A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A regularização fundiária e o desenvolvimento sustentável – a disciplina no Direito brasileiro Patricia André de Camargo Ferraz.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A regularização fundiária e o desenvolvimento sustentável – a disciplina no Direito brasileiro Patricia André de Camargo Ferraz."— Transcrição da apresentação:

1 A regularização fundiária e o desenvolvimento sustentável – a disciplina no Direito brasileiro Patricia André de Camargo Ferraz

2 Foco Todo o procedimento tendente à regularização jurídica de parte do solo ou unidade imobiliária, compreendendo-se sua perfeita individualização e de suas partes eventualmente decorrentes e inscrição dos direitos que sobre ela foram negociados.

3 Reflexos Positivos da Regularização Fundiária

4 Reflexos Sociais Positivos - Inclusão do morador em situação de regularidade formal perante o Estado e a sociedade - Auto-reconhecimento do morador como cidadão - Maior interesse do morador pelos assuntos a si relacionados (urbanismo, meio ambiente, política, etc)

5 Reflexos Urbanísticos Positivos Como há vinculação afetiva do morador ao seu imóvel: Microinvestimentos na melhoria da qualidade estética do imóvel e de seus arredores Como há vinculação afetiva do morador ao seu imóvel: Microinvestimentos na melhoria da qualidade estética do imóvel e de seus arredores Possibilidade de ordenação urbanística da cidade pelo poder público municipal Possibilidade de ordenação urbanística da cidade pelo poder público municipal

6 Reflexos Políticos Positivos - Identificação e localização daquela parcela de administrados - Aumento da capacidade de acesso e controle do Estado nas relações sociais da localidade afetada - Substituição da figura paternalista e simbiótica do criminoso (traficantes / corruptos) pelo Estado regulador e administrador - Maior permeabilidade da camada social para as políticas públicas de combate à criminalidade - Redução da criminalidade

7 Reflexos Econômicos Positivos - Redução de custos de obtenção de segurança nas transações (ex. Rocinha / Paraisópolis) - Incremento da circulação de bens e serviços a partir da movimentação do mercado da construção civil, com o investimento no imóvel próprio - Capacitação econômica da População

8 Reflexos Econômicos Positivos - Redução do custo de financiamentos / garantia real - Investimentos em pequenos negócios - Aquecimento da economia formal (local/nacional) - Atração de investimentos externos e internos - SEGURANÇA JURÍDICA QUANTO AOS DIREITOS REAIS – imóveis rurais e urbanos

9 Regularização Fundiária e Desenvolvimento Econômico Sustentado Capacitação econômica da população Capacitação econômica da população Milhões de micro-negócios Milhões de micro-negócios Desenvolvimento econômico: Desenvolvimento econômico: - Grandes empresas/ produtores - Micro-empresas / micro-produtores / micro-investimentos (suporte econômico pulverizado / difuso / espraiado) Combate à pobreza Combate à pobreza

10 Duas abordagens sobre a Regularização Fundiária A RF pode ser vista de forma mais reduzida, tímida, restrita, como mero instrumento garantidor de acesso à moradia, em alguns casos com um viés paternalista ou clientelista A RF pode ser vista de forma mais reduzida, tímida, restrita, como mero instrumento garantidor de acesso à moradia, em alguns casos com um viés paternalista ou clientelista Ou pode ser vista de forma mais ampla, arrojada, abrangente, como instrumento de combate à pobreza e propulsor do desenvolvimento econômico do país. Ou pode ser vista de forma mais ampla, arrojada, abrangente, como instrumento de combate à pobreza e propulsor do desenvolvimento econômico do país.

11 Bases Legais da Visão Mais Ampla

12 Constituição Federal Artigo 3° - um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil é o desenvolvimento nacional e a erradicação da pobreza.

13 Constituição Federal Art A política de desenvolvimento urbano, executada pelo poder público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem estar de seus habitantes.

