí resulta. RELIGIÃO: São formas codificadas e dogmatizadas de experiências religiosas originárias. JUNG, C.G. - Obras Completas. Petrópolis, Editora Vozes, 1986a. vol. XI.

15 Celso Charuri, médico, cirurgião, psicanalista e filósofo brasileiro, falecido na década de Espiritualidade = Amor Maior = Luz Sentimento absoluto para o qual não há doses, é um estado de plenitude que se manifesta independente das circunstâncias. CHARURI, C. – Como Vai a Sua Mente?. 3. ed. São Paulo, PC Editorial, 2001.

16 EXPERIÊNCIAS DE QUASE MORTE

17 EXPERIÊNCIAS DE QUASE MORTE (E.Q.M.) Expressão que classifica o grupo de pessoas que estiveram em coma profundo ou foram dadas como clinicamente mortas por seus médicos e relataram experiências espirituais, após voltarem a viver normalmente. GREYSON, B. – Near-Death Experiences in a Psychiatric Outpatients Clinic Population. Psychiatric Services, 54(12): , Available from: URL: GREYSON, B. – Dissociation in people who have near-death experiences: out of their bodies or out of their minds? The Lancet, 355 (9202): , KÜBLER-ROSS, E. – O Túnel e a Luz. Campinas, Verus Editora, KÜBLER-ROSS, E. - A Roda da Vida. Rio de Janeiro, Sextante Editora, MOODY, JR R. - A Luz do Além. 3. ed. Rio de Janeiro, Editora Nórdica, MOODY, JR R. – Vídeo: Vida após a Morte. São Paulo, NCA Forever, 60, MORSE, M.; PERRY, P. – Transformados pela Luz. Rio de Janeiro, Editora Nova Era, PARNIA, S.; FENWICK, P. – Near death experiences in cardiac arrest: visions of a dying brain or visions of a new science of consciousness. Resuscitation, 52: 5-11, VAN LOMMEL P, WEES R, MEYERS V, ELFFERICH I. - Near-death experience in survivors of cardiac arrest: a prospective study in the Netherlands. The Lancet, 358 (9298):2039–45, VAN LOMMEL P. About The Continuity of our Consciousness. In: MACHADO, C. e SHEWMON, D.A. Brain Death and Disorders of Consciousness. New York, Boston, Dordrecht, London, Moscow: Kluwer Academic/ Plenum Publishers; p

18 PRINCIPAIS ELEMENTOS DAS EXPERIÊNCIAS DE QUASE MORTE

19 PAZ E AUSÊNCIA DE DOR

20 SENSAÇÃO DE FLUTUAREM PARA FORA DO CORPO.

21 Capacidade de deslocarem–se na velocidade do pensamento, para o local que desejassem.

22 Capacidade de ouvir o que os médicos e os familiares estavam falando de uma perspectiva que não teriam, se estivessem em seus corpos, deitados.

23 Visualização de um túnel ou caminho luminoso dourado e/ou azul e/ou prateado, ou visualização de bonitas pontes ou portas ornamentadas e belas, por onde atravessaram para uma outra dimensão, para o mundo espiritual.

24 Seres de Luz que irradiam amor incondicional, amparo, conforto, proteção.

25 Lugares muito bonitos, como jardins floridos, bosques, lagos e sempre envolvidos por uma luz muito brilhante.

26 Recapitulação da própria vida não como julgamento, mas sim como forma de compreensão do que cada um verdadeiramente é, e compreensão do verdadeiro sentido da vida, que é o aprendizado do amor incondicional e a aquisição de conhecimento, principalmente auto–conhecimento.

