A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FAFICA_08_Transporte internacional1 8. TRANSPORTE INTERNACIONAL DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FAFICA_08_Transporte internacional1 8. TRANSPORTE INTERNACIONAL DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística."— Transcrição da apresentação:

1 FAFICA_08_Transporte internacional1 8. TRANSPORTE INTERNACIONAL DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, LUDOVICO, Nelson. Logística Internacional. São Paulo: Saraiva, LUDOVICO, Nelson. Logística Internacional. São Paulo: Saraiva, SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Exterior. São Paulo: Atlas, SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Exterior. São Paulo: Atlas, SOSA, Roosevelt Baldomir. Glossário de Aduana e Comércio Exterior. São Paulo: Aduanas, SOSA, Roosevelt Baldomir. Glossário de Aduana e Comércio Exterior. São Paulo: Aduanas,

2 FAFICA_08_Transporte internacional2 Importância do transporte o

3 FAFICA_08_Transporte internacional3 Importância do transporte o

4 FAFICA_08_Transporte internacional4 Utilização dos modais.

5 Operadores do transporte marítimo Armador = pessoa física ou jurídica que coloca uma embarcação para finalidade comercial. Fretador = armador. Afretador = exportador Empresas de navegação (common carrier) = realizam o transporte de cargas e/ou passageiros. Agente de navegação = pessoa física ou jurídica para representar o armador em um determinado porto ou área geográfica. internacional5

6 Operadores do transporte marítimo Praticagem = prestação de serviços por profissionais habilitados (práticos) que possuem conhecimentos específicos das condições locais – como rochas, rochedos submersos, bancos de areia, marés e correntes de marés etc. Os práticos auxiliam os comandantes dos navios a efetuarem com segurança e sem risco à integridade física das embarcações, as manobras no porto. FAFICA_08_Transporte internacional6

7 Shipping terms Liner (Serviço regular) = escalas programadas e anunciadas com antecedência. Transbordo = permite juntar cargas para diversos tráfegos numa única escala de navio. House to house = a mercadoria é colocada no contêiner nas instalações do exportador e retirada do contêiner (desovada) no pátio do importador. Pier to pier = apenas entre dois terminais marítimos. internacional7

8 Sinistros do modal marítimo O navio panamenho MSC Chitra, que colidiu em 7/8/10 com o navio MV-Khalijia-II, é visto inclinado no mar Arábico, perto de Mumbai, na Índia. internacional8

9 Riscos nos seguros marítimos COBERTOS: Naufrágios, encalhe, abalroação e colisão da embarcação. Naufrágios, encalhe, abalroação e colisão da embarcação. Explosão, incêndio e raio. Explosão, incêndio e raio. Ressacas, tempestades e trombas marinhas. Ressacas, tempestades e trombas marinhas. NÃO COBERTOS: Contrabando, comércio e embarques ilícitos ou proibidos. Contrabando, comércio e embarques ilícitos ou proibidos. Flutuações de preço e perda de mercado. Flutuações de preço e perda de mercado. Influência da temperatura, mofo, outros estragos causados por animais, vermes, insetos ou parasitas. Influência da temperatura, mofo, outros estragos causados por animais, vermes, insetos ou parasitas. Roubo, extravio, quebra, vazamento, contaminação, contato com outra mercadoria. Roubo, extravio, quebra, vazamento, contaminação, contato com outra mercadoria. Incêndio e raio nos armazéns. Pátios, plataformas ou áreas cobertas ou não, dos portos de embarque, baldeação, ou destino da viagem segurada. Incêndio e raio nos armazéns. Pátios, plataformas ou áreas cobertas ou não, dos portos de embarque, baldeação, ou destino da viagem segurada. Arresto, sequestro, detenção, embargo, penhora, apreensão, confisco. Arresto, sequestro, detenção, embargo, penhora, apreensão, confisco. Greves, tumultos, motins ou perturbações de ordem pública. Greves, tumultos, motins ou perturbações de ordem pública. Radioatividade. Radioatividade. internacional9