14 Estatuto da Cidade Art. 39. A propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade expressas no Plano Diretor, assegurando o atendimento das necessidades dos cidadãos quanto à qualidade de vida, justiça social e ao desenvolvimento das atividades econômicas, respeitadas as diretrizes previstas nos art. 2o. desta Lei.

15 INSTRUMENTOS CLÁSSICOS DESMEMBRAMENTO DESMEMBRAMENTO UNIFICAÇÃO UNIFICAÇÃO RETIFICAÇÃO DE REGISTRO e APURAÇÃO DE REMANESCENTE JUDICIAL RETIFICAÇÃO DE REGISTRO e APURAÇÃO DE REMANESCENTE JUDICIAL LOTEAMENTO LOTEAMENTO INSTITUIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE CONDOMÍNIO INSTITUIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE CONDOMÍNIO AVERBAÇÃO DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO, AMPLIAÇÃO AVERBAÇÃO DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO, AMPLIAÇÃO

16 NOVOS INSTRUMENTOS RETIFICAÇÃO DE REGISTRO E APURAÇÃO DE REMANESCENTE EXTRAJUDICIAL RETIFICAÇÃO DE REGISTRO E APURAÇÃO DE REMANESCENTE EXTRAJUDICIAL DEMARCAÇÃO URBANISTICA DE TERRAS DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS (LEI Nº /07) DEMARCAÇÃO URBANISTICA DE TERRAS DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS (LEI Nº /07) DEMARCAÇÃO URBANISTICA DE TERRAS PARTICULARES (LEI Nº /09) DEMARCAÇÃO URBANISTICA DE TERRAS PARTICULARES (LEI Nº /09) REGULARIZAÇÃO EXTRAJUDICIAL REGULARIZAÇÃO EXTRAJUDICIAL REGULARIZAÇÃO SIMPLIFICADA DE OCUPAÇÕES ANTIGAS E INTEGRADAS AO ESPAÇO URBANO (ART. 71 DA LEI /09 REGULARIZAÇÃO SIMPLIFICADA DE OCUPAÇÕES ANTIGAS E INTEGRADAS AO ESPAÇO URBANO (ART. 71 DA LEI /09

17 Desmembramento e Unificação

18 Retificação de Área e Apuração de Remanescente Extrajudicial Art. 213 da Lei 6015/73 Para corrigir omissão, imprecisão ou inverdade do registro

19 ... uma terça parte ideal de uma parte do Sítio do Ribeirão, atual Sítio dos Pereiras, situado neste distrito, município e comarca, com sete (07) alqueires, pouco mais ou menos, que começa na porteira do Sítio onde se chega por um caminho que vem da Estrada Alvarenga, aí, do lado esquerdo, se vê uma picada, a qual segue, em linha reta até uma valeta próximo a um toco, confinando com herdeiros de Maria ou Joaquim Antonio de Andrade; dessa valeta vira à direita e segue uma picada em rumo direto, com ligeiros desvios de reta, de valeta em valeta, medindo 410,00 metros até uma valeta recentemente aberta, confrontando com sucessores de Godoy Cassemiro; deste ponto vira à direita e segue até uma valeta recentemente aberta próxima ao tanque do engenho, isto é, a linha divisória estabelecida pelos herdeiros, ficando o engenho para dentro, atravessando o tanque que deságua, isto é, o córrego que deságua o tanque, até encontrar o córrego que serve de divisa a João Nunes, confinando daquele lado com o mesmo Sítio, e, seguindo este córrego, confrontando... até encontrar uma valeta; dai vira à direita até encontrar o ponto de partida... (1970)

20 Retificação de Área e Apuração de Remanescente Extrajudicial Requerimento assinado pelo proprietário e profissional habilitado Requerimento assinado pelo proprietário e profissional habilitado Planta Planta Memorial Descritivo Memorial Descritivo ART ART Certidão de confrontação Certidão de confrontação Anuência dos confrontantes Anuência dos confrontantes Carnê do IPTU ou Cert. de Valor Venal dos imóveis retificandos Carnê do IPTU ou Cert. de Valor Venal dos imóveis retificandos Declarações de responsabilidade Declarações de responsabilidade

