A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CULTURA E TESTE DE SENSIBILIDADE: TRADIÇÃO X AUTOMAÇÃO III Encontro Nacional de Tuberculose Salvador, 18 a 21 de junho de 2008 Maria Alice da Silva Telles.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CULTURA E TESTE DE SENSIBILIDADE: TRADIÇÃO X AUTOMAÇÃO III Encontro Nacional de Tuberculose Salvador, 18 a 21 de junho de 2008 Maria Alice da Silva Telles."— Transcrição da apresentação:

1 CULTURA E TESTE DE SENSIBILIDADE: TRADIÇÃO X AUTOMAÇÃO III Encontro Nacional de Tuberculose Salvador, 18 a 21 de junho de 2008 Maria Alice da Silva Telles

2 PROFICIÊNCIA Teste de sensibilidade

3 PROFICIÊNCIA DA EQUIPE Cultura de micobactérias e identificação Critérios de resistência PADRONIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS A padronização é difícil e os procedimentos são complexos FATORES QUE PODEM INFLUIR NO RESULTADO DO TESTE

4 POTÊNCIA E ESTABILIDADE DA DROGA Cálculo da potência Condições de armazenamento Diluição correta Inativação pelo calor (coagulação) Prazo de validade ATIVIDADE DA DROGA Alteração da atividade de determinadas drogas quando incorporada em diferentes meios de cultura FATORES QUE PODEM INFLUIR NO RESULTADO DO TESTE

5 TIPO DO MEIO DE CULTURA (sólido, líquido) pH do meio Metodologia usada para o teste Padronização do inóculo QUALIDADE DA CULTURA ORIGINAL Crescimento,idade da cultura, meio de cultura LEITURA E RELATO DOS RESULTADOS Tempo de incubação Leitura – contagem das colônias interpretação dos resultados – critério de resistência FATORES QUE PODEM INFLUIR NO RESULTADO DO TESTE

6 Teste de sensibilidade Tradicional e automatizado

7 MÉTODOS CONVENCIONAIS LOWENSTEIN JENSEN (LJ) LIMITAÇÕES PREPARO DO MEIO LJ, DAS SOLUÇÕES ESTOQUE DE DROGAS DILUIÇÕES DA DROGA PARA INCORPORAÇÃO NO MEIO LJ COAGULAÇÃO DO MEIO COM AS DROGAS - POTÊNCIA DA DROGA

8 MÉTODOS CONVENCIONAIS LOWENSTEIN JENSEN (LJ) LIMITAÇÕES LEITURA – INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS POR TÉCNICO EXPERIENTE (SUBJETIVO) MÉTODO DAS PROPORÇÕES –NECESSIDADE DE FRASCOS GRANDES E SEMEADURA DE DUAS DILUIÇÕES PARA CONTAGEM DAS COLÔNIAS O QUE limita a capacidade resolutiva do laboratório (limita o número de testes realizados por mês) TEMPO DE INCUBAÇÃO: 28 e 42 dias

9 MÉTODO AUTOMATIZADO Princípio – Baseado no método das proporções Monitoramento contínuo do crescimento Redução do tempo do exame TEMPO DE INCUBAÇÃO - 5 A 12 DIAS (SIRE) E 7 A 21 DIAS (PZA) LISTAGEM COM INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Controle maior dos fatores que influenciam a qualidade do teste

10 MÉTODO AUTOMATIZADO VANTAGENS CONTROLE DE QUALIDADE DOS MEIOS, DAS DROGAS E DO ENRIQUECIMENTO A DROGA É LIOFILIZADA NA QUANTIDADE ADEQUADA PARA UM LOTE DE 40 TESTES A DILUIÇÃO DAS DROGAS É FEITA COM ÁGUA DESTILADA NO MOMENTO DO USO - PADRONIZADA

11 Validação do método automatizado no Brasil Giampaglia CMS, Martins MC, Vieira GBO, Vinhas AS, Telles MAS, Palaci M, Marsico AG, Hadad DJ, Mello FCQ, Fonseca LS, Kritski A. Multicentre evaluation of an automated BACTEC 960 system for susceptibility testing of Mycobacterium tuberculosis. Int J Tuberc Lung Dis 11(9): , 2007.

12 VALIDAÇÃO DO MÉTODO BACTEC MGIT960 NO BRASIL ESTUDO COMPARATIVO EM 3 LABORATÓRIOS USANDO AS MESMAS CEPAS EM ESQUEMA TRIPLO CEGO INSTITUTO ADOLFO LUTZ – SÃO PAULO RAZÃO DA RESISTÊNCIA x MGIT 960 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO BACTEC 460 x MGIT 960 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO MÉTODO DAS PROPORÇÕES x MGIT 960

13 VALIDAÇÃO DO MÉTODO BACTEC MGIT960 NO BRASIL Comparação dos resultados das cepas Sensíveis e Resistentes (Método PADRÃO* e MGIT960) * MÉTODO USADO NOS LABORATÓRIOS ONDE FORAM REALIZADOS OS ESTUDOS