10 Seguro internacional QUEM CONTRATA? É necessário que a condição de venda ou compra determine quem tem a responsabilidade de arcar com a contratação do seguro, o que geralmente se dá conforme a modalidade ou Incoterm escolhido pelas partes. COMO É CALCULADO? O prêmio é calculado por um percentual sobre o valor da mercadoria e determinado pelo tipo de transporte, natureza da carga, embalagem, quantidade de manuseios, perecibilidade, destino, distância, período de cobertura, entre outros. QUAL O CUSTO DOS MODAIS? O transporte aéreo costuma ter tarifa de seguro cerca de 50% das modalidades marítima e terrestre. VALOR? O seguro representa em média 0,2% do preço FOB dos produtos. internacional10

11 Conhecimento de carga/embarque marítimo (Bill of Lading – BL) Bill = conta, fatura, nota Lading = carregar, despachar mercadoria por via marítima. É um documento comercial referente a um contrato de transporte, celebrado entre os proprietários da carga e o transportador marítimo, ficando este obrigado a conduzir a mercadoria até o destino designado, mediante o pagamento do frete ajustado. internacional11

12 Sobreestadia (Demurrage) Demurrage = taxa paga pela detenção de contêiner. Sobreestadia, multa ou indenização paga pelo afretador ao armador, por ter o primeiro ultrapassado o prazo estipulado num contrato de afretamento por viagem para as operações de carregamento e/ou descarga do navio. A retenção do navio no porto por tempo adicional ao concedido para carregamento ou descarga. Na prática, isso ocorre quando o importador retém o contêiner do armador por tempo além do necessário ao desembaraço e retirada da carga, causando prejuízo. internacional12

13 Principais portos brasileiros. internacional13

14 Características do modal aéreo Ágil. Ágil. Recomendado para mercadorias de alto valor agregado, pequenos volumes e encomendas urgentes. Recomendado para mercadorias de alto valor agregado, pequenos volumes e encomendas urgentes. É competitivo para produtos eletrônicos, como por exemplo, computadores, softwares, telefones celulares, etc., e que precisam de um transporte rápido em função do seu valor, bem como de sua sensibilidade a desvalorizações tecnológicas. É competitivo para produtos eletrônicos, como por exemplo, computadores, softwares, telefones celulares, etc., e que precisam de um transporte rápido em função do seu valor, bem como de sua sensibilidade a desvalorizações tecnológicas. É mais adequado para viagens de longas distâncias e intercontinentais. É mais adequado para viagens de longas distâncias e intercontinentais. internacional14

15 Tipos de navegação aérea INTERNACIONAL – transporte envolvendo aeroportos de diferentes países. NACIONAL – denominado de transporte doméstico ou de cabotagem, que faz a ligação entre aeroportos de um mesmo país. Os dois tipos seguem os mesmos princípios, tanto para as cargas domésticas, quanto às cargas internacionais, e são baseados em normas da IATA (International Air Transport Association) e em acordos e convenções internacionais. internacional15

16 Vantagens do modal aéreo Vantagens do modal aéreo 1. Urgência - Ideal para transporte de mercadorias que precisam de urgência na entrega. 2. Rapidez - por ter sua emissão antecipada, o documento de transporte é obtido com maior rapidez. 3. Proximidade - Os aeroportos normalmente estão localizados próximos dos centros de produção, industrial ou agrícola, já que encontram-se distribuídos por todas as cidades importantes do mundo. 4. Economia (frete, tempo) - Os fretes internos, para colocação de mercadorias nos aeroportos, são menores, e o tempo mais curto, em face da localização dos mesmos. 5. Redução custos com estoque - Possibilidade de redução ou eliminação de estoques pelo exportador, uma vez que é possível aplicar mais agressivamente uma política de just in time, propiciando redução dos custos de capital de giro pelo embarque contínuo, podendo ser até diário ou mais vezes ao dia. internacional16

17 Vantagens do modal aéreo 6. Racionalização de compras - Aplicando o just in time, é possível a racionalização das compras pelos importadores, já que não terão a necessidade de manter estoques pela possibilidade de recebimento diário das mercadorias que necessitam. 7. Utilização das mercadorias mais rapidamente - em relação à produção, principalmente em se tratando de produtos perecíveis, de validade mais curta, de moda, etc. 8. Maior competitividade - do exportador, pois a entrega rápida é um bom argumento de venda. 9. Redução de custo de embalagem - uma vez que não precisa ser tão robusta, pois a mercadoria é menos manipulada. 10. Seguro de transporte aéreo mais baixo - em relação ao marítimo, podendo variar de 30% a 50% na média geral, dependendo da mercadoria. internacional17