27 NASCIMENTO E MORTE são POLARIDADES de uma mesma REALIDADE, a de VIVER. MORTE é APENAS a TRANSIÇÃO da VIDA para OUTRA EXISTÊNCIA KÜBLER-ROSS, E. – O Túnel e a Luz. Campinas, Verus Editora, KÜBLER-ROSS, E. - A Roda da Vida. Rio de Janeiro, Sextante Editora, 1998

28 RIME:Passo a Passo

29 ETAPAS 1) IDENTIFICAÇÃO da DOR ESPIRITUAL: * Medo da morte. * Medo do pós-morte. * Idéias e concepções negativas em relação à Espiritualidade e ao sentido da vida. * Culpas perante Deus. 2) APLICAÇÃO DA RIME. 3) OBSERVAÇÃO do PROCESSO de RE- SIGNIFICAÇÃO da DOR ESPIRITUAL.

30 * Identificação da DOR ESPIRITUAL: ouvir o doente. * Condensação dos elementos identificados da Dor Espiritual em um PADRÃO de IMAGENS. * Apresentação de ÁLBUM de IMAGENS. * Indução do RELAXAMENTO MENTAL. * Orientação para VISUALIZAÇÃO dos elementos simbólicos.

31 - Cenário de base. - Símbolos de Transformação. - Seres de Luz. - Túnel ou Caminho Luminoso Dourado e I ou Azul. -Lembranças de vivências felizes anteriores. - Imagens Simbólicas diversas. - Afirmações para o paciente integrar-se com a beleza do Universo, da Natureza; para paciente observar sua própria beleza interior, suas qualidades. -Afirmações sobre aspectos do pós-morte. -Filmes e Histórias.

32 RESULTADOS RESULTADOS EXPERIÊNCIA DO PROFISSIONAL EXPERIÊNCIA DO PACIENTE

33 ANÁLISE dos RESULTADOS QUALITATIVOS Análise de Conteúdo através da Técnica Análise Temática. MINAYO, M.C.S. – O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 7 ed. Rio de Janeiro, Editora Hucitec-Abrasco, Análise Temática - Operações de desmembramento do texto em unidades. - Agrupamento analógico destas unidades em categorias.

34 ANÁLISE dos RESULTADOS QUANTITATIVOS Escala Visual Analógica (EVA) de Bem-Estar modelo Expressões Faciais Coloridas. CORES IDENTIFICADAS: 1a Face: Azul (nenhum sofrimento). Escore 10 2a Face: Azul Esverdeado (sofrimento leve). Escore 08 3a Face: Verde (sofrimento moderado). Escore 06 4a. Face: Amarela (sofrimento incômodo). Escore 04 5a. Face: Laranja (sofrimento intenso). Escore 02 6a. Face: Vermelho (sofrimento insuportável). Escore 00

35 RESULTADOS QUALITATIVOS COMPREENSÃO DA EXPERIÊNCIA DO PROFISSIONAL NA UTILIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO RIME. 05 Categorias 15 Sub-categorias

36 1) A INTERVENÇÃO RIME FACILITA O MANEJO DO VÍNCULO TERAPÊUTICO (n=6). 2) - A INTERVENÇÃO RIME DESPERTA, COM FREQÜÊNCIA, SENTIMENTOS, PERCEPÇÕES E EMOÇÕES QUE SUGEREM MATURIDADE PSICOESPIRITUAL NO PROFISSIONAL DE SAÚDE QUE A APLICA. (n=6).

37 3) – OS PROFISSIONAIS QUE APLICARAM A RIME MANIFESTARAM SENTIMENTOS E VIVÊNCIAS DE NATUREZA ESPIRITUAL / TRANSCENDENTAL QUE REFLETIRAM AMOR E PAZ E, ALGUMAS VEZES SONHOS INTUITIVOS. (n=6). 4) - A APLICAÇÃO DA INTERVENÇÃO RIME, ALGUMAS VEZES, DESPERTA SENSAÇÕES, EMOÇÕES E SENTIMENTOS NEGATIVOS, NO PROFISSIONAL DE SAÚDE. (n=4).

