A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Recife Convention & Visitors Bureau Gravatá Agosto / 2009 1 Workshop de Planejamento Estratégico.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Recife Convention & Visitors Bureau Gravatá Agosto / 2009 1 Workshop de Planejamento Estratégico."— Transcrição da apresentação:

1 Recife Convention & Visitors Bureau Gravatá Agosto / Workshop de Planejamento Estratégico

2 2 Planejamento Estratégico Pesquisa Análise de Macro e Micro Ambientes Shareholders e Stakeholders Posicionamento Interno Negócio, Missão e Visão Valores e Objetivos Estratégia Estratégias Estruturais Estratégias Mercadológicas Implantação Controle Plano de Ação Orçamento

3 3 Que tópicos devem ser analisados ? 1. Relacionamento do Recife CVB com as esferas de governo: municipal, estadual e federal; 2. Perspectiva de crescimento do turismo em PE: lazer, negócios e incentivo 3. Comportamento do mercado de eventos no Brasil e no Mundo; 4. Comportamento dos principais destinos concorrentes no Brasil; 5. Disponibilização de verbas públicas e privadas para ações de promoção turística em PE;

4 4 Que tópicos devem ser analisados ? 6. Perspectivas de investimentos públicos e privados no setor de turismo em PE; 7. Comportamento da imprensa em relação ao turismo de PE; 8. Identificação de segmentos econômicos alinhados com as estratégias de promoção turística de PE; 9. Perfil atual e futuro das empresas dos segmentos turísticos em PE.

5 CENÁRIO – CONVENTION/INCENTIVE 1. A relação atual com as esferas federal, estadual e municipal (Recife e Olinda) é positiva, e as perspectivas indicam manutenção e melhoria nesse relacionamento, pois todas entendem o papel e a importância do Recife CVB. A maturidade do setor minimizará o impacto de eventuais mudanças das políticas públicas para o turismo; 2. Grande perspectiva de crescimento do turismo de negócios, haja vista os seguintes investimentos: SUAPE PÓLOS FARMACÊUTICO, TECNOLOGIA, SAÚDE, TÊXTIL, PETROQUÍMICO E AGROPECUÁRIA CONSTRUÇÃO CIVIL Crescimento do turismo de lazer 3. O mercado de turismo de incentivo nacional e internacional tem apresentado crescimento, e o estado de PE ainda não formatou políticas voltadas para o segmento 4. Existência de verbas estaduais e municipais para financiar ações de qualificação e promoção turística em PE; 5

6 CENÁRIO – CONVENTION/INCENTIVE 5. As proibições da ANVISA influenciarão negativamente a organização de eventos médicos, restringindo a receita dos eventos e a quantidade de participantes; 6. Impactos da COPA 2014 no estado de PE: A construção e/ou qualificação de estádios oferecerá estruturas para grandes eventos Aumento na quantidade e qualidade dos leitos disponíveis Infra-estrutura urbana: sinalização, transporte público, saneamento básico, pavimentação, segurança pública Demanda por treinamento e qualificação de mão de obra Grande exposição de mídia nacional e internacional dos destinos de PE 7. O perfil das empresas do trade turístico será modificado, deixando de ser quase que exclusivamente formado por grupos locais e passando a contar com grupos nacionais e internacionais 8. Crescente demanda por profissionalização das empresas do trade turístico, qualificando seus recursos e produtos para um mercado mais competitivo e com maior grau de exigência 9. Grandes feiras de negócios nacionais estão organizando versões regionais, e PE se consolidará como sede desses eventos, pois possui pólos econômicos aderentes a esta tendência; 10. A dinâmica da economia pernambucana permite a criação e a consolidação de um calendário anual de feiras e eventos de negócios 6

7 CENÁRIO – CONVENTION/INCENTIVE 11. A liberalização no valor das tarifas aéreas aumentará a atratividade dos eventos internacionais realizados no Brasil; 12. Aumento da malha aérea voltada para os destinos turísticos do nordeste; 13. Outros estados do nordeste estão investindo na qualificação dos seus espaços e equipamentos para grandes eventos; 14. As empresas do trade turístico são pouco envolvidas nas decisões relacionadas a reformas ou investimentos nos equipamentos turísticos existentes; 15. A melhoria do posicionamento da cidade do Recife no ranking ICCA aumenta sua visibilidade como destino turístico para grandes eventos internacionais. 7