18 Desvantagens do modal aéreo 1. Frete internacional alto - em relação aos demais modais. 2. Capacidade de carga menor - que os modais marítimo e ferroviário. 3. Impossibilidade de transporte de carga a granel. 4. Impossibilidade de absorção do alto valor das tarifas aéreas por produtos de baixo custo unitário, como por exemplo, matéria-prima, produtos semifaturados e alguns manufaturados. 5. Proibição para artigos perigosos - existência de severas restrições quanto ao transporte de produtos inflamáveis, tóxicos etc. internacional18

19 Reguladores do modal aéreo 1. IATA – International Air Transport Association – Associação de Transporte Aéreo Internacional - Regula o transporte aéreo, e ao qual as empresas transportadoras e os agentes de carga são filiados. FUNÇÕES básicas: 1 - defender os interesses de seus representados; 2 - garantir segurança na prestação de serviços aéreos; 3 - estimular a colaboração entre as empresas de aviação civil; 4 - prestar orientação quanto à construção e modernização de aeroportos; 5 - tornar viável as rotas aéreas, garantindo a realização de um transporte aéreo regular no âmbito internacional; 6 - estabelecer tarifas de fretes uniformes entre as companhias associadas. Os agentes de carga, credenciados pela IATA, fazem a intermediação entre as companhias aéreas e os usuários, prestando informações sobre vôos, fretes e disponibilidade de espaços nas aeronaves. 2. Ministério da Aeronáutica 3. Departamento de Aviação Civil- DAC 4. INFRAERO – Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária internacional19

20 Tipos de aeronaves de cargas 1. All Cargo ou Full Cargo: uso exclusivo para transporte de carga, pois apresenta uma capacidade maior de transporte de mercadorias, utilizando o deck superior e inferior. (cargo = carga, frete). 2. Combi: transporte misto. Utilizadas para transporte conjunto de passageiros e cargas, podendo ser tanto no andar inferior quanto no superior. 3. Full Pax: avião de passageiros. O deck superior é utilizado exclusivamente para transporte de passageiros, e o inferior destinado ao transporte de bagagem. Na eventual sobra de espaço é preenchido com carga. (pax = passageiro) internacional20

21 Cargas transportadas no aéreo Todos os tipos de carga podem ser transportadas pelo modal aéreo, mas não podem oferecer risco à aeronave, passageiros, aos operadores, a quaisquer outros envolvidos e às outras cargas transportadas. Podem ser transportados animais vivos, cargas comuns secas, congeladas, armamentos, enfim, qualquer carga, porém as restrições às cargas perigosas são muito intensas. internacional21

22 Tipos de Conhecimento de Embarque Aéreo Tipos de Conhecimento de Embarque Aéreo - AWB (Air Waybill): trata-se de um Conhecimento da companhia aérea, emitido diretamente por ela ou por seu agente para o exportador, em caso de cargas não consolidadas. - MAWB (Master Air Waybill): é o documento emitido para a companhia aérea em casos de cargas consolidadas pelo agente. Representa a totalidade da carga entregue por diversos embarcadores e consolidadas em um único embarque. - HAWB (House Air Waybill): trata-se do Conhecimento de Embarque emitido pelo agente de cargas e entregue a cada embarcador, correspondente a uma parte ou fração da carga total consolidada no MAWB. internacional22

23 Finalidades do Conhecimento de Embarque Aéreo 1. Provar que a carga foi entregue pelo embarcador ao transportador, servindo como um recibo de entrega da mercadoria. 2. Evidenciar a existência de um contrato de transporte entre o usuário e o transportador. 3. Servir como fatura de frete, contendo dados da mercadoria, descrição do vôo, tipos de tarifa e cálculo de seu valor. 4. Servir como certificado de seguro, nos casos em que a mercadoria é segurada através da companhia aérea. internacional23

