A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O SENSO COMUM NA POLÍTICA Cleber Benvegnú. SENSO COMUM: CONCEITO E FORMAÇÃO Formação intelectual média Formação intelectual média Antítese do conhecimento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O SENSO COMUM NA POLÍTICA Cleber Benvegnú. SENSO COMUM: CONCEITO E FORMAÇÃO Formação intelectual média Formação intelectual média Antítese do conhecimento."— Transcrição da apresentação:

1 O SENSO COMUM NA POLÍTICA Cleber Benvegnú

2 SENSO COMUM: CONCEITO E FORMAÇÃO Formação intelectual média Formação intelectual média Antítese do conhecimento filosófico Antítese do conhecimento filosófico Só acreditam nos olhos ou não acreditam nos olhos Só acreditam nos olhos ou não acreditam nos olhos Vítimas dos vetores de formação da consciência Vítimas dos vetores de formação da consciência Ideias desencadeadas Ideias desencadeadas

3 A DOMINAÇÃO CULTURAL ESQUERDISTA: DE MARX A GRAMSCI

4 KARL MARX ( ) KARL MARX ( ) Luta de classes Luta de classes Propriedade dos bens de produção pelo Estado Propriedade dos bens de produção pelo Estado Ditadura do proletariado: tomada do poder pela força Ditadura do proletariado: tomada do poder pela força

5 A DOMINAÇÃO CULTURAL ESQUERDISTA: DE MARX A GRAMSCI ANTÔNIO GRAMSCI ( ) Cadernos do Cárcere – Contribuição inédita ao Marxismo: transição ao invés de ruptura e violência Nova concepção para as sociedades de tipo ocidental (sociedade forte) Guerra de movimento (MARX) e guerra de posição (GRAMSCI): cupins No Brasil, chegam em 1968

6 CONCEITOS GRAMSCIANOS SOCIEDADE CIVIL Arena de LUTA de classes Ambiente não-estatal, onde os grupos se organizam em aparelhos privados de hegemonia política e cultural (COLETIVOS) Direção política e cultural: ocupação de espaços Formação de consensos: identidade coletiva (espiral do silêncio) Destruir a sociedade ocidental por dentro

7 CONCEITOS GRAMSCIANOS PARTIDO Partido único da classe Dá direção do processo revolucionário INTERNACIONAL E NACIONALISMO Ponto de partida é nacional A partir daí, se irradia para outros países Ideia de transição ao invés de revolução permanente

8 CONCEITOS GRAMSCIANOS LUTA DE CLASSES Capital X trabalho: ideia de opressão Só há pobre porque há rico Sociedade sem classes: eliminação da burguesia HEGEMONIA LIBERDADE Ser, agir e pensar: no COLETIVO Liberdade individual limitada à coletiva Opções livres apenas no âmbito do COLETIVO

9 CONCEITOS GRAMSCIANOS DEMOCRACIA Burguesia é o não-povo: DEMOCRACIA RADICAL ou RADICALISMO DEMOCRÁTICO Não há distribuição equitativa do poder: há uma hegemonia classista Uso das franquias do regime democrático Pluralismo das esquerdas

10 CONCEITOS GRAMSCIANOS INTELECTUAL ORGÂNICO Membros de grupo social de natureza econômico-corporativa Oradores eloquentes, eletrizador de multidões Influencia e conscientiza a sociedade Pressão sobre os intelectuais tradicionais Apropriação de termos gramaticais: LUTA, PROGRESSISTA, POVO, POPULAR, DIREITOS HUMANOS, INCLUSÃO SOCIAL

11 CONCEITOS GRAMSCIANOS HEGEMONIA 1) COLETIVOS SOCIAIS SOBRE SOCIEDADE 2) SOCIEDADE CONQUISTADA SOBRE SOCIEDADE POLÍTICA 3) ESTADO (PARTIDO) SOBRE TODO O PROCESSO REVOLUCIONÁRIO

