A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Força e potência de usinagem Razões para se conhecer o comportamento das forças de usinagem: Para se estimar a potência.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Força e potência de usinagem Razões para se conhecer o comportamento das forças de usinagem: Para se estimar a potência."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Força e potência de usinagem Razões para se conhecer o comportamento das forças de usinagem: Para se estimar a potência requerida no corte Projetos de máquinas e seus componentes Ela tem influência direta no desenvolvimento dos desgastes das ferramentas São usadas como parâmetro para controle adaptativo

2 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC FORÇA DE USINAGEM NO CORTE ORTOGONAL F u + F u = 0

3 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC CÍRCULO DE MERCHANT F u = F c + F f

4 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Componentes das forças de usinagem em função de F c e F f F T = F c sen + F f cos F N = F c cos - F f sen F Z = F c cos - F f sen F NZ = F c sen + F f cos

5 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC FORÇA DE USINAGEM NO CORTE TRIDIMENSIONAL TORNEAMENTO FRESAMENTO

6 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC A força de usinagem é dependente de dois fatores principais: Área de contato cavaco-ferramenta Resistência ao cisalhamento do material da peça, no plano de cisalhamento primário e secundário Assim a influência de qualquer parâmetro de usinagem na força F u pode ser analisada com base nos seus efeitos sobre estes dois fatores.

7 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Influência da velocidade de corte na força de usinagem

8 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Influencia da seção de corte e da resistência do material da peça

9 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Influencia da geometria da ferramenta de corte

10 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Força de usinagem segundo Kienzle

11 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

12 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

13 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

14 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

15 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

16 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

17 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

18 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

19 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

20 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

21 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

22 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

23 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

24 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

25 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

26 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC

27 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Medição da força de corte Dinamômetros empregados na medição de força na usinagem: Empregando extensiometria; Empregando cerâmicas piezoelétricas. Os dinamômetros devem ter: alta sensibilidade; alta rigidez; alta resposta em frequência; alta linearidade; baixo drift. Influenciados mais pela características dos elementos do sistema elétricos do que pelo sistema mecânico.

28 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Sistemas empregando extensiometria Baseado na variação de resistência elétrica dos extensômetros quando estes são deformados.

29 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Algumas configurações

30 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Sistemas empregando cristais piezoelétricos Efeito piezoelétrico - para algumas cerâmicas, uma polarização de cargas ocorre quando elas são submetidas à esforços mecânicos, dependendo da orientação dos cristais.

31 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Plataforma piezoelétrica da Kienzle

32 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Modelos de cálculo de forças de corte segundo Altintas

33 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC A força em cada elemento da ferramenta pode ser calculada, por exemplo, pelas relações:

34 Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC


Carregar ppt "Prof. Dr.-Ing. Joel MartinsUDESC Força e potência de usinagem Razões para se conhecer o comportamento das forças de usinagem: Para se estimar a potência."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google