A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda A EUROPA NO SÉCULO XIX.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda A EUROPA NO SÉCULO XIX."— Transcrição da apresentação:

1 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda A EUROPA NO SÉCULO XIX

2 Adriano Valenga Arruda COMUNA DE PARIS A Comuna de Paris foi o primeiro governo operário da história, fundado em 1871 na capital francesa por ocasião da resistência popular ante à invasão alemã. A Comuna de Paris DECRETA: O alistamento obrigatório é abolido; a guarda nacional é a única força militar permitida em Paris; todos os cidadãos válidos fazem parte da guarda nacional.

3 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda –Cadáveres de communards –O poder comunal manteve-se durante cerca de 40 dias. Mais de communards foram executados. O governo durou oficialmente de 26 de março a 28 de maio.

4 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda

5 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Em semanas, a recém nomeada Comuna de Paris introduziu mais reformas do que todos os governos nos dois séculos anteriores combinados: O trabalho noturno foi abolido; Residências vazias foram desapropriadas e ocupadas; Todas os descontos em salário foram abolidos; A jornada de trabalho foi reduzida, e chegou-se a propor a jornada de oito horas; Os sindicatos foram legalizados; Instituiu-se a igualdade entre os sexos; Testamentos, adoções e a contratação de advogados se tornaram gratuitos;

6 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda O casamento se tornou gratuito e simplificado; A pena de morte foi abolida; O cargo de juiz se tornou eletivo; O Estado e a Igreja foram separados; A educação se tornou gratuita, secular, e compulsória. Escolas noturnas foram criadas e todas as escolas passaram a ser de sexo misto; O serviço militar obrigatório e o exército regular foram abolidos; O salário dos professores foi duplicado.

7 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda UNIFICAÇÃO ITALIANA

8 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda UNIFICAÇÃO ITALIANA A Itália no final do séc. XIX ainda não era nação soberana, era dividida em Reinos - Feudos. Eram eles: Piemonte-Sardenha, Lombardia, Trentino, Venecia, Ístria, Sicilia e Estados da Igreja. Vários Reinos eram dominados pela Áustria: Sicilia, Napoles e Estados Pontífices. –Cavour

9 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Objetivos: a burguesia queria unificar os mercados,- Capitalismo- uniu-se à aristocracia, e as massas populares participariam sem iniciativa própria. O Reino Piemonte-Sardenha era o mais forte, mais industrializado e já era uma Monarquia Constitucional. Cavour no Norte e Garibaldi no Sul com apoio da França, comandaram a Guerra contra a Áustria e em 1870, a Itália foi unificada, Vítor Emanuel foi proclamado Rei. –Garibaldi

10 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda A igreja Católica não aceitou a perda de seus territórios, quando Roma foi anexada à Itália em 1870, a questão só foi resolvida em 1929 com o Tratado de Latrão que decidiu pela criação do Estado do Vaticano com apenas 0,44km.

11 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Papa Pio XI e Capela sistina.

12 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda –UNIFICAÇÃO ALEMÃ

13 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda UNIFICAÇÃO ALEMÃ Até o final do séc. XIX, havia 39 Reinos onde é a Alemanha hoje. O mais forte era a Prússia, mais industrializada, já possuía até uma União Aduaneira - ZOLLVEREIN, objetivando eliminar os impostos alfandegários entre os Estados da Confederação Germânica, criada em 1815 pelo Congresso de Viena. –Palácio de Versalhes

14 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Otto Von Bismarck, 1º ministro do Rei prussiano Guilherme I, com apoio da aristocracia e da burguesia, a ferro e sangue comandou a Unificação da Alemanha contra a Áustria, França, e Dinamarca.

15 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Guerra Franco- prussiana, disputa do dois países pelo trono espanhol, a Prússia vence ainda toma a Alsácia e a Lorena. Em 20 anos a Alemanha desenvolveu a ultrapassou a Inglaterra- uma das causas da 1ª G. M. –Guilherme I

16 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda AVANÇOS DA INDÚSTRIA EUROPÉIA – meados do séc. XIX

17 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda FRANÇA DE NAPOLEÃO III Reforma urbana de Paris.

18 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda

19 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda

20 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Construção do Canal de Suez. Mais de 1,5 milhão de trabalhadores participaram das obras. Elas iniciaram em 1859 e terminaram dez anos mais tarde com um custo de 17 milhões de libras esterlinas.

21 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda INGLATERRA – ERA VITORIANA Guerra da Criméia; Florence Nightingale.

22 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda ALEMANHA – EXPANSÃO VIGOROSA Mandou fechar sindicatos, mas aprovou algumas leis sociais: aposentadoria, férias. –Kaiser Guilherme II

23 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda

24 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Sigmund Freud Muitos problemas psicológicos são causados pela repressão sexual.

25 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Para ele, o poder não pode ser localizado em uma instituição ou no Estado, o que tornaria impossível a "tomada de poder" proposta pelos marxistas. Para Foucault, o poder não somente reprime, mas também produz efeitos de verdade e saber, constituindo verdades, práticas e subjetividades. Para analisar o poder, Foucault estuda o poder disciplinar e o biopoder, e os dispositivos da loucura e da sexualidade.

26 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Friedrich Wilhelm Nietzsche - era um crítico das "idéias modernas", da vida e da cultura moderna, do neo-nacionalismo alemão. Para ele os ideais modernos como democracia, socialismo, igualitarismo, emancipação feminina não eram senão expressões da decadência do tipo homem.

27 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Na França, 1848, o partido socialista se opunha ao governo de Luis Felipe. Houve revolução que atravessou a Europa. Uma grande manifestação popular contra Frederico Guilherme IV (de 1840 a 1861), em Berlim, foi reprimida à bala. Artesãos, operários e estudantes exigiam o fim da repressão da polícia, liberdade de imprensa e a promulgação de uma constituição liberal. Os combates se estenderam por várias cidades. Enquanto isso, Marx e Engels haviam preparado o famoso Manifesto Comunista. Neste manifesto aparece uma convocação pela união dos operários em todo mundo.

28 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda Lutas de 1848: liberais, burgueses e socialistas. Primavera dos Povos - autodeterminação dos povos.

29 A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda


Carregar ppt "A EUROPA NO SÉCULO XIX Adriano Valenga Arruda A EUROPA NO SÉCULO XIX."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google