24 Vias originais do Conhecimento Aéreo 1. O primeiro original fica com o transportador; 2. O segundo acompanha a mercadoria durante o transporte e é entregue ao destinatário (importador), no destino final; 3. O terceiro é dado ao expedidor (exportador), comprovando o embarque da mercadoria. internacional24

25 Tarifas de Frete aéreo Frete ou tarifa aérea é o preço por quilo que as companhias cobram dos usuários pelos serviços de transporte prestados. Nenhuma companhia aérea tem liberdade para fixar tarifas individualmente, pois as mesmas são estabelecidas conjuntamente pelas empresas, com fiscalização e controle da IATA ( International Air Transport Association). Alguns fatores influenciam na formação das tarifas, como: oferta e demanda existentes; situação econômica das diferentes regiões; características das mercadorias a serem transportadas (peso, volume e valor); distâncias a serem percorridas, etc. internacional25

26 Cálculo do frete aéreo O cálculo de frete aéreo é baseado na relação peso/volume das mercadorias. A regra básica é de que os fretes serão cobrados por PESO, desde que o volume não exceda o limite de 6 vezes o peso da carga. Por exemplo, gramas podem ocupar o espaço de, no máximo, cm3. Portanto, para a aplicação da tarifa correspondente, é necessário determinar o "peso cubado" da mercadoria, que é obtido dividindo-se o seu volume por 0,006. internacional26

27 Tarifas mais baixas com a consolidação de cargas É possível a aplicação de fretes mais baixos com a consolidação de cargas, o que se torna uma vantagem para o embarcador e para o agente de cargas. A margem obtida pelo agente, neste caso, provém da diferença entre a tarifa paga à companhia aérea para o transporte das mercadorias consolidadas e a soma de todos os fretes recebidos de cada embarcador. internacional27

28 Tarifa GERAL do modal aéreo Tarifa geral de carga é a tarifa aplicada a expedições que não contenham valiosas e que não estejam enquadradas na tarifa específica ou na tarifa classificada. É aplicada de forma escalonada segundo faixas de peso, levando-se em consideração o "peso cubado: até 45 kg; até 45 kg; de 45 k a 100 kg; de 45 k a 100 kg; de 100 kg a 300 kg; de 100 kg a 300 kg; de 300 kg a 500 kg e de 300 kg a 500 kg e acima de 500 kg acima de 500 kg internacional28

29 Tarifa MÍNIMA do modal aéreo Tarifa mínima é aplicada a pequenos volumes, que não atingem um determinado valor de frete a partir do seu cálculo por peso. Essa tarifa varia em função da área a que se destina a carga. internacional29

30 Tarifa CLASSIFICADA do aéreo Tarifa classificada – aplicada a poucas mercadorias, dentro de certas áreas determinadas. É expressa através de porcentagem de aumento ou redução das tarifas de carga: ad valorem (animais vivos, pintos de menos de 3 dias, carga valiosa, restos humanos, etc); ad valorem (animais vivos, pintos de menos de 3 dias, carga valiosa, restos humanos, etc); redução (bagagem desacompanhada composta apenas de roupas e objetos de uso pessoal, produtos culturais, aparelhos médicos). redução (bagagem desacompanhada composta apenas de roupas e objetos de uso pessoal, produtos culturais, aparelhos médicos). de sobretaxa (para cargas que apresentem dificuldade para manipulação, como cargas de medidas extraordinárias ou volumes de peso excessivo). de sobretaxa (para cargas que apresentem dificuldade para manipulação, como cargas de medidas extraordinárias ou volumes de peso excessivo). internacional30

31 Crises e desafios do transporte aéreo 1. Consequencias do 11 de setembro (ação 11 de setembro (ação terrorista nos EUA): Necessidade de ações globalizadas preventivas; Custos crescentes com dispositivos e procedimentos de segurança; Alterações de rotas aéreas, etapas de vôo e logísticas de abastecimento das aeronaves. internacional31

32 Crises e desafios do transporte aéreo 2. Crescimento do número de passageiros aéreos, necessitando de ampliação da estrutura (aeroportos, aviões, pessoas etc.). 3. O avião passou a representar o grande símbolo de mobilidade, liberdade e encurtamento das distâncias e barreiras geográficas. internacional32