12 CONCEITOS GRAMSCIANOS REFORMA INTELECTUAL Cultura popular deve ser agente do processo Substituição do senso comum Reforma cultural e moral completa Destruição das bases judaico-cristãs

13 ESTRATÉGIA GRAMSCIANA 1ª FASE) ECONÔMICO-CORPORATIVA: abrir espaço para ação revolucionária através da organização do partido e da ampliação das franquias democráticas 2ª FASE) SOCIAL: classes subalternas tomam consciência – consenso – da sociedade civil 3ª FASE) ESTATAL: tomada do poder e implantação do socialismo

14 LOCALIZAÇÃO INTELECTUAL 1. GRUPO MILITANTE: adere conscientemente 2. GRUPO CONTRA-MILITANTE: NÃO ADERE - conscientemente 3. GRUPO DA CONVENIÊNCIA: adere para não se incomodar e pode voltar 4. GRUPO EREMITA: não adere, mas não questiona coisa alguma 5. GRUPO VULNERÁVEL: adere e não consegue se posicionar diante dos conflitos existenciais

15 ALGUMAS AMOSTRAS BRASILEIRAS Tomadas do sindicato Hegemonia da esquerda: esquerda X esquerda na eleição presidencial Ideologização generalizada Saber integral: Paulo Freire Simplismo Igreja: Leonardo Boff

16 ALGUMAS AMOSTRAS BRASILEIRAS Leitura crítica da história A estratégia da mentira Supervalorização das diferenças Antiamericanismo Preconceito anticristão Politicamente correto

17 ALGUMAS AMOSTRAS BRASILEIRAS

18 Teste do Enem 2007: Teste do Enem 2007: Considere-se que cada tonelada de cana-de-açúcar permita a produção de 100 litros de álcool combustível, vendido nos postos de abastecimento a R$ 1,20 o litro. Para que um corta-cana pudesse, com o que ganha nessa atividade, comprar o álcool produzido a partir das oito toneladas de cana resultantes de um dia de trabalho, ele teria de trabalhar durante A - 3 dias. B - 18 dias. C - 30 dias. D - 48 dias. E - 60 dias.

19 ALGUMAS AMOSTRAS BRASILEIRAS Vestibular UFPE 2007 (extravestibular): Vestibular UFPE 2007 (extravestibular): Aponte os exemplos de homens éticos com visão filosófica engajada (para além da hipocrisia): A) Bush, Olavo de Carvalho, Editora Abril, Inocêncio de Oliveira e Roberto Marinho. B) Dalai Lama, Gandhi, Marina da Silva, Frei Beto e Dom Helder. C) FHC, Marco Maciel, ACM, Ratinho e Reginaldo Rossi. D) Leonardo Boff, Irmã Dulce, Ariano Suassuna, Betinho e Zilda Arns. E) Dalai Lama, Gandhi, ACM, Frei Beto e Leonardo Boff.

20 ALGUMAS AMOSTRAS BRASILEIRAS Campanha da Fraternidade 2011 "Eu sonho ver um mundo mais humano, sem tanto lucro e muito mais partilha!" - Hino da CF "nossa mãe terra". "O interesse de quem comanda este mercado [agronegócio] é o lucro, não a disponibilização de alimentos para todas as pessoas". "é necessária a diminuiçao do consumo das elites mundiais para suprir as necessidades dos mais empobrecidos". "uma nova proposta de organização da vida em nível pessoal e social, pautada na inclusão". Critica a lógica da "gastança capitalista". E da gastança socialista- estatista, nada falam. China comunista é o país que mais destrói a natureza. Sustentabilidade não é conceito ideológico.

21 CONCLUSÃO LINGUAGEM FILOSÓFICA: DEMOVER AS BARREIRAS DO SENSO COMUM

22 Meus contatos: pessoal: Profissional:


Carregar ppt "O SENSO COMUM NA POLÍTICA Cleber Benvegnú. SENSO COMUM: CONCEITO E FORMAÇÃO Formação intelectual média Formação intelectual média Antítese do conhecimento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google