21 Retificação de Área e Apuração de Remanescente Extrajudicial ART (firma reconhecida, área correta..) ART (firma reconhecida, área correta..) Certidão de confrontação Certidão de confrontação Carnê do IPTU ou Cert. de Valor Venal dos imóveis retificandos (área total retificanda + acessões) Carnê do IPTU ou Cert. de Valor Venal dos imóveis retificandos (área total retificanda + acessões) Base de cálculo: valor venal Base de cálculo: valor venal

22 Retificação de Área e Apuração de Remanescente Extrajudicial Quem é confrontante? Quem é confrontante? - Proprietário - Ocupante - No condomínio do CC: qq condômino - No condomínio edilício: síndico (ata registrada no RTD da situação do imóvel)

23 Retificação de Área e Apuração de Remanescente Extrajudicial Procedimento:PrenotaçãoQualificação Notificação pessoal ou por AR Notificação por edital Prazo de impugnação Silêncio = anuência tácita Impugnação: espaço para transação Acordo : Retificação (AV / Matrícula) Conflito: JCP

24 Regularização Fundiária de Imóveis da União (Lei /07)

25 Lei nº 9760/46 Demarcação de Terrenos de Marinha Demarcação de Terrenos de Marinha Demarcação de Terras Interiores Demarcação de Terras Interiores Demarcação de Terrenos para Regularização Fundiária de Interesse Social Demarcação de Terrenos para Regularização Fundiária de Interesse Social

26 Demarcação de Terras paraRegularizaçãoFundiária

27 Hipótese de Incidência Arts. 18-A a 18-F Arts. 18-A a 18-F Regularização Fundiária de Interesse Social em terras da União Regularização Fundiária de Interesse Social em terras da União Beneficiários com renda familiar mensal de até 5 sm Beneficiários com renda familiar mensal de até 5 sm

28 Demarcação Homogeiniza a situação jurídica da área regularizanda, NÃO atribui domínio! Hipótese de afetação Art. 18-A. A União poderá lavrar auto de demarcação nos seus imóveis, nos casos de regularização fundiária de interesse social, com base no levantamento da situação da área a ser regularizada

29 Extensão da Demarcação Art. 22. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas regularizações fundiárias de interesse social promovidas nos imóveis de sua propriedade poderão aplicar, no que couber, as disposições dos arts. 18-B a 18-F do Decreto-Lei no 9.760, de 5 de setembro de Art. 22. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas regularizações fundiárias de interesse social promovidas nos imóveis de sua propriedade poderão aplicar, no que couber, as disposições dos arts. 18-B a 18-F do Decreto-Lei no 9.760, de 5 de setembro de 1946.arts. 18-B a 18-F do Decreto-Lei no 9.760, de 5 de setembro de 1946.arts. 18-B a 18-F do Decreto-Lei no 9.760, de 5 de setembro de 1946.

30 Documentos Auto de Demarcação (SPU) Auto de Demarcação (SPU) planta e memorial descritivo da área a ser regularizada; planta e memorial descritivo da área a ser regularizada; planta de sobreposição da área demarcada; planta de sobreposição da área demarcada; certidão da matrícula ou transcrição relativa à área a ser regularizada emitida pelo RI competente e das circunscrições imobiliárias anteriormente competentes, quando houver; certidão da matrícula ou transcrição relativa à área a ser regularizada emitida pelo RI competente e das circunscrições imobiliárias anteriormente competentes, quando houver;