8 CENÁRIO – VISITORS 1. O aumento da renda e da disponibilidade de crédito tem possibilitado um maior número na quantidade de viagens a lazer; 2. O crescimento do turismo de negócios influencia positivamente o turismo de lazer; 3. As ações promocionais que estão sendo desenvolvidas com parceria entre os setores público e privado têm alcançado resultados positivos; 4. Crescimento da oferta de equipamentos turísticos públicos e privados; 5. Crescimento econômico do estado de PE; 6. Valorização e crescimento da interiorização do turismo no estado de PE; 7. Aumento no fluxo de cruzeiros marítimos; 8. Ampliação do portfólio dos produtos turísticos do estado de PE permite que múltiplos públicos possam ser atendidos simultaneamente; 9. A imagem do destino Fernando de Noronha ainda não está totalmente vinculada ao estado de PE; 8

9 CENÁRIO – VISITORS 10. O estado de PE mantem um forte trabalho de combate ao turismo sexual e à exploração sexual de menores e adolescentes; 11. A liberalização no valor das tarifas aéreas aumentará a atratividade das viagens internacionais realizadas pelo público nacional, mas também aumentará a atratividade do Brasil para os turistas estrangeiros; 12. Aumento da malha aérea voltada para os destinos turísticos do nordeste. A malha aérea interna do nordeste ainda é insuficiente; 13. Incremento das ferramentas de e-commerce para a atividade turística. 9

10 10 Análise Interna Matriz S.W.O.T - P.F.O.A Pontos Fracos: Interno Impacto Negativo Controlável... da Empresa Oportunidades: Externo Impacto Positivo Incontrolável... para a Empresa Ameaças: Externo Impacto Negativo Incontrolável... para a Empresa Pontos Fortes: Interno Impacto Positivo Controlável... da Empresa

11 Pontos Fortes 1. Credibilidade local e nacional; 2. Bom relacionamento institucional com as esferas de governo: federal, estadual e municipal; 3. Sustentabilidade financeira garantida pelas receitas próprias; 4. Existência e cumprimento de um planejamento estratégico; 5. Capacidade de inovação e ousadia na criação e realização de novos projetos e produtos; 6. Representatividade gerada pela quantidade de associados e pela variadade de segmentos empresariais; 7. Equipe capacitada, motivada e profissional; 8. Alta qualidade dos materiais, ações e eventos promocionais; 9. Ser associado à ICCA; 10. Bom relacioanamento com e entre os associados; 11. Abrangência estadual da sua área de atuação; 12. Boa qualidade das suas instalações fisicas. 11

12 Pontos Fracos 1. Inexistência de recursos financeiros próprios para realizar projetos e ações de grande porte; 2. Alta rotatividade de profissionais; 3. Insuficiente comunicação das ações do RCVB junto aos associados; 4. Baixa participação e mobilização dos associados nas assembléias; 5. Falta de política de captação e apoio, de acordo com o porte dos eventos 12

13 Oportunidades 1. Crescimento econômico de PE acima da média nacional: SUAPE PÓLOS FARMACÊUTICO, TECNOLOGIA, SAÚDE, TÊXTIL, PETROQUÍMICO E AGROPECUÁRIA CONSTRUÇÃO CIVIL 2. Alinhamento político entre os governos municipal, estadual e federal; 3. Os negócios gerados pela organização da copa 2014; 4. Melhoria na qualificação dos produtos e serviços turísticos de PE; 5. Aumento no acesso dos turistas ao estado de PE; 6. Existência de recursos financeiros públicos destinados ao turismo; 7. Surgimento e crescimento de novos segmentos: LGBT Turismo de saúde Incentivo 13

14 Oportunidades 8. Crescimento da infra-estrutura turística: Aumento no número de leitos Ampliação e qualificação do centro de convenções Equipamentos e espaços para eventos (litoral sul e interior) Novos equipamentos de lazer 9. Grande diversidade de produtos turísticos no estado de PE: Shows e eventos culturais, sol e mar, gastronomia, turismo rural, enoturismo, compras, feiras e eventos técnico-científicos, turismo histórico-cultural, aventura, turismo esportivo 14

15 Ameaças 1. Violência e insegurança pública; 2. As proibições da ANVISA quanto ao patrocínio de laboratórios para eventos médicos; 3. Surgimento de outros equipamentos turísticos em outras cidades do nordeste; 4. Eventuais mudanças nas políticas públicas trazidas pelas próximas eleições entre 2010 e 2012; 5. Migração dos turistas dos hotéis para os cruzeiros marítimos; 6. Tendência das grandes empresas e agências de viagens de não permitirem mais o pagamento da Room Tax; 7. Pandemia da Influenza A (H1N1); 8. Mão de obra e produtos turísticos ainda desqualificados para o mercado internacional; 9. Desatualização da infra-estrutura turística; 10. Principais mercados internacionais emissores afetados pela atual crise econômica mundial 15

16 16 Planejamento Estratégico Pesquisa Análise de Macro e Micro Ambientes Shareholders e Stakeholders Posicionamento Interno Negócio, Missão e Visão Valores e Objetivos Estratégia Estratégias Estruturais Estratégias Mercadológicas Implantação Controle Balanced Score Card

17 17 Qual é o Nosso Negócio 2006 Fomentar o desenvolvimento sustentável dos destinos turísticos de Pernambuco

18 18 Qual é o Nosso Negócio 2009 ? Fomentar o desenvolvimento sustentável dos destinos turísticos de Pernambuco

19 19 Definindo a missão Razão de existir da empresa no seu negócio (VASCONCELLOS FILHO 2001, p. 85) O QUE a organização faz ? COMO a organização faz ? PARA QUEM a organização faz ? POR QUE a organização faz ?

