A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ADENOVIRUS. ADENOVIRUS Vírus de DNA isolados inicialmente de tecidos de adenóides em 1953.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ADENOVIRUS. ADENOVIRUS Vírus de DNA isolados inicialmente de tecidos de adenóides em 1953."— Transcrição da apresentação:

1 ADENOVIRUS

2 ADENOVIRUS Vírus de DNA isolados inicialmente de tecidos de adenóides em 1953

3 ADENOVIRUS Família Adenoviridae Gênero Mastadenovirus

4 ADENOVIRUS ADENOVIRUS - Classificação Subdivididos em 6 subgrupos (A-F) baseados na propriedades de hemaglutinação 49 sorotipos Sorotipos mais comuns:- 1-8, 11, 21, 35, 37, 40 Os entéricos pertencem ao subgrupo F

5 Sorológicos: 49 sorotipos - Subgênero A: sorotipos 12, 18 e 31 - Subgênero B: sorotipos 3, 7, 11, 14, 16, 21, 34 e 35 - Subgênero C: sorotipos 1, 2, 5 e 6 - Subgênero D: sorotipos 8, 9, 10, 13, 15, 17, 19, 20, 22-30, 32, 33, 36-39, Subgênero E: sorotipo 4 - Subgênero F: sorotipos 40 e 41 (entéricos) TIPOS

6 ADENOVÍRUS - Estrutura Tamanho: 60 a 90 nmTamanho: 60 a 90 nm Não envelopadoNão envelopado Genoma: DNA de fita dupla (dsDNA linear)Genoma: DNA de fita dupla (dsDNA linear) Tamanho (em nucleotídeos): pbTamanho (em nucleotídeos): pb

7 ADENOVIRUS - Ultraestrutura Capsídeo icosaédrico com 252 capsômeros (12 pentons nos vértices e 240 hexons) Cada penton tem fibras que se projetam

8 ADENOVÍRUS - Ultraestrutura

9 Propriedades dos Adenovírus Responsáveis por infecções respiratórias, conjuntivites infecções urinárias e gastroenterites. Responsáveis por infecções respiratórias, conjuntivites infecções urinárias e gastroenterites. Responsáveis por 15% dos surtos de gastroenterites no mundo. Responsáveis por 15% dos surtos de gastroenterites no mundo. Extremamente estáveis no meio ambiente, resistentes à luz U.V, O 3, cloro, variações de temperatura e pH. Extremamente estáveis no meio ambiente, resistentes à luz U.V, O 3, cloro, variações de temperatura e pH. Estáveis no trato gastrointestinal. Resistentes a baixos pH, ácidos da bile e enzimas proteolíticas.

10 Patogênese e Replicação Infecta as células mucoepiteliais dos tratos respiratório, gastrointestinal e gênito-urinário Entra via epitélio e se espalha pelos tecidos linfóides Observa-se viremia

11 Patogênese e Replicação (contd.) As proteínas das fibras determinam a especificidade para o alvo celular e a ligação na célula O DNA viral entra no núcleo da célula hospedeira O vírus tem replicação citoplasmática

12 Replicação dos Adenovirus

13 Tipos de infecção Lítica Latente/oculta Oncogênica

14 Tipos de infecção Lítica Resulta na morte celular por lise. Comum em células mucoepiteliais. Latente/oculta O vírus permanece na célula hospedeira. Comum em tecidos linfóides. Grupos B e C Transformação oncogênica Crescimento incontrolado da célula onde ocorre a replicação. Observado no grupo A em hamsters.

15 Adenovírus Também usado como vetor para transferir materiais genéticos para outras células. ee O genoma viral é relativamente fácil de se manipular in vitro. Ocorre expressão gênica eficiente na célula que recebe o material genético via adenovírus

16 Infecção Incubação: 2-14 dias Período infectivo continua por várias semanas Liberação viral intermitente por via retal

17 Decurso da infecção respiratória Decurso da infecção respiratória Source- Medical Microbiology- Murray, Rosenthal, Kobayshi and Pfaller

18 EPIDEMIOLOGIA Fenômeno do iceberg EPIDEMIOLOGIA Fenômeno do iceberg Doença clássica Sintomas clínicos brandos Infecção assintomática Infectividade persistente (+)

19 TRANSMISSÃO Gotículas Via fecal-oral Água tratada Fomites (roupas e utensílios)

20 SÍNDROMES CLÍNICAS Respiratórias Olhos Genitourinárias Gastrointestinal Outras

21 Doença Respiratória Aguda Febre Traqueobronquite Pneumonia Atinge crianças e adultos Sorotipos 4 e 7 são mais comuns

22 Febre faringoconjuntival Dor de cabeça, febre e mal estar Conjuntivite e faringite Adenopatia cervical, exantemas e diarréia Sorotipos clássicos: 3, 4, 7, 14 Comum em águas contaminadas de piscinas, mar, recreação e consumo e fomites

23 Infecções oculares Queratoconjuntivite epidêmica Conjuntivite folicular aguda Febre faringoconjuntival

24 Infecções oculares pelo AdV

25 Infecções gastrointestinais Subgênero F: sorotipos 40 e 41Subgênero F: sorotipos 40 e 41 Idade: <4 anos Espalha-se pela via fecal-oral Ano todo (não é sazonal)

26 Infecções gastrointestinais (.) Infecções gastrointestinais (contd.) Incubação: 3-10 dias Diarréia dura dias Febre Pode ocorrer intussuscepção, e apendicite

27 Intussuscepção

28 Infecções pelo adenovírus- Trato genitourinário Cistite aguda hemorrágica febre, disúria, hematúria Tipos 11, 7, 4, 21, 1 Mais comum em meninos Outras Orquite, nefrite, cervicite com lesões vesiculares ulcerativas Tipos 2, 19, 37

29 Outras infecções devido ao Adenovirus Miocardite Pericardite Meningite Exantemas Artrite

30 Infecções em pacientes imunocomprometidos Infecções disseminadas, severas e muitas vezes fatais Pode ser devida a infecções novas ou reativação de infecções latentes Viremia e liberação viral prolongada Necrose pneumonia, hepatite, exantema, envolvimento do SNC

31 DIAGNÓSTICO Isolamento viral de uma variedade de espécimens clínicos dependendo da síndrome causada: conjuntival, fezes, urina, tecidos, etc.

32 Métodos para diagnóstico Cultura em células HeLa, HEK, Hep. PCR, hibridizações Microscopia eletrônica e imunomicroscopia eletrônica

33 Prevenção Lavagem das mãos Precauções no contacto Cloração da água Desinfecção ou esterilizaçãode equipamentos oftalmológicos Uso de material descartável

34


Carregar ppt "ADENOVIRUS. ADENOVIRUS Vírus de DNA isolados inicialmente de tecidos de adenóides em 1953."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google