31 Documentos certidão da SPU de que a área pertence ao patrimônio da União, indicando o Registro Imobiliário Patrimonial - RIP e o responsável pelo imóvel; certidão da SPU de que a área pertence ao patrimônio da União, indicando o Registro Imobiliário Patrimonial - RIP e o responsável pelo imóvel; planta de demarcação da Linha Preamar Média - LPM, quando se tratar de terrenos de marinha ou acrescidos; planta de demarcação da Linha Preamar Média - LPM, quando se tratar de terrenos de marinha ou acrescidos; planta de demarcação da Linha Média das Enchentes Ordinárias - LMEO, quando se tratar de terrenos marginais de rios federais. planta de demarcação da Linha Média das Enchentes Ordinárias - LMEO, quando se tratar de terrenos marginais de rios federais.

32 § 3o As plantas e memoriais assinados por profissional legalmente habilitado, com ART no CREA

33 § 4o Entende-se por responsável pelo imóvel o titular de direito outorgado pela União, devidamente identificado no RIP.

34 PROCEDIMENTO

35 Prenotação e autuação do pedido de registro da demarcação no registro de imóveis Prenotação e autuação do pedido de registro da demarcação no registro de imóveis Buscas para identificação de matrículas ou transcrições e qualificação dos documentos (30 dias) Buscas para identificação de matrículas ou transcrições e qualificação dos documentos (30 dias) Comunicação da existência de eventuais exigências para a efetivação do registro Comunicação da existência de eventuais exigências para a efetivação do registro

36 Havendo registro anterior... Notificação pessoal do titular de domínio, no imóvel, no endereço que constar do registro imobiliário ou no endereço fornecido pela União Notificação pessoal do titular de domínio, no imóvel, no endereço que constar do registro imobiliário ou no endereço fornecido pela União Notificação por edital do titular de domínio não encontrado. Notificação por edital do titular de domínio não encontrado. Notificação por edital dos confrontantes, ocupantes e terceiros interessados. Notificação por edital dos confrontantes, ocupantes e terceiros interessados.

37 Art, 18-D §1o Não sendo encontrado o titular de domínio, tal fato será certificado pelo oficial encarregado da diligência, que promoverá sua notificação mediante o edital referido no caput deste artigo

38 Edital conterá resumo do pedido de registro da demarcação, com a descrição que permita a identificação da área demarcada;(+desenho) conterá resumo do pedido de registro da demarcação, com a descrição que permita a identificação da área demarcada;(+desenho) deverá ser publicado por 2 (duas) vezes, dentro do prazo de 30 (trinta) dias, em um jornal de grande circulação local; deverá ser publicado por 2 (duas) vezes, dentro do prazo de 30 (trinta) dias, em um jornal de grande circulação local; será publicado pela União, que encaminhará ao oficial do registro de imóveis os exemplares dos jornais que os tenham publicado. será publicado pela União, que encaminhará ao oficial do registro de imóveis os exemplares dos jornais que os tenham publicado.

39 Prazo de 15 (quinze) dias, da última publicação, para impugnar (= prazo para notificação pessoal) Prazo de 15 (quinze) dias, da última publicação, para impugnar (= prazo para notificação pessoal) Presumir-se-á a anuência dos notificados que deixarem de apresentar impugnação no prazo previsto (pq terras públicas) Presumir-se-á a anuência dos notificados que deixarem de apresentar impugnação no prazo previsto (pq terras públicas)

40 Quando a lei diz menos... Art. 18-C. Inexistindo matrícula ou transcrição anterior e estando a documentação em ordem, ou atendidas as exigências feitas no art. 18-B desta Lei, (e não tendo havido impugnação de seu titular inscrito)o oficial do registro de imóveis deve abrir matrícula do imóvel em nome da União e registrar o auto de demarcação.