20 20 Qual é a Nossa Missão 2006 Fomentar o desenvolvimento sustentável de Pernambuco, através da promoção nacional e internacional dos seus destinos turísticos, gerando oportunidades de negócios para seus associados.

21 21 Qual é a Nossa Missão 2009 ? Fomentar o desenvolvimento sustentável dos destinos turísticos de Pernambuco, através de promoção nacional e internacional, gerando oportunidades de negócios para seus associados.

22 22 Definindo a visão Estado futuro desejado pela organização O QUE a organização quer ser ? COMO a organização quer ser ? PARA QUEM a organização quer ser ? POR QUE a organização quer ser ?

23 23 Qual é a Nossa Visão 2006 Ser nacional e internacionalmente reconhecida como uma entidade competitiva na geração de negócios e atração de pessoas, posicionando os destinos turísticos de Pernambuco no mercado mundial

24 24 Qual é a Nossa Visão 2009 ? Ser nacional e internacionalmente reconhecida como entidade competitiva na geração de negócios e atração de pessoas, posicionando mundialmente os destinos turísticos de Pernambuco como referência do Brasil.

25 25 Definindo os princípios e valores São virtudes desejáveis ou características básicas positivas que a organização quer adquirir, preservar e incentivar, representando tudo aquilo que ela não está disposta a negociar Valores, credos, políticas ou filosofias que orientam o comportamento da empresa no cumprimento da sua missão

26 26 Quais são os Nossos Valores 2006 Ética Comprometimento Transparência Credibilidade Autonomia Cooperação Alegria

27 27 Quais são os Nossos Valores 2009 ? 1. Ética 2. Foco nos Associados 3. Comprometimento 4. Transparência 5. Credibilidade 6. Autonomia 7. Cooperação 8. Dinamismo 9. Alegria

28 28 Recife CVB – Nossos Objetivos 2009 INSTITUCIONAIS (Imagem) 1.Consolidar a imagem do Recife CVB como referência no Brasil

29 Recife CVB – Nossos Objetivos 2009 MERCADOLÓGICOS (Negócio) 1.Captar 20 novos associados (novas atividades econômicas) até 2012; 2.Associar (no mínimo) 90% dos novos hotéis que se instalarem nos destinos atendidos pelo RCVB; 3.Elevação do índice de satisfação dos associados; 4.Captar e apoiar 60 eventos nacionais e 12 internacionais por ano

30 30 Recife CVB – Nossos Objetivos 2009 FINANCEIROS (Caixa) 1.Aumentar em até 30% o valor da mensalidade até 2012; 2.Aumentar o valor da Room Tax para R$ 3,00 (hotéis) e R$ 2,00 (pousadas) até 2012; 3.Arrecadação anual mínima (privada) de R$ ,00 até 2012; 4.Assegurar no poder público a contrapartida de 50% dos recursos necessários para a execução das ações previstas no PE do RCVB.

31 31 Planejamento Estratégico Pesquisa Análise de Macro e Micro Ambientes Shareholders e Stakeholders Posicionamento Interno Negócio, Missão e Visão Valores e Objetivos Estratégia Estratégias Estruturais Estratégias Mercadológicas Implantação Controle Balanced Score Card

32 Eixos Estratégicos Recife CVB 1. Informação e Qualificação Turística 2. Convention / Incentive 3. Visitors 4. Relacionamento 5. Gestão e Sustentabilidade Financeira

33 1. Informação e Qualificação Turística 1. Identificar as categorias e perfis profissionais que a cadeia produtiva do turismo necessita; 2. Identificar as habilidades que necessitam ser aperfeiçoadas nos diversos segmentos de seus associados; 3. Buscar apoio das entidades/órgãos responsáveis por qualificação (SEBRAE, SENAC, GOVERNO DE PE, CEFET,...) com o objetivo de elaborar um programa de qualificação; 4. Articular com as instituições públicas e privadas na identificação de instituição certificadora; 5. Disponibilizar os dados dos profissionais egressos dos cursos de qualificação, criando um banco de dados para acesso a seus associados; 6. Provocar as entidades responsáveis pelas pesquisas oficiais de turismo (ABIH, EMPETUR, INFRAERO, CTI-NE) para geração de informações buscando realizar pesquisas que possam subsidiar os empresários na elaboração de estratégias mercadológicas. 33