38 5) A INTERVENÇÃO RIME É UMA PROPOSTA CONCRETA, CLARA, VIÁVEL E QUE APRESENTA RESULTADOS POSITIVOS EM CUIDADOS PALIATIVOS. (n=6)

39 RESULTADOS QUALITATIVOS COMPREENSÃO DA EXPERIÊNCIA DO PACIENTE NA UTILIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO RIME. 06 Categorias 11 Sub-categorias

40 PACIENTES - Faixa etária entre 27 e 76 anos. - Profissões que requeriam desde nível mínimo de educação até graduação superior. - Professavam diferentes crenças religiosas como a católica, a espírita e modalidades diversas da evangélica.

41 RESULTADOS QUALITATIVOS DOR ESPIRITUAL 06 CATEGORIAS 11 SUBCATEGORIAS

42 1 o ) Medo da morte por negação da gravidade do quadro clínico. n=05 - Dificuldade em aceitar o diagnóstico e os cuidados clínicos. - Apego ao mundo concreto e material.

43 Paciente P.M. (masculino, 76, câncer de próstata com metástase e compressão medular, católico, técnico metalúrgico, casado, filhos: 3 homens e 3 mulheres com idade entre 38 e 50 anos). Histórico Clínico / aspectos relevantes: Paciente impossibilitado de caminhar, fato que representou para ele um grande problema emocional. Comunicou sentir dores intensas, generalizadas e difusas. Manifestava-se sempre de forma dramática e controladora.

44 Sessões Tempo de duração EVAinício EVAfinal 1 hospitalar 40 vermelha (0) amarela(4) 2 hospitalar 45 vermelha (0) amarela(4) 3 hospitalar 45 vermelha (0) azulesve(8) 4 domiciliar 60 vermelha (0) amarela(4) 5 domiciliar 60 vermelha (0) vermelha(0) 6 domiciliar 50 não foi possível aplicar 1a Face: Azul (nenhum sofrimento). Escore 10 2a Face: Azul Esverdeado (sofrimento leve). Escore 08 3a Face: Verde (sofrimento moderado). Escore 06 4a. Face: Amarela (sofrimento incômodo). Escore 04 5a. Face: Laranja (sofrimento intenso). Escore 02 6a. Face: Vermelho (sofrimento insuportável). Escore 00

45

46 Medo da morte por negação da gravidade do quadro clínico. Apego ao mundo concreto e material. Dor Espiritual: Resistência em aceitar o estado terminal, representada pela crença de que voltaria a caminhar e a negação de que este quadro era irreversível. Re-Significação da Dor Espiritual: Nas primeiras intervenções o paciente relatou melhora de bem-estar após a aplicação da RIME. Na penúltima sessão o paciente disse não ter encontrado alívio, apesar de ter relaxado durante a sessão (observado estado REM), de ter dormido tranqüilamente após a RIME e também durante a noite. Perante a sua postura dramática durante as sessões, esperava-se que este paciente fosse a óbito com muito choro e ranger de dentes, o que não ocorreu, ele morreu de forma silenciosa e escreveu em versos, na véspera do óbito, que aceitava morrer.

47 Em seguida a última aplicação da Intervenção RIME, às véspera de sua morte, sentou-se, observou o vácuo e escreveu: A caminho do descanso eterno, registrei para os que ficam o que se segue: estamos unidos por toda a eternidade. O destino é assim....

48 2 o ) Medo da morte por percepção da gravidade do quadro clínico. n=05 - Preocupação importante com o sofrimento físico. - Expressões não verbais de tensão, medo e pavor. - Exacerbação dos sintomas clínicos.