41 Decorrido o prazo sem impugnação, o oficial do registro de imóveis deve: abrir matrícula do imóvel em nome da União abrir matrícula do imóvel em nome da União registrar o auto de demarcação registrar o auto de demarcação proceder às averbações necessárias nas matrículas ou transcrições anteriores, quando for o caso proceder às averbações necessárias nas matrículas ou transcrições anteriores, quando for o caso

42 Quando a lei diz menos... Havendo registro de direito real sobre a área demarcada ou parte dela (e não tendo havido impugnação de seu titular inscrito), o oficial deverá proceder ao cancelamento de seu registro em decorrência da abertura da nova matrícula em nome da União (§ ún. 18-E)

43 Havendo impugnação... Art. 18-F. O oficial do registro de imóveis dará ciência de seus termos à União. Art. 18-F. O oficial do registro de imóveis dará ciência de seus termos à União. § 1o Não havendo acordo entre impugnante e a União, a questão deve ser encaminhada ao juízo competente, dando- se continuidade ao procedimento de registro relativo ao remanescente incontroverso. § 1o Não havendo acordo entre impugnante e a União, a questão deve ser encaminhada ao juízo competente, dando- se continuidade ao procedimento de registro relativo ao remanescente incontroverso.

44 Julgada improcedente a impugnação, os autos devem ser encaminhados ao registro de imóveis para que o oficial abra matrícula, registre o auto, proceda às averbações, etc... Julgada improcedente a impugnação, os autos devem ser encaminhados ao registro de imóveis para que o oficial abra matrícula, registre o auto, proceda às averbações, etc...

45 Sendo julgada procedente a impugnação, os autos devem ser restituídos ao registro de imóveis para as anotações necessárias e posterior devolução ao poder público. Sendo julgada procedente a impugnação, os autos devem ser restituídos ao registro de imóveis para as anotações necessárias e posterior devolução ao poder público.

46 Art. 18-F, § 4º A prenotação do requerimento de registro da demarcação ficará prorrogada até o cumprimento da decisão proferida pelo juiz ou até seu cancelamento a requerimento da União, não se aplicando às regularizações previstas nesta Seção o cancelamento por decurso de prazo.

47 Demarcação de Terras Particulares para Regularização Fundiária Lei /09

48 Hipótese de Incidência Regularização Fundiária de Interesse Social

49 Demarcação Homogenização da situação jurídica da área regularizanda, NÃO atribui domínio! Hipótese de afetação Hipótese de afetação

50 Documentos Auto de Demarcação Auto de Demarcação planta e memorial descritivo da área a ser regularizada; planta e memorial descritivo da área a ser regularizada; planta de sobreposição da área demarcada; planta de sobreposição da área demarcada; certidão da matrícula ou transcrição relativa à área a ser regularizada emitida pelo RI competente e das circunscrições imobiliárias anteriormente competentes, quando houver; certidão da matrícula ou transcrição relativa à área a ser regularizada emitida pelo RI competente e das circunscrições imobiliárias anteriormente competentes, quando houver;

51 Recomendável que as plantas e memoriais assinados por profissional legalmente habilitado, com ART no CREA

52 PROCEDIMENTO

53 Prenotação e autuação do pedido de registro da demarcação no registro de imóveis Prenotação e autuação do pedido de registro da demarcação no registro de imóveis Buscas para identificação de matrículas ou transcrições e qualificação dos documentos (30 dias) Buscas para identificação de matrículas ou transcrições e qualificação dos documentos (30 dias) Comunicação da existência de eventuais exigências para a efetivação do registro Comunicação da existência de eventuais exigências para a efetivação do registro

54 Havendo registro anterior... Notificação pessoal do titular de domínio, no imóvel, no endereço que constar do registro imobiliário ou no endereço fornecido pela União, e, por meio de edital Notificação pessoal do titular de domínio, no imóvel, no endereço que constar do registro imobiliário ou no endereço fornecido pela União, e, por meio de edital Notificação por edital do titular de domínio não encontrado. Notificação por edital do titular de domínio não encontrado. Notificação por edital dos confrontantes, ocupantes e terceiros interessados. Notificação por edital dos confrontantes, ocupantes e terceiros interessados.