14 INCUBAÇÃO DOS TESTES NO EQUIPAMENTO Leitura única do código de barras para o conjunto de tubos do TS

15 REMOÇÃO DO TESTE FINALIZADO + ! O SISTEMA INDICA QUE O TESTE FOI FINALIZADO TS FINALIZADO SEM ERRO TS FINALIZADO DETECÇÃO ERRO

16 EMISSÃO DE RELATÓRIO COM INTERPRETAÇÃO RESULTADOS (SENSÍVEL-S, RESISTENTE-R, ERRO) E200

17 TEMPO DE LIBERAÇÃO DOS RESULTADOS DOS TESTES DE SENSIBILIDADE PARA M. tuberculosis LABORATÓRIO DE MICOBACTÉRIAS DO INSTITUTO ADOLFO LUTZ 2004 E 2005 % N 0 DE CEPAS COM RESULTADOS LIBERADOS TEMPO EM DIAS DESDE O RECEBIMENTO ATÉ A LIBERAÇÃO DO RESULTADO

18 CULTURA

19 MÉTODOS CONVENCIONAIS LOWENSTEIN JENSEN (LJ) VANTAGENS CUSTO BAIXO – MAIS ACESSÍVEL – R$ 5,00 Menos contaminação Visualização do aspecto da colônia

20 MÉTODO AUTOMATIZADO diferencial Redução do tempo Redução do tempo Maior positividade – incremento de 20 a 30% Maior positividade – incremento de 20 a 30% +

21 MÉTODO AUTOMATIZADO LIMITAÇÕES CUSTO DO MEIO É ALTO Cultura meio líquido manual – R$ 13 a 15,00 Cultura automatizada – R$ 19 a 25,00 MEIO LÍQUIDO: POSSÍVEL CONTAMINAÇÃO MAIOR Não visualiza a colônia

22 CUSTO EFETIVIDADE

23 CUSTO (efetividade??) Custo envolve : Custo envolve : Infra-estrutura do laboratório (água, luz, equipamentos, limpeza, biossegurança, etc) Infra-estrutura do laboratório (água, luz, equipamentos, limpeza, biossegurança, etc) Horas de trabalho (salário) Horas de trabalho (salário) Categoria profissional (salário) Categoria profissional (salário) Material do teste Material do teste Efetividade envolve: Efetividade envolve: Agilidade do resultado Agilidade do resultado Introdução da terapia correta o mais cedo possível Introdução da terapia correta o mais cedo possível Redução de transmissão Redução de transmissão Redução de resistência (transmissão de resistência) Redução de resistência (transmissão de resistência) Redução de tempo de internação Redução de tempo de internação Agilização da cura Agilização da cura Evitar a morte Evitar a morte

24 CUSTOS Meio sólido Meio sólido Cultura - R$ 5,00Cultura - R$ 5,00 Teste de sensibilidadeTeste de sensibilidade R$ 60,00 Meio líquido Meio líquido Cultura manualCultura manual R$ 13,00 – 15,00 AutomatizadaAutomatizada R$ 19,00 – 25,00 TS automatizadoTS automatizado R$ 200,00

25 TEMPO SÓLIDO SÓLIDO CULTURA CULTURA 15 a 60 dias 15 a 60 dias TS TS 30 a 42 dias 30 a 42 dias AUTOMATIZADO AUTOMATIZADO CULTURA 8 a 42 dias TS 5 a 13 dias

26 TB or not TB??? Fator corda – baciloscopia Fator corda – baciloscopia + indicativo de TB + indicativo de TB atípico indicativo de MNT atípico indicativo de MNT PNB – ácido p-nitrobenzóico PNB – ácido p-nitrobenzóico negativo TB negativo TB positivoMNT positivoMNT Monteiro PHT, Martins MC, Ueki SMY, Giampaglia CMS, Telles MAS.Cord formation and colony morphology for the presumptive identification of Mycobacterium tuberculosis complex. Brazilian Journal of Microbiology (2003) 34:

27 Publicações Giampaglia CMS, Martins MC, Inumaru VTG, Butuem IV, Telles MAS. Evaluation of a rapid differentiation test for the Mycobacterium tuberculosis complex by selective inhibition with – nitrobenzoic acid and thiophene-2-carboxylic acid hydrazide. Int J Tuberc Lung Dis 9(2):206–209, Giampaglia CMS, Martins MC,Chimara E, Oliveira RS, Vieira GBO, Marsico AG, Mello FCQ, Fonseca LS, Kritski A, Telles MAS. Differentiation of Mycobacterium tuberculosis from other mycobacteria with –nitrobenzoic acid using MGIT960. Int J Tuberc Lung Dis 11(7): , 2007.


Carregar ppt "CULTURA E TESTE DE SENSIBILIDADE: TRADIÇÃO X AUTOMAÇÃO III Encontro Nacional de Tuberculose Salvador, 18 a 21 de junho de 2008 Maria Alice da Silva Telles."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google