49 Paciente M.L.C.I. (feminino, 57, câncer de mama, católica, do lar, casada, 02 filhos: 01 homem e 01 mulher, ambos casados). Histórico Clínico / aspectos relevantes: Paciente portadora de câncer de mama; foram realizados todos os tratamentos incluindo a quimioterapia e excluindo a radioterapia. Nesta internação estava com derrame pleural e linfangite. Devido ao quadro pulmonar apresentava-se com muita dispnéia e, em conseqüência, com desconforto no leito. A Paciente não tinha sido considerada Fora de Possibilidades de Cura pela equipe médica, mas a Enfermeira observou, após dez dias de internação da paciente, pouco melhora em seu quadro clínico e sofrimento espiritual progressivo importante, por esta razão decidiu, com consentimento dos familiares, aplicar a Intervenção RIME. Realizou uma sessão na tarde do dia 05/12 e a paciente foi a óbito na madrugada do dia 06/12.

50 Sessões Tempo duração EVA início EVA final 1 Hospitalar 2h30 vermelho (0) azul (10) 1a Face: Azul (nenhum sofrimento). Escore 10 2a Face: Azul Esverdeado (sofrimento leve). Escore 08 3a Face: Verde (sofrimento moderado). Escore 06 4a. Face: Amarela (sofrimento incômodo). Escore 04 5a. Face: Laranja (sofrimento intenso). Escore 02 6a. Face: Vermelho (sofrimento insuportável). Escore 00

51

52 Medo da morte por percepção da gravidade do quadro clínico. Expressões não verbais de tensão, medo e pavor. Dor Espiritual: Semblante assustado, o que preocupava muito os familiares. Re-Significação da Dor Espiritual: A paciente estava com muito desconforto respiratório e os familiares perguntaram aos médicos se não havia mais nada que pudesse aliviá-la; a equipe médica respondeu que já estava sendo feito tudo o que era possível. Na tarde deste mesmo dia foi aplicada a RIME e a nora da paciente disse que havia sim, mais alguma coisa para fazer e essa mais alguma coisa era esta Intervenção, pois a paciente melhorou da dispnéia e suavizou seu semblante em expressão de serenidade.

53 3 o ) Medo do pós-morte por vivências ou sonhos espirituais negativos. n=02 - Visualização de imagens apavorantes ou muito assustadoras.

54 Paciente M.S.S. (feminino, 27, câncer de colo uterino com invasão de vértebras e bexiga, evangélica quadrangular, auxiliar de limpeza, amigada há 11 anos, 7 filhos: meninos com 11 anos; 8 anos; 7 anos; 6 anos; 4 anos; 1 ano e 6 meses e menina 10 anos). Sessões Tempo de duração EVA início EVA final 1 hospitalar 45 amarela (4) verde (6) 2 hospitalar 45 laranja (2) verde (6) 3 hospitalar 60 vermelha (0) verde (6) 4 domiciliar 90 laranja (2) azul(10) 5 domiciliar 2h vermelha (0) dormiu 6 hospitalar 40 não foi possível aplicar 7 hospitalar 90 não foi possível aplicar 8 hospitalar 2h não foi possível aplicar 1a Face: Azul (nenhum sofrimento). Escore 10 2a Face: Azul Esverdeado (sofrimento leve). Escore 08 3a Face: Verde (sofrimento moderado). Escore 06 4a. Face: Amarela (sofrimento incômodo). Escore 04 5a. Face: Laranja (sofrimento intenso). Escore 02 6a. Face: Vermelho (sofrimento insuportável). Escore 00

55 Histórico Clínico / aspectos relevantes: Câncer de colo interino (descobriu durante a gravidez, foi proposto aborto e ela não aceitou a proposta). Foi feito cesárea acompanhada de histerectomia total abdominal, quimioterapia e radioterapia, porém evoluiu para invasão de bexiga e vértebras. Ela sentia muitas dores e não conseguia evacuar. Estava acamada há três meses e não conseguia nem se virar sozinha. Apresentou histórico de abandono afetivo importante. Nos últimos atendimentos mesmo sedada, estava responsiva e embora sonolenta, mantinha contato visual e aumentava a pressão na mão da Psicóloga diante de alguma pergunta. Tentava abrir os olhos. No dia anterior ao óbito solicitou a presença da mãe, que tinha muita dificuldade de ir ao hospital. Através dos atendimentos pela RIME a mãe conseguiu trabalhar suas dificuldades e estava ao lado da paciente no momento da passagem.