55 Não sendo encontrado o titular de domínio, tal fato será certificado pelo oficial encarregado da diligência, que promoverá sua notificação mediante o edital Não sendo encontrado o titular de domínio, tal fato será certificado pelo oficial encarregado da diligência, que promoverá sua notificação mediante o edital OBS: NOTIFICAR UNIÃO, ESTADO E MUNICÍPIO – a área pode/deve ser pública

56 Edital conterá resumo do pedido de registro da demarcação, com a descrição que permita a identificação da área demarcada e seu desenho conterá resumo do pedido de registro da demarcação, com a descrição que permita a identificação da área demarcada e seu desenho deverá ser publicado por 2 (duas) vezes, dentro do prazo de 60 dias, uma em um jornal de grande circulação local e outra pela imprensa oficial; deverá ser publicado por 2 (duas) vezes, dentro do prazo de 60 dias, uma em um jornal de grande circulação local e outra pela imprensa oficial; Prazo de 15 dias para impugnação ao pedido de AV DA DEMARCAÇÃO Prazo de 15 dias para impugnação ao pedido de AV DA DEMARCAÇÃO

57 Presumir-se-á a anuência dos notificados que deixarem de apresentar impugnação no prazo previsto (PARÁGRAFO 4º) Presumir-se-á a anuência dos notificados que deixarem de apresentar impugnação no prazo previsto (PARÁGRAFO 4º) OBS: A omissão do poder público (provável titular de domínio) não pode ter este efeito OBS: A omissão do poder público (provável titular de domínio) não pode ter este efeito

58 Decorrido o prazo sem impugnação, o oficial do registro de imóveis deve: AVERBAR o auto de demarcação AVERBAR o auto de demarcação proceder às averbações necessárias nas matrículas ou transcrições anteriores, quando for o caso proceder às averbações necessárias nas matrículas ou transcrições anteriores, quando for o caso Se não houver matrícula... (havia transcrição ou registro anterior????) Se não houver matrícula... (havia transcrição ou registro anterior????)

59 Havendo impugnação... O oficial do registro de imóveis dará ciência ao poder público O oficial do registro de imóveis dará ciência ao poder público Se a impugnação for parcial, dará continuidade com relação ao restante Se a impugnação for parcial, dará continuidade com relação ao restante Tentativa de acordo Tentativa de acordo Sem acordo – encerramento quanto à parte impugnada Sem acordo – encerramento quanto à parte impugnada

60 Legitimação de Posse Transferência do Domínio: Transferência do Domínio: - 5 anos após o registro da legitimação - Requisitos art. 59 e 60

61 INSTRUMENTO MAIS ÁGIL

62 Art. 71 da Lei /2009 Art. 71. As glebas parceladas para fins urbanos anteriormente a 19 de dezembro de 1979 que não possuírem registro poderão ter sua situação jurídica regularizada, com o registro do parcelamento, desde que o parcelamento esteja implantado e integrado à cidade. Art. 71. As glebas parceladas para fins urbanos anteriormente a 19 de dezembro de 1979 que não possuírem registro poderão ter sua situação jurídica regularizada, com o registro do parcelamento, desde que o parcelamento esteja implantado e integrado à cidade. § 1o A regularização prevista no caput pode envolver a totalidade ou parcelas da gleba. § 1o A regularização prevista no caput pode envolver a totalidade ou parcelas da gleba. § 2o O interessado deverá apresentar certificação de que a gleba preenche as condições previstas no caput, bem como desenhos e documentos com as informações necessárias para a efetivação do registro do parcelamento. § 2o O interessado deverá apresentar certificação de que a gleba preenche as condições previstas no caput, bem como desenhos e documentos com as informações necessárias para a efetivação do registro do parcelamento.