33 Crises e desafios do aéreo 4. Busca de alianças, acordos e parcerias para superar dificuldades, visando: Racionalização de sistemas operacionais para evitar a capacidade ociosa e eliminar a superposição de linhas e frequências; Racionalização de sistemas operacionais para evitar a capacidade ociosa e eliminar a superposição de linhas e frequências; Redução de custos administrativos, de operação e manutenção, por meio da padronização de sistemas de gestão, equipamentos de vôo e apoio de terra; Redução de custos administrativos, de operação e manutenção, por meio da padronização de sistemas de gestão, equipamentos de vôo e apoio de terra; Maior fluidez no intercâmbio de conhecimento e transferência de tecnologia; Maior fluidez no intercâmbio de conhecimento e transferência de tecnologia; Criação de novos serviços e vantagens para o cliente; Criação de novos serviços e vantagens para o cliente; Maior capacidade de apresentar respostas criativas às exigências de qualidade, rapidez e conveniência. Maior capacidade de apresentar respostas criativas às exigências de qualidade, rapidez e conveniência. internacional33

34 Sistema aeroportuário brasileiro A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO) administra os 65 principais aeroportos brasileiros e 83 estações de apoio à navegação aérea, agrupados em sete superintendências regionais, com Sede nos Aeroportos Internacionais de Belém, Brasília, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Os aeroportos do interior tem uma importância estratégica para o desenvolvimento regional e a integração nacional. Apenas 129 municípios brasileiros são contemplados com linhas aéreas regulares. internacional34

35 Crescimento do tráfego aéreo A tendência do tráfego aéreo mundial é ser cada vez mais congestionado, apesar das crises momentâneas do setor. A demanda de vôos cresceu consideravelmente nos últimos anos. Tem havido grande crescimento do transporte aéreo de passageiros e de cargas. internacional35

36 Crescimento do tráfego aéreo O crescimento da demanda por transporte aéreo tem uma relação forte com o crescimento do PIB, tanto em âmbito internacional como em âmbito nacional. A ICAO (International Civil Aviation Organization) prevê que o tráfego aéreo médio mundial crescerá em média 4,5% ao ano. internacional36

37 Segurança e confiabilidade em sistemas de controle de tráfego aéreo O sistema atual de transporte aéreo suportará tal aumento? Mantido o índice atual de segurança em transporte aéreo, o aumento no número de acidentes será proporcional ao crescimento do tráfego. Assim, é preciso que haja investimentos na segurança e na confiabilidade dos futuros sistemas. Está em implantação pelo sistema aeroportuário mundial novos conceitos de operação do tráfego aéreo, utilizando os avanços tecnológicos em diversas áreas. internacional37

38 Principais benefícios dos planos 1. Comunicação Digital de Dados: as aeronaves passarão a fazer parte de uma rede mundial de comunicação de dados, podendo enviar e receber informações que outrora só poderiam trafegar pelos canais de voz. 2. Navegação Global de Precisão: em qualquer ponto do globo terrestre as aeronaves contarão com sistemas de posicionamento e vigilância que poderão informar com precisão suas posições geográficas. 3. Gerenciamento Unificado: o gerenciamento unificado do tráfego aéreo será apoiado em sistemas que permitam aos órgãos de gerenciamento utilizar informações detalhadas, confiáveis e de tempo real, bem como ferramentas computacionais de automação e suporte à decisão. internacional38

39 Local de pagamento dos fretes para qualquer modal Frete pré-pago (freight prepaid) - Pagos na origem. Deve ser pago para a retirada do conhecimento de embarque. Frete a pagar (freight collect) - Pagos no destino. Na verdade o pagamento do frete pode ser feito em qualquer lugar. Esta modalidade não é permitida para: restos humanos, amostras, mercadorias perecíveis, animais vivos, mercadoria com frete maior que seu valor e quando o destinatário é o próprio embarcador da mercadoria. internacional39


Carregar ppt "FAFICA_08_Transporte internacional1 8. TRANSPORTE INTERNACIONAL DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google