56

57 Medo do pós-morte por vivências ou sonhos espirituais negativos. Visualização de imagens apavorantes ou muito assustadoras. Dor Espiritual: Manifestado pela visualização de imagens negativas e assustadoras as quais tinha antes da aplicação da Intervenção RIME. Ela via cobras na parede, dizia que pessoas queriam matá-la, muitas coisas ruins. Re-Significação da Dor Espiritual: Após o início da aplicação da RIME a paciente começou a ver uma pessoa muito iluminada do lado dela à noite, uma presença de uma Luz muito forte e também crianças; segundo ela, a sensação era muito boa. Antes da psicóloga começar a sessão, ela começava a ver crianças, ela dizia que tinha uma senhora sempre perto desta psicóloga.

58 4 o ) Medo do pós-morte pelo sentimento de desintegração, de inexistir, de ser afetivamente esquecido. n=05 Estado de alerta exacerbado. Angústia de separação. Dúvidas sobre o Amor Divino.

59 Paciente M.A.S. (feminino, 63, patologia metástase hepática (tumor primário oculto), evangélica, auxiliar de serviços da Secretaria da Fazenda, viúva, 1filho adotivo e 1 neta adolescente). Histórico Clínico / aspectos relevantes: Paciente portadora de metástase hepática, com 02 anos de evolução e um tumor primário nunca identificado. Iniciou acompanhamento na assistência domiciliar em agosto de 2004 por ter uma ascite volumosa, morar distante e necessitar de paracenteses freqüentes. No início do tratamento tinha ótima performance física, saía sozinha, ia a Bauru, etc. Saiu pela última vez para votar em outubro. Sentiu-se fraca e voltou de táxi para casa. A partir daí apresentou perda de performance, apetite, peso. Foi internada em novembro após hemorragia digestiva alta, com sangramento intenso. Após a internação não conseguiu mais andar e morreu em janeiro de 2005, às 3h da madrugada.

60 Sessões Tempo duração EVA início EVA final 1 Domiciliar 40 verde (6) azulesverd (8) 2 Hospitalar 60 laranja (2) azulesverd (8) 1a Face: Azul (nenhum sofrimento). Escore 10 2a Face: Azul Esverdeado (sofrimento leve). Escore 08 3a Face: Verde (sofrimento moderado). Escore 06 4a. Face: Amarela (sofrimento incômodo). Escore 04 5a. Face: Laranja (sofrimento intenso). Escore 02 6a. Face: Vermelho (sofrimento insuportável). Escore 00

61

62 Medo do pós-morte pelo sentimento de desintegração, de inexistir, de ser afetivamente esquecido. Estado de alerta exacerbado. Dor Espiritual: Medo de fechar os olhos e dormir, como extensão ou amplificação da carência afetiva em que parecia viver. Re-Significação da Dor Espiritual: Na 1 a sessão, M.A.S. modificou muito a sua expressão e emitia sons, como pequenos gemidos ou como cantarolasse para si própria. Ao término da sessão sentiu-se encantada com o que vivenciou na visualização; deixou claro que havia entendido como era a experiência espiritual e que depois da morte restaria vida.

63 5 o ) Idéias e concepções negativas em relação ao sentido da vida pela ausência deste sentido e sentimento de vazio existencial. n=04 Experiências anteriores negativas, de ordem afetiva ou produtiva.