63 Art. 71 da Lei /2009 I- Ocupações: para fins urbanos para fins urbanos anteriores à dezembro de 1979 anteriores à dezembro de 1979 Parcelamento já implantado e integrado ao espaço urbano Parcelamento já implantado e integrado ao espaço urbano II- Pode envolver a totalidade ou parte da gleba

64 Art. 71 da Lei /2009 Documentos: - Requerimento - Planta e memorial da área regularizanda - Certidão da prefeitura (implantação, integração e data de implantação) - Certidão da matrícula ou transcrição da área e de seus eventuais lotes

65 Regularização Fundiária de Imóveis da União na Amazônia Legal (Lei /09)

66 Lei /09 Art. 1o Esta Lei dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal, definida no art. 2º da Lei Complementar nº 124, de 3 de janeiro de 2007, mediante alienação e concessão de direito real de uso de imóveis. Art. 1o Esta Lei dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal, definida no art. 2º da Lei Complementar nº 124, de 3 de janeiro de 2007, mediante alienação e concessão de direito real de uso de imóveis.art. 2º da Lei Complementar nº 124, de 3 de janeiro de 2007,art. 2º da Lei Complementar nº 124, de 3 de janeiro de 2007,

67 Vedações Art. 4o Não serão passíveis de alienação ou concessão de direito real de uso, nos termos desta Lei, as ocupações que recaiam sobre áreas: Art. 4o Não serão passíveis de alienação ou concessão de direito real de uso, nos termos desta Lei, as ocupações que recaiam sobre áreas: I - reservadas à administração militar federal e a outras finalidades de utilidade pública ou de interesse social a cargo da União; I - reservadas à administração militar federal e a outras finalidades de utilidade pública ou de interesse social a cargo da União; II - tradicionalmente ocupadas por população indígena; II - tradicionalmente ocupadas por população indígena; III - de florestas públicas, nos termos da Lei no , de 2 de março de 2006, de unidades de conservação ou que sejam objeto de processo administrativo voltado à criação de unidades de conservação, conforme regulamento; ou III - de florestas públicas, nos termos da Lei no , de 2 de março de 2006, de unidades de conservação ou que sejam objeto de processo administrativo voltado à criação de unidades de conservação, conforme regulamento; ouLei no , de 2 de março de 2006Lei no , de 2 de março de 2006 IV - que contenham acessões ou benfeitorias federais. IV - que contenham acessões ou benfeitorias federais.

68 Destaque de terra pública Art. 26 Art. 26 § 2o Na hipótese de estarem abrangidas as áreas referidas nos incisos I a IV do caput do art. 4o desta Lei, o registro do título será condicionado à sua exclusão, bem como à abertura de nova matrícula para as áreas destacadas objeto de doação ou concessão no registro imobiliário competente, nos termos do inciso I do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de § 2o Na hipótese de estarem abrangidas as áreas referidas nos incisos I a IV do caput do art. 4o desta Lei, o registro do título será condicionado à sua exclusão, bem como à abertura de nova matrícula para as áreas destacadas objeto de doação ou concessão no registro imobiliário competente, nos termos do inciso I do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de inciso I do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de inciso I do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973.

69 Art. 26 § 5o A abertura de matrícula referente à área independerá do georreferenciamento do remanescente da gleba, nos termos do § 3º do art. 176 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, desde que a doação ou a concessão de direito real de uso sejam precedidas do reconhecimento dos limites da gleba pelo Incra ou, se for o caso, pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, garantindo que a área esteja nela localizada. § 5o A abertura de matrícula referente à área independerá do georreferenciamento do remanescente da gleba, nos termos do § 3º do art. 176 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, desde que a doação ou a concessão de direito real de uso sejam precedidas do reconhecimento dos limites da gleba pelo Incra ou, se for o caso, pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, garantindo que a área esteja nela localizada. § 3º do art. 176 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, § 3º do art. 176 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973,

70 Obrigada!


Carregar ppt "A regularização fundiária e o desenvolvimento sustentável – a disciplina no Direito brasileiro Patricia André de Camargo Ferraz."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google