34 2. Convention / Incentive 1. Atuar como facilitador junto ao governo para financiar eventos a serem acrescidos no calendário anual do Estado de PE; 2. Construção de calendário anual de eventos por segmento e descentralizado; 3. Programar famtour para organizadores e promotores (nacionais e internacionais) de eventos, tais como: Esportivos Agronegócio Feiras de negócios Eventos técnicos e científicos (nacionais e internacionais) incentivos 34

35 2. Convention / Incentive 4. Ampliar a exploração de eventos fora do eixo técnico-científico; 5. Criar política de apoio e captação para eventos, de acordo com o porte do evento; 6. Assegurar no orçamento recursos específicos para a captação de eventos; 7. Realizar eventos no eixo Rio - São Paulo para apresentar a estrutura (produtos e serviços) de PE para eventos e feiras; 8. Articular junto ao poder público a atualização e profissionalização da infra-estrutura e serviços para eventos; 9. Programar visitas a grandes operadoras de incentive; 10. Criar condições especiais para fomentar a captação de eventos para o 1º semestre; 35

36 2. Convention / Incentive 11. Apoiar a realização de primeiras edições de feiras comerciais e eventos em setores econômicos em desenvolvimento no estado; 12. Desenvolver programa de premiação para organizadores e promotores, semelhante ao programa de bonificação dos agentes de viagens (Ex: Game Show). 36

37 3. Visitors 1. Participar com o poder público do planejamento para segurança pública nas áreas e corredores turísticos; 2. Buscar formas de apoio aos eventos médicos; 3. Desenvolver um material específico dos atrativos a ser entregue aos visitantes (congressistas); 4. Apoiar o desenvolvimento de novos segmentos no mercado de turismo (ex: turismo religioso); 5. Manter o atual padrão de relacionamento político-institucional; 6. Continuar com as ações de sensibilização do incremento de room tax; 37

38 3. Visitors 7. Permanecer apoiando as ações de capacitação de agentes, operadores, empresas receptivas e taxistas; 8. Disponibilizar um profissional voltado exclusivamente para o desenvolvimento e o acompanhamento das ações voltadas para a Copa 2014; 9. Manter a promoção nos mercados consolidados em parceria com o poder público e a iniciativa privada. 38

39 4. Relacionamento 1. Associados Alocar funcionário destinado exclusivamente para relacionamento (captação e manutenção); Envio de newsletter por mês, pessoal e nominal, compilando com SMS, Twitter e Linked In (o assunto deve ser o item mais chamativo – ex: X eventos captados pelo RCVB); Visitas para os associados ou reuniões de segmento: Gerente de captação: 01 reunião bimestral com organizadores, receptivos, prestadores de serviços para eventos e espaços para eventos Gerente de visitors: hotéis, atrativos turísticos, restaurantes e bares e agências de viagens aniversário Organizar o workshop clientes RCVB (1º semestre) Realizar evento motivacional para executivos e proprietários (2º semestre) 39

40 4. Relacionamento 2. Imprensa Desenvolver material diferenciado para Press Kits; Midia training para a diretoria, conselho e gerência (Mônica Silveira); Distribuir presentes de aniversário para os jornalistas; Manter um funcionário interno especializado nesse relacionamento; Organizar jantares/almoços com jornalistas estratégicos; Calendário de ações: Imprensa nacional: mais anúncios nos principais veículos, com apoio dos associados; Fampress com apoio da Secretaria de Turismo e dos associados 40

41 4. Relacionamento 3. Captação de eventos, operadoras e agências Manter atual estratégia de relacionamento 4. Governo e outras entidades Manter atual estratégia de relacionamento Garantir participação nos principais eventos e encontros 5. Sociedade Manutenção do projeto da Charque Amiga 41

42 5. Gestão e Sustentabilidade Financeira 1. Aumentar o valor da room tax até 2012 para R$ 2,00 em pousadas e R$ 3,00 em hotéis; 2. Aumentar em 30% as mensalidades do RCVB até 2012; 3. Contratar um executivo no mercado de SP que realize visitas para comercializar o destino PE e os associados do RCVB para os mercados de visitors e eventos; 4. Definir estratégias de abordagem ao governo (estadual e prefeituras) na obtenção da contrapartida aos valores em prol do turismo e dos seus associados (garantir repasse ao RCVB); 5. Disponibilizar relatórios semestrais na área restrita do site. 42


Carregar ppt "Recife Convention & Visitors Bureau Gravatá Agosto / 2009 1 Workshop de Planejamento Estratégico."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google