64 Paciente M.S.S. (feminino, 27, câncer de colo uterino com invasão de vértebras e bexiga, evangélica quadrangular, auxiliar de limpeza, amigada há 11 anos, 7 filhos: meninos com 11 anos; 8 anos; 7 anos; 6 anos; 4 anos; 1 ano e 6 meses e menina 10 anos). Sessões Tempo de duração EVA início EVA final 1 hospitalar 45 amarela (4) verde (6) 2 hospitalar 45 laranja (2) verde (6) 3 hospitalar 60 vermelha (0) verde (6) 4 domiciliar 90 laranja (2) azul(10) 5 domiciliar 2h vermelha (0) dormiu 6 hospitalar 40 não foi possível aplicar 7 hospitalar 90 não foi possível aplicar 8 hospitalar 2h não foi possível aplicar 1a Face: Azul (nenhum sofrimento). Escore 10 2a Face: Azul Esverdeado (sofrimento leve). Escore 08 3a Face: Verde (sofrimento moderado). Escore 06 4a. Face: Amarela (sofrimento incômodo). Escore 04 5a. Face: Laranja (sofrimento intenso). Escore 02 6a. Face: Vermelho (sofrimento insuportável). Escore 00

65

66 Idéias e concepções negativas em relação ao sentido da vida pela ausência deste sentido e sentimento de vazio existencial. Experiências anteriores negativas, de ordem afetiva ou produtiva. Dor Espiritual: Pessimismo pela vivência de abandono e solidão que experimentava. Re-Significação da Dor Espiritual: Após as sessões de RIME, a paciente sempre verbalizava que se sentia mais tranqüila. Sua face ficava sempre mais suave e, algumas vezes, referiu melhora da dor física. Morreu amparada pela mãe, que através da RIME, perdeu o medo de ficar no hospital.

67 6 o ) Idéias e concepções negativas em relação à espiritualidade por experiências de abandono afetivo projetado na espiritualidade. n=02 Dificuldade de transcendência e de confiar nos Seres Espirituais.

68 Paciente: E.O.G. (feminino, 74, carcinoma, católica, do lar, filhos: 1 homem e 1 mulher). Histórico Clínico / aspectos relevantes: Desenvolveu um tumor que estava fazendo obstrução no estômago e não se podia fazer nada em relação a este tumor, a cirurgia não era mais viável e ela não podia comer. Ela era uma paciente fortinha que deve ter canalizado a ansiedade para a comida. No início das aplicações da RIME mantinha um vínculo de tensão com a questão da alimentação, visualizando restaurantes perto do lago onde pescava, visualizando fritar o peixe pescado, etc.

69 Sessões Tempo de duração EVAinício EVAfinal 1 hospitalar 65 amarela (4) azulesverd (8) 2 hospitalar 35 laranja (2) azulesverd (8) 3 hospitalar 30 não foi apresentada 4 hospitalar 40 laranja (2) azul (10) 5 hospitalar 30 não foi apresentada 1a Face: Azul (nenhum sofrimento). Escore 10 2a Face: Azul Esverdeado (sofrimento leve). Escore 08 3a Face: Verde (sofrimento moderado). Escore 06 4a. Face: Amarela (sofrimento incômodo). Escore 04 5a. Face: Laranja (sofrimento intenso). Escore 02 6a. Face: Vermelho (sofrimento insuportável). Escore 00

70

71 Idéias e concepções negativas em relação à espiritualidade por experiências de abandono afetivo projetado nos Seres Espirituais. Dificuldade de transcendência e de confiar na espiritualidade. Dor Espiritual: Apetite voraz, apesar da impossibilidade de se alimentar. Re-Significação da Dor Espiritual: Entendimento da impossibilidade de se alimentar fisicamente, após ter se conectado, através da visualização com o túnel de Luz, simbolicamente como um alimento espiritual.

72 DOR ESPIRITUAL RESULTADOS QUANTITATIVOS DOR ESPIRITUAL A compara ç ão da diferen ç a dos escores no in í cio e no final de cada sessão foi feita, a partir das medianas, utilizando-se o Teste de Wilcoxon, pois os dados foram considerados não param é tricos. Observamos diferen ç a estatisticamente significativa (p<0,0001), isto é, no final das sessões de RIME os doentes relataram maior n í vel de Bem Estar do que no in í cio da sessão.

