A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

14/4/2014FEB-Marta1 Imagens da internet Elaborado por: www.auxiliofraternidade.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "14/4/2014FEB-Marta1 Imagens da internet Elaborado por: www.auxiliofraternidade.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 14/4/2014FEB-Marta1 Imagens da internet Elaborado por:

2 2

3 3 Para Sócrates o "conhece-te a ti mesmo" é a chave para a conquista da felicidade. Para Sócrates o "conhece-te a ti mesmo" é a chave para a conquista da felicidade.

4 4 Para Platão a noção de felicidade é relativa à situação do homem no mundo e aos deveres que aqui lhe cabem. Para Platão a noção de felicidade é relativa à situação do homem no mundo e aos deveres que aqui lhe cabem.

5 5 Para Aristóteles a felicidade é mais acessível ao sábio que mais facilmente basta a si mesmo, mas é aquilo que, na realidade, devem tender todos os homens da cidade. Para Aristóteles a felicidade é mais acessível ao sábio que mais facilmente basta a si mesmo, mas é aquilo que, na realidade, devem tender todos os homens da cidade.

6 6 No âmbito do Velho Testamento, a felicidade centra-se na aquisição dos bens mais elementares como comer, beber e viver em família e no temor a Iahweh, que equivale à atitude religiosa do homem. No âmbito do Velho Testamento, a felicidade centra-se na aquisição dos bens mais elementares como comer, beber e viver em família e no temor a Iahweh, que equivale à atitude religiosa do homem.

7 7 Na dimensão do Novo Testamento, a felicidade está nas bem-aventuranças prometidas por Jesus. Na dimensão do Novo Testamento, a felicidade está nas bem-aventuranças prometidas por Jesus.

8 8 Esta síntese histórica culmina com a época atual em que os valores legítimos da verdadeira felicidade estão ameaçados pelo consumismo e globalização do mundo econômico. Esta síntese histórica culmina com a época atual em que os valores legítimos da verdadeira felicidade estão ameaçados pelo consumismo e globalização do mundo econômico.

9 Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra? 920. Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra? Não, por isso que a vida lhe foi dada como prova ou expiação. Dele, porém, depende a suavização de seus males e o ser tão feliz quanto possível na Terra. O Livro dos Espíritos, Parte quarta, Cap. I

10 Concebe-se que o homem será feliz na Terra, quando a Humanidade estiver transformada. Mas, enquanto isso se não verifica, poderá conseguir uma felicidade relativa? 921. Concebe-se que o homem será feliz na Terra, quando a Humanidade estiver transformada. Mas, enquanto isso se não verifica, poderá conseguir uma felicidade relativa? O homem é quase sempre o obreiro da sua própria infelicidade. Praticando a lei de Deus, a muitos males se forrará e proporcionará a si mesmo felicidade tão grande quanto o comporte a sua existência grosseira. O Livro dos Espíritos, Parte quarta, Cap. I

11 A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a felicidade de um, constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de felicidade comum a todos os homens? 922. A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a felicidade de um, constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de felicidade comum a todos os homens? Com relação à vida material, é a posse do necessário. Com relação à vida moral, a consciência tranqüila e a fé no futuro. O Livro dos Espíritos, Parte quarta, Cap. I

12 Em que consiste a felicidade dos bons Espíritos? 967. Em que consiste a felicidade dos bons Espíritos? Em conhecerem todas as coisas; em não sentirem ódio, nem ciúme, nem inveja, nem ambição, nem qualquer das paixões que ocasionam a desgraça dos homens. O amor que os une lhes é fonte de suprema felicidade. Não experimentam as necessidades, nem os sofrimentos, nem as angústias da vida material. São felizes pelo bem que fazem. Contudo, a felicidade dos Espíritos é proporcional à elevação de cada um Em conhecerem todas as coisas; em não sentirem ódio, nem ciúme, nem inveja, nem ambição, nem qualquer das paixões que ocasionam a desgraça dos homens. O amor que os une lhes é fonte de suprema felicidade. Não experimentam as necessidades, nem os sofrimentos, nem as angústias da vida material. São felizes pelo bem que fazem. Contudo, a felicidade dos Espíritos é proporcional à elevação de cada um O Livro dos Espíritos, Parte quarta, Cap. I

13 13 A depressão A depressão O ressentimento O ressentimento A exaltação A exaltação Desperte e seja feliz, Joana de Ângelis, Divaldo Franco, 7ª Ed

14 14 A oração A oração O prosseguimento do trabalho O prosseguimento do trabalho O amor desinteressado e incessante O amor desinteressado e incessante Desperte e seja feliz, Joana de Ângelis, Divaldo Franco, 7ª Ed

15 a verdade desta máxima do Eclesiastes: "A felicidade não é deste mundo. O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo V, Bem-aventurados os aflitos.

16 16 Francisco de Assis Francisco de Assis Madre Teresa de Calcutá Madre Teresa de Calcutá Irmã Dulce Irmã Dulce Francisco Cândido Xavier Francisco Cândido Xavier

17 17....Em matéria de felicidade convém não esquecer que nos transformamos sempre naquilo que amamos. Quem se aceita como é, doando de si à vida o melhor que tem, caminha mais facilmente para ser feliz como espera ser. A nossa felicidade será naturalmente proporcional em relação à felicidade que fizermos para os outros. A alegria do próximo começa muitas vezes no sorriso que você lhe queira dar. Estude a si mesmo, observando que o auto-conhecimento traz humildade e sem humildade é impossível ser feliz. Amor é a força da vida e trabalho vinculado ao amor é a usina geradora da felicidade André Luiz, Sinal Verde, 26. André Luiz, Sinal Verde, 26.

18 18 Imagens da Internet


Carregar ppt "14/4/2014FEB-Marta1 Imagens da internet Elaborado por: www.auxiliofraternidade.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google