A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cold Spring Harbor Symposia on Quantititive Biology Vol 83, 1993 From the Chromosomal Loops and the Scaffold to the Classic Bands of Metaphase Chromosomes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cold Spring Harbor Symposia on Quantititive Biology Vol 83, 1993 From the Chromosomal Loops and the Scaffold to the Classic Bands of Metaphase Chromosomes."— Transcrição da apresentação:

1 Cold Spring Harbor Symposia on Quantititive Biology Vol 83, 1993 From the Chromosomal Loops and the Scaffold to the Classic Bands of Metaphase Chromosomes Y. Saitoh AND U.K. Laemmli Apresentação: D. Safe AND J.L. Carvalho

2 Loops Cromossômicos. Dificuldades de estudo. Estrutura dos cromossomos nativos:

3 Loops Cromossômicos Conceito sólido Primeiras bruxarias. Microscopia eletrônica de cromossomos metafásicos que tiveram suas histonas removidas através de tratamento com tampões. Secções dos cromossomos. Técnicas de espalhamento. Imunofluorescência (anticorpos anti Topo II)

4 Loops Cromossômicos Scaffold Halo (loops) Cromossomos desdobrados

5 Scaffold = bases dos loops em cromossomos desdobrados (região heterocromática) Características do scaffold Loops Cromossômicos

6 Topoisomerase II e SARs Proteína SC1 (localização, ligação às SARs e função) SARs = Scaffold-associated regions (função e características) - A tracts - Alterações na estrutura do cromossomo

7 Bandas Cromossômicas Bandas Q

8 Modelo clássico: discos empilhados, densidade gênica, tempo de replicação, seqüências repetitivas, conformação da cromatina. Tipos: C, Q/G e R Bandas Cromossômicas

9 Hipóteses para o bandeamento - Acessibilidade do corante - Riqueza - Superestrutura (?) Bandas Cromossômicas

10 Bandas Q/G - Mais heterocromática - Rica em AT - 20% dos genes Bandas Cromossômicas

11 Bandas R - Replica primeiro - Rica em GC - Digerida por tripsina - Genes housekeeping Bandas Cromossômicas

12 Dois tipos de loops: Q/G e R Fila AT Estrutura do cromossomo compacto Modelo Loop/Scaffold de cromossomos nativos

13

14 Empacotamento dos loops cromossômicos: possibilidades e ferramentas. Polaridades bioquímica e morfológica

15 Detecção da Base e Corpo dos Loops Soro específico Fluorocromos AT-específicos

16 Daunomicina e a detecção das bases dos loops DNA muito rico em AT (>65%) Fluorometria: - Excesso de poli (dA.dT), (dA).(dT) ou (dI).(dC): sinal residual de 45-55% - Excesso de poli (dC.dG), (dC).(dG): sinal residual de 1-2% - Excesso de SAR (74% AT): sinal residual de 10-15%

17 YOYO e a detecção do corpo dos loops Cora tanto a base quanto o corpo MG interage com fragmentos de DNA ricos em AT

18 Bandas Q e R são complementares e formadas por enovelamento diferencial da fila AT

19 Densidade de DNA e acessibilidade do corante. Complementaridade entre as bandas Q e R Aparência puff-like das bandas R Uso de corantes consecutivamente no mesmo cromossomo Bandas Q e R são complementares e formadas por enovelamento diferencial da fila AT

20

21 Complementaridade de Sub-bandas Bandas Q com estrutura preservada não são coradas igualmente por daunomicina

22 Complementaridade de Sub-bandas

23

24 Evidências Relacionam a Fila AT ao Scaffold Fila AT como sinal óptico gerado pelo complexo scaffold/SARs Daunomicina e SARs Topoisomerase II, HMG-I(Y) e a fila AT

25 Evidências Relacionam a Fila AT ao Scaffold Topo II Dauno

26 Sub-bandas Giemsa e o Scaffold Cromossomos alongados pré-matafásicos Relaçao 1x1 entre sub- bandas giemsa e AT- coils


Carregar ppt "Cold Spring Harbor Symposia on Quantititive Biology Vol 83, 1993 From the Chromosomal Loops and the Scaffold to the Classic Bands of Metaphase Chromosomes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google