73

74 DOR ESPIRITUAL RESULTADOS QUANTITATIVOS DOR ESPIRITUAL Gráfico Blox Plot. Escores de Bem Estar relatados pelos doentes utilizando a Escala Visual Analógica (E.V.A.) de Bem Estar, antes e no final das sessões de RIME. PERCENTIL: Início: 25% 2 6 Final: 75% 6 10 MEDIANAS: Início: 5 Final: 10

75 DISCUSSÃO

76 Observamos a viabilidade do uso da RIME por todas as categorias de profissionais. É mais indicado aos psicólogos a aplicação da RIME em pacientes que vivenciam processos mais longos de morrer. Enfermeiros, médicos e terapeutas alternativos encaixam-se melhor nos atendimentos através da RIME em doentes que estão mais próximos da morte, ou mesmo na sua iminência.

77 DISCUSSÃO Observamos que a RIME, beneficiou não só os pacientes, mas também os profissionais que a aplicaram, no que se refere à maturidade psico-espiritual. Observamos que não só os pacientes terminais, mas também os profissionais que aplicaram a RIME, vivenciaram elementos referentes a uma Experiência de Quase Morte, o que integrou suas personalidades de forma saudável e construtiva.

78 DISCUSSÃO Aplicação da RIME: aproximação da essência ou alma do profissional com a essência ou alma do paciente, ou em termos psicanalíticos, uma aproximação inconsciente entre terapeuta e doente. Por esta razão consideramos que a RIME não é uma Intervenção fácil de ser aplicada, pois ela, ao unir terapeuta e doente em um único sentimento, requer disponibilidade interna e entrega por parte do terapeuta.

79 DISCUSSÃO A aplicação da Intervenção RIME requer coragem por parte do profissional para enfrentar as resistências, próprias de períodos de mudanças de paradigmas. A RIME, através de seus procedimentos, situa o paciente em uma perspectiva biopsicossocial e espiritual e requer do profissional, não só o adequado manejo tecnológico concebido pelo modelo mecanicista, mas também comprometimento psico-espiritual, o que implica em capacidade para o cuidar.

80 DISCUSSÃO ASPECTO PREVALENTE DA DOR ESPIRITUAL MEDO DA MORTE 09 pacientes (n=11) ENTENDER AS REPRESENTAÇÕES DA DOR ESPIRITUAL -Não gerar estresse profissional desnecessário. -Atendimento satisfatório às necessidades do doente.

81 DISCUSSÃO SEGUNDO ASPECTO PREVALENTE DA DOR ESPIRITUAL MEDO DO PÓS- MORTE 07 pacientes (n=11) incluindo os dois que não apresentaram o medo da morte. Requer uma atenção especial do profissional de saúde frente à nova categoria diagnóstica intitulada problema religioso ou espiritual, que foi incluída na quarta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico das Desordens Mentais (DSM-IV). Turner RP, Lukoff D, Barnhouse RT, Lu FG. Religious or spiritual problem. A culturally sensitive diagnostic category in the DSM-IV. J Nerv Ment Dis July; 183(7):

82 DISCUSSÃO Em um estudo com doze sobreviventes de câncer hematológico, a Dor Espiritual foi estudada através de entrevistas semi-estruturadas e foi entendida como uma ameaça à vida do doente pela ruptura com o cotidiano normal, com os relacionamentos previstos, com a satisfação com a vida e com a perda de identidade, frente a um tratamento invasivo e agressivo; quando a desconexão é aguda e dolorosa (um fenômeno subjetivo dependendo do indivíduo), esta é experimentada, então, como 'Dor Espiritual', criando um vácuo que desafia a habilidade do indivíduo em manter um significado para sua existência. Mc Grath P. Creating a language for spiritual pain through research: a beginning. Support Care Cancer 2002; 10(8):637–46.

83 Observou-se que tanto neste estudo com pacientes que sobreviveram a uma doença grave, como na nossa pesquisa com pacientes terminais, o processo para aceitação da nova situação gerada pela doença, ocasiona sofrimento existencial, e requer atenção e cuidados importantes por parte dos profissionais de saúde.

84 DISCUSSÃO No que se refere às idéias e concepções negativas em relação ao sentido da vida, pela ausência deste sentido e sentimentos de vazio existencial, e em relação à espiritualidade por experiências de abandono afetivo projetadas nos Seres Espirituais, observou-se que os procedimentos da RIME favoreceram com que os pacientes resgatassem aspectos positivos da história de suas vidas e finalizassem tarefas inacabadas; fossem estas tarefas de ordem intrapsíquica, ou da esfera das relações interpessoais.

85 DISCUSSÃO Observou-se também que a re-significação da Dor Espiritual acontece de maneira processual e, embora não exista uma regra sobre o intervalo que deve ser dado entre as sessões, alguns pacientes referiram piora de bem-estar neste intervalo, e por esta razão recomenda-se que eles sejam breves, dentro das possibilidades de atendimento ao doente. Um dos psicólogos, por exemplo, aplicou duas sessões da RIME em um mesmo dia na paciente M.S.S., o que se mostrou producente.

86 DISCUSSÃO Na análise qualitativa observou-se que os procedimentos da RIME favoreceram a re-significação da Dor Espiritual de forma personalizada, de acordo com a manifestação específica de cada doente.

87 DISCUSSÃO Em relação à idade, religião e profissão, em doentes de ambos os sexos portadores de algum tipo de câncer, os dados sócio- demográficos indicaram que a Intervenção RIME apresentou bons resultados para minimizar o sofrimento no processo de morrer de uma população diversificada.

88 CONCLUSÃO

89 E.A.R., 11 anos, sexo masculino Leucemia Mielóide Aguda M3 Criança: 01 atendimento hospitalar Família: 04 atendimentos no pré-óbito 07 atendimentos no pós-óbito Relaxamento Mental: Música instrumental para crianças: Boas Noites. Imagens Mentais: Visualização de um parque com brinquedos e meninos jogando bola

90 RELATO DE CASO D.Z.M., 75 anos, viúva, um filho adotivo falecido, portadora de carcinoma de ovário, estágio IV e oclusão intestinal. Paciente: 2 atendimentos hospitalares. Sobrinha: 1 atendimento ambulatorial. Na última sessão, duas horas antes de seu óbito, D. afirmou para a psicóloga e para sua sobrinha que a acompanhava, que uma parte sua já estava no local proposto na visualização, mas uma outra parte relutava em se desligar. A psicóloga mostrou–lhe que não precisava ter medo e pontuou para D. imaginar–se amparada pelos Seres de Luz descritos pelos pacientes que vivenciaram uma E.Q.M.. D. fechou os olhos e falou que iria se entregar para eles. As Enfermeiras que acompanharam o óbito da paciente pontuaram que D. desligou–se desta vida de forma muito serena, tranqüila, consciente que estava morrendo e sem demonstrar medo ou angústia frente à morte.

91 Conheça todas as Teorias, domine todas as Técnicas, mas quando tocares uma Alma Humana, seja apenas outra Alma Humana. CARL GUSTAV JUNG Existe um Amor Maior. Existe uma Bondade Maior. Existe um Poder Maior. A nossa Mente está ligada com o Universo. Nós não somos uma parte isolada do Universo. Nós estamos juntos com todas as partes. Nós fazemos parte da mesma respiração – a Grande Respiração. A nossa pequena respiração pulmonar é apenas ilusória. O nosso movimento é apenas ilusório. O nosso real movimento é mental, espiritual. É até onde nós conseguimos ver do todo que nos cerca e do qual fazemos parte. CELSO CHARURI


Carregar ppt "Semana de Aniversário do HOJE Espiritualidade e Saúde Mental Intervenção RIME (Relaxamento, Imagens Mentais e Espiritualidade) para ressignificar a dor."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google